RC expõe os rabos de jornalistas da Paraíba mas não esconde o rabo do próprio governo - Gilvan Freire




Ficou sem respostas convincentes, dos dois lados, o episódio esquisitíssimo envolvendo o governo de RC e quase 200 jornalistas que são hoje devedores remissos do programa Empreender, o mesmo que colocou o governador nas garras da Justiça Eleitoral, com risco de perder o cargo.

É uma situação inimaginável que todos os tomadores de empréstimos de uma categoria profissional, que nunca foram o alvo desse favor público destinado a incentivar pequenos empreendedores típicos, além de terem sido beneficiados em grupo, também não paguem.

Graciosidade tamanha, à razão de R$ 8.000,00 por pessoa, sem um foco específico de fomentar pequenos negócios ,já seria o suficiente para que jornalista, que é bicho sabido e arisco, desconfiasse que estava sendo vítima de uma tentativa sórdida de coaptação.
Estranho que quem quis meteu o dinheiro público fácil no bolso, sem ao menos olhar para trás para ver se o Papai Noel fora de época não era um impostor vestido do velhinho bom.

Mais estranho ainda que, como só acontece nos bancos de generosidade de governos corruptos, iguaizinhos a esses da República toda, nenhum favorecido se sentia devedor de nada, a não ser aqueles que receberam mais dinheiro por causas de outra natureza, que já sabiam como deviam pagar.

Acontece que o problema aflorou agora, depois que Helder Moura mexeu no cupim, e o governo resolveu chamar os devedores por edital, meio constrangedor e vexatório aos brios dos devedores, que, obrigatoriamente, deveriam ser notificados por correspondência em seus endereços.

Procedimentos extravagantes desses, no âmbito privado, redundam em ações indenizatórias de reparação moral, mas o governo de RC certamente acha que os que receberam o favor político direcionado não se encorajam a tanto porque se fragilizaram pela exposição pública.

Verdade é que o expediente maquiavélico adotado para inibir alguns jornalistas e punir outros menos governistas que o governo acha que deviam ser é apenas uma arma utilizada por RC para não deixar esse rabo de fora perante o processo de cassação no TRE, porque ele prova, de urgência, que ao menos considera devedores aqueles que tentou aliciar.

A verdadeira história de desses bondosos empréstimos comprometedores está sendo contada por vários jornalistas acossados, mas mesmo assim terão de engolir o que falam para não fulminar o governador no TRE. Mas a catinga está incendiando o ambiente.




Comentários


Comentar


Sidebar Menu