A conversa agora é dizer que preconceito entre regiões é “normal”. - Mirtzi Lima Ribeiro



 Não, NÃO é “normal”, embora seja COMUM em alguns lugares.

O fato de ser comum, não torna o ato NORMAL (comum JAMAIS foi sinônimo de NORMAL).

Em especial, é anormal, quando é proveniente do representante do Poder Executivo Federal, que DEVE manter uma posição de imparcialidade em relação a TODAS as UNIDADES da FEDERAÇÃO, OBEDECENDO e FAZENDO CUMPRIR o que reza o artigo 4º, Inciso V, da CONSTITUIÇÃO FEDERAL, que determina que será respeitada a “IGUALDADE ENTRE os ESTADOS”.

As declarações presidenciais quanto ao NORDESTE, ferem frontalmente esse preceito constitucional porque MARGINALIZA os Nove (09) ESTADOS do NORDESTE, com menos verbas (em especial quando disse em português claro no vídeo que circulou na web: “para eles NADA”).

Esse é o PONTO FUNDAMENTAL:

As Emendas Parlamentares estimadas, cujo montante veiculado para e pela imprensa foi na ordem de R$ 2,5 BILHÕES de REAIS, dos quais NADA virá para o Nordeste, porque os Governadores não concordaram com a Reforma da Previdência que está posta através da PEC 06 (por “n” motivos técnicos já amplamente divulgados e analisados por ESPECIALISTAS na área).

Os governadores do NORDESTE em reunião realizada exclusivamente para debater esse tema, decidiram não apoiá-la e emitiram uma carta declarando não aceitar aquela propositura de PEC 06, por entenderem que o peso recairia sobre pessoas que ganham até 02 salários mínimos (assim como qualquer técnico da área entende do mesmo modo, assim como declarado por vários órgãos fiscalizadores e auditores).

A "birra" do presidente com os governadores RESULTA em menos verbas para o NORDESTE, via governadores e parlamentares (Deputados Federais e Senadores do Nordeste).

Trocando em miúdos SIGNIFICA SEGREGAÇÃO de pleitos e de VERBAS. Simples assim.

Que ele, enquanto pessoa física e em reservado pense o que quiser dos Nordestinos, mesmo que seja apenas uma demonstração de deselegância, descortesia, falta de educação e de esmero, mas, nada obsta que ele pense o que quiser sobre o que seja.
Porém, verbalizar isso enquanto presidente da República, entre seus assessores, numa reunião para a imprensa, que vazou porque os microfones já estavam ligados, é ultrajante.

Logo, enquanto Presidente da República, ele NÃO PODE NEM DEVE usar de preferências para promover nem dificultar orçamentos, pleitos, REPASSES, etc, para quaisquer das unidades da Federação. Não pode fazê-lo, em especial, para uma REGIÃO INTEIRA, já tão assolada pelo preconceito dentro do território nacional.
NÃO PODE. Isso FERE os Princípios Constitucionais, e, da Impessoalidade, da Imparcialidade, da Razoabilidade.

Isso não é “mi mi mi”, isso é respeito à Constituição Federal e às Unidades da Federação.

Se para os defensores do indefensável isso não basta, é bom que saibam que estão endossando o rasgar de todas as leis e dos princípios basilares da república, além de apoiarem segregação, o Apartheid do NORDESTE





Comentários


Comentar


Sidebar Menu