Os penduricalhos concedidos as nossas autoridades - Albergio Gomes Medeiros



Aproveitarei esse momento de injustificável euforia coletiva, e por terem, dias antes do fugaz reinado de Momo, intensificado algumas mensagens "in box" contra determinados posicionamentos meus, farei esse comentário, prometendo tentar ser breve e pragmático.

Primeiramente, disse e reafirmo que considero penduricalhos e auxílios moradas verdadeiros absurdos, escárnios e deboches, que autoridades se utilizam para driblar o teto constitucional, teto esse tão claro, autoaplicável e de fulgor solar.
Segundo, reafirmo que sou amplamente favorável à reforma previdenciária pelos motivos que externei aos montes, e não é por "tabela" nem "replique" que me posicionei, mas por ter lido atentamente o projeto (http://www.camara.gov.br/…/prop_mostrarintegra;jsessionid=C…).

E o que disseram alguns "in box", a respeito desses posicionamentos? Alguns disseram-me que critico esses "adicionais" (penduricalhos, auxílio morada etc.) por não ter passado em concurso para Promotor de Justiça ou Magistratura.
Outros disseram que, por eu não ser servidor público de hierarquia superior, sou favorável à reforma previdenciária, já que não terei uma boa aposentadoria, então torço para que ninguém tenha.Os demais argumentos depreciativos deixarei para lá.

Bem, são afirmações que não me diminuem em nada, pelo menos perante a pessoa que mais importa; eu mesmo. Segundo, não sou dos que se deixam encantar por quem tem titulações, independentemente da instituição, nem atribuo GRANDE MÉRITO a quem passa em concursos públicos, e sabem por quê? Porque até hoje só conheci uma única pessoa que não sagrou-se em algum concurso público, e assim mesmo por ser "especial" e nunca quis concorrer pelas vagas reservadas, tampouco tentei demovê-lo desse tenaz posicionamento. No mais, conheci muitos - de cavalgaduras a gênios -, que passaram em concursos, dos mais diversos, dentre eles, Magistérios, Promotorias de Justiças, Magistraturas, Auditores Fiscais, Auditores do Trabalho dentre outros.

Sabe qual diferença desses em relação a nós outros, tidos que somos por parte deles como fracos ou de competências e conhecimentos questionáveis ou duvidosos? Asseguro-lhes que nada, nada, nada além da decisão de terem abdicado de muito do que faziam para dedicarem-se ao abnegado estudo e preparo voltado para aprovação no concurso público almejado.

Claro que há mérito nessa escolha e dedicação, mas daí a insopitavelmente acharem-se "iluminados" e, a tal ponto diferenciados, julgarem-se superiores a mim (como decerto julgam-se em relação aos demais) é deletéria e só mostra quão pequenos são.
De minha parte, caríssimos, não torço contra ninguém, menos ainda pelo insucesso; ao contrário, se dependesse de mim todos seriam felizes e vitoriosos em tudo que fizessem.

Quem me conhece de perto sabe que nunca fui ambicioso nem invejoso, pelo menos conscientemente, e Deus sabe; portanto, nem percam seus preciosos tempos enviando mensagens com esses pífios argumentos que será debalde.

Qualquer um que estudar dedicada e disciplinadamente, caríssimos, (de cavalgadura a gênio) um dia passará, seja em qual concurso for, e findará sendo colega seu, cedo ou tarde: não é "arretado" prezadíssimos "iluminados" ???




Comentários


Comentar


Sidebar Menu