Em articulação que envolveu licença de dois suplentes, Guilherme Almeida assume mandato na AL

 
Terceiro suplente da coligação PSD/PSC entrou na vaga deixada por Manoel Ludgério e opinou que sua legenda teria nomes fortes para compor chapas em João Pessoa e Campina Grande

Por: Thais Cirino

 

blogdogordinho.com.br

guilherme-almeidaO terceiro suplente da coligação PSD/PSC, Guilherme Almeida, retorna ao legislativo paraibano após uma articulação para que ele pudesse assumir a vaga deixada por Manoel Ludgério (PSD). A posse ocorreu nesta segunda-feira (25) e Almeida salientou que vai engrossar a bancada de oposição da Assembleia Legislativa da Paraíba. “Fui eleito para compor a bancada de oposição. Nosso líder é do meu partido e tenho conversado com ele”, destacou, referindo-se ao deputado Renato Gadelha.

Guilherme entrou na vaga depois que o titular assumiu a chefia de gabinete do prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues (PSDB), e os suplentes Carlos Batinga (PSC) e Eva Gouveia (PSD) também preferiram permanecer em seus cargos no executivo municipal, sendo Batinga na Mobilidade Urbana de João Pessoa e Eva na Ação Social de Campina.

Sobre a disputa em João Pessoa, o deputado disse que tem acompanhado as notícias. “O PSC terá uma decisão lúcida e coerente de acompanhar o prefeito Luciano Cartaxo. Não sei se terá espaço nessa chapa porque tem outras legendas importantes, mas temos nomes de sobra, como Marcondes Gadelha. É um trunfo do PSC para fortalecer qualquer chapa e seria um vice extraordinário”, avaliou.

Em Campina Grande, a legenda segue forte com o prefeito Romero Rodrigues, que disputará a reeleição. Guilherme salientou que, na cidade, o PSC está numa posição semelhante à encontrada na capital por causa da indefinição de partidos importantes a exemplo do PP. “Em Campina temos essa tradição de só fechar as definições nos prazos finais. Mas estamos acreditando numa consolidação das ações administrativas com o segundo mandato que, com certeza, se consolidará”.


Secretária de Patos é flagrada em escuta sobre desvio de recursos do São João com Friboi


O clima segue na temperatura máxima em Patos. Acaba de vazar na Internet um áudio bombástico, revelando alguns detalhes da investigação tocada pelo Ministério Público Federal, que apura esquema de enriquecimento ilícito com o desvio de recursos no São João de Patos. Envolve um patrocínio de R$ 3 milhões da empresa Friboi.

No áudio, Ilana Motta, mãe do deputado Hugo Motta e chefe de Gabinete da prefeita Chica Motta, liga para a secretaria Meryclis Medeiros (Finanças) e dela recebe a notícia de que a Friboi confirmou e vai depositar no dia seguinte, não apenas R$ 1,5 milhão, mas R$ 3 milhões de patrocínio para o São João, captada por Hugo Motta.

Em seguia a secretaria agradece alegre o que teria recebido de gratidão pela operação. Segundo o pessoal da Área Badalada, responsável pela terceirização do evento, eles sabiam que a Friboi só tinha entrado com 300 mil e teria chegado até eles apenas 150 mil. Os R$ 2,8 milhões teriam ficado com o clã Motta, conforme as investigações do MPF.

 


A INVESTIGAÇÃO

Na semana passada, o MPF anunciou apuração de possível crime de enriquecimento ilícito envolvendo Ilana e mais quatro pessoas do grupo. Os envolvidos, Ilanna, Meryclis D’Medeiros Batista, Wescley Barbosa Lima, Joseilson Felipe da Silva e Wadi de Andrade Barros, foram convocados a prestar depoimento esta manhã (quinta, dia 21). Segundo o MPF, há “fortes indícios” de que a Prefeitura de Patos contratou a empresa de eventos Área Badalada, de propriedade do filho do secretário de Agricultura, por meio de uma licitação direcionada.

Os fatos, apurados no Inquérito Civil nº 1.24.003.000131/2015-64, são um efeito colateral do encontro fortuito de provas entre os dados levantados no âmbito da Operação Desumanidade. Conforme os dados levantados, o ilícito ocorreu quanto o grupo operou para levantar recursos destinados a realização do São João, junto a empresas públicas federais e de particulares.

OS ENVOLVIDOS

Ilanna de Araújo Motta – Chefe de Gabinete da Prefeitura e, conforme áudios de interceptação telefônica, executou e participou das irregularidades no ano de 2015, inclusive quanto ao suposto repasse de recursos provenientes da Friboi à secretária Meryclis D’Medeiros (Finanças).

Meryclis D’Medeiros – Secretária de Finanças do município e presidente da Comissão de São João de Patos, que teria participado diretamente da execução do evento no ano de 2015, conforme se verifica nos áudios interceptados. Ela possuía acesso à conta bancária da empresa Área Badalada.

Wescley Barbosa Lima e Wadi de Andrade Barros – Sócios da empresa Área Badalada. Wadi também era proprietária da empresa Badalo Produções e Eventos (encerrada), firma já conhecida e processada pelo MPF em outro caso de ilicitudes relacionado a recursos públicos. Wadi de Andrade é esposa de Joseilson Felipe da Silva.

Joseilson Felipe da Silva – Procurador da empresa Área Badalada e, conforme informações levantadas pelo MPF e informações bancárias da empresa. Há suspeita de que seja o real proprietário da empresa. Responsável pelos pagamentos e emissão cheques.

Confira o áudio e o vídeo com Ilanna Motta


‘Castigo’ a detentos do RN por delegado da PB repercute no país

 

Walber Virgolino
Uma decisão punitiva aplicada pela Secretaria de Justiça e Cidadania do Rio Grande do Norte, que tem a frente o delegado paraibano, Walber Virgolino, chamou a atenção da mídia nacional. O assunto foi repercutido no Portal Uol, um dos maiores gerenciadores de conteúdo da América Latina.

De acordo com a matéria, os detentos de um pavilhão 2 da Penitenciária Estadual de Parnamirim, na região metropolitana de Natal (RN), estão de “castigo” por indisciplina e não podem usar qualquer eletrodoméstico ou produto eletroeletrônico, antes tolerados pela direção do local.

Foram retirados do pavilhão 210 ventiladores, 18 televisores e 18 equipamentos de som. Não há previsão para os equipamentos retornem às celas.

De acordo com Walber Virgolino, o mau comportamento dos detentos se deve as fugas e tentativas de fugas ocorridas nos últimos meses.

“Os equipamentos não são regulamentados pela lei. São tratados como ‘regalias’ que os internos de bom comportamento têm acesso e continuam a ter. Só em casos de indisciplina que as ‘regalias’ serão tiradas. Os familiares do interno podem pegar os equipamentos mediante comprovação”, disse Virgolino.

Segundo Virgolino, os presos terão de demonstrar bom comportamento diário para que a situação seja revista pela direção.

A penitenciária tem 564 presos que cumprem pena em regime fechado. O pavilhão 2, onde estão os presos indisciplinados, está com 210 internos. A capacidade máxima do presídio é de 288 vagas.

Walber Virgolino assumiu a pasta no RN no mês de maio deste ano após convite do governador Robinson Farias.

MaisPB com Uol


Raimundo Lira prorroga em um dia prazo para alegações finais de Dilma Rousseff


Senador Raimundo Lira, do PMDB

O presidente da comissão de impeachment do Senado, Raimundo Lira (PMDB-PB), decidiu, nessa terça-feira (26) prorrogar em um dia o prazo para que a defesa da presidente afastada Dilma Rousseff entregue as alegações finais na fase intermediária do processo que a petista enfrenta.

O prazo inicial para a entrega da defesa se encerraria hoje (27), mas agora Dilma terá até as 18h30 desta quinta-feira (28) para entregar o documento.

Mais cedo, a defesa da petista protocolou um pedido ao colegiado solicitando mais dois dias para que as alegações finais fossem entregues.

No documento, a defesa de Dilma alegou que enfrentou problemas para acessar o processo eletrônico no site do Senado que, segundo os advogados, ficou indisponível por dois dias.

Na visão dos advogados da presidente afastada, portanto, o prazo para entrega das alegações finais, que deveria se encerrar às 18h desta quarta, teria de ser estendido por mais dois dias.

O advogado de Dilma, o ex-ministro José Eduardo Cardozo, afirmou que o problema no site do Senado impossibilitou o acesso da defesa a documentos “imprescindíveis para análise e confecção das alegações finais” da presidente afastada.

Lira afirmou que, após o pedido de Dilma, conversou com o relator do processo, o senador Antônio Anastasia (PSDB-MG), e decidiu prorrogar o prazo em um dia devido ao problema no site do Senado. Ele disse ainda que o novo prazo não atrasará o cronograma da comissão.

“Dei uma prorrogação de 24 horas para as alegações finais defesa. Mas não vai interferir em nada no cronograma de funcionamento da comissão. Esse prazo vai apenas encurtar 24 horas no tempo disponível para o relator que, inclusive, está no exterior. Já falei com ele, ele concordou comigo. Chegamos à conclusão de que era importante dar esse prazo para que mantivesse o princípio da ampla defesa e evitar qualquer tipo de judicialização”, disse Lira.

“O site [do Senado] ficou 36 horas fora para manutenção. Você dá 24 horas porque, dificilmente, nessas 36 horas que ficou fora, se o site estivesse no ar, haveria uma consulta durante 24 horas. 24 horas é para atender o princípio do pleno direito de defesa”, explicou o senador.

Lira também divulgou nota para explicar a decisão de prorrogar em um dia o prazo para a defesa de Dilma. Leia abaixo:

Tendo em vista o requerimento da Defesa de prorrogação do prazo para apresentação de suas alegações finais em virtude da suspensão dos serviços do sítio eletrônico do Senado Federal para manutenção programada, que teria prejudicado seu acesso aos autos do processo e, ainda, considerando que:

1. Foi anunciado com antecedência no próprio portal eletrônico do Senado Federal a indisponibilidade momentânea dos serviços para manutenção programada;

2. O sistema permite que os arquivos sejam baixados para consulta no computador do usuário sem necessidade de acesso à internet; e

3. Os sistemas começaram a ser religados, tornando-se novamente disponíveis antes das alegadas 48h de suspensão;

DECIDO acolher em parte as razões da Defesa para conceder-lhe prazo adicional de 24h, até o término do expediente da quinta-feira, 28 de julho, para apresentação de suas alegações finais, restando inalteradas as demais datas de reuniao da Comissão.
Intime-se.

Senador Raimundo Lira

MaisPB com G1


Lava-Jato - Berzoini nega ter exigido propina da Andrade Gutierrez

Lula Marques Lula Marques

 
SEGUNDO EXECUTIVO, PETISTA EXIGIU 1% SOBRE O VALOR DE TODOS OS CONTRATOS

O EX-MINISTRO E EX-PRESIDENTE DO PT, RICARDO BERZOINI, DISSE QUE A DELAÇÃO DE EXECUTIVO DA ANDRADE GUTIERREZ ‘NÃO CORRESPONDE À VERDADE’ (FOTO: LULA MARQUES/AG. PT)
PUBLICIDADE

O ex-ministro e ex-presidente do PT, Ricardo Berzoini, afirmou que ‘não corresponde à verdade’ as afirmações que o executivo Flávio Gomes Machado Filho, um dos delatores da Lava Jato, fez nesta segunda-feira, 26, ao juiz federal Sérgio Moro, da Operação Lava Jato.
Em quase 30 minutos de depoimento, Flávio Machado – ex-diretor da Andrade Gutierrez – disse que Berzoini fazia ‘cobranças incisivas’ de propina no valor de 1% de todos os contratos que a empreiteira tinha com o governo federal.

A imposição de Berzoini, segundo o delator contou a Moro em audiência nesta segunda-feira, 25, ocorreu durante reunião que teria ocorrido em 2008, na qual também estavam o tesoureiro do PT à época, Paulo Ferreira, seu sucessor João Vaccari Neto e o então presidente da Andrade Gutierrez, Otávio Marques de Azevedo.

Diante de Sérgio Moro, o ex-executivo da Andrade Gutierrez confirmou os termos da delação premiada que fez na Procuradoria-Geral da República.

Berzoini presidiu o PT em duas ocasiões, entre 2005 e 2006 e de 2007 a 2010.

“De uma forma incisiva e um pouco além do tom (foram feitos pedidos) pelo presidente (do PT, Ricardo) Berzoini para o presidente Otávio”, disse Machado no depoimento. “Veladamente deu para entender que poderia haver algum tipo de situação desconfortável para nós”, afirmou. Segundo ele, o clima da vconversa foi “bastante desagradável”.

Flávio Machado afirmou ainda que a Andrade Gutierrez ofetuou pagamentos referentes aos contratos para obras na Venezuela, financiadas pelo BNDES. Segundo o empreiteiro, a popina foi paga ao PT via doações legais.

Nesta terça, 26, Berzoini reagiu enfaticamente. “Não comento o conteúdo da delação. Só posso dizer que trata-se de um assunto que é mais um vazamento seletivo de matéria que deveria estar sob sigilo e que não corresponde à verdade”, disse Berzoini.

Ao ser informado que o empreiteiro fez as afirmações durante uma audiência tornada pública pela Justiça Federal, o ex-ministro rebateu. “Audiência em que citam nomes de terceiros antes do contráditório do citado. Lamentável”, disse. Ele ressaltou que aguarda a orientação de seus advogados.

Os relatos de delatores da Andrade Gutierrez sobre a suposta cobrança de propina que teria sido feita por Berzoini motivaram o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, a pedir a inclusão, em maio deste ano, do ex-ministro no chamado inquérito-mãe da Operação Lava Jato, no qual são investigados crimes de formação de quadrilha. O pedido está sendo analisado pelo Supremo Tribunal Federal. (AE)


Lava Jato - Delator: PT exigiu propina de empreteira por obra até na Venezuela

 
EMPREITEIRA PAGOU AO PT POR OBRA FINANCIADA PELO BNDES

FLÁVIO GOMES MACHADO FILHO, DA ANDRADE GUTIERREZ, APONTA ACERTO DE VANTAGEM INDEVIDA SOBRE OBRA DA EMPREITEIRA NA VENEZUELA (FOTO: REPRODUÇÃO)
PUBLICIDADE

Um dos delatores da Andrade Gutierrez na Operação Lava Jato, o executivo Flávio Gomes Machado Filho, relatou em quase 30 minutos de depoimento ao juiz federal Sérgio Moro que a empreiteira pagou propina ao PT sobre obras na Venezuela financiadas pelo BNDES. O empresário declarou que o pagamento foi feito por meio de ‘doações oficiais’.
Os valores, segundo Machado, estariam dentro de uma exigência de 1% de propina feita em 2008 pelo então presidente do PT, Ricardo Berzoini.

A imposição de Berzoini, segundo o delator contou a Moro, ocorreu durante reunião que teria tido também a presença do tesoureiro do PT à época, Paulo Ferreira, de seu sucessor João Vaccari Neto e do então presidente da Andrade Gutierrez, Otávio Marques de Azevedo.

“Teve uma outra participação também que eu fui envolvido, também nada a ver com Petrobrás, um assunto ligado a um financiamento no exterior, uma obra na Venezuela, que quando começou a liberação financeira do BNDES me solicitaram também dentro deste acordo. Tudo isso eu voltava para dentro da empresa. Eu era demandado pelo João Vaccari, eu voltava para dentro da empresa, porque eu não tinha autonomia para tomar decisão nenhuma nesse sentido. No caso do BNDES foi pago, referente ao financiamento que correspondia a 35% do valor total do contrato.”

Flávio Machado declarou que a Andrade Gutierrez pagou propina também sobre obras da Eletronuclear. “No caso específico, da Venezuela, do BNDES, e da Eletronuclear, foram feitos pagamentos através de doações oficiais. E, no caso específico da Eletronuclear, foi pago não o solicitado 1%, que segundo o diretor da área específica não teria como fazê-lo. Isso foi feito com 0,5%.”

“O que acontecia na verdade é que eu não tinha nenhum tipo de controle de nenhuma ação. Era uma situação, seguinte: nós tomávamos uma decisão na empresa, capitaneada pelo dr Otávio Azevedo, no sentido de ‘vamos dar uma ajuda ao Partido dos Trabalhadores, no valor x’, ou qualquer outro partido. Não tinha nenhuma regra preestabelecida, nenhum controle. Eu recebia já uma situação concluída, definida que vamos fazer uma ajuda tal. Eu levava a demanda para o Otávio e eventualmente depois voltava, recebia de volta e se fazia a operacionalização através de doação oficial para o Partido dos Trabalhadores.”

O executivo afirmou que ‘era demandado por diversos políticos, partidos, principalmente em épocas de campanha, mas não era exclusividade’.

“Eventualmente, políticos, como têm bases em outros Estados, procuravam outros executivos da Andrade em outras situações”, disse.


Queria só aparecer - Suplicy: ‘Não queria tumultuar a reintegração de posse"

 
PARA O GOVERNO, O CANDIDATO A VEREADOR SUPLICY TIROU PROVEITO

"MINHA ATITUDE ERA PARA PREVENIR QUALQUER ATO DE VIOLÊNCIA", DISSE O POLÍTICO (FOTO: SÉRGIO CASTRO/ESTADÃO)

Em vídeo publicado na sua conta no Facebook, o ex-senador Eduardo Suplicy (PT), de 75 anos, explica os motivos que o levaram a ser detido durante a reintegração de posse no Jardim Arpoador, na zona oeste da capital paulista. "Quase estava para acontecer um conflito. Resolvi tomar a atitude de deitar-me", afirma. "Minha atitude era para prevenir qualquer ato de violência. Nada de querer tumultuar a reintegração de posse."
Candidato a vereador de São Paulo, Suplicy narra o caso, ocorrido na segunda-feira, 25, e aproveita para agradecer a solidariedade prestada por seus seguidores. "Percebi que estavam cerca de 80 ou 100 moradores daquela área, que estava por ser reintegrada, e os policiais militares avançando com a escavadeira logo atrás", diz.

O ex-senador, que também foi secretário Municipal de Direitos Humanos e Cidadania na gestão Fernando Haddad (PT), se deitou diante dos policiais, mas foi carregado pelos agentes até uma viatura e encaminhado para o 75º Distrito Policial (Jardim Arpoador). "A oficial de Justiça fez um apelo a mim para que me levantasse espontaneamente. Eu falei: ‘Não vou me levantar. Não criarei qualquer resistência, se quiserrem me levar‘."

Suplicy afirma que foi bem tratado tanto no 75º DP, onde os delegados teriam sido "muito civilizados e respeitosos", quanto pelos agentes que realizaram a detenção. "Aliás, os próprios PMs que me levaram e que haviam me carregado tiveram uma atitude de diálogo respeitoso comigo."

Em nota divulgada no dia da reintegração, o governo do Estado de São Paulo lamentou a atitude de Suplicy e disse que o político se aproveitou "da fragilidade de famílias para tumultuar uma reintegração de posse em cumprimento a uma ordem judicial solicitada pela Prefeitura de São Paulo, dona do terreno". A nota, da Secretaria da Casa Civil, disse ainda que Suplicy "insistiu na obstrução da via mesmo após negociação".


PF indicia ex-ministro Paulo Bernardo por organização criminosa e corrupção

 
Suposto desvio de R$ 100 milhões de empréstimos consignados no âmbito do Planejamento incriminou o ex-ministro do governo Lula

Agência Estado
Breno Fortes/CB/D.A Press - 23/06/2016
Paulo Bernardo foi preso na Operação Custo Brasil no dia 23 de junho, sob suspeita de recebimento de propinas de R$ 7,1 milhões do esquema Consist, empresa de software contratada em sua gestão em 2010.


A Polícia Federal indiciou criminalmente o ex-ministro Paulo Bernardo (Planejamento/Governo Lula) na Operação Custo Brasil - investigação sobre suposto desvio de R$ 100 milhões de empréstimos consignados no âmbito do Planejamento, entre 2010 e 2015. A PF enquadrou Paulo Bernardo por integrar organização criminosa e corrupção passiva.

Saiba mais
PGR pede urgência em julgamento de Gleisi e Paulo Bernardo
Toffoli estende soltura de Paulo Bernardo a empresário preso em operação
O inquérito da Custo Brasil foi relatado pela PF na sexta-feira, 22, e enviado à Justiça Federal. Agora, o Ministério Público Federal vai analisar o inquérito para denunciar ou não o ex-ministro e outros envolvidos na Custo Brasil, entre eles o ex-tesoureiro do PT, Paulo Ferreira.

Paulo Bernardo foi preso na Operação Custo Brasil no dia 23 de junho, sob suspeita de recebimento de propinas de R$ 7,1 milhões do esquema Consist, empresa de software contratada em sua gestão em 2010 para administrar contratos de consignados com entidades de bancos e previdência - Associação Brasileira de Bancos Comerciais e para o Sindicato das Entidades de Previdência Privada. A Consist teria cobrado uma taxa em valor quatro vezes superior ao de mercado.

Leia mais em Política

A Custo Brasil é um desdobramento da Pixuleco II que, em agosto de 2015, descobriu o esquema dos consignados. Um dos alvos da Pixuleco II, o advogado Alexandre Romano, o Chambinho, fez delação premiada e revelou os bastidores do caso Consist. Valores obtidos ilicitamente teriam abastecido a campanha de Gleisi Hoffmann (PT/PR), mulher de Paulo Bernardo, ao Senado em 2010.

A Custo Brasil prendeu também o advogado Guilherme Gonçalves, de Curitiba, que teria realizado repasses do esquema Consist para o ex-ministro e para bancar despesas eleitorais de Gleisi. Gonçalves nega elo com o esquema.

Seis dias depois de sua prisão - decretada pelo juiz Paulo Bueno de Azevedo, da 6.ª Vara Criminal Federal em São Paulo -, o ex-ministro de Lula e também de Dilma (Comunicações) foi solto por ordem do ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal

Na semana passada, Paulo Bernardo foi ouvido na PF e negou ter recebido propinas do esquema dos consignados. Ele afirma que não existe contrato da Consist com o Ministério que dirigiu. "O Ministério do Planejamento nunca contratou a Consist."

Defesa

Em nota, a advogada Verônica Abdalla Sterman afirmou: "O ex-ministro Paulo Bernardo reitera que não participou ou teve qualquer ingerência na celebração ou manutenção do acordo de cooperação técnica celebrado autonomamente entre a Secretaria de Recursos Humanos do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão e as associações de Bancos e Previdência (ABBC e SINAPP). Também reitera que não recebeu qualquer quantia da Consist, direta ou indiretamente."


Bonificações para servidores da Receita chegam a R$ 6,4 bilhões


Os servidores da Receita Federal devem receber 6,479 bilhões de reais em bonificações até 2019, segundo cálculos do governo enviados ao Congresso Nacional. O valor, concedido até aos inativos, se soma ao impacto de 2,097 bilhões de reais que terão os reajustes negociados com a categoria. As cifras constam no projeto de lei encaminhado pelo Executivo na última sexta-feira.

De acordo com o jornal O Estado de S. Paulo, o bônus faz parte de um acordo diferenciado firmado pelos auditores e analistas. Segundo dados do Ministério do Planejamento referentes a abril, dos 30.667 servidores com vínculo de auditor fiscal da Receita, 20.383 (66,5%) eram aposentados ou pensionistas. Entre os 13.778 analistas tributários, 6.612 (48%) eram inativos.

Após decidir reavaliar os termos do acordo fechado ainda no governo da presidente afastada Dilma Rousseff em março, o governo de Michel Temer ratificou o documento e encaminhou o projeto de lei ao Legislativo na última sexta-feira. A demora no envio detonou uma rebelião até a cúpula do órgão em Brasília e uma paralisação da categoria em todo o país desde o último dia 14.

Ao todo, a implantação do Programa de Produtividade da Receita Federal do Brasil vai gerar custos estimados em 326,1 milhões de reais para este ano, 1,917 bilhão de reais para 2017, 2,044 bilhões de reais para 2018 e 2,191 bilhões de reais para 2019.

Procurado pela reportagem, o Ministério do Planejamento informou que o bônus será pago “mediante o aumento da arrecadação e o alcance das metas de desempenho”. Segundo a pasta, os custos previstos pressupõem o cumprimento integral das metas.

“O impacto do bônus para 2017, de 1,917 bilhão de reais, já está previsto na meta fiscal de 2017 (déficit de 139 bilhões de reais). Desse impacto, 880 milhões de reais estão destinados ao pagamento de inativos”, disse o Planejamento.

O Sindifisco, que representa a categoria, entende que o pagamento do bônus, inclusive a inativos, é justo porque muitos autos de infração demoram anos para serem finalizados, o que retarda seus efeitos na arrecadação. Além disso, o valor do bônus para aposentados e pensionistas é decrescente, chegando ao piso de 35% da bonificação integral no prazo de nove anos.

O reajuste da categoria, de 21,3% em quatro anos, vai trazer impactos de 290,8 milhões de reais em 2016, de 604,9 milhões de reais em 2017 e 603,4 milhões de reais em 2018 e de 598,8 milhões de reais em 2019.
Fonte: Revista Veja, em 26/07/2016


Notícia retirada do Portal do Servidor Federal: http://www.servidorfederal.com/2016/07/bonificacoes-para-servidores-da-receita.html#ixzz4FbGZCN9s


Reajustes a auditores e analistas da Receita custarão R$ 11,2 bilhões entre 2016 e 2019

 

O projeto que prevê reajustes dos servidores da Receita Federal (auditores, analistas e aposentados) custará, entre 2016 e 2019, R$ 11,2 bilhões aos cofres públicos segundo o projeto de lei encaminhado na última sexta-feira pelo Ministério do Planejamento ao Congresso. Essa conta inclui os R$ 6,5 bilhões que serão pagos em forma de bônus de eficiência.

Neste ano, somente a fatura com o reajuste de 21,3% dividido em quatro anos será de R$ 290,8 milhões. Em 2017, alcançará R$ 890,8 milhões. Em 2018, vai a R$ 1,490 bilhão. E, em 2019, atingirá R$ 2,090 bilhões. No total, o aumento custará R$ 4,763 bilhões, conta que, com o bônus de eficiência, chegará a R$ 11,263 bilhões.

O governo garante que esse custo é compatível com a importância da categoria, que vinha fazendo uma série de paralisações e prejudicando o atendimento ao público e a arrecadação.
Fonte: Correio Braziliense, em 26/07/2016


Notícia retirada do Portal do Servidor Federal: http://www.servidorfederal.com/2016/07/reajustes-auditores-e-analistas-da.html#ixzz4FbGA5Ske


Ninguém vai: Lula e FHC recusam convites para o Rio 2016


Os ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva recusaram o convite para participar da cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro, no próximo 5 de agosto; eles foram convidados pelo Comitê Olímpico Internacional (COI), após aval do presidente interino Michel Temer; a presidente eleita Dilma Rousseff também foi convidada para o evento e recusou


247 - Os ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva recusaram o convite para participar da cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro, no próximo 5 de agosto.

Eles foram convidados pelo Comitê Olímpico Internacional (COI), após aval do presidente interino Michel Temer. Ele será o responsável pela declaração que marca o início da Olimpíada de 2016.

A presidente eleita Dilma Rousseff também foi convidada para o evento e recusou.

O COI ainda convidou os ex-presidentes José Sarney e Fernando Collor de Mello.


Papo d‘ Esquina

 A EXPLOSÃO NA CAIXA E OS CANGACEIROS MODERNOS

No final de semana, boa parte do Bairro do Bessa foi despertada na madrugada com explosões e tiros de armas grosso calibre, revelando que estava sendo perpetrado mais uma um vez um ataque dos bandidos a alguma instituição bancária. Fato que logo foi confirmado, ou seja, o ataque ocorreu mais uma vez no Bessa Shopping numa unidade da Caixa Econômica, que, aliás, sempre foi respeitada pelos bandidos, temerosos da pronta resposta da Policia Federal, que em interceptações telefônicas a tratavam sempre como a ‘Azulzinha’ e diziam para sempre evita-la. Pelo visto tal respeito desapareceu. O fato é que num dos grupos que faço parte no wattzap, vi comentários de moradores do Bairro, dizendo que no momento do assalto ligaram para o 190 e de lá receberam a informação de que a Policia Militar já estava sabendo da prática criminosa, porém nada fez, pois mesmo com várias pessoas feitas reféns e outras vitimas de tiro em sua direção, inclusive acertando o veículo, duas viaturas apareceram no local minutos depois da retirada dos bandidos, e demorou tanto, que já tinha gente do povo pegando dinheiro que ficou espalhado pelo chão.


A EXPLOSÃO NA CAIXA E OS CANGACEIROS MODERNOS II


Todos sabem que as corporações policiais contam com serviço de inteligência, tanto que na semana passada, em razão de postagens que faziam nas redes sociais e interceptações telefônicas, a Policia Federal desmantelou e prendeu um grupo que combinava ações terroristas nos Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro. Aqui na Paraíba na atual gestão, já ocorreram mais de setenta ações contra bancos, inclusive com explosões e na nossa capital pelo menos dez dela, sem que se saiba de nenhuma ação das duas corporações policiais, para evitarem que tal crime se repitam, ou seja, estão agindo apenas em cima do fato consumado e o pior, nunca esclarecem absolutamente nada. O mais hilário, porém foi ler um comentário de um coronel da Polícia Militar, também nas redes sociais, escrevendo que não vale a pena arriscar a vida dos militares em razão de prejuízos patrimoniais, cujas perdas são pagas pelas seguradoras. Um bom recado dado pelo militar, para que os bandidos continuem agindo tranquilamente, certos de que jamais irão ser incomodados pelas nossas polícias.


ALGUÉM SABE O PARADEIRO DO SENADOR CÁSSIO?


Quando surgiram as conversas sobre as mais prováveis alianças, eis que o senador Cássio Cunha lima sumiu do cenário político e há uma semana sequer atende o seu celular, deixando a batata quente nas mãos do ex-deputado e presidente da legenda Ruy Carneiro. Dizem que ele Cássio espertamente se esquiva, pois em caso de derrota em outubro próximo do nome que os tucanos vierem a apoiar - tudo indica que será a reeleição do Prefeito Luciano Cartaxo a ser anunciado ainda hoje - dirá que nem tomou partido por nenhuma das candidaturas e que, portanto aquele filho mal concebido não é seu.


MAIS UM FERIADÃO NO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA


O presidente do Tribunal de Justiça da Paraíba, talvez em razão dos serviços cartorários estarem todos em dias, não cansa de conceder longos feriados aos seus magistrados e serventuário, completando agora neste feriado dedicado a memória de João Pessoa, quatro feriados estendidos, fato que foi imediatamente criticado pela OAB-PB nas redes sociais. Em agosto próximo no aniversário de nossa cidade, certamente concederá aos seus servidores mais um longo feriadão, perfazendo cinco este ano. O fato é temos 365 dias no ano e 264 dias uteis, que no TJ se convertem em apenas 182 dias, já que dois dias da semana, funciona apenas um expediente, 34 dias dos chamados feriadões e mais recesso forense no final do ano de 12 dias, teremos trabalhados 137 dias em 2016,k sem falar nas férias dos magistrados e servidores. O fato é que existem hoje vários advogados pensando a abandonar a profissão, pois com o que estão ganhando com a morosidade de nossa Justiça sequer conseguem manter suas respectivas famílias, estando muitos em debito com a própria anuidade da OAB, já que a grana anda muito escassa.


DILMA DIZ NAS REDES SOCIAIS QUE LIDAR COM O IMPEACHMENT É PIOR DO QUE UM CÂNCER


Passando por esse verdadeiro calvário que é ser julgada por uma comissão que visa concluir pelo seu impedimento ou não pra continuar no mandato, a presidente Dilma Rousseff não se conteve e escreveu nas redes sociais que enfrenta um processo de impeachment é muito pior do que um câncer. Aproveitando a mesma anda circulando por todo Brasil e com muita grana, arrecadada entre os ricos militantes do PT, a direção do Hospital Laureano que trata do câncer, bem que poderia convida-la para uma visita aquele hospital e quem sabe arrancar da mesma uma generosa contribuição.


O DEPUTADO JUTAI E AS SUAS CONSTANTES MUDANÇAS DE POSIÇÃO


O deputado Jutai Meneses que preside o PRB já esteve em duas campanhas ao lado do governador Ricardo Coutinho e logo depois alegando os mais diversos motivos, abandonou o barco e se juntou a outras lideranças no Estado. Atualmente o dito cujo é ligado de Luciano Cartaxo, mas falam por ai, que ele já estaria de malas prontas para desembarcar em outra candidatura. Jutai é verdadeiramente uma metamorfose ambulante.


A SEMPRE INEXISTENTE CANDIDATURA DE MANOEL JUNIOR

Há muito tempo o deputado Gervásio Maia, que andou brigando com Manoel Junior pela presidência do Diretório do PMDB, já dizia que a candidatura dele Manoel Junior pelo PMDB não vingaria. Na semana passada ele desistiu de sua candidatura, dizendo que não tinha recursos nem apoio da direção estadual e nacional da legenda e estaria a partir dali apoiando a reeleição de Luciano Cartaxo. O fato é que ele esqueceu de combinar o senador José Maranhão, presidente do PMDB estadual que já declarou que o apoio dele Manoel Junior é pessoal e que a legenda ainda não tem candidato. Ao que se comenta existe a possibilidade de o próprio José Maranhão sair candidato a prefeito ou mesmo o PMDB decidir apoiar a Cida Ramos, já que o PMDB não deseja entregar os cargos que detém na estrutura governamental e também a legenda gostaria de ter em Campina Grande, Patos e Guarabira o apoio de Ricardo Coutinho que neste momento se encontra politicamente muito bem avaliado pela população.


LOURDINHA LUNA CONVIDA - 26 DE JULHO

A Paraíba REMEMORARÁ na data de hoje os 86 anos do assassínio do Presidente João Pessoa, crime que os sensatos atribuem ao Presidente da Republica Washington Luis Pereira de Souza. A culpa lhe cabe porque como Chefe da Nação não deveria ter permitido que o litigio de Princesa chegasse ao extremo. Com a autoridade que dispunha deveria ter imposto a paz entre os litigantes da Paraiba e não alimentado a cizânia fornecendo armas e munição do arsenal do Realengo, para a guerra fraticida.
PROGRAMA DO DIA 26 - Ás 9 horas Missa na Igreja da Misericórdia, na rua Duque de Caxias- Centro. Após a celebração ecumênica visita ao monumento de João Pessoa (vizinho ao Palácio da Redenção) onde se ouvirão os oradores e entre eles eu me INCLUO. Ass. Lourdinha Luna.

 

ALBERGIO GOMES MEDEIROS FALA DA GASTANÇA DOS GESTORES PÚBLICOS

Quando um empresário enfrenta graves problemas financeiros procura reduzir todos os custos variáveis, ou até eliminar os possíveis; assim como reduzir custos fixos ao máximo. Se não for suficiente para vencer o momento de crise, passa para a onerosa fase de rescisões contratuais, enxugando a folha de pagamento e repactuando salários e vantagens. Ainda insuficientes tais medidas, passa a "cortar na própria carne" e reduz os próprios "pro labores". No entanto, onde três estruturas tipicamente monárquicas coexistem, como a brasileira, nas quais cada um dos monarcas têm o poder de auto estipularem vencimentos, reajustes e vantagens, crises são enfrentadas com emissões de moedas, títulos da dívida pública, cortes de cafezinhos e reduções de jornadas de frequência (nem é de trabalho, haja vista o inchaço das folhas) dentre outras estéreis medidas, mas cadê que pensam como estadistas e cogitam redução uniforme de vencimentos e vantagens?

ROMEU LEMOS - O POVO QUER SABER.

Essa obra, ao lado do Centro Turístico Tambaú/PBTUR, da Prefeitura de J. Pessoa, era pra ser entregue em 14/01/16, vejam que rasparam a data da entrega que era 120 dias após o seu início. E AÍ ? Passou o verão, férias de julho e até agora nada. E vai ficar por isso mesmo? Cadê os Vereadores? Está servindo de esconderijo de drogados e meliantes. Nossas praias estão abandonadas. VERGONHA.

Esta coluna é publicada no http:www.blogdopedromarinho.com e em quatro portais


Sidebar Menu