Como entender? - Lourdinha Luna



Quem visita Areia lê em sua entrada uma placa indicativa que chama a atenção: “Terra de Pedro Américo”. Ao deixar seu berço, aos 10 anos de idade, para integrar. como desenhista, a missão científica do naturalista Jacques Brunet, estudioso da flora e fauna do Nordeste brasileiro, nunca mais o menino prodígio voltou à sua serra, nem fez sobre ela um traço para contentar os areenses.

Nem quando foi eleito deputado federal, por Areia, ele encontrou tempo para um afago àquela que o destacou no plano político. Ao criar em projeto constitucional três Escolas de Ensino Superior, beneficiou o Pará e outros Estados, nenhuma para a Paraíba.
O historiador Horácio de Almeida ao tentar repatriá-lo e sepultá-lo no Brejo de Areia valeu-se de artifícios ante a oposição de patrícios, magoados com o desprezo que dedicara às suas raízes. O defensor disse até que ele pedira para dormir o sono eterno na gleba de sua origem.

O esquife de bronze chegou à Paraíba e a colônia areense, residente em João Pessoa, rendeu-se aos argumentos do Secretário de Justiça - Horácio de Almeida - e compareceu ao cemitério Senhor da Boa Sentença onde o ataúde aguardou secar o lamaçal da Serra da Onça, que permitiria seu acesso à cidade serrana.
Em contrapartida o filho Ministro, chefe do MVOP - José Américo - deu-lhe ascensão ao fazer de sua carroçável uma estrada moderna, em 1932. Levou o Presidente Getúlio Vargas para conhecer a urbe e o local onde seria implantada a Escola de Agronomia. Engrandeceu seu torrão na literatura. Governou o Estado democratizado desde que JÁ arredou a porteira da ditadura na entrevista a Carlos Lacerda. Abriu as portas do futuro para estudante pobre ao criar uma Universidade. Foi presente em Areia, até transferir-se para o reino espiritual onde descansa.


Quem é merecedor de ter seu nome no acesso à cidade de Areia? Como fez Alagoa Grande com José Silva Gomes Filho (Jackson do Pandeiro).





Comentários


Comentar


Sidebar Menu