Ministério Público denuncia Flávio Bolsonaro e Queiroz por rachadinha na Alerj



Fabrício Queiroz ao lado do senador Flávio Bolsonaro

Portal WSCOM

 

O Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) denunciou, segundo O Globo, nesta segunda-feira (28) ao Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ) o senador Flávio Bolsonaro e seu ex-assessor Fabrício Queiroz.

Flávio é apontado como líder de organização criminosa que praticava rachadinha na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro). Por sua vez, Queiroz é indicado como operador do esquema. Vale ressaltar que Flávio Bolsonaro já ocupou o cargo de deputado estadual no Rio. Os crimes teriam ocorrido nesse período.

Flávio e Queiroz são denunciados por peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Promotores afirmam, com base nos dados das quebras de sigilo bancário e fiscal, que o senador utilizou ao menos R$ 2,7 milhões em dinheiro vivo do esquema das rachadinhas. O senador teria usado ainda três métodos para lavar o dinheiro.

O esquema de rachadinha na Alerj já era investigado há mais de dois anos.

Walber Virgolino relembra processo de produtos piratas de Nilvan Ferreira: ‘quem engana o consumidor, engana o eleitor’




Publicado por: Gerlane Neto em 28/09/2020 às 11:47


Polemicaparaiba.com.br


O deputado Walber Virgolino relembrou o processo de falsificação, estelionato e sonegação fiscal de Nilvan Ferreira, durante o debate da TV Master desta segunda-feira (28), ele questionou como o apresentador critica Ricardo Coutinho e fala no combate a corrupção se responde a um processo grave.

Nilvan Ferreira voltou a dizer que o caso foi uma armação do ex-governador Ricardo Coutinho e, disse ainda que Walber era secretário de do ex-governador na época, Nilvan disse também , que outros empresários contrários ao governo Ricardo chegaram a se suicidar devido as perseguições.

Walber respondeu que ele é delegado de polícia e conhece o processo de Nilvan “uma das peritas mais conceituadas do Brasil atestou a falsificação, atestou o crime, ” você responde a processo, você é réu, quem engana o consumidor engana o eleitor… você é falso”.

Nilvan Ferreira encerrou o embate dizendo que Walber Virgolino “desde hoje a tarde leva o debate para o esgoto, João Pessoa não quer um prefeito bang bang, não quer bravata, destacou”

Confira a agenda oficial dos candidatos à Prefeitura de João Pessoa nesta terça-feira Confira as agendas dos candidatos à Prefeitura de João Pessoa.





Por Redação
Publicado em
29.09.2020 às 05:55

Confira as agendas dos candidatos (Foto: Reprodução)
Os candidatos à Prefeitura de João Pessoa participam de reuniões e visitas de campanha nesta terça-feira (29).

Confira as agendas:

Prefeitura de João Pessoa

Anísio Maia (PT)

Agenda não foi divulgada

Camilo Duarte (PCO)

Agenda não foi divulgada

Carlos Monteiro (Rede)

Agenda não foi divulgada

Cícero Lucena (PP)

Agenda não foi divulgada

Edilma Freire (PV)

Manhã - Reunião com lideranças comunitárias

Tarde - Reunião com a população do Centro

18h - Encontro com a população do bairro dos Funcionários

19h - Lançamento de candidatura do vereador Lucas de Brito no Bairro dos Estados

João Almeida (Solidariedade)

Agenda não foi divulgada

Nilvan Ferreira (MDB)

14h - Visita Mangabeira 8 (Aratu)

16h - Visita em Mangabeira

17h - Visitas Valentina

Pablo Honorato Nascimento (PSOL)

Manhã - Reunião com apoiadores da campanha

14h - Reunião com Andréia Porto Sales, professora e geógrafa

17h - Reunião interna com a coordenação de campanha e direção do partido

Rafael Freire (UP)

Agenda não foi divulgada

Rama Dantas (PSTU)

Agenda não foi divulgada

Raoni Mendes (DEM)

Agenda não foi divulgada

Ricardo Coutinho (PSB)

Agenda não foi divulgada

Ruy Carneiro (PSDB)

7h - Gravação

9h30 - Café da manhã Residencial Vieira Diniz

Tarde - Agenda interna

19h30 – Reunião na Igreja Evangélica Quarto de Guerra

Wallber Virgolino (Patriota)

Agenda não foi divulgada

Os candidatos poderão enviar a agenda para o Portal ClickPB através do email redacao@clickpb.com.br

Debate entre candidatos em JP tem insinuação até de traição conjugal



 

O clima esquentou entre os candidatos à prefeitura de João Pessoa no primeiro debate na Rádio Arapuan, nesta segunda-feira (28). Durante o primeiro bloco faltaram propostas e sobraram troca de farpas, com ataques pessoais e até mesmo insinuações de traições conjugais.

Tudo começou quando o candidato do Solidariedade, João Almeida, disse que o deputado Walber Virgolino falava sobre moral, mas desembolsava R$ 2 mil por dia em cachaça na cidade de Bananeiras, sem falar em gastos absurdos na Assembleia, sem sequer haver sessão presencial.

Leia Também:
Análise: o microfone sem o veículo; uma ameaça sem um suspeito; um Nilvan sem um Sistema de Comunicação


“A gente vê aqui alguém que se coloca como paladino da honiestidade passar a pandemia inteira gastando R$ 2 mil por dia em Bananeiras, tomando cachaça, quando se nada estivesse acontecendo em João Pessoa. Gastou ainda R$ 240 mil de atividade parlamentar enquanto a Assembleia estava fechada. Fica a dica de quem é paladino da honestidade, mas cara de pau a gente tem por obrigação de desmascarar”, disse João contra Walber Virgolino.

Por sua vez, o candidato do Patriota, Wallber Virgolino, reagiu e insinuou que o adversário, João Almeida (SD), estaria desembolsando as verbas indenizatórias que recebe como vereador para passear de avião em praias paradisíacas do Nordeste sem a companhia da esposa.

 

“A ovelhinha mordedora aqui passou a agredir todo mundo. De comparsa de Julian Lemos a laranja de Cícero. Está nítido aqui a sua posição de defender o candidato Cícero e eu sei por que. Mas durante a pandemia João, minha família foi para Bananeiras, mas eu fiquei na cidade de João Pessoa (….). João eu sou homem de família, eu sou conservador raiz, já você na pandemia que goza das prerrogativas de vereador, tem verba indenizatória e você estava aonde? Até onde eu sei você estava em um avião particular indo para Noronha e parece que não era com a sua esposa, já eu estava em Bananeiras com a minha esposa”, disparou.

E continuou: “Eu não vou me nivelar a você João, você é série C”.

O debate continuou e o candidato do PSOL Pablo Honorato relatou que, se for colocar todos na balança, o nome que sairá anos luz na frente no tocante a declaração negativa de débitos com a justiça será ele, já que o restante ou já teve ou tem problemas, ou é aliado de quem tem envolvimento com ilicitudes.

PRESENÇAS X AUSÊNCIAS

Dos 14 candidatos no páreo, apenas dez marcaram presença no debate. Anísio Maia (PT), Carlos Monteiro (Rede), Cícero Lucena (PP), Edilma Freire (PV), João Almeida (Solidariedade), Nilvan Ferreira (MDB), Pablo Honorato Nascimento (PSOL), Raoni Mendes (DEM), Ruy Carneiro (PSDB) e Wallber Virgolino (Patriota).

O ex-governador Ricardo Coutinho (PSB), apesar do horário permitir, preferiu, pela segunda vez, se ausentar do embate. Os demais candidatos que não têm representação no Congresso Nacional não participam.

PB Agora

O microfone sem o veículo; uma ameaça sem um suspeito; um Nilvan sem um Sistema de Comunicação



Um atentado no meio do caminho. Foi esse o tom dado pelo candidato do MDB, Nilvan Ferreira e que movimentou as redes sociais nesse primeiro final de semana de campanha eleitoral na rua. Fato ou fake? Nenhum suspeito, até agora, foi identificado ou preso. O também candidato a prefeito de João Pessoa, João Almeida (SD), em vídeo abaixo, alertou para a possibilidade de armação do adversário só para chamar a atenção com a criação de um fato político. Almeida, que é policial rodoviário federal, pediu para a população ficar alerta, elevar o debate e não acreditar em fantasias.

“Atentado em começo de eleição só tem dois motivos, ou o cara tá devendo muito na praça, tem muitos inimigos ou isso foi montado para chamar a atenção”, disse Almeida.


O fato mesmo é que desde que comunicador, Nilvan Ferreira, deixou os microfones do radiofônico Correio Debate, bem como as câmeras do matinal Correio Manhã no bem conceituado e popular Sistema Correio, perdeu seu forte cabo eleitoral – a empresa. Afinal, era ela que todo dia dava notoriedade a sua voz, a sua imagem e às suas opiniões.

Um comunicador sem veículo – mas não qualquer veículo – é apenas mais um no meio da multidão – se agarra à internet e na sua infinidade de redes sociais em busca de seguidores, acessos e cliques. A repercussão todos já sabem! É uma em um milhão. Basta olhar os milhares de canais e páginas existentes na rede mundial de computadores para concluir que apenas uma pequena amostra tem êxito nessa corrida midiática. Muitas delas por capacidade, outra parte por pura sorte.

Nilvan sem um Sistema, um mircrofone sem um veículo e um atentado, ou ‘pseudoatentado’ como disse João Almeida – no meio do caminho. Os resultados das primeiras pesquisas eleitorais ainda não foram divulgados. Nas enquetes, no entanto, realizadas no período pré-eleitoral – que não tinham valor científico – o comunicador apresentava uma desenvoltura satisfatória (quando ainda estava comandando programas líderes em audiência).

De lá pra cá Nilvan não anunciou adesões, não chamou a atenção com propostas estruturantes ou revolucionou sua participação em debates eleitorais. Se mostra apenas pronto para exercer o papel de enfrentamento apontando os problemas e defeitos dos adversários, mas sem muitas novidades no tocante às soluções destes.

Nesta segunda-feira (28), por exemplo, em debate na Rádio Arapuan, o petista Anísio Maia comparou as propostas do emedebista a um saco do Papai Noel, pois segundo ele, tem presente para todo mundo. Segundo Anísio, Nilvan precisa parar de inventar as coisas e ter propostas que realmente funcionem.

Na comunicação, o profissional, por mais competência técnica que tenha sobre determinado ramo, tem na empresa que representa seu pedestal, seu holofote, sua realização. Trilhar sozinho nesse meio, apenas com a cara e a coragem, não é impossível, mas é desafiador.

O que seria, por exemplo, de Willian Bonner sem o Jornal Nacional? Em um passado não tão distante a renomada apresentadora Silvia Popovic, durante esta pandemia do coronavírus, foi demitida da Bandeirantes e agora se agarra apenas às suas redes sociais para entreter. A lembrança dela no imaginário do telespectador começa a se apagar, porque na TV a máxima é de que ninguém é insubstituível.

Os apresentadores passam e os programas ficam, porque a empresa segue perpetua de geração para geração. Até o final destas eleições Nilvan espera virar mito, quiçá repetindo a história de Jair Bolsonaro, em 2018. Mas, com a mesma postura bolsonarista que ele, há também outros candidatos que seguem a linha do presidente da República no páreo, dividindo a mesma base entre várias postulações.

Nilvan solta fumaça nessa caminhada, mas ainda não conseguiu colocar fogo na campanha.

 

Márcia Dias

PB Agora

Sidebar Menu