Comissão de Assuntos Econômicos aprova reajuste do Judiciário

 

APÓS ACORDO, A MATÉRIA SEGUE PARA O PLENÁRIO, MAS APENAS APÓS UMA AUDIÊNCIA PÚBLICA (FOTO: GERALDO MAGELA/ AG SENADO)
PUBLICIDADE

A Comissão de Assuntos Econômicos do Senado aprovou nesta terça-feira, 28, o projeto de lei que reajusta a remuneração de servidores do Judiciário. Após acordo entre os senadores, a matéria segue para o plenário, mas apenas após a realização de uma audiência pública agendada para a próxima quarta-feira, 6.
A matéria sofreu muitas críticas por parte do PSDB. O senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES), que na última reunião pediu vista do projeto, apontou que mesmo após o Judiciário enviar relatório do impacto financeiro da matéria, os dados ainda não estavam de acordo com o previsto na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO).

De acordo com Ferraço, o relatório enviado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) prevê que o impacto do reajuste em 2016 seria de R$ 2,1 bilhões, enquanto a LDO previa apenas R$ 1,9 bilhão.

"Não há dotação orçamentária na LOA nem LDO para esse tipo de reajuste. Há aqui, no meu juízo, um vício que precisa ser sanado. Ou as informações que vieram do STF estão inadequadas, ou não podemos fazer uma votação aqui violando a Constituição Federal", argumentou Ferraço. Outros tucanos seguiram a mesma linha e criticaram o projeto.

O relator do projeto, Jorge Viana (PT-AC), entretanto, argumentou que as estimativas do Judiciário já incluíam aproximadamente outros 8 mil novos servidores que não estavam inseridos no primeiro cálculo.

O senador Romero Jucá (PMDB-RR), ex-ministro do Planejamento de Michel Temer, foi à comissão apenas para intervir na votação. Ele defendeu a aprovação da matéria e argumentou que não conceder o reajuste poderia paralisar a Justiça brasileira.

Reajuste

O reajuste do Judiciário é um dos mais dispendiosos para as contas públicas. Além do impacto previsto em R$ 1,9 bilhão só em 2016, os aumentos devem custar R$ 8,4 bilhões até 2019.

O projeto estabelece reajuste de aproximadamente 41,47% para os servidores do Judiciário da União. O aumento será dado, de forma escalonada, em oito parcelas, de junho de 2016 a julho de 2019. A gratificação judiciária, hoje correspondente a 90% do vencimento básico, chegará gradualmente a 140%, em janeiro de 2019.

O projeto também concede, a partir de janeiro de 2016, reajuste de até 25% para os cargos em comissão, mesmo porcentual usado para comissões do Executivo.

Além disso, pela proposta, técnicos judiciários com curso superior receberão adicional de qualificação. Atualmente, a Lei 11.416/2006, que trata das carreiras dos servidores do Poder Judiciário da União, garante esse adicional só para servidores com mestrado, doutorado ou especialização.

Sabatina de diretores do Banco Central

Na próxima terça-feira, 5, a CAE realiza a sabatina de quatro indicados a diretorias do Banco Central. No dia seguinte, os senadores se reúnem em audiência pública para discutir os impactos de reajustes salariais do funcionalismo público. A votação do reajuste do Judiciário em plenário está condicionada à realização dessa audiência. (AE)


3,30 - Dólar cai e fecha na menor cotação em quase um ano

 

BOLSAS DE VALORES TIVERAM DIA DE ALÍVIO APÓS FORTES PERDAS DIANTE DO ‘BREXIT‘ (FOTO: ESTADÃO CONTEÚDO)

O dólar fechou em queda de 2,57%, cotado a R$ 3,3046. É o menor valor desde 23 de julho de 2015. O dia foi de recuperação nas principais praças financeiras, após a vitória do Brexit ter provocado estresse nos mercados financeiros nos dois últimos dois pregões.
A Bolsa brasileira mostrou maior alta em sintonia com os ganhos dos principais índices americanos de ações. O Ibovespa - termômetro da bolsa brasileira - subiu 1,55%, aos 50.006 pontos. Em Nova York, o Dow Jones avançou 1,57%, e o S&P500, 1,78%. O Nasdaq subiu 2,12%.

Os investidores seguiram atentos aos desdobramentos da saída do Reino Unido da União Europeia e monitoram a reunião da cúpula da UE em Bruxelas, que tem como tema central o "Brexit". Os agentes também avaliam dados que mostraram os Estados Unidos crescendo mais do que o inicialmente estimado. A terceira leitura do PIB norte-americano do primeiro trimestre mostrou avanço de 1,1% em valores anualizados, acima da segunda leitura, divulgada no mês passado, com alta de 0,8%. Economistas esperavam expansão de 1%.

Inflação. No cenário doméstico, o Relatório Trimestral de Inflação (RTI) trouxe a percepção de que um ciclo de afrouxamento monetário pode não vir tão rápido. De forma geral, a mensagem de Ilan Goldfajn, presidente do Banco Central, de maior compromisso com o centro da meta de inflação e, consequentemente, com um aperto monetário mais prolongado acaba afetando indiretamente o mercado de câmbio.

Na coletiva, o economista repetiu o que havia falado durante a sabatina no Senado. Afirmou que o BC aprecia regime de câmbio flutuante dentro do tripé macroeconômico. Disse que a autoridade monetária "poderá usar ferramentas cambais mas com parcimônia" e que "poderá reduzir posições de swap em ritmo compatível com funcionamento do mercado". No documento, o BC reforçou que a inflação em 12 meses ainda é elevada e reiterou que não trabalha com a hipótese de flexibilização monetária. (AE)


Feriadão remunerado - Câmara suspende suas atividades, não suas despesas

Luis Macedo Luis Macedo

 

CANCELAMENTO DE SESSÕES NA CÂMARA NÃO SUSPENDEU GASTO MILIONÁRIO

A suspensão das atividades da Câmara, decidida pelo presidente interino Waldir Maranhão (PP-MA), não foi seguida da suspensão das despesas rotineiras dos parlamentares e seu staff. Ganhando R$ 33,7 mil por mês, mais R$ 92 mil de verba de gabinete e R$ 45,6 mil de “cota para o exercício parlamentar”, cada deputado custa R$ 171,4 mil por mês (R$ 5,7 mil por dia) à Câmara, apareça ou não para trabalhar. A informação é do colunista Cláudio Humberto, do Diário do Poder.
Também não foram suspensos os gastos dos deputados com celulares, passagens aéreas, restaurante, selos, combustíveis, que pagamos.

Maranhão suspendeu as atividades dos deputados, como antecipou esta coluna, para não ter de votar a cassação de Eduardo Cunha.

Miro Teixeira (Rede-RJ) está indignado com a suspensão de atividades à revelia dos deputados, que serão cobrados. “É um deboche”, ataca.

“Ele não t


Contra cerceamento da defesa Lula, Lula recorre pára que ações voltem ao STF

 
Alegando que o próprio Supremo Tribunal Federal reconheceu que o juiz Sergio Moro divulgou de forma ilegal conversas interceptadas pela Polícia Federal, a defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva entrou nesta terça (28) com agravo regimental na Corte para que os processos que o envolvem permaneçam lá; no dia 13 deste mês, o ministro Teori Zavascki determinou o encaminhamento à primeira instância dos processos no qual Lula é investigado por causa do sítio em Atibaia (SP) e do apartamento em Guarujá (SP); o caso agora correrá na 13ª Vara Federal, sob o comando de Moro

Conjur - Alegando que o próprio Supremo Tribunal Federal reconheceu que o juiz Sergio Moro divulgou de forma ilegal conversas interceptadas pela Polícia Federal, a defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva entrou nesta terça-feira (28/6) com agravo regimental no STF para que os processos que envolvem o petista permaneçam no Supremo. No dia 13 deste mês, o ministro Teori Zavascki determinou o encaminhamento à primeira instância dos processos no qual Lula é investigado por causa do sítio em Atibaia (SP) e do apartamento em Guarujá (SP). O caso agora correrá na 13ª Vara Federal, sob o comando de Moro.

No agravo, a defesa de Lula também alega que houve cerceamento de defesa, já que o próprio Teori teria impedido acesso do ex-presidente aos autos do processo. Segundo os advogados, a própria decisão contra a qual agora estão recorrendo faz referências a dados em procedimentos que são desconhecidos de Lula e seus advogados.

“Ora, negar acesso ao conteúdo dos feitos avocados nesta reclamação aos próprios advogados constituídos pelo agravante implica aniquilar o contraditório e a ampla defesa já no seu ponto de partida: o direito de informação sobre o conteúdo de todo o processado. Assinale-se, por relevante, que esse cerceamento de defesa impôs graves prejuízos ao agravante, inclusive para a elaboração do presente recurso”, escreveram os advogados na petição.

Outro ponto é que a reclamação inicial não poderia ter sido julgada monocraticamente. Esse argumento vem amparado no novo Código de Processo Civil. Quanto à lei processual, os advogados apontam que ela dispõe que, nesse tipo de recurso, o presidente do tribunal determinará o imediato cumprimento da decisão, lavrando-se o acórdão posteriormente. “Como se vê, o artigo 993, acima transcrito, contempla a lavratura de acórdão. Ora, se o legislador refere a existência de acórdão, deve-se entender, ipso facto, ser imprescindível a ocorrência de decisão colegiada”, argumentou a defesa.

“O julgamento monocrático da reclamação em tela, que envolve questões de alta relevância, acaba por prejudicar o contraditório e a ampla defesa, na medida em que elimina a possibilidade de determinados meios de impugnação, inclusive sustentação oral pelas partes envolvidas”, apontaram.

Conduta criminosa
Segundo a investigação da Procuradoria-Geral da República, Lula teria sido uma das pessoas que cometeram crime dentro do que se investiga na operação “lava jato”. Como parte dessa operação corre no Supremo, deveria ficar inteiramente na corte, já que essa sistematização impede a existência de múltiplos procedimentos investigatórios com o mesmo objeto.

Por fim, a defesa afirma que o próprio STF reconheceu que Moro levantou o sigilo das conversas interceptadas de forma ilegal. Como essa conduta pode, em tese, configurar crime, é obrigatória a aplicação do artigo 40 do CPP, com a remessa de cópia dos autos ao procurador-geral da República para eventuais providências cabíveis.

A defesa de Lula já pediu a Rodrigo Janot, procurador-geral da República, que investigue supostas irregularidades cometidas pelo juiz Sergio Moro. A petição aponta excesso nas buscas e apreensões e na divulgação de conversas interceptadas entre Lula e seus familiares e também com a então presidente em exercício Dilma Rousseff.

A defesa de Lula é feita pelos advogados Roberto Teixeira, Cristiano Zanin Martins e José Roberto Batochio.


MPF denuncia Dirceu e Duque por suspeita de receber propina

 
O ex-ministro José Dirceu (PT) e o ex-diretor da Petrobras Renato Duque foram denunciados nesta segunda (27) sob suspeita de terem recebido propina por um contrato de tubulação da estatal; outras cinco pessoas também são acusadas de corrupção, lavagem de dinheiro e associação criminosa
GRAM Telegram


247 - O ex-ministro José Dirceu (PT) e o ex-diretor da Petrobras Renato Duque foram denunciados nesta segunda-feira (27) sob suspeita de terem recebido propina por um contrato de tubulação da estatal. Outras cinco pessoas também são acusadas de corrupção, lavagem de dinheiro e associação criminosa. A ação é resultado da 30ª fase da Operação Lava Jato.

De acordo com o MPF, Duque ajudou uma empresa de tubos a fechar um contrato com a Petrobras, em troca de R$ 7 milhões em propina. Os procuradores dizem que o contrato deveria custar R$ 255.798.376, para o fornecimento de tubos para a estatal. No entanto, com a intervenção de Duque, o valor final pago chegou a R$ 450.460.940,84.

Segundo a denúncia, os donos da empresa Apolo Tubulars procuraram o empresário Júlio Camargo, com o objetivo de negociar com a estatal. Eles sabiam do trânsito que Camargo tinha com a diretoria da Petrobras. Camargo então os apresentou a Duque, que teria solicitado a propina. De acordo com a denúncia, Duque foi indicado para o cargo na Petrobras pelo PT. Ele atuava na Diretoria de Serviços da estatal.

Os procuradores dizem que Júlio Camargo intermediou toda a negociação e recebeu o dinheiro em nome de Duque. Conforme a denúncia, ao final da transação, o ex-diretor da Petrobras solicitou a Camargo que repassasse ao ex-ministro da Casa Civil a parte que lhe cabia de propina. Segundo os cálculos do MPF, Dirceu teria recebido cerca de R$ 2,1 milhões.

No entanto, Dirceu não teria recebido todo o dinheiro em espécie. Os procuradores acreditam que, em vez disso, Camargo custeou despesas do uso de duas aeronaves para o ex-ministro. A outra parte, num total de R$ 688 mil, foram pagos por um falso contrato, cujas parcelas foram quitadas entre março e julho de 2012.

O MPF ainda solicitou que os denunciados paguem R$ 25,6 milhões.

Os denunciados:

Carlos Eduardo de Sá Baptista (administrador da Apolo Tubulars) - Corrupção ativa, lavagem de dinheiro e organização criminosa.
Eduardo Aparecido de Meira (dono da construtora Credencial) - lavagem de dinheiro
Flávio Henrique de Oliveira Macedo (sócio da construtora Credencial) - lavagem de dinheiro
José Dirceu (ex-ministro da Casa Civil) - lavagem de dinheiro e corrupção passiva.
Luiz Eduardo de Oliveira e Silva (irmão de José Dirceu) - lavagem de dinheiro e corrupção passiva.
Paulo César Peixoto de Castro Palhares (administrador da Apolo Tubulars) - corrupção ativa, lavagem de dinheiro e organização criminosa
Renato de Souza Duque (ex-diretor de Serviços da Petrobras) - lavagem de dinheiro e corrupção passiva.


Cartaxo desafia Cida Ramos a provar cobrança de ‘taxa Z’ na Prefeitura de JP

 
Ela defendeu, à época, a formalização e a apuração da denúncia de pagamento de taxas exorbitantes para a concessão de alvarás.

Por: Blog do Gordinho

A campanha eleitoral não começou oficialmente, mas os embates entre o prefeito Luciano Cartaxo e a professora Cida Ramos comprovam uma polarização entre as candidaturas do PSD e PSB na disputa pela Prefeitura de João Pessoa. Hoje, por exemplo, o gestor desafiou a socialista a provar denúncias feitas por ela sobre cobranças extras na Capital.

As declarações de Cartaxo foram uma resposta a Cida Ramos que, recentemente, o acusou de implantar na cidade a ‘taxa Z’, que consistia em um suposto pagamento para empresários do ramo da construção civil poderem receber alvarás da Prefeitura.

Ela defendeu, à época, a formalização e a apuração da denúncia de pagamento de taxas exorbitantes para a concessão de alvarás.

O prefeito Luciano Cartaxo confirmou ainda a impossibilidade da gestão de cumprir com a data-base do funcionalismo público diante do cenário de crise econômica que o país enfrenta.

 


RC diz que Cartaxo faz ‘teatro grotesco’ para culpar estado por problemas na Barreira do Cabo Branco


Governador diz que o prefeito deve dizer publicamente que não tem recursos para realizar obras de contenção da barreira e pedir ajuda

Por: Blog do Gordinho

O governador Ricardo Coutinho (PSB) criticou o prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PSD) por, segundo ele, tentar transferir a responsabilidade pela Barreira de Cabo Branco para o Governo do Estado e disse que se a prefeitura não tem dinheiro para realizar as obras de contenção, devem dizer publicamente ou pedir ajuda ao governo estadual. Ele disse que o prefeito realiza um “teatro grotesco” em culpar a Estação Cabo Branco pela diminuição da barreira. “A grande questão é que a prefeitura não tem dinheiro para fazer a obra e quer encobrir isso, passou todo este tempo e vem com baboseira de culpar a Estação Ciência”, disse.

De acordo com o governador, a obra da Estação Ciência, realizada durante sua gestão à frente da prefeitura da Capital, foi realizada com todos os estudos técnicos que autorizaram a sua construção sem prejuízos ao meio ambiente e sem colocar em risco a barreira. “Ela é uma obra fundamental para o turismo e para a ocupação de um local que servia para corrida de MotoCross e vaquejada. A Estação Ciência é um museu, uma obra de Niemeyer, feita com licenciamento, com todos os estudos técnicos. Ela foi feita porque tecnicamente pode ser feita”, afirmou.

Segundo o socialista, é um “teatro grotesco” a tentativa da prefeitura de transferir a responsabilidade pelo problema para o governo estadual. “Me parece que nesta época de eleição vigora mais o vale-tudo, tentar jogara responsabilidade para quem não tem. Se não tem como fazer diga publicamente e peça ajuda, o que não pode é ter uma destruição tão grave. João Pessoa vem sofrendo com poucas obras que não atendem aos estudos técnicos e assistindo este grotesco teatro de colocar a culpa para os outros”, declarou.

Ricardo Coutinho afirmou que Luciano Cartaxo tenta, desde o início de sua gestão, esconder ou inviabilizar a Estação Ciência, “desrespeitando o turismo e a beleza da obra feita por Oscar Niemeyer” e assegurou que a ausência de iniciativas do governo municipal para conter a erosão da barreira se dê em virtude de disputas políticas com o governo estadual. “Tem muito gestor que para encobrir as suas falhas, tenta jogar a responsabilidade para os outros. É isso que a gente presencia. Coloca a culpa para os outros para parecer disputa política, o que não é o caso”.

O governador ainda criticou o pré-candidato à reeleição e disse que não faz serviço mal feito para ser desmoralizado com menos de uma semana, em virtude das falhas na ciclovia do novo Parque da Lagoa e disse que vai realizar a obra de acesso à Estação Ciência. “Não vou fazer serviço mal feito, não vou entregar uma obra para desmoralizar quem a fez com uma semana, descascando, e a Paraíba sabe quem fez. Este cuidado precisa existir. O acesso à Estação Ciência estamos hoje abrindo os editais das empresas que foram habilitadas, para a gente fazer o acesso exatamente pela subida do Cabo Branco sem esconder a estação Ciência”, disse.


Prefeito Luciano Cartaxo salve o centro da capital

 Quem conhece e gosta da cidade de João Pessoa fica triste ao caminhar pelo Ponto de Cem Réis, Duque de Caxias, Padre Meira e Miguel Couto, em razão do verdadeiro abandono em que se encontra, invadidas por vendedores ambulantes, engraxates que ocupam os poucos bandos existentes, um grupo de drogados fazendo dali moradia e também suas necessidades fisiológicas na base da estátua de André Vidal de Negreiros e até estendendo ali suas roupas, num quadro horrível para uma cidade que pretende ser turística.


O pior mesmo, ainda é a degradação do pavimento e canteiros das vias citadas e que foram restaurado dias desses na gestão do então prefeito Ricardo Coutinho, que merecem urgente atenção do Prefeito Luciano Cartaxo, que praticamente levou um mandato inteiro praticamente focado numa única obra que foi a intervenção do Parque Solon de Lucena e esqueceu o resto da cidade. É bom que se frise que estamos falando do centro da capital, para onde converge toda a população. Sem falar nos turistas que nos vistam.

As fotos falam por si mesmas e revelam verdadeiro descaso, pois não se pede grandes obras e sim pequenos reparos que já trariam de volta a beleza do nosso ponto principal ponto, que o Ponto de Cem Réis e suas ruas adjacentes. Ao ver as fotos que mostram a degradação do nosso centro, logo vem a inevitável pergunta: Como estará então a periferia de nossa capital?


Empréstimo polêmico do PT - Bumlai e Delúbio ficam frente a frente na Lava Jato

 
ACAREAÇÃO OCORRE NO PROCESSO SOBRE EMPRÉSTIMO DE R$ 12 MILHÕES

PECUARISTA AMIGO DE LULA E EX-TESOUREIRO DO PT VÃO FAZER ACAREAÇÃO NESTA SEGUNDA EM AUDIÊNCIA COM MORO NO PROCESSO SOBRE EMPRÉSTIMO DE R$ 12 MILHÕES DO BANCO SCHAHIN AO PT (FOTO: REPRODUÇÃO)

O ex-tesoureiro do PT condenado no mensalão Delúbio Soares e o pecuarista José Carlos Bumlai, ambos réus na Lava Jato, ficam frente a frente nesta segunda-feira, 27, diante do juiz Sérgio Moro, em Curitiba. Personagens do polêmico empréstimo de R$ 12 milhões do Banco Schahin ao PT por intermédio de Bumlai, os dois vão fazer uma acareação nesta tarde para esclarecer o episódio que já rendeu duas ações penais na Lava Jato.
A operação de crédito do banco com Bumlai foi realizada em outubro de 2004, e contou com a participação de Delúbio e Vaccari, segundo o MPF. Os executivos do banco que fizeram delação e próprio pecuarista admitiu, após ser preso, que o valor de R$ 12 milhões era destinado ao PT. O valor nunca chegou a ser quitado e, segundo a Lava Jato, teria sido compensado por meio da contratação da Schahin, pertencente ao mesmo grupo empresarial do banco, pela Petrobrás para operar o navio-sonda Vitória 10.000, em 2009.

A transação financeira já deu origem a uma ação penal contra Bumlai, os executivos do banco, Vaccari e ex-executivos da Petrobrás. Além disso, os investigadores descobriram que parte do empréstimo, o total de R$ 6 milhões, teria sido destinado ao empresário de Santo André, Ronan Maria Pinto, que teria recebido essa quantia a partir de um complexo esquema de transações financeiras utilizando intermediários para adquirir o jornal Diário do Grande ABC e evitar a veiculação de notícias que relacionassem seu nome à morte do prefeito de Santo André Celso Daniel.

Esta segunda transação também deu origem a uma ação penal que tem Delúbio como réu e é nela que o juiz da Lava Jato vai ouvir as versões do ex-tesoureiro petista, condenado a seis anos e oito meses de prisão por corrupção e formação de quadrilha, e do pecuarista. Delúbio recebeu o indulto do STF de sua pena do mensalão em março deste ano, quando já cumpria parte de sua pena em casa, mas voltou a ser preso em abril na Operação Carbono 14, a 27ª fase da Lava Jato e que deu origem à denúncia contra ele.

O ex-tesoureiro do PT nega envolvimento em irregularidades. (AE)


Tirada de sarro - Cardozo tem conta de restaurante paga por ‘Thomaz Turbando‘

 T
EX-MINISTRO TOMA TROCO DE CLIENTE DE BAR QUE CITOU ‘JURISTA‘
Publicado: 27 de junho de 2016 às 17:58 - Atualizado às 22:21
André Brito

CARDOZO MENCIONOU O JURISTA IMAGINÁRIO ENTRE OS DEFENSORES DE DILMA
 

Advogado de defesa de Dilma no processo do impeachment, desde quando era advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo estava almoçando com o seu antecessor na AGU, Luis Inácio Adams, e foi surpreendido ao ter a conta paga pelo ilustre jurista "Thomás Turbando".
Claro que tudo não passou de uma brincadeira bem humorada de outro cliente sobre a afronta de Cardozo ao Senado Federal ao afirmar que o jurista imaginário seria um dos grandes defensores da lorota de golpe difundida pelo PT.

Cardozo se defendeu dizendo que o episódio não passou de "um equívoco" com o nome de Thomas da Rosa de Bustamante, professor de filosofia do direito da Universidade Federa de Minas Gerais, mas confirmou que o principal defensor de Dilma no caso provavelmente considere a causa como perdida.

Dias antes, Cardozo foi flagrado jogando xadrez no celular durante depoimentos de testemunhas consideradas importantes pelo advogado.


Gleisi prefere se fazer de vítima e chama a prisão do marido de ‘Ilegal‘

Edilson Rodrigues Edilson Rodrigues

SENADORA IGNOROU TODAS AS EVIDÊNCIAS ELENCADAS PELOS INVESTIGADORES PARA A PRISÃO. FOTO: EDILSON RODRIGUES/SENADO
PUBLICIDADE

A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) usou a tribuna do plenário do Senado para se fazer de vítima e defender o marido, o ex-ministro do Planejamento Paulo Bernardo, preso na semana passada acusado de receber R$ 7 milhões desviados de contratos de empréstimo consignado durante cerca de cinco anos. Gleisi, que também é investigada pela Lava Jato, ignorou todas as evidências elencadas pelos investigadores e disse que a prisão de Bernardo foi "injusta, ilegal, sem fatos, sem provas e sem processo", com o objetivo de humilhar a sua família.
"Nem em pesadelos eu teria sido capaz de supor que estaria aqui, nesta tribuna, pra defender meu marido de uma prisão", declarou. A sessão, presidida pelo vice-presidente do Senado e também petista, Jorge Viana (AC), foi encerrada logo após o discurso de Gleisi, que foi assistido pela bancada pró-Dilma de senadores como Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) e Lindbergh Farias (PT-RJ).

 

Diariodolpoder.com.br

 

 


Insultos rendem a Ciro 90 ações por dano moral

Charles Scholl. Charles Scholl.

 

ESTILO AGRESSIVO FAZ CIRO RESPONDER A 90 PROCESSOS DE ADVERSÁRIOS
 

Conhecido pelo estilo agressivo de fazer política, o ex-governador do Ceará Ciro Gomes, hoje filiado ao PDT, responde a pelo menos 90 processos movidos por adversários e até por cidadãos comuns. No Ceará, o líder do PMDB no Senado, Eunício Oliveira (CE), move contra ele 24 ações por dano moral, e o vice-prefeito de Fortaleza, Gaudêncio Lucena, cinco. Exigem reparação pelos insultos do destemperado Ciro. Procurado por meio da assessoria, o político não comentou o assunto. A informação é do colunista Cláudio Humberto, do Diário do Poder.
Ciro também coleciona condenações até expressivas, como os R$ 266 mil concedidos à família do ex-senador Henrique Santillo (GO).

Senadores José Serra e Fernando Collor terão de Ciro 100 salários mínimos e R$100 mil, respectivamente, nas ações que moveram.

Oficial de justiça não escapou de ser xingado por Ciro, que o mandou “à merda” ao ser notificado de uma ação. Foi denunciado por desacato.

Diariodopoder.com.br

 


Sidebar Menu