Prosa Cotidiana: subnotificação de casos de Covid-19, pedagogia do terror e perdoemos Fulgêncio

 Prosa Cotidiana: subnotificação de casos de Covid-19, pedagogia do terror e perdoemos Fulgêncio
Redação Paraíba Já 


Quando a gente tem um bem querer enorme por alguém, é instintivo: queremos protegê-lo de todo e qualquer mal. A matemática assustadora que o secretário de Saúde de João Pessoa, Adalberto Fulgêncio, afirmou em áudio viralizado nas redes sociais ao longo desta segunda (6), foi uma tentativa de ilustrar para a população a importância de se ficar em casa, enquanto existir essa pandemia.


Por isso, perdoemos. Como ele bem disse, sobre as estatísticas de coronavírus no Estado, ele está bem pessimista e prefere pecar pelo excesso.

E é sobre este assunto que o podcast do Paraíba Já debate em seu 11º episódio. Edilane Ferreira também repercutiu os dados com o secretário de Saúde do Estado, Geraldo Medeiros, que garantiu também que ainda esta semana vai enviar para os municípios testes rápidos. Olha aí, Adalberto!


Wallber Virgulino publica fake news sobre EPIs na PB e governo Bolsonaro é quem tem enviado poucos itens

 
Parlamentar culpou erroneamente o Governo do Estado por pequena distribuição de itens para enfrentamento ao Covid-19; gestão estadual sequer tem relação com o rateio
Redação Paraíba Já Redação Paraíba Já6 de abril de 2020 às 22:58 3 minutos de leitura
(Foto: Arte/Paraíba Já)

O deputado estadual Wallber Virgulino (Patriota) publicou em suas redes sociais nos últimos dias algumas ‘fake news’ com relação aos kits de proteção no enfrentamento ao novo coronavírus (Covid-19), enviados para as cidades de Pombal e Santa Rita. De acordo com o parlamentar, os kits foram distribuídos pelo Governo do Estado, porém, os equipamentos foram destinados pelo Governo Federal – do presidente Jair Bolsonaro, de quem o deputado é ferrenho defensor – e as distribuições foram definidas pelos conselhos municipais de Saúde.

A primeira publicação foi feita dia 3 de abril e diz respeito a kits entregues ao município de Pombal. Nela, Wallber questiona o Governo do Estado pela quantidade de material.

A segunda intervenção nas redes sociais aconteceu nesta segunda-feira (6), onde o parlamentar inicia o texto afirmando que não é ‘fake news’ – fazendo relação com a publicação de dias atrás – e reafirma que os materiais, em pouca quantidade, foram entregues pelo Governo do Estado.

Porém, o material recebido vem do Ministério da Saúde, e quem rateou no estado foi o Conselho de Secretarias Municipais de Saúde da Paraíba (Cosems-PB), de acordo com itens que sua equipe interna qualificou. O Governo do Estado sequer tem relação com a distribuição dos itens no âmbito local.

Paraibaja.com.br

 


China ameaça corte no comércio se bolsonaristas insistirem em hostilidades

 

 China ameaça corte no comércio se bolsonaristas insistirem em hostilidades
Publicado por: Gerlane Neto em 06/04/2020 às 09:58

Não adianta ficar atiçando um país que só quer o bem do Brasil”. A declaração é do chefe da Câmara de Comércio e Indústria Brasil China, Charles Andrew Tang, que se diz preocupado com a sucessão de atritos na relação entre os dois países em meio à pandemia do novo coronavírus, causados por comentários de pessoas próximas ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Na avaliação do empresário, “esse acúmulo de feridas realmente pode levar a decisões mais sérias por parte do governo chinês”.

A Embaixada da China também deixou claro seu descontentamento e, em recado ao governo brasileiro, citou em nota hoje haver “influências negativas no desenvolvimento saudável das relações bilaterais”. O país asiático é o maior parceiro comercial do Brasil no mundo.

Em relação à soja, por exemplo, o papel da China é fundamental. Somente no ano passado, o país comprou quase 80% de toda a produção da commodity produzida em solo brasileiro. O mesmo ocorre com o frango e a carne suína. Uma eventual retração de investimentos atingiria em cheio o agronegócio, um dos segmentos que mais apoiam Bolsonaro.

O motivo mais recente para indignação chinesa foram os ataques ofensivos do ministro da Educação, Abraham Weintraub. No último sábado, em postagem no Twitter (que ele apagou depois), o auxiliar do presidente usou o personagem Cebolinha, da Turma da Mônica, para ironizar a China, onde teve início o alastramento do coronavírus.

A mensagem em tom de deboche insinuava que a crise mundial beneficiava o país asiático. A acusação, que não foi acompanhada de provas, causou “forte indignação e repúdio” na diplomacia chinesa, segundo nota da embaixada.

Polemicaparaiba.combr

 


Geraldo Medeiros rebate Adalberto Fulgêncio sobre notificações de covid-19:

 Geraldo Medeiros rebate Adalberto Fulgêncio sobre notificações de covid-19: "trabalhamos com dados científicos e não com empirismo"
Segundo ele, o estado não tem subnotificação nos casos de Coronavírus, conforme insinuou Fulgêncio.

Ainda segundo ele, o estado não tem subnotificação nos casos de Coronavírus, conforme insinuou Fulgêncio. (Foto: reprodução)
Em meio as declarações do secretário de Saúde de João Pessoa, Adalberto Fulgêncio de que o número de casos de coronavírus pode ser multiplicado por 10 na Paraíba, o secretário de Saúde, Geraldo Medeiros criticou tal afirmação durante entrevista ao Programa Arapuan Verdade do Sistema Arapuan de Comunicação, desta segunda-feira (6).

O gestor explicou que o Estado trabalha com evidências científicas e não com empirismo. "É muito importante que a população confie nas informações das autoridades sanitárias. Estamos trabalhando dentro de critérios científicos. Essa declaração é muito ruim, principalmente diante o momento em que estamos."

Ainda segundo ele, o estado não tem subnotificação nos casos de Coronavírus, conforme insinuou Fulgêncio. ‘Todos os dados que estamos apresentando sobre essa doença são reais. Apenas os exames estavam sendo realizados em Belém do Pará, mas o governo já iniciou os testes a duas semanas com testes por dia no Lacem para esclarecer todos os casos descartados e confirmados, além de 13 mortes que estão sendo investigadas de suspeita de covid-19", garantiu o secretário.

O secretário de Estado da Saúde, Geraldo Medeiros anunciou nesta segunda-feira (6) que o Governo do Estado adquiriu 200 mil testes rápidos e que esse material está chega na próxima semana.

Clickpb.com.br

 


Mortos com o novo Coronavírus na Paraíba devem ser enterrados com caixão lacrado e sem velório, determina Agevisa

 

Funeral de vítima do novo coronavírus no Reino Unido. Foto: Reprodução/Daily Mail

Portal WSCOM


A Agência Estadual de Vigilância Sanitária (Agevisa) emitiu Nota Técnica determinando os cuidados a serem adotados nos casos de óbito (no território paraibano) de pessoas com infecção suspeita ou confirmada pelo novo coronavírus. Assinado pela diretora-geral Jória Viana Guerreiro, o documento foi motivado pelo risco contínuo de transmissão infecciosa por contato após o óbito por coronavírus, embora tal possibilidade de contágio seja geralmente menor do que para pacientes ainda vivos. Disponível no endereço agevisa.pb.gov.br/legislacao, a NT nº 02/2020-Agevisa/PB determina que os princípios das precauções padrão de controle de infecção e precauções baseadas na transmissão devem continuar sendo aplicados no manuseio do corpo e durante o sepultamento.

Leia mais: Paraíba investiga 15 mortes por Covid-19; casos chegam a 36 e 23 estão em UTIs

Tomando por base a Nota Técnica nº 04/2020, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a Agevisa/PB determinou que, após a confirmação do falecimento de pessoa infectada ou suspeita de infecção por Covid-19, o cadáver deverá ser transferido do leito, sala ou espaço de isolamento, para o necrotério no menor tempo possível, sendo permitida somente a presença de profissionais estritamente necessários e devidamente protegidos por equipamentos de proteção individual, tais como gorro, óculos de proteção ou protetor facial, máscara cirúrgica, avental impermeável e luvas. Se for necessário realizar procedimentos que geram aerossol como extubação, deve-se usar máscara N95, PFF2 ou equivalente.

Todo o material removido do corpo (tubos, drenos, cateteres etc.) deve ser descartado imediatamente, mediante acondicionamento em recipientes rígidos, à prova de perfuração e vazamento, e com o símbolo de “resíduo infectante”, sendo obrigatória a desinfecção e o bloqueio dos orifícios de drenagem de feridas e punção de cateter com cobertura impermeável; a limpeza (com a utilização de compressas) das secreções nos orifícios orais e nasais, e também o bloqueio dos orifícios naturais do cadáver (oral, nasal, retal) para evitar extravasamento de fluidos corporais.

Desinfecção – Nos termos da NT nº 02/2020-Agevisa/PB, o corpo da vítima do coronavírus deve ser pulverizado com solução desinfetante hospitalar, e, em seguida, acondicionado em saco impermeável à prova de vazamento e selado (sacos de remoção), que atenda às características técnicas sanitárias de resistência à pressão dos gases internos, estanqueidade e impermeabilidade.

A introdução na bolsa deve ser feita dentro da própria sala de isolamento, pelo servidor da unidade hospitalar, a quem caberá identificar adequadamente o cadáver. Preferencialmente, deve-se colocar o corpo em dupla embalagem impermeável e desinfetar a superfície externa do saco (podendo-se utilizar álcool a 70º, solução clorada [0.5% a 1%], ou outro saneante desinfetante regularizado junto à Anvisa). Ao manusear o saco de acondicionamento do cadáver, os profissionais devem usar luvas descartáveis nitrílicas.

Identificação do risco – Ainda de acordo com a Nota Técnica da Agevisa/PB, o saco externo de transporte do corpo da vítima do coronavírus deve ser identificado com a informação relativa a “risco biológico, no contexto da Covid-19: agente biológico classe de risco 3”. Quanto à maca de transporte de cadáveres (obrigatoriamente de fácil limpeza e desinfecção), esta deve ser utilizada apenas para esse fim.

Lona extraforte impermeável – Uma vez adequadamente embalado na bolsa, e sendo confirmada a chegada da urna mortuária adequada e definitiva, o corpo deverá ser removido com segurança para o necrotério da unidade hospitalar, onde será colocado, obrigatoriamente, em caixão devidamente revestido por lona extraforte impermeável, selada com fita adesiva. Esse procedimento será realizado pelos profissionais do serviço funerário, utilizando todos os equipamentos de proteção individual descritos para atendimento dos casos da Covid-19.

Outras determinações – A Nota Técnica nº 02/2020-Agevisa/PB traz ainda outras determinações relacionadas às vítimas/suspeitos do coronavírus, tais como proibição de embalsamento do corpo e permissão à família para optar pela cremação do corpo ou pela inumação em caixão lacrado, sem velório, no prazo máximo de 24 horas após o óbito. No caso de o cadáver ser portador de equipamentos de saúde que impeçam a cremação sem manipulação do corpo para a remoção do equipamento implantado, a exemplo de marca-passo, este deverá ser obrigatoriamente sepultado.

Funeral por 30 minutos – O veículo funerário, devidamente licenciado, após a recepção da urna mortuária, deverá seguir para inumação ou cremação imediata do cadáver sem velamento do corpo. A despedida poderá ser realizada pelos familiares, em ambiente aberto, no local do sepultamento, com o prazo máximo de 30 minutos e sem contato com a urna mortuária. O caixão deve ser mantido fechado durante o funeral, para evitar contato físico com o corpo. E caso a recepção da urna mortuária ocorra fora do horário de atendimento cemiterial, o serviço funerário contratado poderá armazenar a urna (excepcionalmente) em área restrita designada para esse fim, e com a devida segurança, até a abertura das atividades do cemitério.

Após o transporte final da urna mortuária, o serviço funerário contratado deverá proceder a desinfecção completa do veículo utilizado para o transporte de cadáveres vítimas/suspeitos do Covid-19, apresentando a devida comprovação.

Outras determinações

O transporte de urna mortuária de cadáver vítima/suspeito do Covid-19 só poderá ser compartilhado, no mesmo veículo, se a causa mortis for a mesma.
A área cemiterial deverá priorizar os sepultamentos referentes aos óbitos das doenças infectocontagiosas, em especial as vítimas do COVID-19.
O serviço social deverá obedecer às mesmas regras definidas para os serviços funerários privados contratados.
Os cadáveres não identificados, vítimas de doenças infectocontagiosas, em especial COVID-19, deverão seguir os mesmos procedimentos de identificação utilizados pela Polícia Judiciária, em caráter prioritário.


Seis Secretários da PMJP deixam cargos para disputar eleições; principais prefeituráveis só definem dia 4 de junho

 
Por Walter Santos

O prefeito Luciano Cartaxo, de João Pessoa, ainda contará com os secretários Diego Tavares (Social), Daniela Bandeira (Planejamento) e Socorro Gadelha (Habitação) até dia 4 de junho – data limite da desincompstibilização, mas nesta segunda- feira seis auxiliares deixaram os cargos para disputar a Câmara Municipal.

De acordo com informações obtidas junto ao Secretário de Comunicação, Josival Pereira, se desincompatibilizaram os secretários Helton Renê, Durval Ferreira, Emanoel Santos, Francisco José, Benilron Lucena e Marco Antonio Queiroga.

Segundo ele, os prefeituráveis têm até dia 4 de junho para decidir se saem ou continuam.

Ele explicou que o prefeito não indicou ainda os substitutos dos seis cargos.


Times paraibanos e árbitros recebem ajuda financeira da CBF. Veja a nota!

A presidente da Federação Paraibana de Futebol (FPF), Michelle Ramalho por meio de uma nota na noite de ontem (06), informando que a Confederação Brasileira de Futebol (CBF), concederá uma ajuda financeira para apoiar os clubes da Série C e D, com valores equivalentes à média de duas folhas salariais dos atletas de cada competição. O mesmo apoio será dado às participantes das Séries A1 e A2 do Campeonato Brasileiro Feminino.

Além disso, a CBF também irá ajudar financeiramente todas as federações de futebol de todos os estados com um valor de R$120 mil, para fazer frente à queda brusca de arrecadação dessas entidades de administração do futebol, já que com seus campeonatos suspensos.

Ainda segundo a nota da presidente, serão doados R$ 10 mil para cada um dos 10 clubes que estão participando do Campeonato Paraibano da Primeira Divisão 2020, como também R$ 10 mil os árbitros do quadro da federação.

PBagora.com.br

 


Autônomo pode baixar aplicativo a partir de hoje para renda de R$ 600


Trabalhador deve receber auxílio emergencial em até 48 horas

Publicado em 07/04/2020 - 05:55 Por Welton Máximo - Repórter da Agência Brasil - Brasília
A partir das 9h de hoje (7), de 15 milhões a 20 milhões de trabalhadores informais não inscritos em programas sociais poderão baixar o aplicativo da Caixa Econômica Federal que permitirá o cadastramento para receberem a renda básica emergencial.

O auxílio - de R$ 600 ou de R$ 1,2 mil para mães solteiras - será pago por pelo menos três meses para compensar a perda de renda decorrente da pandemia de coronavírus.

A Caixa também lançará uma página na internet e uma central de atendimento telefônico para a retirada de dúvidas e a realização do cadastro. Detalhes como o nome do aplicativo, o endereço do site e o número da central telefônica serão divulgados pelos ministros da Cidadania, Onyx Lorenzoni, e da Economia, Paulo Guedes; pelo presidente da Caixa, Pedro Guimarães; e pelo presidente do Dataprev, Gustavo Canuto, em evento nesta manhã no Palácio do Planalto.

Deverão cadastrar-se trabalhadores autônomos não inscritos no Cadastro Único de Programas Sociais (CadÚnico) e que não pagam nenhuma contribuição para o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Quem não sabe se está no CadÚnico pode conferir a situação ao digitar o número do Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) no aplicativo.

Quem contribui para a Previdência como autônomo ou como microempreendedor individual (MEI) já teve o nome processado pela Caixa Econômica e está automaticamente apto a receber o benefício emergencial. Ontem (6) à noite, o ministro Onyx Lorenzoni disse que os primeiros benefícios começarão a ser pagos ainda hoje para quem está nos cadastros do governo. Segundo ele, o pagamento para esse primeiro grupo deve ser concluído até amanhã (8).

Funcionamento
Quanto aos trabalhadores autônomos ainda não cadastrados, o pagamento será feito até 48 horas depois da conclusão do cadastro no aplicativo. O benefício será depositado em contas poupança digitais, autorizadas recentemente pelo Conselho Monetário Nacional, e poderá ser transferido para qualquer conta bancária sem custos.

Quem não tem conta em bancos poderá retirar o benefício em casas lotéricas. O próprio aplicativo, ao analisar o CPF (Cadastro de Pessoa Física) , verificará se o trabalhador cumpre os cerca de dez requisitos exigidos pela lei para o recebimento da renda básica.

Bolsa Família
O terceiro grupo é formado pelos beneficiários do Programa Bolsa Família, que não precisarão baixar o aplicativo. Segundo Lorenzoni, eles já estão inscritos na base de dados e poderão - entre os dias 16 e 30 - escolher se receberão o Bolsa Família ou a renda básica emergencial, optando pelo valor mais vantajoso.

O ministro da Cidadania lembrou que o benefício de março do Bolsa Família terminou de ser pago no último dia 30. Para ele, o pagamento do novo benefício a essas famílias antes do dia 16 complicaria o trabalho do governo federal, que ainda está consolidando a base de dados, de separar os grupos de beneficiários.

Outro aplicativo
Além da ferramenta para o cadastro de trabalhadores autônomos, a Caixa lançará um aplicativo exclusivo para o pagamento da renda básica emergencial.

Segundo o presidente do banco, Pedro Guimarães, esse segundo aplicativo funcionará de modo semelhante ao do saque imediato do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), permitindo escolher uma conta bancária para o recebimento ou optar pelo saque em casas lotéricas.

Agenciabrasil.combr

 


Coronavírus: número de mortes no Brasil passa de 500


De acordo com o boletim divulgado pelo Ministério da Saúde, 553 pessoas perderam a vida por causa da COVID-19
MAMatheus Adler

(foto: AFP)
Em boletim epidemiológico divulgado nesta segunda-feira (6) pelo Ministério da Saúde, o Brasil registra 12.056 casos confirmados do novo coronavírus (COVID-19) e 553 óbitos provocados pela doença. Nesse domingo (5), eram 11.130 pacientes infectados, ou seja, um acréscimo de 926 casos. O número de mortes no informe anterior era de 486, ou seja, um aumento de 67 óbitos.

A taxa de letalidade também subiu: de 4,4% para 4,6%.

São Paulo continua sendo o estado com números mais altos da COVID-19 no país: são 4.866 casos confirmados e 304 mortes. Em seguida aparece o Rio de Janeiro, com 1.461 pacientes infectados e 61 óbitos.

Minas Gerais, com 525 casos confirmados, de acordo com o Ministério, teve um salto no número de óbitos pelo coronavírus. De seis, registrados no boletim desse domingo, passou para nove, um aumento de 50%. Há outros 47.715 casos suspeitos e 119 óbitos sendo investigados, segundo a Secretaria Estadual da Saúde (SES-MG).

Acre e Tocantins seguem sendo os únicos estados sem óbitos registrados pelo coronavírus. Há 50 casos confirmados no primeiro, enquanto o segundo possui 17 pacientes infectados.

EM.com.br

 


Bolsonaro examina três nomes para o lugar de Mandetta na Saúde

 
O deputado Osmar Terra, o presidente da Anvisa almirante Barra Torres e a médica Nise Yamaguchi estão no páreo

Luiz Henrique Mandetta estava adorando tudo isso. Alçado a liderança política nacional, elogiado pela oposição, o ministro da Saúde se sentia à vontade até para ignorar as opiniões, mesmo toscas, do presidente da República. E não resistia, com sua palavra fácil e tom gentil, à tentação de fazer política em cada coletiva. Exagerou. O presidente chegou ao Planalto, nesta segunda (6), decidido a demitir Mandetta. Mas a turma do “deixa disso” agiu e o esperto ministro decidiu propor a flexibilização do isolamento nos locais com 50% da capacidade de saúde liberadas. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

Mandetta até ousou prestigiar o governador goiano Ronaldo Caiado, que na véspera havia rompido com seu chefe. Não tinha perigo de dar certo.

Bolsonaro tem três opções para o lugar de Mandeta: o ex-ministro da Cidadania e deputado Osmar Terra (MDB-RS) está na “pole position”.

Outra opção é seu amigo pessoal almirante Antonio Barra Torres, diretor da Anvisa e ex-vice-diretor do Hospital Naval Marcílio Dias, no Rio.

A médica Nise Yamaguchi, terceiro nome, defende o isolamento vertical e, como Bolsonaro, é entusiasta do uso da cloroquina, remédio contra malária, contra o coronavírus.

Diariodopoder.com.br

 


Coronavírus: Guedes defende congelar salários do setor público por dois anos

 Por Valdo Cruz

Comentarista de política e economia da GloboNews. Cobre os bastidores das duas áreas há 30 anos


O ministro da Economia, Paulo Guedes, defendeu neste domingo (5), durante videoconferência com congressistas do DEM, o congelamento dos salários do setor público durante dois anos como forma de contribuir para redução de despesas neste período de combate ao coronavírus.

A defesa do ministro é uma contraproposta à ideia, que já circulou dentro da própria equipe econômica e é defendida por alguns parlamentares e economistas, de corte imediato dos salários dos servidores públicos.

Técnicos da Economia chegaram a propor uma redução de 25% durante este ano. O deputado Ricardo Barros (PP-PR) defende uma redução de 30% dos vencimentos de todo setor público, incluindo Executivo, Legislativo e Judiciário.

Durante a reunião neste domingo, o ministro disse aos congressistas do DEM que o presidente Jair Bolsonaro não apoia a redução dos salários e que, no final, teria praticamente o mesmo impacto na redução das despesas de um congelamento pelo período de dois anos.

Ou seja, neste momento, o ministro avalia ser melhor manter o poder de compra do servidores públicos para evitar uma maior desaceleração da economia, mas propõe um congelamento por um período mais longo gerando uma redução de gastos equivalente.

Na reunião, o líder do DEM na Câmara dos Deputados, deputado Efraim Filho (PB), cobrou do ministro diante da demora para que o crédito destinado a micro, pequenas e médias empresas para pagamento de folha de pessoal chegue até aos empresários.

No sábado (4), Guedes chegou a realizar uma videoconferência com empresários e a questão do crédito foi a principal cobrança do setor.

"O dinheiro não está chegando na ponta, os bancos temem os riscos de emprestar agora, propomos ao ministro que as empresas que administram as maquininhas de débito façam esses empréstimos. Ele gostou da ideia e deve adotá-la", disse Efraim Filho.


Uma legião de zumbis continua subestimando o que está por vir, estimulada pelo psicopata do Planalto

Francis Lopes de Mendonça

Uma legião de zumbis continua subestimando o que está por vir, estimulada pelo psicopata do Planalto em pânico por medo que a recessão o impeça de ser reeleito. Enquanto isso, o Ministro da Saúde do Brasil permanece convicto de que em um mês nosso sistema de saúde entrará em colapso, pois sem atendimento médico, boa parte dos 99% que sobreviveriam, não sobreviverá. A taxa de letalidade será muito mais alta do que o suposto 1%, tendo-se em conta a capacidade mutante do vírus e sua facilidade de contágio. E que o surto, aqui, deve levar cerca de 5 meses.

Os Estados Unidos já têm mais casos do que a China e já está claro que serão o maior polo da doença no mundo. Inclusive já estão entre os 4 países mais infectados do mundo e com números alarmantes de mortes: até o presente momento são 18.906 casos com 9.600 mortes, sendo 1.200 nas últimas 24 horas.

A China só conteve o vírus porque numa ditadura prendem milhões em casa e todos obedecem. Na Coreia do Sul e Taiwan porque são pequenos e ricos. O Brasil é muito mais vulnerável que a Itália e os Estados Unidos. Temos milhões e milhões de carentes, de moradores de rua, de ignorantes que acham que é só uma “gripezinha”. Isso sem falar que um grande número de doentes já está causando enorme exposição nos profissionais de saúde, que estão ficando, também eles, doentes. Alguns já estão morrendo.

O adoecimento de médicos e enfermeiras agravará o problema. Sem vagas nos hospitais, pessoas que, de outra forma, não morreriam, morrerão. Estamos falando de gente de fora dos grupos de risco que vai morrer de infarto, AVC, preeclampsia, acidente de automóvel, queda no chuveiro etc. etc. Portanto, o pensamento alardeado pela legião de zumbis, que pululam nas redes sociais, de que se possa manter uma “normalidade”, de que é melhor limitarmos o isolamento às pessoas pertencentes aos grupos de risco, e deixarmos todo o resto trabalhar normalmente e consumir como se nada estivesse acontecendo, enquanto veem, à sua volta, pessoas adoecendo e morrendo, não é realista.

As pessoas que vão adoecer e morrer não são de outro planeta: são nossos pais, parentes, cônjuges, amigos, colegas de trabalho. Ninguém vai ter ânimo para trabalhar. Teremos uma depressão econômica resultante de uma depressão emocional.

Não existe normalidade quando as vítimas podem se multiplicar a cada dia. Portanto, quanto mais “radical” o isolamento for, mais cedo o contágio estará zerado, menos sobrecarregado ficará o sistema de saúde e mais curta será a recessão econômica inevitável.

Com o contágio zerado e o sistema de saúde funcionando, haverá calma e tranquilidade para se pensar em como vamos sair da recessão. Aí pode-se falar em flexibilização gradual - mas com planejamento, não da maneira irresponsável que o psicopata do Planalto defende - de preferência com testagem maciça. Agora o que importa é que não tenhamos vergonha de alertar, de avisar, de insistir, de mostrar o risco para os que estão próximos de nós. O resto é masturbação mental de quem só e somente vê conspiração em tudo


Sidebar Menu