Candidato do Patriotas em CG acusa Wallber de ter embolsado quase meio milhão do partido

O candidato à Prefeitura de Campina Grande, Edmar Oliveira, pelo Patriotas, acusou o presidente estadual do partido, Wallber Virgolino, de se apropriar dos recursos destinados à campanha eleitoral nos municípios. Wallber também é candidato a prefeito, mas em João Pessoa.

De acordo com Edmar, Wallber recebeu R$ 400 mil de recursos em sua conta de campanha, já que a conta do diretório estadual do partido está proibido de receber recursos.

Foto: reprodução / TV Paraíba
Em entrevista a Rádio Correio FM, Edmar revelou a existência de um acordo com Wallber para que o recurso recebido fosse dividido entre os diretórios dos municípios. “Foi acordado, juntamente com o mesmo (Wallber Virgolino), de fazer o repasse para os municípios. Eu não estou pedindo dinheiro do bolso de ninguém, isso é dinheiro que vem de recurso do TSE. Tudo o que eu estou falando, eu tenho provas”, garantiu o candidato na disputa em Campina Grande.

Ainda segundo relatos de Edmar Oliveira, Wallber tem declarado que o candidato do presidente Jair Bolsonaro em Campina Grande é Bruno Cunha Lima (PSD). “Ele decide pelo presidente? Eu conheço o presidente antes de ele ser presidente, quando ele ainda era deputado. Então ele não pode falar por outra pessoa”, concluiu.

 

PB Agora


PESQUISA DA CONSULT, contratada pela ARAPUAN para prefeito de João Pessoa, traz previsão de eleitores do TRE do RIo grande do Norte e outras irregularidades

 blogdotiaolucena


Parece que a pesquisa da CONSULT contratada pela Arapuan para ser divulgada nesta terça-feira mostrando como está a situação dos candidatos a prefeito de João Pessoa, já nasceu bichada.

A pesquisa mostra falhas gritantes e, se for impugnada, dificilmente será liberada pela justiça.

A dita pesquisa usa dados do TRE do Rio Grande do Norte, fazendo alusãio aos percentuais de sexo, idade e grau de instrução.

Como a Capital do Rio Grande do Norte é Natal e não João Pessoa, é de se convir que há alguma coisa errada nessa feijoada.

Agora pergunto : e pode uma pesquisa para prefeito de João Pessoa ter como referência dados de outro Estado ?

Mas não é só isso. A pesquisa também não traz previsão dos percentuais de nível econômico dos eleitores , o que é obrigatório pela legislação .

E como se não bastasse , o estatístico responsável nem certificado digital tem, ou se tem não mostrou, e isso é exigido pelo artigo 2º , IX da resolução 23.600/19 do TSE .

Convém dizer que essas exigências têm que ser supridas num prazo de cinco dias antes da divulgação da pesquisa.


Governadores exigem que Bolsonaro incorpore vacina chinesa ao SUS

 
Governadores de estados se reúnem virtualmente nesta terça-feira (20) com o ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello. Pelo menos 14 deles já confirmaram presença e vão pressionar o governo federal a incorporar a vacina chinesa ao SUS

Vacina de Covid-19: Jair Bolsonaro e João Doria (Foto: Agência Brasil | Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Governadores estaduais vão pressionar o governo Federal a incorporar a vacina chinesa ao programa de imunização do SUS, em reunião virtual com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello.

A vacina chinesa está sendo produzida em parceria com o Instituto Butantan.

Pelo menos 14 governantes já tinham confirmado presença em reunião virtual com o titular da pasta, que ocorre às 15 horas, informa a coluna da jornalista Mônica Bergamo na Folha de S.Paulo.


O governo de Jair Bolsonaro não quer incorporar a vacina chinesa ao SUL por considerar que se trata de um trunfo eleitoral do governador de São Paulo, João Doria.

Nesta segunda-feira, Jair Bolsonaro criticou publicamente o governador de São Paulo pelo seu empenho em garantir a obrigatoriedade da vacinação no Brasil. E disse que já decidiu que a vacinação contra a Covid-19 não será obrigatória


Aras indica para o CNJ procurador que tentou arquivar investigação sobre Flávio Bolsonaro

 

No ano passado, o procurador Sidney Madruga tentou arquivar uma investigação de falsidade ideológica eleitoral sobre Flávio Bolsonaro

Procurador-geral da República, Augusto Aras 25/09/2019 (Foto: REUTERS/Adriano Machado)
Siga o Brasil 247 

247 - O procurador-geral da República, Augusto Aras, indicou o procurador Sidney Madruga para a cadeira reservada ao Ministério Público da União (MPU) no Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

No ano passado, o procurador tentou arquivar uma investigação de falsidade ideológica eleitoral sobre Flávio Bolsonaro, suspeito em lavagem de dinheiro e falsidade ideológica nas declarações de bens feitas pelo atual senador nas campanhas de 2014 e 2016.

As investigações continuaram por decisão do Ministério Público Federal (MPF) em agosto deste ano.


Madruga será sabatinado no Senado e precisa ter o nome aprovado por ao menos 41 senadores para ser nomeado por Jair Bolsonaro para a vaga.


Pesquisadores acham primeiro gato com coronavírus no Brasil

 


Não há evidências de que os animais domésticos, como gatos e cachorros, sejam uma forma de transmissão importante para humanos
(Foto: REUTERS/Goran Tomasevic)
Siga o Brasil 247 

247 - Pesquisadores identificaram o novo coronavírus no primeiro gato no Brasil. A infecção de felinos já ocorreu em outros lugares do mundo. Porém, não há evidências de que os animais domésticos, como gatos e cachorros, sejam uma forma de transmissão importante para humanos.

O gato brasileiro com Covid-19 está sem sintomas e é de Cuiabá, em Mato Grosso. Ele contraiu o vírus de seus donos, um casal e uma criança pequena, que foram contaminados em uma festa de família, em setembro.

Também há documentação de leões e tigres que foram contaminados pelo vírus no zoológico de Nova York. Nesse caso, os animais tiveram sintomas de problemas respiratórios, mas se recuperaram.


Família bilionária repatria fortuna e não quer pagar imposto

 
Uma família de ricaços brasileiros repatria quase R$ 50 bilhões e vai à Justiça para não pagar imposto. O governo de São Paulo tenta cobrar R$ 2 bi em tributos sobre transferência de recursos feita no exterior

Ricos sonegam impostos (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 

247 - A Procuradoria-Geral do Estado de São Paulo (PGE) está tentando fazer com que uma família que fez transferência de recursos no exterior da ordem de R$ 48 bilhões pague os impostos correspondentes.

O processo está em segredo de Justiça e pode render ao governo de São Paulo cerca de R$ 2 bilhões em tributos, o equivalente a um ano de arrecadação de ITCMD (Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação de Quaisquer Bens ou Direitos).

Reportagem dos jornalistas Eduardo Cucolo e Bruna Narcizo na Folha de S.Paulo informa que não foi feito o recolhimento do imposto e que a PGE atua no caso.


A Procuradoria confirmou que houve a repatriação, que não foi feito recolhimento do tributo porque a família possui uma decisão judicial favorável nesse sentido e que está atuando no caso. Não informou, no entanto, quando teria ocorrido a entrada do dinheiro no país.

Segundo a Procuradoria, há outros contribuintes com decisões judiciais no mesmo sentido, em operações que somam outros R$ 2 bilhões repatriados após transferência de patrimônio no exterior. Assim, a operação dessa única família representa 98% do dinheiro envolvido nas discussões.


Licença de 121 dias do senador cuecão é para dar posse ao filho, seu suplente


Chico Rodrigues foi afastado por 90 dias, mas colega de partido sugeriu aumentar a licença para burlar decisão do STF

Bolsonaro oficializa afastamento de vice-líder com dinheiro entre as nádegas
Licença de 121 dias do senador cuecão é para dar posse ao filho, seu suplente. Foto: Agência Senado.

O senador Chico “Cuecão” Rodrigues (DEM-RR) foi afastado do cargo por 90 dias, mas o presidente do Conselho de Ética, Jayme Campos (MT), do mesmo partido, sugeriu uma licença de 121 dias. O número específico não é coincidência: o senador que se licencia por um período maior que 120 dias deve ceder o cargo ao suplente. O suplente de Chico é seu filho Pedro Arthur, outro filiado ao DEM de Davi Alcolumbre. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

Diante da queixa geral sobre sua “decisão monocrática”, o ministro Luís Roberto Barroso deu um xeque-mate: mandou o caso para o plenário.

Desde o escândalo do dinheiro nas nádegas, os senadores tentam pretextos para minimizar a rebordosa. A licença é a jogada mais recente.

A tática é velha conhecida de Jayme Campos, que em 2009 admitiu se utilizar da licença para tratar de questões “pessoais e partidárias”.

Diariodopoder.com.br

 


PP trabalha para viabilizar nome de Aguinaldo Ribeiro para ministro

A cúpula nacional do partido Progressista avalia que não é o momento oportuno para o deputado paraibano Aguinaldo Ribeiro disputar a presidência da Câmara Federal – eleição dia 1º de fevereiro próximo. A informação foi divulgada pelo jornal Valor Econômico (SP).

Segundo a publicação, a intenção partidária é viabilizar a indicação de Aguinaldo para que ele volte a ser ministro de Estado, cargo que exerceu no Governo Dilma Rousseff (Pasta das Cidades).

Para a direção do PP o preferido é Artur Lira.

PBagora

 

 


Covid-19: casos voltam a subir e PB soma 42% dos leitos de UTI adulto ocupados


Neste domingo (18), a Paraíba registrou 19 novos casos de Covid-19 e oito óbitos confirmados desde a última atualização, um deles ocorrido nas últimas 24h. A diferença total de 19 casos do dia 18/10/2020, é resultante da indisponibilidade de atualização de casos no e-sus notifica, conferindo assim a atualização somente de casos graves referente ao sistema Sivep Gripe.

Casos Confirmados: 128.435
Casos Descartados: 176.960
Óbitos confirmados: 2.993
Casos recuperados: 104.494
Total de municípios: 223


Até o momento, 128.435 pessoas já contraíram a doença, 104.494 já se recuperaram e 2.993, infelizmente, faleceram. Até o momento, 398.234 testes para diagnóstico da Covid-19 já foram realizados.

A ocupação total de leitos de UTI (adulto, pediátrico e obstétrico) em todo o estado é de 39%. Fazendo um recorte apenas dos leitos de UTI para adultos na Região Metropolitana de João Pessoa, a taxa de ocupação chega a 42%. Em Campina Grande estão ocupados 33% dos leitos de UTI adulto e no sertão 59% dos leitos de UTI para adultos.

*Dados oficiais preliminares (fonte: SIM, e-sus VE e SIVEP) extraídos às 10h do dia 18/10, sujeitos a alteração por parte dos municípios.

Até hoje, 172 cidades registraram óbitos por Covid-19. Os 08 óbitos registrados neste domingo ocorreram entre 28 de maio e 18 de outubro, sendo 02 deles ocorridos nas últimas 48 horas, entre residentes de 02 municípios. Os pacientes tinham idade entre 54 e 83 anos. Hipertensão e cardiopatia foram as comorbidades mais frequentes. Dos locais, três ocorreram em hospitais privados e os demais em hospitais públicos.

Homem, 59 anos, residente em Cajazeiras. Hipertenso. Início dos sintomas em 03/10/2020. Foi a óbito em hospital público no dia 18/10/2020.

Mulher, 81 anos, residente em João Pessoa. Cardiopata. Início dos sintomas em 09/10/2020. Foi a óbito em hospital público no dia 16/10/2020.

Homem, 54 anos, residente em João Pessoa. Hipertenso e portador de doenças neurológica, renal e respiratória. Início dos sintomas em 29/09/2020. Foi a óbito em hospital público no dia 14/10/2020.

Homem, 69 anos, residente em João Pessoa. Cardiopata e tabagista. Início dos sintomas em 08/07/2020. Foi a óbito em hospital público no dia 15/08/2020.

Homem, 60 anos, residente em João Pessoa. Diabético e cardiopata. Início dos sintomas em 10/07/2020. Foi a óbito em hospital privado no dia 21/07/2020.

Mulher, 83 anos, residente em João Pessoa. Hipertensa e diabética. Início dos sintomas em 11/06/2020. Foi a óbito em hospital privado no dia 04/07/2020.

Mulher, 65 anos, residente em João Pessoa. Obesa. Início dos sintomas em 20/05/2020. Foi a óbito em hospital público no dia 07/06/2020.

Homem, 77 anos, residente em João Pessoa. Portador de doença neurológica. Início dos sintomas em 20/05/2020. Foi a óbito em hospital privado no dia 28/05/2020.

Os dados epidemiológicos com informações sobre todos os municípios e ocupação de leitos estão disponíveis em: http://www.paraiba.pb.gov.br/coronavirus

PBagora.com.br com Secom/PB


Nem aí, candidatos e eleitores impõem mesmo peso para o voto e a vida nas eleições desse ano na Paraíba

Aglomeração em locais abertos e fechados. O uso de máscara quase foi abolido pelos eleitores e candidatos na Paraíba nas eleições municipais desse ano em plena pandemia do coronavírus, que acarreta em uma doença que já provou não ser subestimada. Gente apinhada umas sobre as outras, em completo desespero para tentar burlar a lei da impenetrabilidade da matéria, formulada, entre outros, por Newton, a qual afirma que dois corpos não podem ocupar o mesmo espaço ao mesmo tempo.

Um show de horrores. A cada semáforo, pessoas em um subemprego temporário segurando bandeiras que são passadas de mão em mão sem a menor assepsia. Álcool em gel? Isso é coisa do passado. É preferível levar o santinho do candidato predileto na algibeira. Havendo real fé, o eleitor estará “protegido” da Covid-19, e a pandemia, como em um em um passe de mágica de Harry Potter, será erradicada antes mesmo da vacina contra o novo coronavírus ser desenvolvida.

Apesar do secretário de Saúde do Estado, Geraldo Medeiros, e sua equipe buscarem conscientizar a população paraibana que a pandemia não cessou, parece ser sua luta inglória. A Paraíba, que estava em queda em números de mortes causados pela Covid-19, retornou para a chamada bandeira vermelha.

A informação foi dada pelo consórcio de veículos de imprensa na quinta-feira 16, com dados das secretarias estaduais de saúde. Houve um aumento de 19% no estado. Enquanto isso, voto e vida se confundem numa gangorra macabra pautada no querer vencer. Muitos vendendo sua própria saúde, outros comprando a energia vital que move cada ser humano.

E assim segue o beija-mão, beijinhos em crianças abraços e apertos de mãos sorridentes nos adultos. Tudo vale, menos seguir o protocolo de segurança implementado pelos órgãos de saúde. E a vida, o voto e a certeza que dias piores virão.

 

Eliabe Castor
PB Agora


A lágrima verdadeira de um petista histórico

 Por: Aldo Ribeiro – economista e progressista

Nas andanças e bate-papos da vida real, aqui no meio da multidão, terminamos por conhecer e conversar com muita gente. Numa dessas interações, conheço um ex-petista, co-fundador do partido na PB, e hoje alinhado à um outro grupo político da cidade, por circunstâncias que agora não cabe falarmos. Papo bom, agradável, regado a um cerveja gelada e petiscos dos mais variados. À certa altura da conversa, após algumas histórias de militância lá de atrás, ao lado de companheiros de tantas e tantas lutas, entre eles, um tal de Ricardo Coutinho, ele embarga a voz e enxuga as lágrimas. Eram lágrimas de sol e chuva. Vitórias e perrengues. Alegrias e tristezas. Lágrimas verdadeiras.

Um dos nossos pergunta-lhe solenemente, em quem o mesmo irá votar mesmo estando em um campo oposto a tudo que acredita. Ele baixa a cabeça e fala baixinho aos que compunham a mesa: “que eles não me escutem, mas voto no mago”. Caímos na risada. Lembram daquela “força do silêncio” de que falei em artigos anteriores? É nessa força que acredito. Naquele eleitor que não tem adesivo nenhum no seu veículo, mas que na hora H, ali, ele, a urna e mais ninguém, vai saber discernir e fazer a leitura correta das coisas. Esqueçam pesquisas. Elas servem apenas pra embaralhar e tentar colocar no inconsciente coletivo das pessoas, que RC está perdido. Não está, acreditem.

E quando conheço uma figura tão importante, de luta e militância pra história do campo progressista, me vem o questionamento e a conclusão: existem petistas mais petistas, dos que hoje compõem o partido. E o “ser mais petista” não significa fazer confusão que mais parece briguinha de grêmio estudantil, pra colocar no jogo uma candidatura fadada a mais uma vergonha histórica, eleitoralmente falando. Significa ter a percepção e a grandeza suficiente pra colocar as divergências paroquiais abaixo de algo muito, mas muito maior: a defesa do estado democrático de direito, e o estancamento urgente da direita fascista que se alastra pelo país. Significa enxergar 2022. Ter o entendimento de que nesse momento, somente o ex-governador é capaz de frear essa praga. Isso sim, é um ato revolucionário e histórico. Nosso inimigo é outro, companheiros. Não sejamos tão burros a ponto de não sermos capazes de darmos um passo atrás nas tensões, que só ajudam a direita que aí está posta, doida pra tomar conta dos destinos da cidade e do estado.

E que a força do silêncio, essa que só observa e fala baixinho, faça a diferença.

“Eu tenho fé na força do silêncio”.


Bolsonaro quer se livrar de Mourão na campanha pela reeleição em 2022


Jair Bolsonaro pretende disputar a reeleição em 2022 com outro candidato a vice, descartando o general Hamilton Mourão. Ele já avalia nomes do centrão ou das ministras Damares Alves e Tereza Cristina
Hamilton Mourão e Jair Bolsonaro (Foto: REUTERS/Adriano Machado)
Siga o Brasil 247 

247 - Jair Bolsonaro não quer Hamilton Mourão de novo como vice na chapa que vai concorrer à reeleição e já avalia com militares que o general da reserva deveria ser candidato ao Senado ou ao governo estadual no Rio Grande do Sul.

A informação foi divulgada pelos jornalistas Gustavo Uribe e Julia Chaib na Folha de S.Paulo. Bolsonaro teria dito a aliados que quer escolher outro nome para a sua chapa eleitoral e ressaltou que não conseguiu estabelecer uma relação de completa confiança com o general Hamilton Mourão.

"Mourão de novo não dá", teria afirmado Bolsonaro, lembrando que o general da reserva foi escolhido em 2018 devido a uma dificuldade, na época, em encontrar um nome para sua chapa eleitoral.

Antes do anúncio de Mourão, a hoje deputada estadual Janaina Paschoal (PSL-SP) foi convidada para o posto, mas recusou. Na ´época, Bolsonaro escolheu Mourão na tentativa de fidelizar apoios nas Forças Armadas.

A reportagem revela que a intenção de Bolsonaro de escolher outro nome para a vice em 2022 já foi informada a integrantes das Forças Armadas.

Como saída honrosa para Mourão, esses militares defendem que o general da reserva dispute, em 2022, um mandato de senador ou de governador no Rio Grande do Sul, onde o general chefiou o Comando Militar do Sul.


Sidebar Menu