Não votarei em Boldo e nem em Andrade em hipótese alguma



 
Francis Lopes de Mendonça

Quem me acompanha aqui há um tempo já sabe o quão democrático eu sou e o quanto me esforço para manter um mínimo de racionalidade nesse espaço. Sou provavelmente uma exceção no sentido de, embora já ter declarado que não votarei em Boldo e nem em Andrade em hipótese alguma, respeitar sinceramente quem o fará. Mas não sei que desgraça de doença contagiosa é essa e o único jeito de tratar gente que não sabe conversar e se comporta como um robô é tratá-los como um robô: tirando as pilhas, ou seja desamigando, bloqueando.

Hoje mesmo varri cinco desses lobotomizados cuspindo seus mantras e frases de efeito, sem nenhum senso crítico. Minha intenção nesse momento não é agradar. Estou preocupado em provocar reflexões e ações para reverter a terrível situação em que estamos.

Durante os mais de cinco anos dessa página eu cansei de bloquear zumbis monotemáticos alienados pelo lulopetismo e de apagar seus comentários infelizes que só diziam repetidamente "Foi Golpe", "Fora Temer", "Lula Livre" e por aí vai.

Agora, de uns tempos pra cá, principalmente com a polarização de extremos nefastos e antidemocráticos para o país, tenho tido recorrentemente a inóspita visita de uma espécie de parentes deles: os zumbis monotemáticos alienados pelo bolsonarismo que repetem feito papagaio "É melhor Jair se acostumando", "B17", "Bolsonaro2018" e por aí vai.

Bloquear zumbis de ambas as bolhas ideológicas está sendo muito saudável pra mim, e inclusive me poupando grandes dissabores. E isso vale para todos, absolutamente TODOS, os candidatos. O bloqueio continua em seguida.

Porque não voto em Bolsonaro - Francis Lopes de Mendonça



 Passei o dia pesquisando no Google sobre Bolsonaro e cheguei à conclusão de que é melhor não votar nesse cidadão. Explico: estou certo de que muitos de boa fé dos que vão votar em Bolsonaro, o fazem em função de uma profunda revolta contra tudo que o PT fez ao longo de seus 13 anos. Votam em Bolsonaro como um gesto contra a corrupção, contra a roubalheira que nos foi imposta. Bolsonaro representa a mais radical oposição a Lula ou contra tudo o que Lula representa. Por isso enxergam em Jair o candidato que melhor expressa esse sentimento de raiva e nojo contra o vandalismo dos ladrões da esquerda, mas também de indignação com a violência sanguinária que convivemos nas nossas cidades. Não é isso??

Pensem se não é APENAS por isso que os amigos decidiram seu voto em Bolsonaro. É compreensível. Mas eu pergunto: e daí?? E os próximos anos?? Aos amigos que realmente decidiram votar em Bolsonaro eu pergunto novamente: vocês realmente pararam pra pesquisar, saber e refletir sobre o plano de governo de Bolsonaro, como eu fiz hoje?? Não?? Vejam bem, a minha intenção aqui não é mudar o voto de ninguém, não é desrespeitar a sua condição de eleitor fiel de Bolsonaro. A minha intenção é alertar os amigos que vão votar em Bolsonaro por impulso, por revolta, mas não pararam pra pensar com racionalidade no que virá quando ele for eleito.

Os amigos já pararam pra pensar no que ele fará pelo desemprego, pela economia, pela saúde, pela educação?? Não?? Então vale a pena conferir. Eu pesquisei no Google sobre o plano dele para entender o que a gente pode esperar dele como presidente, a começar por Educação: seu plano não apresenta nenhum projeto. Apenas críticas ao “comunismo” que ele garante ter tomado conta das escolas. Mas não há nenhuma estratégia para resolver o problema. De prático, apenas o apoio ao veto ao ensino domiciliar.

Depois fui pra Segurança: na segurança, o principal é o fim das saídas temporárias dos apenados. Ocorre que o STF já julgou a inconstitucionalidade desta proposta e não há como o presidente mudar isso sem aprovação do Judiciário. Ele fala também em criar o excludente da ilicitude para que os policiais possam atirar sem medo de serem processados. Só que o que ele propõe já consta do Código Penal.

Segui com Economia: pretende unir os Ministérios da Fazenda, Indústria e Planejamento criando o Ministério da Economia. Pretende ainda alterar a autonomia do Banco Central, alinhando com a política econômica - coisa que vai contra qualquer teoria econômica moderna.

Em seguida fui ver a questão da Saúde: outra área onde o plano de Bolsonaro é só mais um panfleto anti-esquerda do que uma coleção de propostas.Tem uma especial atenção aos nascimentos prematuros. Insiste que o problema da mortalidade infantil pode ser resolvido com as grávidas cuidando melhor da saúde bucal. Ignora temas como saneamento básico, por exemplo.

E a questão importantíssima do desemprego? Simplesmente não propõe nenhuma estratégia para combater.

Meus amigos, acreditem, é só isso, eu pesquisei. Não se iludam. Os amigos querem barrar a volta de Lula e sua gangue?? Ótimo!! Concordo. Mas será que os amigos não percebem que são ESSAS as “propostas” que vocês estão a ponto de eleger? Um político que está há 28 anos no Congresso e aprovou apenas 2 projetos e quando questionado sobre essa performance, respondeu: “mais importante que fazer gol é não tomar gol”. O cargo de presidente é de suma importância pra gente colocar um aventureiro e oportunista. Mas ainda dá tempo de mudar. Daqui a poucos dias não dará mais.

Mas com isso estou sugerindo que os amigos votem em alguém que não esteja alinhado com um pensamento à direita?? De jeito nenhum!! Mas pensem em candidatos que pelo menos possuam planos de governo de verdade, que a gente pode ao menos debater. TUDO MENOS BOLSONARO E HADDAD.

Por fim, está na hora dos eleitores fiéis de Bolsonaro pararem de refutar as acusações de homofobia, racismo e xenofobia. Agora o que é importante mesmo, às vésperas da eleição presidencial, é questionar o projeto de Bolsonaro para o país. Mas como questionar se esse projeto simplesmente não existe??...

Fingir que o Juiz Moro é o culpado pela prisão de Lula é escancarar pro mundo o quanto se é ignorante e estúpido



 

 Francis Lopes  Mendonça

Ações e posturas suspeitas e vacilantes de magistrados são obscenas. Justiça não pode ser politizada, partidarizada, seletiva, tem que ser clara, compreensível e igual para todos e todos serem punidos com o rigor da lei na proporção de suas responsabilidades, sem exceção. Sim, mas do que importa eu escrever novamente tudo isso? Boa parte disso eu já falei por aqui. E nada muda.

Na rasa mentalidade política das pessoas, se você não é petralha, é coxinha. As pessoas não buscam isenção. As pessoas buscam apenas confirmar a sua bolha ideológica. Isso ocorre porque o nível da política brasileira se tornou tão rasteiro que nos acostumamos a aceitar o debate político num nível mais rasteiro ainda. Dou um exemplo: tem gente que desqualifica a Lava Jato dizendo que o Juiz Moro é inegavelmente parcial, mas essa gente se esquiva de falar do desembargador que foi por 20 anos filiado ao partido da estrela vermelha solitária. Por que? Como fica a situação do desembargador, que por 20 anos foi militante do PT? Se vocês observarem bem, a resposta dessa gente é só um blefe de quem não tem argumento algum. E olha que eu não estou defendendo a Justiça brasileira. Aqui eu quero sair em defesa especificamente do Juiz Moro, para demonstrar porque a opinião dessas pessoas é inconsistente e quanto as suas contradições podem ser facilmente expostas fora da bolha em que elas renegam ou ignoram fatos conforme o tamanho dos seus bolsos ou dos seus egos.

De minha parte, não tenho problema algum em dar minhas posições políticas. O PSDB é um vômito ideológico. O PMDB é uma máfia e a sua única ideologia é o crime. Bolsonaro pegou em dinheiro e é envolvido com bancadas ruralistas, com evangélicos mascarados de cristãos, com racismo, xenofobia, misoginia e homofobia.

Mas de uma coisa eu tenho certeza: não foi o Juiz Moro quem condenou Lula. Lula foi condenado em segunda instância. Foi julgado por TRF4, STJ e STF. Fingir que o Juiz Moro é o culpado pela prisão de Lula é escancarar pro mundo o quanto se é ignorante e estúpido sobre esse processo.

Mas qual a razão pra essa gente puxar o espantalho do Juiz Moro nesse tópico, se ele não é o único responsável pela prisão de Lula, que foi referendado por diferentes juízes, ministros e desembargadores? E qual é o posicionamento político do Juiz Moro? Quando foi que o Juiz Moro tentou salvar da prisão alguém do PSDB? Em qual julgamento o Juiz Moro defendeu alguém do PSDB? Essa é uma pergunta fácil de responder: 95% das decisões do Juiz Moro não foram reformadas por tribunais superiores. O que isso significa? Que essas decisões não foram questionadas por outros juízes, desembargadores e ministros - muitos deles indicados por governos do PT.

Juiz Moro não tem suas decisões reformadas por tribunais superiores - que referendaram inclusive a prisão de Lula (aumentando a pena). Mas essa gente vive numa bolha repetindo feito papagaio que o Juiz Moro é parcial, que ele persegue o líder da estrela vermelha solitária.

Mas quando essa gente é confrontanda pela realidade - de que as suas decisões foram referendadas por outros juízes, desembargadores e ministros – essa gente fica que nem um disco furado, repetindo o discurso enviesado, como se desse um “tilt” no cérebro e ela fosse incapaz de contra-argumentar contra esse fato límpido e inquestionável. Ah, sim, há foto do Juiz Moro sorrindo com Alckmin, Aécio e Temer. O argumento dessa gente é uma foto. Porque foto entre juízes e políticos expõem que eles estão do mesmo lado. Mas o juiz foi convidado pra um evento, com políticos de diferentes partidos. Isso não prova nada. Há inúmeras fotos de Lula e Dilma sorrindo com Alckmin, Aécio e Temer, e isso não quer dizer nada. Isso é pobreza argumental inconsistente, incoerente e sem qualquer apelo ao mundo real. E qualquer pessoa consciente e racional que esteja lendo o que escrevo sabe disso.

Essa gente quer colocar no mesmo saco 20 anos de militância de um desembargador suspeito com uma foto tirada num evento oficial de um juiz, com inúmeros jornalistas e fotógrafos acompanhando a cena, como se isso fosse a mesma coisa.

Não bastasse, quando se questiona explicitamente qual decisão do Juiz Moro é pró-PSDB, essa gente desvia o assunto - porque sabe que as suas decisões foram referendadas pelos tribunais superiores, por diversos juízes, desembargadores e ministros, alguns deles indicados pelos governos do PT. Mas cadê o argumento dessa gente questionando o desembargador? Se a decisão fosse técnica, vá lá. O que não é o caso. Porque não há como questionar sobre a falta de imparcialidade do desembargador. Pra começo de conversa porque ele é um plantonista. E se essa gente que vive numa bolha tivesse o mínimo conhecimento do papel de um plantonista, saberia que ele não tem esse poder.

Não há como defender um desembargador que foi militante por 20 anos, enquanto questiona a parcialidade do Juiz Moro. Essa gente vive numa bolha envolvida em sofismas. O que vale pra um, não vale pra outro. No mais, argumentos de um plantonista não deveriam sequer ser considerados, a julgar que um plantonista não pode monocraticamente reformar as decisões de um colegiado.

Além disso, a posição dele é que Lula deve ser solto porque é pré-candidato à presidência - e que esse é um fato novo. Já pensou se a moda pega e qualquer condenado pelas instâncias inferiores e superiores da Justiça seja solto apenas porque decidiu ser candidato a alguma coisa? Fala sério! Por essa lógica, Sérgio Cabral seria colocado na rua se ele decidisse virar candidato. Fernandinho Beira Mar seria liberado se ele aparecesse com o mesmo discurso.

Repito o que disse no começo: as pessoas não buscam isenção. Elas buscam apenas confirmar a sua bolha ideológica recheada de auto-enganações. 

Esse é o nível mais rasteiro e estúpido do debate político no país. É o que mais emburrece.

Qualquer um pode se transformar num Hugo Chavez da vida



 Francis Lopes de Mendonça

No Brasil, a política ensinada pelos grandes mestres se tornou algo tão ordinário quanto uma pornochanchada de Alexandre Frota. Tenho na minha casa uma humilde biblioteca com as obras daqueles que pensaram racionalmente sobre a política: Platão, Aristóteles, Hobbes, Jung, Maquiavel, Tocqueville, Darcy Ribeiro, Max Weber. Mas parece que vou ter que jogar tudo na lata do lixo, pois é inútil invocar, em meu socorro, as ideias maravilhosas desses pensadores. Elas são totalmente inúteis num país que não pode ser mais entendido com cabeça de filósofo. Só pode ser entendido com cabeça de peidão. E é só com cabeça de peidão que a gente pode entender a superioridade moral com que as militâncias politiqueiras olham para os demais, para os que não apóiam Jair e nem apóiam Luiz Inácio.

Não foi só por causa da bandidagem do PT que a maioria detesta o esquerdismo tupiniquim. Foi também, entre outras coisas, por causa do seu autoritarismo, e da sua insistência em assumir o monopólio das boas intenções, do mesmo jeito que a militância bolsominion está agora a se conduzir.

Jair e Luiz Inácio dizem muito mais de suas militâncias politiqueiras que deles mesmos. Ninguém mais do que ambos os populistas nos ensinam acerca de certos colegas facebookianos que, até então, não tínhamos a menor noção de quem eram. Mas só precisamos ficar atentos e, diante de pessoas que preferem Jair e Luiz Inácio, podemos tirar uma série de deduções que, se não fosse tal observação, nunca saberíamos.

Ao vermos colegas apoiando essas duas figuras nefastas à sociedade brasileira, com ambos se revelando como o que realmente são – um fazendo-se de desentendido para permanecer chefiando uma quadrilha de assaltantes e outro chefiando uma oligarquia que mama com força nas tetas do dinheiro do povo, o que não deixa de ser também uma forma de assalto aos cofres da nação -, sabemos que esses colegas apoiadores estão, de fato, se mostrando para nós sem a compostura costumeira. É como se esses colegas estivessem nos dando um recado: “somos assim, não nos importamos com ética e igualdade alguma, com moral alguma que professamos no Facebook.

Esta é nossa verdade”. Claro que eles não falariam dessa maneira, eles não avalizariam roubo de nenhuma forma. Mas, ao apoiarem Jair e Luiz Inácio, elas estão sim dizendo isso, talvez até de maneira intencional. E talvez porque essa bizarra compostura de certos colegas em torno de factóides populistas seja típica dos períodos de crise estrutural que de tempos em tempos atormenta a cena político-sócio-cultural e alguns países.

Pois é notório: quando há crises de instabilidade econômica e política na conjuntura geral de um país, torna-se fértil o terreno para a germinação de ideologias fascistas e fanáticas, tanto à direita quanto à esquerda, seja na forma de messianismo ou seja na forma de caudilhismo ou seja na forma de qualquer outra erva daninha produzida nesse tipo de contexto. Tanto faz Luiz Inácio, Jair ou um milico qualquer, pois qualquer um pode se transformar num Hugo Chavez da vida ou num monstrengo pior do que isso.

Vai Moro, coloca Alckmin na mesma cela que Lula! - Francis Lopes Mendonça



É moralmente correto pedir a prisão de Lula, mas é de uma burrice estratosférica ter saído às ruas para gritar e pedir unicamente a prisão de Lula. Esse tipo de discurso enviesado acaba com a Justiça. Justiça tem que ser clara, compreensível e igual para todos.

É um equivoco pensar que todos os problemas do país estão resolvidos com a prisão de Lula. Longe disso. Ainda há muito ladrão de milhões pra colocar no xilindró e outros tantos pra desovar pra fora da vida pública.

A prisão do metalúrgico fútil definitivamente não resolverá todos os nossos problemas sociais e econômicos. E nós não nos tornaremos uma sociedade moderna da noite pro dia. Não enquanto estivermos sendo assaltados por figuras sinistras da qualidade de Aécio, Temer, Serra, Renan, Jucá, Eunício, Alckmin, Richa, Perillo e enquanto a lei eleitoral não for aplicada de verdade para desmontar e pulverizar agremiações criminosas como PSDB, PMDB e PT. Isso sim.

Todos são culpados do que o Brasil tem produzido em termos de política retrô.

Praticamente todos esses marginais se travestiram de políticos, utilizando os partidos para se beneficiarem de esquemas criminosos. No entanto, o pessoal dessa direita burra e ignorante que está aí só sabe falar da prisão de Lula e da cachaça que Lula vai tomar na prisão. E eu descobri a razão. A direita ignorante e burra sabe que não tem programa, e que sua única bandeira é falar de Lula.

Ora, porra, Lula é só mais um integrante dessa história cheia de pretensos salvadores da pátria, se agarrando em sua massa de manobra como pode! O povo brasileiro foi enganado e tripudiado inúmeras vezes por marginais assim. E continuará inúmeras vezes mais enquanto tratar a política como uma ferramenta de redenção. Golpes, prisões, suicídios, vandalismo com o patrimônio nacional, heróis nacionais de mentira, messianismo fanático, ausência de republicanismo e falta de honestidade dos seus homens públicos são marcas da triste história do povo brasileiro. Todavia, acredito ainda ser possível salvar o Brasil, apesar disso tudo. Só falta desmascarar a outra metade da quadrilha de Lula, que é parte da quadrilha de Temer. Corruptos e ladrões são criminosos, sejam da direita ou da esquerda.

É preciso sair às ruas para exigir a prisão desses caciques e assim mostrar que todos são farinha mofada do mesmo saco. Petistas, lulistas e agregados podem ajudar e muito a colocar no xilindró todos esses que são iguais. Coxinhas e mortadelas de boa vontade e verdadeiramente patriotas podiam fazer este grande favor ao país: gritar que são milhões unidos contra todos os traidores da nação, afinal, todos devem ser punidos com o rigor da lei na proporção de suas responsabilidades, sem exceção. E contem com o meu apoio.

Essa côrte suprema que está aí não merece um pingo de respeito! - Francis Lopes Mendonça



Não existe nada melhor do que ter pessoas certas, no lugar certo, na horinha certa para barrar qualquer tipo de investigação, condenação ou prisão. Os tentáculos do aparelhamento da máquina do estado pelas máfias partidárias sufocam o Supremo Tribunal Federal e transforma-o no seu quintal. É de dar nojo! As notícias dão conta de que ministros manipulam para que a matéria acerca da prisão em segunda instância seja reapreciada e um habeas corpus que foi impetrado em pouco mais de duas semanas seja avaliado.

Fora de qualquer dúvida, é uma manobra declarada desses senhores a serviço das máfias partidárias para tentar reverter o posicionamento atual do tribunal. E tudo isso a tempo de beneficiar os condenados da Lava Jato que continuam soltos e dentro da política, tentando roubar de novo o dinheiro dos nossos impostos.

Pobres mortais não dispõem desse privilégio. Mas muambeiros, corruptos e ladrões de bilhões dispõem e conseguem passar à frente de quatro mil habeas corpus impetrados por gente que continua esperando julgamento na instância suprema, muito embora se saiba que não há dispositivos legais para assentar a antecipação de um caso em detrimento de milhares de outros casos que não terão o seu habeas corpus avaliado com a mesma rapidez em plenário pela totalidade dos senhores da instância suprema.

Quer aparelhamento mais claro e abjeto do que isso? Se fosse num país sério, a Justiça estaria tratando de aplicar a lei eleitoral para desmontar e extinguir a bem do povo brasileiro as agremiações criminosas travestidas de partidos políticos, a exemplo do MDB, PT e PSDB, pelo volume de caixa dois e roubo em escala industrial. Aí sim a Justiça seria igual para todos.

O que não pode acontecer num país onde um Judiciário suspeito e inoperante perpetua o status quo do mecanismo da corrupção e inviabiliza a renovação real da política brasileira. Essa côrte suprema que está aí não merece um pingo de respeito!

Pagamos as contas eleitoreiras desses senhores feudais - Francis Lopes de Mendonça



·
Até o presente instante os ditos "representantes do povo" não votaram nenhuma lei para colocar um freio na suruba salarial dos marajás do Legislativo, Executivo e Judiciário.

Em vez disso, mais imoralidades são promovidas, a exemplo dos eleitores e contribuintes serem obrigados a investir na carreira e pagar a campanha eleitoreira desses senhores feudais, que chegam a chamar cinicamente essa ação nefasta de “cota para a democracia”.

Enquanto Tio Jair usa o dinheiro dos nossos impostos para alavancar sua corrida presidencial com a aquisição de passagens para si e seus assessores a pretexto de exercer a atividade parlamentar, Tio Lula e seus funcionários têm passagens e diárias pagas com o dinheiro dos nossos impostos para bancar uma caravana pelo país.

Ambos usufruem de privilégios especiais imorais fabricados dentro da legalidade. Trocando em miúdos, é roubo escamoteado de legalidade. Não consta que haja no mundo um país a distribuir tantos recursos públicos.

Esses energúmenos deveriam ser obrigados, para serem de verdade os legítimos representantes do povo, a votar uma lei que declarasse extintas todas e quaisquer vantagens que os tornam diferentes dos eleitores e contribuintes comuns.

Afinal, a essência da representatividade não é a igualdade entre o representado e o seu representante? Por isso vou anular o voto num ato de desobediência civil. Eu me recuso a continuar legitimando e contribuindo com a manutenção do status quo reinante dentro desse sistema político-eleitoreiro impingido pelo Estado federativo e republicano tupiniquim onde o bom uso da coisa pública, com obras e serviços de qualidade, não está a serviço das camadas subalternas e periféricas, mas sim a serviço de castas, de minorias que andam de jatinhos, comem caviar, arrotam ostentação, têm contas milionárias, têm super-salários, usufruem de vantagens imagináveis e inimagináveis do poder, e ainda por cima emplacam parentes e prepostos nas vastas tetas das côrtes palacianas com todas as benesses do Estado corrupto. Isso é uma troca justa? Não é nem aqui nem na China!

Bolsonaro oTrump tupiniquim - Francis Lopes de Mendonça



 Amigos ditos esclarecidos permanecem gritando que a solução para esse descalabro de proporções calamitosas que desabou sobre o país só pode vir de Bolsonaro.

Pelo que sei, a única obsessão do nosso Trump tupiniquim é aumentar a violência na repressão ao crime. Fora disso, o cara é duma pobreza sem fim de ideias. Aliás, ele tem sim outra relevante contribuição a dar num aspecto da sociedade brasileira e da administração pública: ser fiador de uma oligarquia familiar. Tanto que o partido para abrigar esse clã deveria ser fundado com o nome de Partido da Oligarquia Bolsonarista, pois junto com ele estão no POB todos os quatro filhos, um irmão que era ou é funcionário fantasma e mais não sei quantos parentes.

Até agora esses amigos por quem nutro respeito não souberam explicar que autoridade moral o povo brasileiro deve reconhecer numa pessoa que deseja “moralizar” o Brasil tendo uma oligarquia inteira com a cara enterrada nas vastas tetas do setor do emprego público.

Não estou dizendo aqui que o cara seja um idiota, pelo contrário. Além de suas velhas práticas fisiologistas, ele fala o que fala porque sabe que muitos irão ficar impressionados com o seu discurso embrulhado num falso frescor de novidade enfeitiçante. Não é à toa que Bolsonaro tornou-se porta-voz de uma crescente quantidade de pessoas insatisfeitas com o status quo reinante e que se veem acuadas diante da retórica de que muito do que lhes foi passado, no que diz respeito aos seus direitos, deveres e limites, agora precisa ser revisto para incorporar novos conceitualismos.

Pessoas assim veem suas certezas ditas absolutas serem atacadas, chamadas de coisas bolorentas e retrógradas. Imagine uma pessoa, que sente que seu mundo está mudando mais rápido do que pode compreender, quando aparece alguém despontando no horizonte, o seu ouvido ouve que não precisa se sentir dessa forma, nem se adaptar, apenas lutar para manter tudo como está para ver como é que fica.

Não admira, portanto, que Bolsonaro esteja bem colocado nas pesquisas de opinião e na cotação à presidência do Brasil, graças também a certas circunstâncias pelas quais não tem nenhum mérito, a exemplo do vandalismo com o patrimônio nacional promovido pela aberração política que se chama “lulopetismo”, que rendeu a essa cria de um quartel de milicos o destaque imerecido de antiesquerdista.

O roubo já existia desde a época dos militares - Francis Lopes de Mendonça




Muitos pensam que as Forças Armadas deste país são uma ilha suspensa de credibilidade e moralidade. Mas poucos sabem que os milicos são outros derrotados cujos governos, além de já terem metido a mão no dinheiro da nação tanto ou mais que os partidos políticos com o mensalão e o petrolão juntos, foram responsáveis também até pelo desmantelamento da malha ferroviária do Brasil, que já foi dez vezes maior do que é agora antes dos milicos chegarem ao poder.Desativaram quilômetros e mais quilômetros de ferrovias, no que foram seguidos por todos que sucederam os milicos, inclusive o muambeiro do Lula.

Realmente, o que falta neste país, além de muita vergonha na cara, é memória. Pois essa prática de meter a mão no dinheiro do povo também vem desde os governos militares, que desviavam percentagens para os bolsos, sendo que depois os partidos políticos passaram a aprimorar os esquemas de falcatruas e desvios.

O caso de Zé Dirceu do PT e Zé Serra do PSDB é emblemático. Ambos enfrentaram a ditadura e fizeram pós-graduação em corrupção com treinamento nos porões dos cárceres totalitários, de onde saíram pós graduados e agora puseram em prática as técnicas de ladroagem que aprenderam com seus algozes, os corruptos e corruptores da falsa revolução do golpe militar de março de 64.

Os dois foram coleguinhas de esquerdismo festivo da década de 60 e calçavam o mesmo número, 40, sendo que ambos resolveram roubar o povo de forma diferente. Essa é a verdade.

A carta de Palocci não traz nada que a gente já não soubesse - Francis Lopes de Mendonça



 

 Francis Lopes de Mendonça
11 h ·
A correspondência de Palocci é um documento histórico de suma relevância: é lúcida e bem redigida, e embora não traga nada que a gente já não saiba ou de que não suspeite, é um depoimento para as pessoas de boa fé reconhecerem que não é mais possível apoiar e defender o que ou quem não é mais defensável, realmente, e para que revejam a sua posição.

É um documento fundamental escrito por um teórico do petismo que alavancou o “comandante” à condição de líder e lhe ensinou a por as mãos no dinheiro da nação. Agora, para se safar, falou tudo o que sabe e entregou a cabeça dos companheiros numa bandeja à Lava-Jato.

Claro que os fanáticos fiéis ao "comandante" vão continuar correndo atrás de novas desculpas para desqualificar Palocci e permanecer atacando a Lava Jato, quando deveriam desde o começo ter feito o dever de casa e a velha autocrítica dos bolcheviques para avançar ou mesmo para criar um novo partido socialista distante da máfia lulista-dilmista-temista. Mas nada fizeram. Não reconheceram as lambanças grotescas e desestruturantes que a porra louca da Dilma fez com o país e nem expulsaram os ladrões e corruptos que engrossavam as fileiras do partido que de popular e de trabalhadores só restou a sigla.

Preferiram continuar chafurdando no mar de lama de mentiras e contradições deslavadas da máfia lulista-dilmista-temista. Pois vão ser novamente arrastados no lamaçal para sofrerem a maior derrota de sua história, em 2018, saindo como vitorioso o paleozoico Jair, um substituto fanfarrão dos milicos que virou um dos candidatos mais cotados à presidência, graças às circunstâncias pelas quais não tem nenhum mérito, como é por exemplo o vácuo moral e ético deixado pelo “comandante”. Francamente, não desejo ao pior inimigo o triste futuro a que está destinado este pobre e dilapidado país.

O Estado brasileiro é apenas uma sinecura de castas de senhores feudais - Francis Lopes de Mendonça



 

 Francis Lopes de Mendonça

Eu já escrevi isso algumas vezes, mas sempre me pego pensando no assunto, embora eu saiba que seja mera e frustrante masturbação mental: o Estado brasileiro é apenas uma sinecura de castas de senhores feudais que usufruem de altos salários e privilégios abusivos.

Estão excluídas dessas vantagens especiais a plebe rude e as massas ignaras, inertes, apáticas, anestesiadas e submissas, que só servem para sustentar as imoralidades praticadas sob a cínica alegação de que ninguém está fazendo nada ilegal, como se não fosse dentro da legalidade que fabricassem regalias e mamatas transformadas em “direitos adquiridos”.

Mas o que podíamos esperar de um Judiciário indicado pelo Executivo e aclamado pelo Legislativo? Uma ilha isenta das ideologias e influências partidárias? Ou um tabu perpetuador de injustiças contra quem paga a conta: o bobo da côrte comprado, o povo mais pobre?

Pois é a maior transferência de renda da História da Carochinha do Brasil - mas dos pobres para os ricos. Parecem duas castas diferentes de cidadãos, não é? Só que tudo é legitimado nas urnas.

O mecanismo do voto não passa de moeda de troca imposta aos trouxas na "democracia" de simulacros e factoides de cada província federativa pré-capitalista. Uma afronta à Carta Magna, a nossa cuspida Constituição Federal!

A vida do médico Marinônio Lopes de Mendonça - Francis Lopes de Mendonça



 Há médicos que são comerciantes da Saúde e há médicos que são movidos por compaixão, a exemplo do meu saudoso avô Marinônio Lopes de Mendonça, que foi médico em Cabedelo, cidade portuária da Paraíba entre o rio e o mar, nos tempos em que os médicos eram diferentes dos médicos de hoje.

Claro, tinham de ser porque o mundo era diferente na década de 50. Os hospitais eram raros e raros também eram os laboratórios. Como uma espécie de Sherlock Holmes, valendo-se de pistas mínimas, meu avô tinha de descobrir o criminoso que deixava suas marcas no corpo do doente.

Naquele lugar abandonado e miserável, a inteligência dele era decisiva. Meu avô era um herói solitário que atendia na sua farmácia unha encravada, cachumba, desidratação, bronquite, pneumonia, parto, prisão de ventre, resfriado, crupe, disenteria, gonorréia, berne, conjuntivite, furúnculo, hemorróidas, lombriga, dor de garganta, coqueluche, tosse de cachorro, verruga, indigestão e por aí vai.

E ele tinha de ser humilde, pois quando não havia mais jeito todo mundo recorria aos seus préstimos na luta contra a morte e o sofrimento frequentes. E com freqüência, meu avô recebia como pagamento uma galinha de capoeira, duas dúzias de ovos, um bode – e mais a eterna gratidão das pessoas humildes que tinham sido atendidas e não podiam pagar.

Deus no céu e o “seu Mário” na terra - eram as valias dos mais pobres. Hoje em dia, quando se pensa num médico, pensa-se em alguém portador de um conhecimento especializado: o listão deles se acha no catálogo da Unimed.

Cada médico é uma unidade biopsicológica móvel portadora de conhecimentos especializados e que executa atos sobre o corpo do paciente. No tempo do meu avô, era muito diferente.

Os médicos tinham, fora os conhecimentos, vocação para execução dos atos sobre o corpo do paciente. Mas o que fazia um médico não eram os seus conhecimentos de ciência médica.

A ciência médica era algo que lhe era exterior e que ele levava consigo como se fosse uma pastinha. É que qualquer um pode possuir conhecimentos científicos. Mas a alma de um médico não deve se achar nem no lugar do saber e nem no lugar do bolso, mas no lugar do amor, da compaixão.

O que devia caracterizar a nossa classe médica, mesmo – pelo menos no imaginário popular – devia ser o fato de ser movida por compaixão. Compaixão, na sua gênese etimológica, significa “sofrer com um outro”.

A compaixão devia ser a mais humana das características dos nossos médicos. Porque toda pessoa que procura um médico está sofrendo. E o nosso povo pobre é aquele que mais sofre e morre nas filas desumanas do SUS, esperando até seis meses por uma oportunidade de tratamento.

Bem que a nossa classe médica podia se inspirar na frase que eu vi escrita numa porta do Conselho Regional de Medicina: "O médico necessita ser um especialista em gente”. É esse tipo de sentimento transformado num princípio ético que todo médico brasileiro deveria ser obrigado a afixar no seu consultório, para nunca mais se esquecer...

Sidebar Menu