Senador Vital do Rego e seus dias de Porcina - Chico Pinto

Esse imbróglio da ida ou não do senador Vital do Rego Filho, para um Ministério no governo de dona Dilma, me faz lembrar as antigas rugas políticas entre os grupos encabeçados por Antonio Mariz e Marcondes Gadelha, na cidade de Sousa.

 

Lá, todas às vezes que Marcondes perdia uma eleição municipal - por sinal perdeu várias -, de imediato, logo após a abertura das urnas, os seus correligionários espalhavam pela cidade, que ele seria contemplado e já havia até mesmo sido convidado para assumir uma pasta ministerial em Brasília.

 

Como o boato lavava o ego dos derrotados, acalmava os mais exaltados e, mais ainda, aqueles que exigiam até recontagem dos votos, o próprio Antonio Mariz, com a sua astúcia política, incentivava aos seus correligionários a não discordarem dos boatos. Chegava-se até a ajudar a propalar que realmente Gadelha já tinha data marcada para assumir.

 

Passada a refrega eleitoral sem que Marcondes subisse à rampa do Palácio do Planalto como ministro, começava-se a “gozação” por parte dos marizistas, o que deixava os gadelhistas exaltados, esquentando novamente os ânimos e aumentando cada vez mais o clima de confronto na cidade. Esta rixa, existe ainda até hoje, já que em Sousa logo que se termina uma eleição se dá inicio a próxima.

 

Quanto ao senador Vital do Rego, a Paraíba há mais de três meses, é surpreendida com notinha implantadas nos jornais e portais, dando contas da sua nomeação ao cargo de ministro, por indicação do seu partido o PMDB, o mais guloso e ávido por cargos na esfera federal.

 

O último boato foi publicado logo após o feriado de final de ano, quando se noticiava que ele havia sido chamado à Brasília, interrompendo o seu merecido veraneio em uma das praias da capital, para ser anunciado como ministro da Integração da presidente Dilma, o que não se concretizou pelo menos por enquanto.

 

Abro um parêntese para afirmar que o senador Vital tem todas as condições para assumir um ministério, o que será de bom alvitre para a Paraíba, mas tenho que concordar com a opinião do jornalista Marcos Tavares, na sua coluna Pãe§Circo, do Jornal da Paraíba, de hoje, quando ele opina que “Vital Filho deveria já ter recusado este ou qualquer ministério do governo Dilnma, pois uma coisa salta as olhos. Dilma não quer vital”.

 

E acrescenta: “O PMDB pode até conseguir a pasta, acostumado que está a leiloar cargos, mas vital jamais será um ministro de sua confiança ou prestigiado em seu governo. O tempo que ela o faz esperar por uma promessa mostra isso”.

 

E vai mais além, o colunista do JP: “Caberia a Vital um pouco mais de orgulho, de paraibaneidade para dispensar a presidente dessa promessa e ir tratar de sua vida, pois mesmo ministro, ela jamais terá o destaque de Aguinaldo Ribeiro, que tinha realmente bons laços a presidente”.

 

Hoje, a imprensa nacional, trás em manchete, que Dilma avisou ontem a Michel Temer, que “não será dessa vez que o partido conseguirá aumentar seu espaço na Esplanada dos Ministérios. Em uma longa conversa na noite desta segunda-feira com o vice-presidente, Dilma informou que não irá ampliar o número de ministérios comandados pelos peemedebistas na reforma ministerial que se inicia. O partido continuará no comando de cinco pastas”.

 

A decisão frustra as pretensões do PMDB, que pleiteava um sexto ministério, de preferência Integração Nacional ou Cidades, justamente os desejados pelo senador Vital do Rego. Alegou a presidente que vem recebendo muitas pressões para acomodar no governo três partidos da base aliada que já se comprometeram com sua eleição e hoje não se sentem contemplados com ministérios – PSD, PTB e o recém-criado PROS, e que com isso não poderia ampliar os espaços do PMDB, seu principal aliado. Além disso, disse que a tendência é que o PP, do ministro Aguinaldo Ribeiro, que ainda não sacramentou o apoio à sua reeleição, continue comandando uma pasta.

 

Se o PMDB continuar com os mesmos ministérios que têm hoje: Minas e Energia, Agricultura, Previdência, Turismo ou o de Aviação Civil, o senador Vital terá pela frente uma luta feroz dentro do seu próprio campo de atuação, pois como se sabe “cada jabuti desse foi colocado em cima da árvore”, por um padrinho forte do partido.

 

Sendo assim, é bom que o senador Vital do Rego se cuide para que também não viva os seus dias de Porcina, saindo de uma situação desgastante que pode perfeitamente ser evitada. Como também fugir do estafante diálogo travado entre o PMDB e a Presidente Dilma.

 

-Dá ou não dá presidente? Dou, não! Eis a resposta!..




Comentários


Comentar


Sidebar Menu