A ilógica do futebol e o futuro do Brasil - Virgolino Alencar

 
Futebol é uma coisa muito estranha.
Na Copa de 2010, a Suiça passou para a segunda fase, sem fazer e nem levar gol.
A França viajou de volta logo na primeira fase.
Agora, a França, desacreditada, chocolata 5 na Suiça, que certamente voltará pra casa cedo, num jogo em que fez muitos gols(3).
A Costa Rica vence dois campeões do mundo(Uruguai e Itália) e ainda pode vencer a Inglaterra, desclassificada e desmotivada.
E o time das estrelas verde-amarelas, a mais cara seleção do mundo do futebol, os que dizem que colocam a pátria na chuteira, apresentaram uma nova característica do futebol brasileiro.
Em vez de comer a bola, gostam de comer grama. Neymar, o craque mais caro, quando vê um adversário perto, enfia a cabeça na grama e dá nela um mordidinha.
O caminho do gol, o jogador brasileiro esqueceu. Aliás, lembrou bem da sua própria rede, onde Marcelo fez um bonito gol. Em dois jogos, o Brasil fez quatro gols(com o de Marcelo, claro).
Uma média de 2 por partida. Seria boa se a desconfiança não tivesse entrado na cabeça do brasileiro, tal um gol contra.
Não tem pátria nenhuma em chuteiras. Mas colocaram a pátria nas patas e estão pisando nela.
Como sou da geração do futebol de 70(Tri com louvor), fiquei viciado em gols. Não me interessa dribles, fintas, pedaladas, rebolados. Quero ver é gol. Sou adicto de gol. Golônamo. Se não sai gol, sinto uma sensação de abstinência!
Um gol por cada bilhão que a seleção(no conjunto) ganha estaria de bom tamanho.
Mas, a bola, que agora só dá bola para as Marias Chuteiras, cola cada vez mais a ilógica no futebol.
Passa logo, Copa da Corrupção. O Brasil precisa colocar o foco em uma luta para definir seu futuro. Estamos precisando de uma "bola de cristal" que nos mostre onde está a luz no fim do túnel.
Estamos na escuridão de um túnel, sem luz no fim, porque roubaram o gerador.
Ô Brasil!
Virgolino de Alencar





Comentários


Comentar


Sidebar Menu