Estatisticas do blog

No momento, 15 usuário(s) está(ão) lendo este blog. No total, 2799918 pessoas visitaram esta página.

Clima tempo

Twitter

Publicidade

  • 28.11.2014 | Autor: Pedro Marinho

    Papo d‘ Esquina


     VITAL DO REGO SERÁ MINISTRO DO TCU PELOS SEUS BELOS OLHOS?

    Ora, ora, ora, todo mundo sabe que a situação mais delicada e antipatizada do mundo é o parlamentar dirigir uma CPI que envolve gestores públicos e colegas do próprio Parlamento. No caso de Vital do Rego a situação é bem pior, pois o mesmo dirige duas CPIs que têm como objetivo apurar o desvio de bilhões de Petrobrás. O fato é que passado vários meses o nosso senador-presidente, ouviu daqui, ouviu de lá, porém não indiciou ninguém, mesmo tendo a Polícia Federal prendido mais de 50 pessoas no período. Agora não se sabe bem porque eis que o PMDB a sua legenda e outras partidos políticos indicam Vital para o cobiçado cargo vitalício de ministro do Tribunal de Contas da União e a presidente da Republica Dilma Rousseff, nem pestaneja e de bate pronto já aceita o seu nome.Seria pelos seus belos olhos ou algum outro motivo que foge ao entendimento de nós pobres mortais?


    GILVAN FREIRE DIZ QUE VITAL E LIRA DEVERIAM PAGAR UMA FABULOSA INDENIZAÇÃO AOS ELEITORES ENGANADOS E TRAÍDOS

    O ex-deputado Gilvan Freire tem se destacado nas redes sociais com os seus comentários que giram sempre em torno de nossas questões políticas. Ontem o mesmo postou o texto a seguir, revelando a sua preocupação com a saída de Vital do Rego do Senado e a conseqüente posse de Raimundo Lira, que vai ter no colo um mandato de quatro anos como senador. Gilvan a partir deste ponto: ‘Ao referir-se a Raimundo Lira, homem muito rico que mora hoje nos Estados Unidos e pouco se lixa com os interesses dos paraibanos, Vitalzinho o chama de “amigo de todas as horas!”. A transferência do mandato de Senador ao antigo representante da Autolatina é mesmo um negócio entre amigos, que não consulta a opinião de um só filho da Paraíba, a não ser deles e de seus familiares. Os dois deviam pagar uma fabulosa indenização aos eleitores enganados e traídos. ’ Pois é Gilvan tem certa razão, desta feita o vidente enxergou longe, pois é claro que Raimundo Lira se tornou primeiro suplente de Vital exatamente pela grana que tem e que evidentemente não vai agora para o Senado defender interesses de pobre mortais como nós. É preciso não esquecer também que se Cássio Cunha Lima tivesse se elegido governador, quem iria assumir o Senado era o seu suplente Deca do Atacadão, que iria atacar de senador, e, claro, como rico empresário, defender os interesses dos seus iguais.

    MESMO DERROTADO CÁSSIO GASTOU NA CAMPANHA MAIS DO QUE RICARDO COUTINHO


    Os dois candidatos que disputaram o segundo turno das eleições para o governo do Estado apresentaram ontem, no Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba (TRE-PB), a prestação de contas final das receitas e despesas de campanha. O governador reeleito Ricardo Coutinho (PSB), da coligação “A Força do Trabalho”, gastou R$ 14.115.123,59 e arrecadou R$ 13.017.971,77. Já o candidato derrotado, senador Cássio Cunha Lima (PSDB), gastou R$ 16.690.620,40 e arrecadou R$ 15.121.899,72. A soma dos gastos dos dois candidatos juntos dá R$ 30,8 milhões. Pior é que se ouvia a cada instante na rua que a campanha do tucano era pobre e que RC estaria gastando uma fabula na campanha. Os números agora revelados desmentem totalmente as informações que circulavam na época.


    NOVO PARTIDO PSPP TERÁ QUATRO VEREADORES E DEZENAS DE SUPLENTES


    O suplente de vereador e presidente estadual do partido, Antonio Alves, conhecido como Arroz. Presidente do Partido dos Servidores Públicos e Privados (PSPP), que será oficializado em João Pessoa nos próximos dias, poderá acomodar quatro vereadores com mandatos na Câmara Municipal da Capital. O mesmo revelou para a imprensa que os vereadores que já manifestaram interesse de se filar ao PSPP de João Pessoa são: Raoni Mendes (PDT), Lucas de Brito (DEM), Bosquinho (DEM) e Helton Renê (PP).Disse ainda Arroz que Além dos parlamentares, cerca de 30 suplentes irão se filiar ao PSPP, entre eles: Toinho Pé de Aço, Edson Cruz, Flávio Panta, Maison Dantas, Delegada Joana Darc, Jair Soares, Cristiano do Auto, Helder Kumamoto. A maioria dos suplentes deixou o PP, partido pelo qual disputaram o pleito municipal de 2012. Os suplentes se queixam de não terem sido bem tratados pelo PP. O pensamento de Arroz é que com filiados assim, o partido possa alcançar no pleito de 2016 40 mil votos e assim eleger quatro vereadores.

    GOVERNADOR AGRADECE A GUARABIRA PAVIMENTANDO CONTORNO RODOVIÁRIO DAQUELE MUNICÍPIO


    Certamente em reconhecimento pela excelente votação recebida na cidade de Guarabira o governador Ricardo Coutinho autorizou, na tarde desta quarta-feira (26), a abertura de licitação para as obras de pavimentação do contorno rodoviário do município de Guarabira, interligando as rodovias PB-057 e PB-073. O Governo do Estado, por meio do Departamento de Estradas e Rodagens (DER), vai investir R$ 9,6 milhões no contorno, que terá uma pista dupla de 4,5 km de extensão e vai evitar o tráfego de veículos pesados no centro do município. Outra obra importante revelada pelo secretário Luiz Torres, diz respeito à construção do Centro de Convenções da Cidade de Campina Grande, cujo início deve acontecer em 2015. Tal obra foi prometida durante o último pleito eleitoral.

    DEPUTADOS DE OPOSIÇÃO AO GOVERNO SE REÚNEM NA CASA DE CAMILA TOSCANO
    Por falar em Guarabira, aconteceu Ana casa da deputada eleita Camila Toscano (PSDB) uma reunião com a presença de também deputado estadual eleito Renato Gadelha ao grupo de oposição ao governador Ricardo Coutinho (PSB). Agora, o grupo oposicionista na Assembleia Legislativa da Paraíba conta com Dinaldinho Wanderley (PSDB), Tovar Correia Lima (PSDB), Camila Toscano (PSDB), Renato Gadelha (PSC) e Bruno Cunha Lima (PSDB).
    Sobre a eleição da Mesa, a deputada eleita Camila Toscano disse que o PSDB vai votar em bloco. Pelo visto Adriano Galdino jamais contará com tais votos que devem ser dirigidos ao candidato a reeleição Ricardo Marcelo.

    DEPUTADOS QUEREM SALÁRIO DE R$ 33 MIL EM 2015

    Os deputados federais não perdem tempo e já cuidam dos seus gordos salários para a legislatura que tem início em janeiro de 2015. Os ditos cujos desejam um salário de R4 33 mil, ou seja, um reajuste de 26% que gera um efeito cascata para os parlamentos dos estados da Federação. É preciso não esquecer que os deputados além do salário recebem ainda auxílio moradia de R$ 3,8 e verba indenizatória de R$ 41 mil.

    ANÍSIO MAIA DIZ QUE DEPUTADOS NÃO PRECISAM DE REAJUSTE SALARIAL


    A propósito de reajuste de salários dos parlamentares, o sempre polêmico deputado estadual, Anísio Maia (PT), revelou com todas as letras que é contra o reajuste dos salários dos deputados estaduais. De acordo com o petista, os parlamentares já ganham bem demais.. O aumento dos parlamentares estaduais acontecerá em efeito cascata caso os legisladores da Câmara Federal reajustem em R$ 33 mil seus vencimentos como está sendo discutido na Câmara Federal. Os deputados da Paraíba receberão cerca de R$ 26 mil, um aumento de R$ 6 mil reais a mais. Anísio Maia com tal posicionamento arrumou uma encrenca lascada com seus colegas do Parlamento.

    JOÃO HENRIQUE DIZ QUE APOIO A ADRIANO GALDINO NÃO REVELA APROXIMAÇÃO COM RC


    O deputado João Henrique (DEM) negou, nesta quinta-feira (27), através de sua assessoria, que não procedem as informações de que o parlamentar estaria tentando se reaproximar do governador Ricardo Coutinho (PSB) ao anunciar apoio a candidatura do deputado Adriano Galdino (PSB) a presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB). Segundo o chefe de gabinete do deputado, Kleber Geraldo, "João Henrique anunciou apoio ao deputado Adriano Galdino para presidente da Assembleia numa ação eminentemente parlamentar, sem qualquer vinculação com apoio ao governo”. Outro que ratificou apoio a Adriano Galdino foi o deputado Branco Mendes (PEN) que disse ser homem de palavra e que a sua assinatura de apoio ao mesmo está valendo.

    PARECE PIADA, MAS LETO VIANA DIZ QUE FOI AGRACIADO COMO GESTOR NOTA 10


    O prefeito Leto Viana foi reconhecido pela União Brasileira de Divulgação (UBD) como Gestor Nota 10, e irá receber o Troféu Gestor Nota 10 e o Certificado de qualidade Total Brasil-Suiça, comendas destinadas aos 100 melhores prefeitos do Brasil classificados na pesquisa de utilidade pública realizada pelo órgão. Foram pesquisados 3.850 municípios brasileiros. Na Paraíba, o prefeito Leto ficou em 2º lugar dentre 33 gestores. Quem fez tal pesquisa deve fazer parte de algum programa humorístico, pois quem anda pela cidade de Cabedelo escuta exatamente o contrário sobre a gestão de Leto Viana. Mas como o anedotário não pode parar, seria bom incluir nessa premiação o prefeito de Santa Rita Netinho de Várzea Nova e a Prefeita do Conde Tatiana Medeiros.


    COQUEIROS DE MANAÍRA OFERECEM PERIGOS, INCLUSIVE DE MORTE PARA AS PESSOAS


    Quem passa pela Praia de Manaíra, mais precisamente defronte ao Hotel Grenn-Garden, fica apavorado com os altos coqueiros localizados na calçada e que inexplicavelmente não vêm sendo limpos há muito tempo pela Prefeitura da capital. Os coqueiros estão repletos de frutos maduros, que podem cair a qualquer momento sobre a cabeça das pessoas e considerando a altura da queda, ocorrer inclusive até morte o que poderá ser muito complicado para a imagem e o nome do prefeito Luciano Cartaxo. É bom o órgão responsável pela limpeza dos coqueiros se apressar para resolver o grave problema, antes que o pior aconteça.

    Esta coluna é publicada no http:/www.blogdopedromarinho.com e em quatro portais.


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 28.11.2014 | Autor: Pedro Marinho

    As belas da sexta - Fotos









    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 28.11.2014 | Autor: Pedro Marinho

    Agentes da Semob anunciam paralisação de 48h e ameaçam deixar a Romaria da Penha desassistida




     Agentes da Semob anunciam paralisação de 48h e ameaçam deixar a Romaria da Penha desassistida
    Profissionais reivindicam o cumprimento da Lei de Plano de Cargos, Carreiras e Remunerações; Semob não se pronunciou sobre o caso

    Cidades | Em 27/11/14 às 23h22, atualizado em 28/11/14 às 02h06 | Por Gustavo Medeiros

    Divulgação/Ascom/CMJP
    Agentes anunciam paralisação
    Agentes da Superintendência Executiva de Mobilidade Urbana de João Pessoa anunciaram, nesta quinta-feira (27), uma paralisação de 48 horas a partir das 6h da manhã desta sexta (28), encerrando o movimento apenas às 6h do domingo (30), ameaçando deixar, dessa forma, a Romaria da Penha desassistida. Eles reivindicam o cumprimento da Lei de Plano de Cargos, Carreiras e Remunerações.

    Leia também:

    * Semob divulga plano de mobilidade para a Romaria da Penha com interdição de ruas e ônibus extras

    A mobilização da manhã desta sexta, decidida em assembleia da categoria, reunirá, segundo o agente Carlos Antônio da Silva Medeiros, 326 agentes em frente à sede da Semob, na BR-230, no bairro Cristo Redentor, Zona Oeste da Capital. No ato, os agentes fecharão a entrada principal do local. “A princípio, não pretendemos obstruir o trânsito na via”, disse o ‘amarelinho’. Além dessa manifestação, também haverá, segundo ele, uma panfletagem no terminal de integração.

    Portal Correio


    “Nosso ‘PCCR’ é de 2011. A Lei já está atualizada. Queremos apenas que o prefeito Luciano Cartaxo emita um decreto e realize publicação no Diário Oficial”, explicou Carlos, evidenciando que dessa forma os direitos seriam postos em prática.

    A redação do Portal Correio tentou estabelecer contato com representantes da Semob, mas não foi possível extrair posicionamentos da entidade sobre o caso.


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 28.11.2014 | Autor: Pedro Marinho

    .Não letais - Senado aprova prioridade para o uso de armas não letais em ação policial




    Gás lacrimogêneo, balas e cassetete de borracha, spray de pimenta e arma de eletrochoque, também conhecida como taser, terão prioridade na ação policial. É o que determina matéria aprovada pelo Plenário do Senado na tarde desta quarta-feira (26). Pelo substitutivo ao Projeto de Lei do Senado (PLS) 256/2005, o uso de armas não letais poderá ter prioridade sobre as armas de fogo na ação policial – desde que essa opção não coloque em risco a vida dos policiais. Agora, a matéria segue para sanção.

    O projeto, do senador Marcelo Crivella (PRB-RJ), já havia sido aprovado quarta-feira passada (19) na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ). De acordo com o texto, armas não letais têm baixa probabilidade de causar mortes ou lesões permanentes e são projetadas para conter, debilitar ou incapacitar pessoas temporariamente. O projeto também proíbe o uso de armas de fogo nos casos de abordagem contra pessoa em fuga que esteja desarmada ou contra veículo que desrespeite bloqueio policial, desde que o uso do armamento de menor poder ofensivo não coloque em risco a vida do agente de segurança ou de terceiros.

    Para o presidente do Senado, Renan Calheiros, a matéria é da maior importância para a realidade do país. O senador Eduardo Braga (PMDB-AM) lembrou que a arma letal só pode ser usada em determinadas condições e sob parâmetros legais. Segundo ele, a prioridade da arma não letal pode significar a preservação de vidas.

    A senadora Lídice da Mata (PSB-BA), porém, manifestou preocupação com o uso de armas de choque e spray de pimenta nas manifestações populares. Para ela, esses instrumentos ainda podem ser considerados violentos e têm causado danos a manifestantes. Em resposta, Crivella explicou que o uso desse tipo de armamento deve obedecer a princípios de legalidade, razoabilidade e proporcionalidade.

    — O que o projeto cuida é exatamente de disciplinar para que não haja nenhum abuso contra os manifestantes — disse o senador.

    Crivella recordou que o projeto vem sendo debatido há nove anos no Congresso. Ele destacou o crescimento da violência na ação policial, resultando em grande número de mortes, em especial de jovens. Para reduzir as ocorrências e manter a integridade física de pessoas em abordagens policiais, a sugestão é disciplinar o uso da força pelos agentes de segurança, com prioridade para armas não letais. O objetivo, segundo o senador é adequar o uso da força por parte do poder público para reduzir as ocorrências graves e preservar fisicamente as pessoas envolvidas.

     

    Fonte: Agência Senado


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 28.11.2014 | Autor: Pedro Marinho

    PSB escala o muro: ‘independência propositiva’




      Josias de Souza

    Política é a arte de aproveitar as oportunidades. Mas certos partidos não perdem a oportunidade de perder uma oportunidade. Foi o que fez nesta quinta-feira o PSB. Velho aliado de Lula e do petismo, foi à sucessão de 2014 vestido de oposição —primeiro com Eduardo Campos, depois com Marina Silva. No segundo turno, aliou-se à candidatura sobrevivente do tucano Aécio Neves.

    Pois bem. Quando se imaginava que a legenda estivesse enfiada numa trincheira, preparando-se para 2018, ela ressurge no alto do muro. Reunida nesta quinta-feira (27), a Executiva do PSB decidiu: nem oposição nem situação. Adotará a linha da “independência propositiva”, seja lá o que isso signifique.

    O PSB decidiu também proibir seus filiados de aceitar cargos no governo de Dilma Rousseff. Uma proibição inócua, já que não veio acompanhada da fixação de um castigo para quem desrespeitá-la. De resto, não há notícia de que Dilma tenha a intenção de convocar alguém do PSB para sua equipe.

    Oposição, como se sabe, é oposição. O resto é armazém de secos & molhados. O PSB está separado por uma letra daquele PSDB que já cansou até o tucanato. O perigo para quem escala o muro é descer do lado errado.


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 28.11.2014 | Autor: Pedro Marinho

    Termina nesta sexta prazo para pagamento da 1ª parcela do 13º





    A segunda parcela deve ser depositada até o dia 19 de dezembro.
    A primeira parte representa metade do salário que o funcionário ganha.
    Marta Cavallini
    Do G1, em São Paulo

    Consumidor não deve gastar todo o 13º
    em compras de Natal (Foto: Reprodução/TV Globo)Termina nesta sexta-feira (28) o prazo para que as empresas paguem aos seus funcionários o adiantamento da primeira parcela do 13º salário. A segunda parcela, por sua vez, precisa ser depositada na conta dos trabalhadores até o dia 19 de dezembro, prevê a legislação. Aqueles que pediram o adiantamento do 13º nas férias, contudo, não recebem a primeira parcela agora (pois já receberam), apenas a segunda. A primeira parte representa metade do salário que o funcionário ganha.

    O pagamento do 13º salário é feito com base no salário de dezembro, exceto no caso de empregados que recebem salários variáveis, por meio de comissões ou percentagens – nesse caso, o 13º deve perfazer a média anual de salários. Cabe ao empregador a decisão de pagar em uma ou duas parcelas. No caso de ser apenas em uma única vez, o pagamento deve ter sido feito até esta sexta.

    O Imposto de Renda e o desconto do INSS incidem sobre o 13º salário. Os descontos ocorrem sobre o valor integral do 13º salário na segunda parcela. O FGTS é devido tanto na primeira como na segunda parcela.

    O pagamento do 13° salário deve injetar R$ 158 bilhões na economia, segundo o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). O número de pessoas com direito ao benefício soma 84,7 milhões, dos quais 61,4% são empregados formais (52 milhões de pessoas) e 38,6% (32,7 milhões) são aposentados ou pensionistas da Previdência Social.

    Quem tem direito
    Têm direito ao 13º salário todos os trabalhadores do serviço público e da iniciativa privada, urbano ou rural, avulso e doméstico, além dos aposentados e pensionistas do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS).

    Os trabalhadores que possuem menos de um ano na empresa também têm direito ao 13º salário. Nesse caso, o pagamento será proporcional aos meses em que tenham trabalhado por mais de 15 dias. Por exemplo, um empregado que trabalhou por seis meses e 15 dias deverá receber 7/12 de seu salário a título de 13º.

    Caso o empregador não respeite o prazo do pagamento, será autuado no momento em que houver fiscalização, o que gerará uma multa.

    As horas extras e o adicional noturno geram reflexos no 13º salário e devem incidir na base de cálculo dessas verbas. Gorjetas e comissões também devem entrar na base de cálculo do 13º salário, assim como adicionais de insalubridade e de periculosidade. Já as diárias de viagem só influem na base de cálculo do 13º se excederem 50% do salário recebido pelo empregado.

    As faltas não justificadas pelo empregado, ocorridas entre 1 de janeiro e 31 de dezembro de cada ano, serão consideradas para desconto. Caso sejam superiores a 15 dias dentro do mesmo mês, o empregado perderá o direito a 1/12 do 13º salário.

    O empregado afastado por motivo de auxílio-doença recebe o 13º salário proporcional da empresa até os primeiros 15 dias de afastamento. Já a partir do 16º dia, a responsabilidade do pagamento fica a cargo do INSS. Funcionárias em licença-maternidade também recebem 13º salário. Dessa forma, o empregador efetuará o pagamento integral e/ou proporcional (quando admitidas no decorrer do ano) do 13º salário.

    O trabalhador temporário tem direito ao 13º salário proporcional aos meses trabalhados.
    Já o estagiário, como não é regido pela CLT e nem é considerado empregado, a lei que regula esse tipo de trabalho - 11.788/08 - não obriga o pagamento de 13º salário.

    O empregado despedido com justa causa não tem direito ao 13º salário proporcional. Se a rescisão do contrato for sem justa causa, o 13º deve ser pago de maneira proporcional, na base de 1/12 por mês, considerando-se como mês integral aquele que ultrapassar 15 dias de trabalho.

    Domésticos
    Com a regulamentação da legislação trabalhista para funcionários domésticos, eles também devem receber o 13º. Na segunda parcela, no pagamento dos outros 50% do salário, são acrescidas as médias das horas extras trabalhadas.

    Supondo-se que o empregado realizou 200 horas extras de janeiro a novembro, divide-se 200 por 11 (meses) e chega-se à média de 18,18 horas por mês. Então calcula-se o valor da hora extra trabalhada, que se refere ao salário do empregado dividido por 220 horas, que é a jornada mensal prevista na lei. Como a lei prevê que é preciso pagar um adicional de 50% sobre o valor da hora extra trabalhada, é necessário multiplicar esse valor por 1,5.

    Cautela nos gastos
    De acordo com pesquisa do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e do Portal Meu Bolso Feliz, 80% dos consumidores pretendem gastar parte ou todo o seu 13º salário em compras de Natal. Somente 46% entre os que não vão gastá-lo com as festas planejam poupá-lo ou investi-lo e 21% usarão o dinheiro para quitar dívidas e organizar finanças. "Este dinheiro que está ‘sobrando‘ e que, frente às tentadoras promoções de Natal, acaba sendo usado para compras, poderia ser poupado e aplicado, virando um recurso para situações de emergência financeira ou mesmo para realizar um sonho a longo prazo", diz o educador financeiro do Portal Meu Bolso Feliz, José Vignoli.

    Para Vignoli, o ideal é que as compras de Natal caibam no orçamento de dezembro sem mexer no salário extra. Se não for possível, ele recomenda não gastar além de 20% do 13º.

    De acordo com ele, aproveitar o 13º de forma inteligente não significa necessariamente abandonar as compras de Natal. "É possível gastar parte do valor em presentes e comemorações. O consumidor só precisa lembrar que, se possui dívidas, o melhor é quitá-las, garantindo uma maior tranquilidade financeira no ano que chega." Vignoli lembra que há IPVA, IPTU e material escolar a serem pagos no começo do ano e que podem ser quitados com a ajuda do 13º. “Então, antes de correr para o shopping, reserve a quantia necessária para cobrir essas despesas sazonais.”


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 28.11.2014 | Autor: Pedro Marinho

    Hora do Riso...


    Jarbas
    Jarbas


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 28.11.2014 | Autor: Pedro Marinho

    Após chamar apresentadora de ‘vagabunda‘, Kajuru pode ser preso




     Polêmico como sempre, Jorge Kajuru pode estar com os dias de liberdade contados. Isso porque, em 2005, ele foi condenado a pagar um valor de R$ 80 mil para Luciana após ter dito que “Xuxa é menos burra do que Gimenez”.

    Entretanto, a apresentadora do “Superpop” nunca viu esse dinheiro, já que ele nunca é encontrado pelos oficiais de Justiça nos endereços informados. A dívida agora já passa da casa dos R$ 100 mil.

    Como se não bastasse, o apresentador, em 2013, perdeu as estribeiras e chamou Luciana de “vagaba profissa” no twitter, após saber que teria que pagar o valor que a justiça ordenou.

    Agora, além do processo de 2005, o apresentadora terá que responder pelo de 2013, por conta do xingamento na rede social. O processo corre na 5ª Vara Criminal do Rio, e a juíza Paula Fernandes Machado de Freitas acatou o pedido do advogado Sylvio Guerra para que, dessa vez, o jornalista fosse intimado por edital.

    Com isso, ele será avisado da data da audiência pelo Diário Oficial e com anúncios em grandes jornais. A juíza escreveu em sua decisão: “Tendo em vista que esgotaram-se os meios para localização, intime-se por edital.”

    Se mesmo assim Kajuru não comparecer à audiência, ele pode ser condenado à revelia. Por crime de difamação, o artigo 139 do código prevê de três meses a um ano de detenção e multa. Por injúria, o artigo 140 prevê detenção de um a seis meses ou multa. O advogado da apresentadora quer que a pena seja multiplicada por cinco — o número de vezes que Kajuru ofendeu sua cliente nas redes sociais.

    180 Graus


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 28.11.2014 | Autor: Pedro Marinho

    Presidente do PSC revela mágoa com Luciano Cartaxo por exoneração




      Zé Gadelha lembrou que PSC apoiou petista quando ele tinha só 3% das intenções de voto | |
    O presidente do diretório municipal do PSC em João Pessoa, José Gadelha Neto, que foi exonerado na última terça-feira (25), da secretaria adjunta da Secretaria de Desenvolvimento Urbano de João Pessoa (Sedurb), revelou, nesta quinta-feira (27), mágoa do prefeito Luciano Cartaxo (PT) a quem disse ter apoiado desde o início das eleições municipais de 2012, quando o petista aparecia nas pesquisas com apenas 3% das intenções de voto dos pesseoenses.

     Zé Gadelha também não garantiu apoio do PSC ao projeto de reeleição do petista nas eleições municipais de 2016. Ele acrescentou que acredita que sua exoneração pode está associada ao fato do seu partido ter apoiado a candidatura do senador Cássio Cunha Lima (PSDB) a governador, se posicionando contra o PT, que apoiou à reeleição de Ricardo Coutinho.

     Com relação ao pleito de 2016, Zé Gadelha ressaltou que o principal desafio do PSC na Capital é eleger o maior número possível de vereadores, mas não descartou uma candidatura majoritária. “Não temos nada definido quando a eleição majoritária, ainda é muito cedo para tratar desse assunto, mas o partido tem bons quadros e isto pode ser analisado no momento oportuno”, disse.

     

     

     

    MaisPB


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 28.11.2014 | Autor: Pedro Marinho

    Ricardo: PSB não pode se tornar um apêndice de uma oposição atrasada




     Para Coutinho, legenda não faz parte da oposição ressentida com derrotas | |
    Ricardo Coutinho durante reunião nacional do PSB O governador Ricardo Coutinho (PSB), membro da executiva nacional do PSB, participou da reunião nesta quinta-feira (27), em Brasília, em que o partido decidiu por ampla maioria adotar uma posição de independência propositiva em relação ao governo Federal. Ricardo disse que o partido tem um importante papel, destacando a bancada federal da legenda, afirmando que “o PSB não pode se tornar um apêndice de uma oposição atrasada”, alfinetando os opositores ao governo.

    Ricardo afirmou que o partido aponta para uma linha esperada e construída no sentido de se mobilizar na construção de uma agenda positiva para o país que não pode ficar limitado a escândalos de corrupção. "O PSB que tem a 4ª maior bancada no Congresso Nacional terá um papel importante nesta difícil conjuntura que será de dialogar com o país sem necessariamente ser uma oposição ou situação. É uma posição difícil que exigirá muito diálogo interno e responsabilidade para construir uma agenda para que o Brasil siga adiante", disse Ricardo.


    Coutinho argumentou que é necessário retirar o Brasil da dicotomia de uma oposição ressentida com a derrota e que tenta a todo o custo inviabilizar o país. "O partido não pode se tornar um apêndice de uma oposição atrasada, de origem Udenista, e que não têm o que contribuir para o Brasil”.

    Ricardo disse ainda que o PSB demonstra que tem diferenças com o atual governo, mas apresenta para a sociedade e para o próprio governo um conjunto de medidas nas áreas da reforma política, pacto federativo, política econômica, saúde, educação e segurança que podem aproximá-los ou distanciá-los.


    MaisPB

     


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 28.11.2014 | Autor: Pedro Marinho

    Oposição: ‘Nova equipe é um estelionato eleitoral‘





    A oposição criticou a nova equipe econômica do governo Dilma Rousseff, anunciada nesta quinta (27); o senador Aécio Neves (PSDB) considerou a escolha uma tentativa de acalmar o mercado financeiro; no entanto, avalia Aécio, outras manobras fiscais da presidente acabam levando o país ao descrédito, caso da tentativa de rever a meta de superávit para este ano; o líder do DEM na Câmara, Mendonça Filho considerou que as escolhas de Dilma representam o oposto do que ela prometeu ao longo da campanha eleitoral


    Mariana Jungmann - Repórter da Agência Brasil

    O anúncio definitivo hoje (27), da nova equipe econômica para o próximo mandato da presidenta Dilma Rousseff, provocou repercussões diversas no Congresso Nacional. Para a oposição, a escolha de Joaquim Levy para a Fazenda, Nelson Barbosa para o Planejamento e a manutenção de Alexandre Tombini no Banco Central representam um “estelionato eleitoral” por parte da presidenta. Já os governistas, elogiaram as indicações e rebateram as críticas.

    O presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves (MG), principal opositor de Dilma Rousseff na campanha presidencial, considerou a escolha uma tentativa de acalmar o mercado financeiro. No entanto, avalia Aécio, outras manobras fiscais da presidenta acabam levando o país ao descrédito, caso da tentativa de rever a meta de superávit para este ano.

    “A presidente escolheu novos nomes para a área econômica do governo tentando acalmar o mercado e recuperar a credibilidade perdida. Mas, ao mesmo tempo, protagoniza no Congresso mais um violento ataque à credibilidade do país ao afrontar a Lei de Responsabilidade Fiscal, alterando as metas de superávit e usando como moeda de troca os cargos públicos de sempre”, avaliou.

    O líder do Democratas na Câmara, deputado Mendonça Filho (PE), considerou que as escolhas de Dilma representam o oposto do que ela prometeu ao longo da campanha eleitoral. A ortodoxia econômica associada aos novos ministros, na opinião de Mendonça, era o que Dilma criticava em seu principal adversário, o senador Aécio Neves.

    “Cada atitude da presidente nesse pós-período eleitoral mostra que ela iludiu os brasileiros. Os juros subiram, a inflação bate o teto da meta corroendo o poder de compra do povo, e agora empossará um ministro da Fazenda ortodoxo para administrar o rombo nas contas do governo. Dilma age totalmente diferente do seu discurso de campanha”, declarou o líder.

    Os governistas, no entanto, elogiaram as escolhas e rebateram as acusações da oposição. A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), que foi ministra da Casa Civil de Dilma, lembrou que os três ministros já fazem parte dos governos petistas desde os mandatos do ex-presidente Lula. Segundo ela, isso significa que não há contradição, uma vez que Dilma não está trazendo pessoas estranhas ao seu projeto de governo.

    “Essas três pessoas, com certeza, vão dar à presidenta Dilma grande estabilidade, eu diria que são os três mosqueteiros da presidenta. Vão dar grandes condições de desenvolvimento e vão dar, sobretudo, condições de continuidade dos nossos programas sociais. Portanto, não tem uma contradição em relação ao discurso de campanha da presidenta Dilma, porque ela vai continuar exatamente com aqueles programas que estão dando esses índices e esse resultado para o Brasil”, completou Gleisi.

    O líder do PMDB no Senado, Eunício Oliveira (CE), também defendeu a escolha e disse que os nomes geram “credibilidade” e “expectativa positiva” no mercado financeiro. “Joaquim Levy é alguém que tem experiência na área e credibilidade. Convivi com o agora ministro Nelson Barbosa, portanto acho que a presidente fez a escolha adequada, e espero que isso gere a confiança no mercado para que a gente possa viver momento de expectativa positiva e de esperança”, disse.

    Apesar do anúncio dos nomes hoje, a nova equipe econômica só deverá tomar posse no próximo ano. Em nota, a Secretaria de Imprensa da Presidência da República informou que os ministros Guido Mantega e Miriam Belchior permanecerão em seus cargos na Fazenda e no Planejamento, respectivamente, até que se conclua a transição e a formação das novas equipes de seus sucessores.


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 28.11.2014 | Autor: Pedro Marinho

    PMDB tenta emplacar Alves e Braga no Ministério





    O atual presidente da Câmara, Henrique Alves (PMDB-RN) iria para a Integração Nacional, enquanto o senador Eduardo Braga (PMDB-AM) seria ministro de Minas e Energia; partido, que já ficou com a Agricultura, tenta ainda garantir Turismo e Previdência; embora sejam nomes com densidade política, tanto Alves como Braga saíram derrotados nas eleições deste ano; o primeiro perdeu a disputa para o governo do Rio Grande do Norte e o segundo do Amazonas


    247 - O colunista Ilimar Franco, titular do Panorama Político, informa que o PMDB já definiu dois nomes que pretende emplacar na reforma ministerial. Um deles é o do atual presidente da Câmara, deputado Henrique Alves (PMDB-RN), que iria para a Integração Nacional. Outro, o do senador Eduardo Braga (PMDB-AM), que seria ministro de Minas e Energia.

    O partido, que terá a Agricultura, com a senadora Kátia Abreu (PMDB-TO), deve ficar ainda com o Turismo e a Previdência.

    A favor de Alves e Braga, conta o fato de serem políticos experientes e com densidade no parlamento. O primeiro presidiu a Câmara e o segundo foi líder do governo no Senado. Contra os dois, o fato de terem saído derrotados da disputa eleitoral de 2014. Alves perdeu o governo do Rio Grande do Norte, enquanto Braga não conseguiu se eleger governador do Amazonas pela terceira vez.

    O PMDB, que pleiteava as Cidades, desistiu do cargo, que deve ser entregue ao PSD, de Gilberto Kassab.


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 28.11.2014 | Autor: Pedro Marinho

    Com apoio de Lula, Dilma quer governo conciliador





    Após vencer as eleições mais apertadas ocorridas depois da democratização do país e diante de manifestações de cunho fascista a favor de um golpe militar, a presidente Dilma Rousseff (PT) tenta construir um novo pacto político, mais amplo do que o da primeira gestão; convencida de que os problemas econômicos têm uma raiz política, quer ampliar a base do governo e em sintonia com Lula, seus movimentos têm como objetivo aproximar-se dos mercados, que em vários momentos do primeiro mandato mostraram disposição de sabotar as medidas do governo; em sua mais recente análise para o blog que assina no 247, o jornalista Paulo Moreira Leite responde à crítica de Breno Altman e enxerga Dilma mais envolvida no jogo político e com mais compreensão das ações que deve promover


    247 - Após vencer as eleições "mais apertadas ocorridas depois da democratização do país" e diante de manifestações de cunho fascista a favor de um golpe militar, a presidente Dilma Rousseff (PT) tenta construir um novo pacto político, mais amplo do que o governo de 2010-2014. Convencida de que os problemas econômicos têm uma raiz política, quer ampliar a base do governo. Em sintonia com Lula, seus movimentos têm como objetivo aproximar-se dos mercados, que em vários momentos do primeiro mandato mostraram disposição de sabotar as medidas do governo.

    Quem faz esta análise é o jornalista Paulo Moreira Leite, em sua mais recente postagem no blog que assina no 247. No artigo, ele também responde a recente crítica de Breno Altman, diretor do Opera Mundi e colunista do 247, sobre a lógica conciliatória do segundo governo Dilma. "Creio que Breno Altman comete um erro essencial ao apontar a lógica da conciliação como uma espécie de desvio fundamental de grandes homens públicos brasileiros, como Getúlio Vargas e João Goulart", diz Paulo Moreira Leite.

    PML lembra ainda que o maior conciliador da política brasileira é justamente Luiz Inácio Lula da Silva, em quem Dilma hoje se inspira. "É impossível debater conciliação politica, no Brasil de 2014, sem discutir Luiz Inácio Lula da Silva, cujo espírito conciliador é um traço essencial de sua personalidade política", afirma. "Lula e seu espírito para negociar, ceder, avançar e ir em frente são parte insperável dos progressos que o país obteve nos últimos doze anos".

    Ele avalia que a decisão de Dilma, ao montar a nova equipe, "implica em alguma dose de risco", uma vez que "em breve, ela será pressionada a entregar plenos poderes a Joaquim Levy, afastando-se da área econômica". Mas para o blogueiro, isso faz parte do jogo político.

    Na avaliação de PML, Dilma faz movimentos bem pensados, como a inclusão do empresário Armando Monteiro Neto e da senadora Kátia Abreu para o seu governo, enquanto recebe o teólogo Leonardo Boff e Frei Betto, aos quais informou que fará dos movimentos sociais a prioridade de seu governo.

    "Cumprindo o que disse, terá mais facilidades para enfrentar turbulências que certamente virão", diz.

    Neste link, o texto na íntegr


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 27.11.2014 | Autor: Pedro Marinho

    Lava Jato: Vazamento de nome de deputado ameaça condução do juiz Moro




    O juiz Sérgio Moro, da Justiça Federal do Paraná, corre o risco de perder a competência nas investigações da Operação Lava Jato, da Polícia Federal, por causa do vazamento do nome do deputado federal Nelson Meurer (PP-PR); parlamentar paranaense apareceu pela segunda vez em lista de contabilidade paralela do Posto da Torre, em Brasília, do doleiro Carlos Habib Chater, que mostra pagamento de R$ 42 mil para "Nelson Meurer"


    Blog do Esmael - O juiz Sérgio Moro, da Justiça Federal do Paraná, corre o risco de perder a competência nas investigações da Operação Lava Jato, da Polícia Federal, por causa do vazamento do nome do deputado federal Nelson Meurer (PP-PR).

    Segundo o jornal O Globo, edição desta quinta-feira (27), o nome do parlamentar paranaense apareceu pela segunda vez em lista de contabilidade paralela do Posto da Torre, em Brasília, do doleiro Carlos Habib Chater, que mostra pagamento de R$ 42 mil para "Nelson Meurer" (leia mais aqui).

    Na semana passada, o ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), encaminhou o questionamento sobre o envolvimento de políticos à Justiça Federal do Paraná (clique aqui). Moro, por sua vez, negou que ocultasse o nome de políticos e classificou as acusações do advogado Fabio Tofic Simantob, que defende executivo preso da empreiteira Engevis.

    O envolvimento de deputados federais, que têm de foro privilegiado, faria a Operação Lava Jato sair das mãos de Moro para ‘subir‘ ao STF.


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 27.11.2014 | Autor: Pedro Marinho

    Pelé é transferido para unidade de cuidados especiais





    Ex-jogador apresenta "instabilidade clínica", segundo o boletim médico do Hospital Albert Einstein, em São Paulo, onde está internado; "Para receber os melhores cuidados, foi transferido para ser monitorado em uma unidade de cuidados especiais", disse em comunicado; Pelé foi internado na última segunda-feira com infecção urinária


    SÃO PAULO (Reuters) - O ex-jogador Pelé apresenta "instabilidade clínica" e foi transferido para uma unidade de cuidados especiais, informou nesta quinta-feira boletim médico do hospital onde ele está internado, em São Paulo.

    "Para receber os melhores cuidados, foi transferido para ser monitorado em uma unidade de cuidados especiais", disse em comunicado o Hospital Albert Einstein, sem dar mais detalhes.

    O tricampeão mundial com a seleção brasileira foi internado na última segunda-feira e exames detectaram uma infecção urinária.

    Segundo um boletim médico anterior, divulgado na quarta-feira, Pelé estava recebendo antibióticos por via endovenosa e tinha condição estável.

    O assessor pessoal de Pelé, José Fornos Rodrigues, conhecido como Pepito, garantiu à Reuters que o ex-jogador está bem e que a transferência dele para outra unidade tem o objetivo principal de proteger sua privacidade.

    "Ele estava desconfortável com tantas pessoas visitando. Será mais tranquilo agora", disse o assessor por telefone.

    Uma porta-voz do hospital se recusou a dar mais detalhes, mas afirmou que Pelé não está em tratamento intensivo.

    Pelé já havia sido internado no mesmo hospital em 12 de novembro com dores abdominais e passou por uma cirurgia para a retirada de cálculos no rim, uretra e vesícula, que dificultavam seu fluxo urinário. Ele recebeu alta no dia 15.

    Há dois anos, o ex-jogador de 74 anos, campeão mundial com o Brasil em 1958, 1962 e 1970, passou por cirurgia no quadril.

    (Reportagem de Tatiana Ramil e Brian Winter)


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários


ver mais antigas