Estatisticas do blog

No momento, 12 usuário(s) está(ão) lendo este blog. No total, 3285611 pessoas visitaram esta página.

Clima tempo

Twitter

Publicidade

Notícias

Clima/Tempo

  • 01.04.2015 | Autor: Pedro Marinho

    As belas da quarta - fotos









    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 01.04.2015 | Autor: Pedro Marinho

    Concursos com inscrições abertas oferecem 19 mil vagas no país




    Concurso
    Pelo menos 94 concursos públicos no país estão com inscrições abertas nesta segunda-feira (30) e reúnem 19.067 vagas em cargos de todos os níveis de escolaridade. Os salários chegam a R$ 27.500,17 no Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região, no Pará e Amapá.

    Além das vagas abertas, há concursos para formação de cadastro de reserva – ou seja, os candidatos aprovados são chamados conforme a abertura de vagas durante a validade do concurso.

    Os órgãos que abrem inscrições para 1.207 vagas nesta segunda são os seguintes: Marinha Mercante, Prefeitura de Dolcinópolis (SP), Prefeitura de Raposos (MG), Prefeitura de Santa Helena de Goiás (GO), Prefeitura de Santa Luzia (PB), Prefeitura de Trindade (GO), Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Brotas (SP) e Tribunal Regional Federal da 1ª Região.

    G1


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 01.04.2015 | Autor: Pedro Marinho

    TSE acata pedido do PSDB e vai auditar 40 urnas das eleições 2014 na Paraíba





    O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) auditará 40 sessões na Paraíba, após a Semana Santa. O objetivo da averiguação é atender solicitação formulada pelo Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) para verificar o resultado das eleições de 2014. Na Paraíba, a auditoria ocorrerá na sede do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-PB), em data a ser definida.

    Conforme o presidente do TRE-PB, desembargador João Alves da Silva, a auditoria de todas as zonas e sessões não deverá durar mais que dois dias e será feita exclusivamente por servidores do TSE. “Esse processo poderá ser acompanhado aqui no TRE por qualquer interessado, seja cabo eleitoral, partido político, candidato, eleito ou não eleito”, explicou o desembargador.

    De acordo com a lista encaminhada pelo TSE, a cidade com maior quantidade de sessões para serem auditadas é Campina Grande, onde 23 urnas serão averiguadas – 16ª zona eleitoral: 3ª, 59ª, 99ª e 190ª; 17ª zona eleitoral: 143ª, 171ª, 173ª, 177ª, 185ª, 191ª, 215ª, 223ª, 270ª, 321ª e 358ª; 71ª zona eleitoral: 5ª, 6ª, 44ª e 58ª; 72ª zona eleitoral: 1ª, 135ª, 171ª e 325ª. João Pessoa aparece em seguida com seis urnas – 64ª zona eleitoral: 383ª; 70ª zona eleitoral: 555ª e 609ª; 76ª zona eleitoral: 57ª e 239ª; 77ª zona eleitoral: 36ª. Os outros municípios são: Alhandra – 73ª zona eleitoral: 6ª e 25ª; Araruna – 20ª zona eleitoral: 29ª e 41ª; Tavares – 34ª zona eleitoral: 93ª e 195ª; Bayeux – 61ª zona eleitoral: 208ª; Carrapateira – 40ª zona eleitoral: 6ª; Santa Rita – 2ª zona eleitoral: 59ª; Pedra Branca – 33ª zona eleitoral: 90ª; e Paulista – 31ª zona eleitoral: 14ª.

    Ainda segundo o desembargador João Alves, a escolha das urnas foi feita unicamente pelo PSDB. Além disso, o presidente se mostrou confiante de que o processo eleitoral no Estado não foi adulterado.

    MaisPB


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 01.04.2015 | Autor: Pedro Marinho

    Fundação Carlos Chagas fará concurso do Ministério Público da Paraíba com 104 vagas




     

    A Fundação Carlos Chagas, sediada em São Paulo, será a responsável pela organização e aplicação do concurso público para servidores do Ministério Público da Paraíba (MPPB), cuja prova está prevista para ocorrer na primeira quinzena do mês de julho deste ano. Na tarde desta terça-feira (31), em João Pessoa, o procurador-geral de Justiça do Ministério Público da Paraíba (MPPB), Bertrand de Araújo Asfora, assinou o contrato com a Fundação Carlos Chagas, visando a realização do certame.

    A assinatura do contrato foi acompanhada pelo presidente da comissão do concurso, promotor de Justiça João Arlindo Corrêa Neto; pelo secretário-geral do MPPB, promotor de Justiça Carlos Romero Lauria Paulo Neto; e pelo diretor administrativo do MPPB, servidor Marcos Vinícius Ferreira Cesário (também integrante da comissão do concurso). A comissão ainda é composta pelo promotor de Justiça José Leonardo Clementino Pinto e os servidores Célia Maria Bezerra de Melo e Ícaro Ramalho.
    Na última sexta-feira (27), João Arlindo e Marcus Vinícius estiveram em São Paulo visitando as dependências da Fundação Carlos Chagas e encaminhando as negociações para o contrato que agora está assinado. Eles foram recebidos pela diretora-presidente da Fundação, Glória Maria Santos Pereira Lima, e acompanhados pela promotora de Justiça Cristiana Ferreira Moreira Cabral de Vasconcelos, integrante de outra comissão de concurso do MPPB, que está trabalhando para a realização de concurso para promotores de Justiça da instituição. Existe a possibilidade da Fundação Carlos Chagas ser contratada também para realizar esse concurso.


    O edital do concurso, segundo o presidente da comissão, João Arlindo, ainda não tem data definida para a sua publicação, mas será em breve. “O edital ainda está em fase de elaboração, com a definição do conteúdo programático das disciplinas”, explica o promotor de Justiça.

    Número de vagas

    No último dia 3 de março, a Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) aprovou o Projeto 36/2015 que criou, extinguiu e redistribuiu cargos de provimento efetivo e comissionado no quadro de serviços auxiliares do MPPB, alterando a Lei 10.432, de janeiro de 2015. A criação de novos cargos de servidores permite que o concurso público, já em andamento, contemple 104 vagas de servidores, ao invés das 38 inicialmente previstas. A medida representa um incremento de 38% no quadro de servidores efetivos do MPPB. No entanto, esse projeto ainda precisa ser sancionado pelo governador Ricardo Coutinho (PSB) para que essas 104 vagas entrem no edital.
    O Ministério Público da Paraíba vem anunciando esse concurso desde 2013 e o procurador-geral de Justiça, Bertrand Asfora, explica porque só agora será realizado: “O concurso público só poderia ser realizado após dois importantes passos. Primeiro, a estruturação da carreira dos servidores do MPPB, o que só foi feito após o Plano de Cargos, carreira e Remuneração (PCCR). E depois dos ajustes orçamentários que permitissem à instituição não só realizar o certame, como também nomear os aprovados”.

    Bertrand Asfora volta a lembrar que o projeto de lei de iniciativa do MPPB, que ampliou o quadro de vagas para 104, foi aprovado pela ALPB, mas ainda não foi publicado. “Ainda estamos no prazo para a sanção ou veto do governador”, destaca, ressaltando: “O concurso está em fase de organização bastante acelerada, o que deve levar a não ocorrência de atrasos. Inclusive, não dependerá da sanção da citada lei, já que há a possibilidade de se abrir o cadastro reserva, caso a publicação ocorra em data posterior à publicação do edital do certame”.
    De acordo com o procurador-geral de Justiça, os estudos orçamentários e financeiros dão ao Ministério Público da Paraíba “o horizonte de que poderá preencher, dentro do prazo de validade do concurso, as 104 vagas já apontadas”.

    As vagas, confirma o procurador-geral, estão distribuídas por região, mas o concurso abrirá inscrição para todo o estado, de modo que será formada uma única lista de aprovados, de acordo com cada cargo (analista e técnico ministerial). “Isso significa dizer que o candidato não poderá escolher, no momento da inscrição, a região para a qual fará a prova. Com a vigência do PCCR, antes da nomeação de qualquer aprovado em concurso público, a instituição deve abrir concurso de remoção interna. Assim, após o concurso de remoção, os aprovados serão nomeados para as vagas remanescentes, dentro das regiões já previstas no Anexo IV do PCCR, podendo escolher, de acordo com a classificação final, o local de trabalho, dentre os disponibilizados pela administração superior do MPPB”.

    Tanto o cadastro reserva quanto a lista de aprovados constarão de um cadastro único para todo o estado. “Friso aqui que, na dinâmica do PCCR, havendo vaga em João Pessoa, abrir-se-á concurso de remoção interno para o provimento das mesmas. O que ocorre hodiernamente é que, como o quadro de servidores é formado por região, na região de João Pessoa, por ser a que está mais preenchida, não há vaga”.

    A Fundação
    A Fundação Carlos Chagas é uma instituição privada sem fins lucrativos, reconhecida como de utilidade pública nos âmbitos federal, estadual e municipal, dedicada à avaliação de competências cognitivas e profissionais e à pesquisa na área de educação.
    Fundada em 1964, expandiu rapidamente suas atividades, realizando, em todo o Brasil, exames vestibulares e concursos de seleção de profissionais para entidades privadas e públicas. A partir de 1971, com a criação do Departamento de Pesquisas Educacionais, desenvolve um amplo espectro de investigações interdisciplinares, voltadas para a relação da educação com os problemas e perspectivas sociais do país.

    Com a expansão das atividades desse Departamento ao longo dos anos, em maio de 2009 foi instituída a Superintendência de Educação e Pesquisa incorporando a pesquisa e os demais setores relacionados à educação.


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 01.04.2015 | Autor: Pedro Marinho

    Mesmo com a proposta de antecipar reajuste, professores da rede estadual anunciam greve





    Mesmo com a proposta do governador Ricardo Coutinho de estudar a antecipação da segunda parcela do reajuste concedido no início deste ano, prevista para ser paga no mês de outubro, os professores da rede estadual de ensino decidiram nesta terça-feira (31) deflagrar greve.

    A proposta do governo foi apresentada na última segunda-feira durante reunião com os diretores do Sindicato dos Trabalhadores da Educação da Paraíba (Sintep) e da Associação dos Professores em Licenciatura Plena (APLP).
    De acordo com o presidente da Associação dos Professores de Licenciatura Plena do Estado da Paraíba (APLP), Francisco Fernandes, a greve atinge todas as escolas do Estado e cerca 16 mil docentes estarão de braços cruzados e 830 estabelecimentos de ensino de portas trancadas. Francisco Fernandes disse que as principais reivindicações dos professores são: aumento salarial e revisão no Plano de Cargos e Carreira (PCCR) da categoria.

    Ainda sobre a antecipação do reajuste, o governador explicou que vai depender de como se comportará o quadro financeiro do Estado até o 2º semestre do ano. Apesar da situação econômica pela qual passa o país, o Governo do Estado concedeu um reajuste de 9% no vencimento dos professores e funcionários, sendo 4,5% pagos em janeiro e 4,5% no mês de outubro. Também foi concedido um reajuste de 13,01% para a adequação ao piso nacional da categoria referente à carga horária de 30 horas semanais. Ainda na reunião, o governador deu sinal verde para a formação de uma comissão para revisar o Plano de Cargos, Carreira e Remuneração do magistério (PCCR).

    Durante a reunião, Ricardo Coutinho apresentou aos representantes dos professores e servidores da educação documentos que demonstram a situação fiscal e econômica do Estado e o quadro de estagnação econômica do país que refletem nos Estados com as quedas de receita. "Sabemos da importância dos professores e os últimos reajustes superaram a inflação, a exemplo do ano passado em que o reajuste foi de 13% porque a economia do Brasil e da Paraíba possibilitou. Este ano, em meio às dificuldades, chegamos a 9%, que foi o índice máximo para continuarmos honrando os nossos compromissos", ressaltou.

    Paraiba.com.br


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 01.04.2015 | Autor: Pedro Marinho

    Ministro cobra o voto engavetado de Gilmar Mendes na Adin que quer acabar com doações privadas nas campanhas




     
    Postado por Tião Lucena, 


    O ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Miguel Rossetto, cobrou nesta segunda-feira 30 o voto do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, no julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) que pede o fim de doações privadas em campanhas eleitorais.

    A ação, apresentada pelo Conselho Federal da OAB, já havia recebido seis votos favoráveis e um contra dos 11 integrantes do Supremo – em defesa do financiamento público de campanha – quando Gilmar Mendes pediu vistas do processo, que na próxima quinta-feira 2 completará um ano parado na corte.

    "É importantíssimo que se faça justiça, que o STF julgue, conclua sua votação e diga qual é sua opinião em relação à constitucionalidade sobre o tema", cobrou Rossetto em declaração a jornalistas, após participar de um fórum sobre reforma política.

    "Hoje, há uma posição majoritária já manifestada e é evidente que existe uma expectativa da sociedade brasileira de que o ministro Gilmar Mendes devolva sua opinião de forma que possa haver o acórdão, que possa haver a conclusão da manifestação do STF", disse, em referência ao placar no Supremo.

    Em sua participação no fórum, que aconteceu na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, Rossetto defendeu com insistência o fim do financiamento de empresas como "tema central de uma reforma política democrática", pauta que não está incluída no projeto de reforma política apresentado pelo PMDB e que está em discussão em comissão especial da Câmara dos Deputados.


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 01.04.2015 | Autor: Pedro Marinho

    Vereador dá surra em colega e avisa a deputado que sobrou um pouquinho para ele





    Postado por Tião Lucena

    O vereador e ex-presidente da Câmara Municipal de Juazeirinho, Joselito Cavalcante (PT), agrediu com três socos na cabeça o também ex-presidente do legislativo Wellington da Costa Assis, marido da atual vereadora Níbia Costa (PTB). O caso foi registrado na madrugada do domingo (29) durante evento em um restaurante na cidade de Juazeirinho.

    O agressor, mais conhecido como “Josa do PT” estava numa mesa em companhia de amigos e do prefeito interino, Jonilton Fernandes

    Em determinado Momento, Josa do PT teria se levantado da mesa e, por trás, desferiu os socos em Wellington, que caiu no chão após ser acertado com os golpes. A confusão só não terminou em algo mais trágico, porque o agredido foi retirado do local.

    A vítima fez exames de corpo de delito onde foram confirmadas as agressões e também registrou Boletim de Ocorrência (B.O.).

    Ao saber da confusão, o deputado Estadual, Genival Matias (PTdoB), repudiou a atitude violenta do vereador. Para o deputado, Josa do PT agiu de forma desequilibrada e incompatível para um parlamentar, que tem a obrigação de dar bom exemplo á sociedade e promover a paz.

    Josa não gostou das declarações do deputado, Genival Matias (GM), repudiando sua atitude agressiva e, disse que tinha "sobrado um pouquinho também para Genival ameaçando o deputado.(Folha do Sertão)


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 01.04.2015 | Autor: Pedro Marinho

    Inquérito de Jader Barbalho, o mais antigo do STF, é arquivado sem julgamento





    Senador peemedebista é suspeito de ter praticado peculato, tráfico de influência e lavagem de dinheiro
    POR CAROLINA BRÍGIDO

    Senador Jader Barbalho (PMDB-PA) - Agência Senado

    BRASÍLIA – Sem ao menos ser julgado, foi arquivado nesta segunda-feira o inquérito que tramitava há mais tempo no Supremo Tribunal Federal (STF). O caso chegou à Corte em outubro de 2003, estava em segredo de justiça e investigava o senador Jader Barbalho (PMDB-PA), suspeito de peculato, tráfico de influência e lavagem de dinheiro. As penas máximas previstas para esses crimes somam 27 anos. A investigação foi encerrada sem conclusão porque houve extinção da punibilidade, ou seja, passou-se tanto tempo que o investigado não poderia mais ser punido, mesmo condenado.

    Durante esse período, o inquérito, iniciado em 2002 na Justiça Federal de Tocantins, percorreu diferentes instâncias judiciárias em Brasília, Palmas e São Luís, por conta do foro especial — num percurso de 4.809 quilômetros, até acabar nas gavetas do STF. Pela Constituição, senadores e deputados devem ser julgados pelo STF. A primeira instância cuida das pessoas sem foro.

    O objetivo do inquérito era investigar desvio de recursos da extinta Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia (Sudam). Os crimes teriam ocorrido em 2000. Como o caso está sob sigilo, não se conhecem detalhes do processo.

    GILMAR, O PRIMEIRO RELATOR

    Em Tocantins, o Ministério Público apresentou denúncia contra Jader, mas o caso não virou ação penal. Em 2003, quando Jader assumiu como deputado federal, o inquérito subiu ao STF pela primeira vez. O relator sorteado foi o ministro Gilmar Mendes.

    Em 2005, o STF considerou nula a denúncia apresentada na primeira instância, porque o caso deveria ter sido investigado desde o início no Supremo, por conta do foro especial. Em 2008, o tribunal desmembrou o inquérito e deixou na Corte apenas o inquérito de Jader; os outros 24 investigados foram para a primeira instância, porque não tinham direito ao foro privilegiado.

    Por ter assumido a presidência do STF em 2008, Gilmar deixou de relatar o inquérito. A responsabilidade foi transferida para a ministra Ellen Gracie, hoje já aposentada. Em 2009, o Ministério Público Federal apresentou denúncia contra Jader e, dessa vez, ao STF, responsável por julgar parlamentares.

    PUBLICIDADE


    O Supremo não teve tempo de analisar a denúncia: no ano seguinte, os autos foram enviados para a Justiça Federal de Tocantins, porque Jader renunciou ao mandato de deputado. Em 2011, a primeira instância de Tocantins concluiu que os fatos não deveriam ser apurados lá, mas na Justiça Federal do Maranhão, para onde o inquérito seguiu.

    Em 2012, o caso voltou ao STF: Jader tinha sido eleito senador. O ministro Luiz Fux foi sorteado o novo relator. Ainda em 2012, Jader apresentou defesa preliminar à denúncia. Foi quando o próprio Ministério Público reconheceu que houve prescrição quanto ao tráfico de influência. Como o crime é de pena menor (de dois a cinco anos de prisão) a prescrição é mais rápida.

    Em 2013, Fux se declarou impedido para julgar o assunto. Rosa Weber foi, então, sorteada a quarta relatora do caso. Em outubro de 2014, Jader completou 70 anos. Pela lei penal, o tempo de prescrição de crimes para pessoas com essa idade é reduzido à metade. Por isso, Rosa decretou a extinção da punibilidade dos crimes no último dia 11 de março. Pela legislação, a pena para peculato é de dois a 12 anos de prisão. A pena para lavagem de dinheiro é de três a dez anos.

    O advogado de Jader, José Eduardo Alckmin, não credita o arquivamento do inquérito sem julgamento à mudança constante de foro. Para ele, as investigações não prosseguiram por falta de prova robusta:

    — O arquivamento mostra exatamente que a cogitação inicial estava totalmente desprovida de provas mais seguras. Nesse tempo todo, houve um esforço do Ministério Público em criar uma prova robusta. Como o fato cogitado não tinha efetivamente fundamento, o tempo correu e não se chegou aos elementos que poderiam corroborar uma possível acusação. Nada foi confirmado — disse.

    OUTROS CASOS NO SUPREMO

    Para o advogado, as mudanças de foro não colaboram tanto com o atraso das investigações. Afinal, as diligências são cumpridas pela Polícia Federal e o juiz age como coordenador do inquérito nessa fase.

    — O atraso é relativamente pequeno, porque a investigação está sempre a cargo da Polícia Federal. O juiz apenas exerce supervisão. O fato de ser juiz do primeiro grau ou ministro do Supremo não faz diferença. Mas, quando não se tem prova segura, não tem como o processo andar — argumentou.

    PUBLICIDADE


    Além desse caso, Jader responde a outras dezenas de inquéritos e ações penais no STF, alguns em segredo de justiça. Parte das investigações foi motivada por desvios de dinheiro da extinta Sudam, órgão ao qual Jader tinha influência política. Para Alckmin, todas as acusações são descabidas porque seu cliente não poderia ter conhecimento de tudo o que ocorria na Sudam.

    INQUÉRITO VIROU AÇÃO PENAL

    Em outubro do ano passado, um dos inquéritos que tramitam no STF contra Jader foi transformado em ação penal. Nesse caso, ele é investigado por peculato e lavagem de dinheiro. Segundo a denúncia do Ministério Público Federal, o réu contribuiu para desvios de R$ 22,8 milhões da Sudam, entre 1997 e 2000. Segundo as investigações, o parlamentar cobrava dinheiro para aprovar projetos. A propina era de 20% do valor do contrato.

    Nessa investigação, Jader foi acusado de desviar dinheiro do Fundo de Investimento da Amazônia (Finam) para custear um projeto da Agropecuária Xavante. A empresa teria prestado o serviço, mas contribuiu para o desvio de dinheiro público. Segundo o Ministério Público, Jader usou seu prestígio para garantir a nomeação de superintendentes da Sudam que permitiram o funcionamento do esquema.

     

    Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/brasil/inquerito-de-jader-barbalho-mais-antigo-do-stf-arquivado-sem-julgamento-15744757#ixzz3W2fqmHyg
    © 1996 - 2015. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 01.04.2015 | Autor: Pedro Marinho

    Lula: ‘Segundo mandato de Dilma está apenas começando‘


    Ricardo Stucker
    Ricardo Stucker


    Ricardo Stuckert/Instituto Lula:
    O ex-presidente Lula fez nesta terça (31) um longo discurso em defesa do governo da presidente Dilma Rousseff durante a Plenária Nacional das centrais sindicais e dos movimentos sociais em São Paulo; ele comparou situação vivida por Dilma agora com o início do seu segundo mandato em 2007; "As manchetes falavam dos cortes que fiz no orçamento, depois de que eu tinha tido queda de popularidade. Em janeiro de 2007 teve a seguinte manchete: ‘Fim do governo Lula‘. As manchetes de hoje contra Dilma são mais duras, violentas e mais virulentas do que contra mim. Mas só estamos começando o segundo mandato de Dilma e temos muito a fazer. Então acreditem que Dilma pode terminar melhor do que eu terminei o segundo mandato", afirmou; sobre os ajustes, o ex-presidente disse que eles são "necessários" e que "quando as coisas melhorarem, Dilma começa a reajustar em favor do povo brasileiro"; ex-presidente também defendeu a Petrobras e o PT das denúncias de corrupção


    247 - O ex-presidente Lula fez na noite desta terça-feira (31) um longo discurso sobre o atual momento político durante uma Plenária Nacional das centrais sindicais e dos movimentos sociais em São Paulo. Ele fez uma defesa aguerrida do ajuste fiscal do governo da presidente Dilma Rousseff, comparando situação vivida por Dilma agora com o início do seu segundo mandato em 2007, quando, segundo ele, o governo foi alvo de um forte cerco da oposição e da imprensa.

    "As manchetes de 2003 falavam dos cortes que fiz no orçamento, depois o Estadão falou que eu tinha tido primeira queda de popularidade, depois falaram que ‘Lula e Alencar tinha discordado sobre juros‘, depois que o ‘governo enfrentava onda de boatos com o dólar e que o PIB estava em zero e prejudicaria a gestão. As mesmas manchetes voltaram em 2007. Dizia: "governo começa sem rumo e envelhecido". Em janeiro de 2007 teve a seguinte manchete "Fim do governo Lula". Em julho de 2007, "Vaias a Lula abrem guerra entre governo e oposição". As manchetes de hoje contra Dilma são mais duras, violentas e mais virulentas do que contra mim. Estamos começando o segundo mandato de Dilma e temos muito a fazer. Então acreditem que Dilma pode terminar melhor do que eu terminei o segundo mandato. Vamos lutar para manter a conquista da democracia neste país", afirmou.

    O petista falou ainda sobre os protestos e defendeu o PT e a Petrobras das acusações de corrupção.

    Abaixo os principais trechos do discurso:

    Terceiro turno - "Não foi uma briga fácil, ganhamos as eleições e parece que foram os nossos adversários. Parece que estamos brigando pelo que já vencemos. Vencemos desde 2002, mas parece que para eles a eleição não termina nunca. Ganhamos as eleições, criamos expectativas, a companheira Dilma fez reuniões de compromissos com todos os setores e ganhamos com uma margem muito apertada, foi a eleição mais difícil. Tivemos que enfrentar a infâmia, a mentira, a agressividade, que começou na Copa, com xingamentos contra ela. E mesmo assim ganhamos as eleições. E as agressões não eram só contra as mulheres, mas contra as conquistas sociais do povo brasileiro. O Frias, da Folha de S. Paulo, disse para mim certa vez: ‘você se engana que vão te deixar ser presidente, os do andar de cima nunca vão deixar você subir a escada". Mas nós subimos. O povo aprendeu o caminho da escada e conquistou direitos que pareciam impossíveis. eles durante toda a campanha tentaram criar confusão para evitar que Dilma tivesse mais um mandato. Ganhamos as eleições assumindo compromissos explícitos. Embora Dilma tenha sido eleita para ser presidente de todos, eles sabem que ela tem compromisso com os mais necessitados, que precisam do Estado, do papel e da interferência do governo".

    Manchetes e corrupção - "As manchetes de 2003 falavam dos cortes que fiz no orçamento, depois o Estadão falou que eu tinha tido primeira queda de popularidade, depois falaram que ‘Lula e Alencar tinha discordado sobre juros‘, depois que o ‘governo enfrentava onda de boatos com o dólar e que o PIB estava em zero e prejudicaria a gestão. As mesmas manchetes voltaram em 2007. Dizia: "governo começa sem rumo e envelhecido". Em janeiro de 2007 teve a seguinte manchete "Fim do governo Lula". Em julho de 2007, "Vaias a Lula abrem guerra entre governo e oposição". As manchetes de hoje contra Dilma são mais duras, violentas e mais virulentas do que contra mim. Li essas manchetes para tentar explicar umas coisas para vocês. Preciso dizer o que vou dizer: até hoje, nós não fizemos o debate correto sobre a corrupção neste país. A gente achava que não era assunto para nós debatermos. Aqui em São Paulo, a corrupção é crônica historicamente. Aqui em São Paulo se cunhou a frase ‘rouba, mas faz‘. E a gente sempre achou que não era um tema nosso. Mas é nosso. Foi o tema que levou Vargas à morte, foi o tema que fez com que eles pensassem em tentar o impeachment contra mim. E é o tema agora. Os 12 anos do nosso governo foram os responsáveis que tiraram o tapeto que cobria a corrupção. Fomos nós que fizemos quase todas as leis contra a corrupção".

    Petrobras - "Essa empresa é de alta governança. Se houve corrupção, foi de uma ou outra pessoa que terão que pagar o preço por ter enganado o povo brasileiro. Quero saber se vai ter alguém que vai ter coragem de dizer que o Gabrielli ou o Zé Eduardo Dutra estão envolvidos com corrupção. Essas pessoas conquistaram o direito de andar de cabeça erguida neste país. Não pode aceitar que chame alguém de corrupto porque está de camisa vermelha. Estou dizendo isso porque esse país nunca teve ninguém com a valentia e coragem da presidente Dilma de fazer investigação onde é preciso fazer investigação. Estão transformando a denúncia de corrupção de um bandido condenado há vários anos de prisão que ao fazer uma delação vira herói. Vai para a manchete, não precisa de juiz, a imprensa condena. As pessoas estão sendo agredidas nas ruas, nos restaurantes, sem prova nenhuma. A gente não pode aceitar essa violência contra uma empresa como a Petrobras. Quero dizer aos 86 mil trabalhadores da Petrobras, todos que respeito muito: se alguém fizer merda, vai pagar o preço. Mas o que incomoda os adversários é a lei da partilha, é a lei de conteúdo nacional, é a descoberta do pré-sal. Acho que temos que ter consciência do que eles querem fazer com a Petrobras".

    Ajuste fiscal - "A segunda coisa que acho grave neste país é o questionamento que eles estão fazendo à presidente Dilma. Era necessário fazer ajuste. Eu fiz um mais forte do que esse em 2003. Agora ela tinha necessidade de dar uma parada. Como na casa da gente: todo mundo que trabalha recebe em dezembro o décimo terceiro, às vezes férias. No natal, ele esborracha, vai no restaurante, mas chega janeiro, aparece a conta, IPTU, IPVA mais caro, teve aumento da gasolina, energia. Isso não dependeu da Dilma. Nós cometemos equívocos. Porque não se aumentou gasolina desde 2012? Para segurar inflação. A Dilma baixou a energia. Foi 38% de desconto para empresas e 18% para o povo. Mas a gente não esperava a seca que viria sobre o país. Teve que usar as termoelétricas, que é mais cara. Foi um cenário que não dependeu da Dilma. Quando as coisas melhorarem, a Dilma começa a reajustar de novo em favor do povo brasileiro. O sindicato não está contente, o movimento social não está, mas com a Dilma se tem certeza que pode negociar. Se fosse um tucano no governo, nem em Brasília vocês chegariam para negociar"

    Protestos - "A Dilma é resultado nosso, tem compromisso nosso, querem tirar ela para tirar o povo do governo. Temos que ir para as ruas muitas vezes. Não é para ficar com raiva contra quem vai para rua contra nós. Fomos para as ruas contra todos eles. É a primeira vez que vão contra nós. A gente precisa ter consciência que nem tudo está certo. Eles têm o direito de reclamar. O que precisamos é fazer o debate político e tentar convencê-los. Eu terminei um mandato com 80% de aprovação em São Paulo e a Dilma já teve 70% de aprovação em São Paulo. Temos que ter essa noção e fazer o debate, não é para ter raiva."

    PT - "Neste país não vou admitir que levantem suspeita de que o PT, o Lula, o Rui são corruptos. Não dá para aceitar ataques contra nós. Não preciso vestir verde e amarelo para dizer que sou brasileiro. Ninguém mexerá na conquista democrática do povo brasileiro que elegeu um operário e uma mulher. Em 2018 vamos para o embate democrático e qualquer brasileiro pode ser presidente da República. Nós aprendemos a respeitar a democracia."

    Segundo mandato de Dilma - "Não deixem de cobrar ao governo, mas não deixem de compreender a diferença entre a luta política e a luta econômica. Estamos começando o segundo mandato de Dilma e temos muito a fazer. Em 2007, no início do nosso segundo governo, falaram que meu governo tinha chegado ao fim. Então acreditem que Dilma pode terminar melhor do que eu terminei o segundo mandato. Vamos lutar para manter a conquista da democracia neste país."


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 01.04.2015 | Autor: Pedro Marinho

    Isidório vai ao MPF contra perversões da Globo




    I
    Fotos: divulgação/Edição 247:
    "Ex-homossexual, ex-bandido, ex-drogado e ex-aidético", o deputado Pastor Sargento Isidório entrou com ação no Ministério Público contra a Rede Globo pelas "perversões e tentativas de destruição do conceito familiar" e faz críticas à novela Babilônia, sobre o beijo lésbico de Nathalia Timberg e Fernanda Montenegro; "Não é só o beijo. É cena de violência, é filha dando tapa na cara de mãe, é filho mandando pai tomar naquele lugar. A mulher largou o marido, aí o marido se preocupa pensando que é com outro, mas não, ela está se pegando com outra. Vai botar barata para ralar uma na outra. O marido largou a mulher, aí a mulher sai procurando com as colegas e quando chega lá ele quer cobra com cobra"


    Bahia 247 - Defensor ferrenho do modelo tradicional de família (momem, mulher e filhos), o deputado Pastor Sargento Isidório (PSC), que se declara "ex-homossexual, ex-bandido, ex-drogado e ex-aidético", entrou com sua segunda ação no Ministério Público Federal (MPF) contra a Rede Globo.

    Ele afirma que é "contra as perversões e tentativas de destruição do conceito familiar que a Rede Globo vem fazendo contra nossa nação" e faz críticas à novela Babilônia, destacando o beijo lésbico protagonizado por Nathalia Timberg e Fernanda Montenegro.

    O deputado comentou que a cena entre as atrizes, assim como os momentos de violência, prejudicam a educação dada pelos pais aos filhos.

    "Por que não mostra um relacionamento onde o marido ama a esposa, lava prato, ajuda a fazer a faxina e não trai a esposa? Por que não mostra? A Rede Globo quer tornar esse país um brega, uma prostituição, uma vagabundagem? É o que está fazendo!", disse Isidório em entrevista ao site Bahia Notícias.

    Ele ressalta que as críticas são compartilhadas por pessoas de diferentes religiões e disse que a Globo deveria priorizar a exibição de programas com conteúdo educativo. O deputado diz ainda que há outros tipos de "degradação" dos valores morais nas novelas.

    "Não é só o beijo. É cena de violência, é filha dando tapa na cara de mãe, é filho mandando pai tomar naquele lugar de duas letras... A mulher largou o marido, aí o marido se preocupa pensando que é com outro, mas não, ela está se pegando com outra. Vai botar barata para ralar uma na outra. O marido largou a mulher, aí a mulher sai procurando com as colegas e quando chega lá ele quer cobra com cobra, ele quer virar mágico, engolir cobra".

    Isidório também disse que a exibição desse tipo de cena na novela pede intervenção do ministro da Justiça, do ministro da Educação e da presidente Dilma Rousseff, caso contrário, "nação vai continuar descendo ladeira abaixo". "Não tem jeito não, é Bíblia!".

     


     


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 01.04.2015 | Autor: Pedro Marinho

    Redução da maioridade penal provoca revolta





    "A redução não resolve a violência urbana nem atenta para a reforma prisional, ao contrário, só piora", bateu forte a deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) sobre a aprovação hoje, pela CCJ da Câmara, da tramitação da PEC que reduz de 18 para 16 anos a maioridade penal no Brasil; "Eu não tenho dúvida de que a eventual aprovação desta PEC seria um desastre na luta contra a violência", disse a ex-deputada Luciana Genro (Psol-RS)


    247 – A aprovação da tramitação da PEC que reduz de 18 para 16 anos a maioridade penal no Brasil, nesta terça-feira 31, provocou críticas duras de parlamentares e ativistas sociais.

    "Absurda aprovação sobre redução da maioridade na CCJ. A redução não resolve a violência urbana nem atenta para a reforma prisional, ao contrário, só piora. O PCdoB mantém-se na luta pela comissão especial. Perdemos uma batalha, não a guerra", publicou a deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) em sua página no Facebook.

    A deputada federal Jô Moraes (PCdoB-MG) criticou a proposta em discurso no plenário da Casa na semana passada. "Lamentavelmente, a Casa começa a tratar de um tema desta complexidade por um foco equivocado, como se a redução da maioridade penal fosse o problema central da segurança pública", disse Jô, comparando o caso ao tratamento de um câncer com analgésico.

    Luciana Genro, ex-deputada federal pelo Psol do Rio Grande do Sul e quarta colocada na disputa presidencial, afirmou, também pelo Facebook, não ter "dúvida de que a eventual aprovação desta PEC seria um desastre na luta contra a violência".

    "Sei que muita gente, de forma sincera, acredita que endurecendo penas e aumentando o encarceramento se pode diminuir a criminalidade. Esta é uma ilusão, e uma ilusão reacionária, pois acaba por incrementar o círculo de exclusão, pobreza e violência", acrescentou.

    Ontem o PT ameaçou recorrer ao STF para impedir que a proposta avançasse na Câmara, onde está em debate há 23 anos. "Se esta comissão cometer o erro grave de aprovar essa PEC [Proposta de Emenda Constitucional], não tenho dúvida de que o STF deverá sustar o andamento, afirmou o petista", disse o deputado Alessandro Molon (PT-RJ) antes da votação desta terça.

    A proposta já recebeu críticas de diversos especialistas em direitos humanos e combate à violência do País, líderes religiosos e entidades internacionais. O resultado de 42 votos a favor à tramitação da PEC e 17 contra – gerou protesto de manifestantes presentes na sessão da Câmara.

    Depois da aprovação da tramitação pela CCJ da Câmara, o presidente da Casa, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), criou no final desta tarde a comissão especial que vai analisar a proposta. Formada por 26 titulares e 26 suplentes, a comissão começará a funcionar na próxima quarta-feira 8, quando ocorrerá a reunião de instalação.

    Para ser aprovada pela Câmara, a proposta precisa do aval da comissão especial e de votação em Plenário, em dois turnos, com o voto favorável de, pelo menos, 308 deputados. A ministra da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, Ideli Salvatti, manifestou preocupação com a aprovação da PEC. Leia abaixo na reportagem da Agência Brasil:

    Aprovação da admissibilidade da PEC da Maioridade preocupa governo

    Mariana Tokarnia - A ministra da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, Ideli Salvatti, manifestou preocupação com a aprovação da admissibilidade da proposta de emenda à Constituição (PEC) 171/93, que reduz a maioridade penal de 18 para 16 anos, pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados.

    "Provavelmente, se não acelerarmos o nosso trabalho, a nossa mobilização, há possibilidade concreta de aprovarem a mudança na Constituição para a redução da maioridade penal de 18 para 16 anos", disse durante o lançamento do Guia de Orientações sobre o Processo Unificado de Escolha de Conselheiros Tutelares. "É uma batalha longa e difícil da qual perdemos um primeiro round hoje e perdemos de forma significativa".

    Os integrantes da comissão rejeitaram por 43 votos contra e 21 a favor, o parecer do relator Luiz Couto (PT-PB), contrário à admissibilidade da proposta, por considerá-la inconstitucional. Com a rejeição, venceu a tese de que a alteração da maioridade não constitui cláusula pétrea da Constituição Federal.

    Agora será formada uma comissão especial para analisar o mérito da proposta. Ideli disse que a pasta vai participar efetivamente da montagem da comissão especial. "Vamos fazer presença e pressão", disse. "Vamos precisar ter muito fôlego, muita energia para que não haja esse retrocesso na legislação".

    Ideli defendeu o fortalecimento dos conselhos tutelares como forma de garantir os direitos das crianças e adolescentes. A ministra também leu moção assinada por 15 secretários estaduais de segurança, que também se mostram preocupados e pedem que o debate seja aprofundado e que os dirigentes do sistema prisional sejam ouvidos. A moção, de acordo com Ideli, a expectativa dos secretários é que o número de assinaturas chegue a pelo menos 20.


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 01.04.2015 | Autor: Pedro Marinho

    Mais Demóstenes: Caiado cairá em questão de dias




     
    Procurador Demóstenes Torres reafirma "tudo o que disse" e sugere em nota divulgada nesta terça (31) que apresentará provas das acusações de que o líder do DEM, Ronaldo Caiado, teria sido financiado pelo contraventor Carlinhos Cachoeira nas eleições de 2002, 2006 e 2010; “Essa madrugada fez Ronaldo perder a voz, mas o decorrer dos dias próximos o fará perder o mandato", disse; "A minha agonia está no fim e a de Ronaldo Caiado apenas se iniciando", avisa; Demóstenes nega que tenha citado o senador Agripino Maia em fraudes no Detran de Goiás; o Brasil247 apurou, contudo, que a suposta “operação goiana” envolveria a CAE do Senado, a aprovação de nomes para a Anvisa e doações ilegais às campanhas de Agripino e da então senadora Rosalba Ciarlini pela indústria farmacêutica
    31 DE MARÇO DE 2015 ÀS 20:24


    Realle Palazzo-Martini, do Goiás247 - O ex-senador Demóstenes Torres treplicou em nota que a agonia do ex-aliado Ronaldo Caiado, líder do DEM no Senado, apenas começou e que ele perderá o mandato nos próximos dias. Demóstenes sugere em nota, divulgada no final da tarde desta terça-feira (31), que apresentará provas das acusações de que o ruralista teria sido financiado pelo contraventor Carlinhos Cachoeira nas eleições de 2002, 2006 e 2010. As alegações de Demóstenes estão contidas em artigo publicado no jornal Diário da Manhã (leia mais aqui). Caiado, por sua vez, refutou as acusações e classificou Demóstenes de “psicótico” (leia mais aqui).

    No texto vespertino, Demóstenes diz que Caiado “deu uma sapituca” e que reconheceu quase todos os fatos apresentados pelo procurador de Justiça. Também refuta três acusações que Caiado lhe faz. Disse ainda que o senador comete um ato falho: “Eu jamais disse que Agripino Maia teve qualquer esquema com o Detran.”E questiona: “Ou teve, Caiado?”

    Um interlocutor privilegiado do Goiás247 revelou, na condição de anonimato, que a suposta “operação goiana” envolveria o financiamento ilegal das campanhas de Agripino e da então senadora Rosalba Ciarlini (que venceu as eleições ao governo do Rio Grande Norte em 2010) pela indústria farmacêutica. E que o esquema envolveria a aprovação de nomes para a Diretoria da Agência Nacional de Vigilancia Sanitária (Anvisa) pela Comissão de Assuntos Sociais (CAE) do Senado. Disse, ainda, que as evidências devem surgir nos próximos dias.

    Leia a íntegra da nota de Demóstenes

    Ronaldo Caiado, à míngua de qualquer argumento, partiu para a adjetivação. Deu uma sapituca, reconheceu quase todos os fatos que apresentei, tentando lhes dar um ar de normalidade. Traz apenas três pontos novos e inverídicos: que eu tenha chorado perante ele e dispensado sua lealdade; que tenha Eurípedes Barsanulfo contido o então diretor-geral da Polícia Civil, Marcos Martins, em uma suposta invasão do meu gabinete na Secretaria de Segurança Pública; e que o meu suplente de senador José Eduardo Fleury tenha tentado me chantagear.

    Quanto ao primeiro, ninguém jamais me verá nessas condições. Além do quê, Caiado acredita que o sentimento de lealdade é apenas uma doença de cachorro. No segundo, ainda que fosse verdade, o que nego, nunca pedi para que comprassem minhas brigas. Sempre fui homem o suficiente para enfrentar os meus próprios desafios. O terceiro é apenas mais uma da safra caiadista de invencionices. José Eduardo Fleury foi um suplente honesto e dedicado, a quem sempre respeitei.

    O senador comete um ato falho. Eu jamais disse que Agripino Maia teve qualquer esquema com o Detran. Ou teve, Caiado? Sua mitomania atravessa todas as frases e se consubstancia na afirmação de que os integrantes da CPI ouviram 250 mil horas de gravações e o inocentaram. Isso seria o equivalente a passar mais de 28 anos ouvindo, 24 horas por dia, todos os grampos da Operação Monte Carlo. É apenas mais uma fantasia construída para dar ar de veracidade à personagem que o senador canastrão representa.

    Essa madrugada fez Ronaldo perder a voz, mas o decorrer dos dias próximos o fará perder o mandato. Não adianta grunhir porque se gritaria resultasse em algo, os porcos não morreriam daquela forma. E repito: comigo é nos termos que já propus, exceto em uma disputa intelectual, porque cérebro Caiado não possui. Aguarde. Quem viver, verá.

    A partir de agora a Justiça vai resolver a minha situação e a dele. Reafirmo tudo o que disse. A minha agonia está no fim e a de Ronaldo Caiado apenas se iniciando. Tenho dito.

    Demóstenes Torres


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 31.03.2015 | Autor: Pedro Marinho

    O péssimo atendimento da Unimed da Paraíba e de Rondõnia




     

    Necessitei ontem me dirigir a unidade da Unimed, que fica próxima a Praça Pedro Gondim aqui em João Pessoa para solicitar autorização de um simples exame urológico, pois como deveria ser de praxe não consegui autorização no consultório do meu medico, tendo então de ir até o intercambio, já que a seu plano é original é do estado de Rondônia.

    Cheguei ali exatamente as 08h53min e mesmo já tendo mais de 60 anos, tal fato foi ignorado e recebei uma senha escrita M1, ou seja, mesmo em tal horário, a pessoa encarregada de tal setor não tinha recebido absolutamente ninguém, já que eu seria o primeiro e fiquei ali esperando até 09h30min quando então resolvi abordar a recepcionista exigindo dessa uma senha de preferencial, já não tinha cabimento ficar ali indefinidamente para uma simples autorização, o que lhe foi concedido, sendo que cerca de 10 minutos depois quando já me encontrava com as duas senhas, eis que chamaram a senha M1 e para a minha surpresa fui atendido por um senhor com farda da Unimed que já tinha visto passar por ali nos corredores por diversas vezes e que mesmo assim não conseguiu a dita autorização e então mandou que eu retornasse ao balcão e solicitasse uma nova senha para ser atendido pelas moças ali das mesas.

    Por sorte o mesmo eu já tinha em mãos uma segunda senha, pois caso contrário iria só naquele instante já perto das 10 horas solicitar nova senha e iria esperar ali por muito mais tempo, pois seria com certeza o último a ser atendido numa sala repleta de pessoas.


    Quando a Unimed de João Pessoa tirou o intercambio de sua sede principal, colocando tal serviço em novo endereço, todo mundo imaginou que o serviço iria ficar muito bom, mas continua muito ruim o atendimento aos seus usuários, tanto que durante a minha permanência lá, que perdurou até as 10:10, ou seja 1:7h, de espera, várias pessoas em voz alta reclamavam do atendimento, tendo inclusive uma senhora cansada com a espera, ameaçado chamar a imprensa.

    Em tempo: Antes que alguém pense que se tratava de um exame complexo e caro, convém registrar que todo esse problema foi gerado pela Unimed Rondônia, que autorizou um exame de ultra-sonografia de abdômen total e até agora não autorizou um simples exame de fluxometria, que nada mais é do que o sujeito no próprio consultório médico, urinar dentro de um recipiente de plástico, para se medir o fluxo urinário (volume de urina que passa pela uretra em uma unidade de tempo), ou seja, deve ser mais barato do que um exame de urina.

    Considerando que até 14;30 horas de terça feira, estando esperando desde ontem e  nada foi resolvido, solicito aos caros diretores da Unimed, urgentes providências, para que tal fato não aconteça mais com nenhum dos nossos sindicalizados.


    Pedro Manoel Macedo Marinho
    Subscritor deste blog

     

     


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 31.03.2015 | Autor: Pedro Marinho

    A areia que o prefeito diz ter retirado da Lagoa daria para fazer um novo monte Everest na Praça da Independência




     A prefeitura publicita todo dia e o dia todo, que removeu 200.000 toneladas de terra da Lagoa do Parque Solon de Lucena. Um colega construtor, já calculou em caminhões, e encontrou isto: Capacidade de carga media um caminhão caçamba 》20 ton.
    200.000 ton ÷ 20 ton : 10.000 caminhões...
    DEZ MIL CAMINHÕES DE AREIA. Se é para desrespeitar o Patrimônio Público e robustecer esta mentira, que tal empinhar estas dez mil caçambas na Praça da Independência e ter-mos o nosso Evereste.

    Coriolano Sá Filho

     

    Nota do Editor deste blog; A referência a Praça da Indepemndência ocorre em razão de o prefeito Luciano Cartaxo,  ignorar a Praça Antonio de Carvalho, antiga Socic no Varadouro, Praça Pedro Gondim em lastimavel estado na Torre, Praça do Carro Antigo em Manaira, Praça Antonio Pessoa em Tambiá para intervir exataente numa praça histórica  Inaugurada em 1922,  ano do Centenário da Independência,para fazer a mesma lambança que fez na Praça João Pessoa, sob oos olhos complascentes do fiscais do IPHAEP e dos outros órgãos de fiscalização. É melhor nem passar perto da Praça da Independência.


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 31.03.2015 | Autor: Pedro Marinho

    Papo d‘ Esquina


    "NÃO MATE SEU PAI DE VERGONHA, SENADOR CÁSSIO CUNHA LIMA"

    No seu prestigiado site apalvraonline, o jornalista Marcos Marinho repercutiu uma a carta de um médico denominado Jonas Duarte, que escreveu um longo texto no portal Brasil 247, censurando o comportamento do senador paraibano Cássio Cunha Lima, em razão de um projeto de lei de sua autoria que tenta acabar com o Programa ‘Mais médicos’ alegando que o mesmo serve apenas para financiar a "ditadura castrista". Dentre outras coisas escreveu o médico: "Quero apenas lembrar o Senador Playboy que seu pai foi o primeiro governador eleito, Pós-Ditadura Militar, a visitar Cuba. Em 1991", afirma o médico, lembrando que Ronaldo Cunha Lima, pai de Cássio, se tornou um dos principais defensores do intercâmbio entre Cuba e a América Latina e escreveu até poemas a respeito. No final o contrariado médico crava a seguinte frase: “Não mate o seu pai de vergonha, senador Cássio Cunha Lima”.

    OS PRE-CANDIDATOS EM JOÃO PESSOA SANTA RITA E CABEDELO

    Mesmo se falando quase diariamente que praticamente todas as prefeituras atravessam forte crise financeira com os prefeitos sempre com o pires na mão, inexplicavelmente cada vez aumenta mais o interesse dos políticos pelos cargos no executivo de modo em geral. No ano que vem teremos eleições municipais e aqui em João Pessoa vários pré-candidatos já se projetam para a disputa, enfrentando assim o prefeito Luciano Cartaxo que irá disputar a reeleição. Devem entrar na disputa Manoel Junior pelo PMDB, Ruy Carneiro pelo PSDB, Wilson Santiago pelo PTB-DEM e apoiada pelo governador Ricardo Coutinho Estela Bezerra. Realmente será um páreo duríssimo.

    OS PRE-CANDIDATOS EM JOÃO PESSOA SANTA RITA E CABEDELO II

    Na cidade de Santa Rita cujo prefeito Reginaldo Pereira foi afastado do cargo, sendo substituído pelo seu vice Netinho de Várzea Nova, cuja cidade passa por momentos dos mais difíceis, com pouco dinheiro e muitas necessidades em quase todas as áreas, Reginaldo vai tentar a reeleição, mas terá q que enfrenta o ex-prefeito Marcus Odilon o próprio Netinho que ficou no cargo de prefeito por cerca de nove meses e pelo visto gostou.

    OS PRE-CANDIDATOS EM JOÃO PESSOA SANTA RITA E CABEDELO III

    Outra cidade problemática, cuja ma situação colocou para correr o prefeito Luceninha que renunciou dando vez ao seu vice Leto Viana que assumiu o cargo e vai para reeleição, que não será tão fácil como foi para ele até agora, cujo mandato caiu no seu colo. Em Cabedelo nomes fortes devem entrar na disputa, já se falando nos nomes de Trocolli Junior pelo PMDB, Lucélio Cartaxo do PT e Ricardo Barbosa que sairia como candidato do PBS, contando com o apoio do governador Ricardo Coutinho. Vai ser uma briga de foice.

    LUCIANO CARTAXO E O DESCASO COM A BARREIRA DO CABO BRANCO

    Por falar em Luciano Cartaxo vai terminar o mandato e a enrolação não permite que o mesmo aja com celeridade para conter a erosão do importante acidente geográfico que é a barreira do Cabo Branco, que vem sofrendo um desgaste muito grande nos últimos anos, tendo do problema passado por Ricardo Coutinho, Luciano Agra e agora Cartaxo que já entra no terceiro ano de gestão e necas de pitibiriba.. O mesmo decretou estado de emergência para aquela área há pelo menos 90 dias e até agora nada de agir no local. Será que ele tá aguardando que venha tudo abaixo?

    INAUGURADA A VILA OLÍMPICA PARAHYBA

    Com a presença de muitas personalidades políticas e do mundo esportivo, o governador Ricardo Coutinho inaugurou a bela reforma que fez no antigo DEDE, que estava em péssima situação há muitos anos. Realmente quem esteve ali saiu encantado com tudo que viu, pois foi realizada uma reforma total em toda estrutura que deixou a Vila Olímpica em condições de receber qualquer evento nacional ou mesmo internacional. Parabéns apo governador Ricardo Coutinho, pois a pratica de nosso estado é abandonar as obras já existentes e tentar fazer outra para dizer que foi idealizada por aquela gestão. Raramente um gestor faz o que foi feito no Ronaldão, Espaço Cultural e agora no DEDE, tantos que estavam todos se encontravam em estado deplorável, principalmente o Espaço Cultural José Lins do Rego.

    ASSEMBLEIA JÁ CONTA COM QUATRO SUPLENTES NO EXERCÍCIO DO MANDATO

    Mesmo com apenas quatro três meses dessa legislatura, que teve início em janeiro, quatro parlamentares já se licenciaram estando hoje no exercício do mandato quatro suplentes, ou seja, aumenta consideravelmente a despesa com a folha, pois recebem os licenciados e os respectivos, suplentes. Com relação a Lindolfo Pires que assumiu a representação do governo em Brasília entrou no seu lugar Hervázio Bezerra, sendo o licenciado obrigado a optar entre um salário e outro. No caso de Anísio Maia é perfeitamente compreensível, pois o mesmo foi vitima de grave acidente automobilístico e irá se submeter a uma cirurgia. Outro que também passou por cirurgia foi José Aldemir, entrando no seu lugar Charles Camaraense e por fim Ricardo Marcelo que mesmo tendo disputado à reeleição a presidente da Casa de Epitácio Pessoa, após sofrer derrota, alegou que iria tratar da saúde e de problemas particulares, entrando na sua vaga Julys Roberto.

    LUCAS DE BRITO QUER SUGERIR IDEIAS PARA MUDAR OS PARTIDOS POLÍTICOS

    O Vereador Lucas de Brito apresentou na Câmara Municipal de João Pessoa, requerimento de sua autoria sugerindo ao Congresso Nacional a inclusão do tema relativo à democratização dos partidos nos debates da Reforma Política. Diz Lucas de Brito que partidos políticos são hoje considerados essenciais à democracia brasileira, mas permanecem imunes a regras democráticas e republicanas no que diz respeito aos seus funcionamentos internos, de forma que os seus respectivos presidentes podem: (a) ser reeleitos indefinidamente; (b) favorecer parentes candidatos a cargos proporcionais; (c) gerir, com discricionariedade absoluta, os recursos públicos do Fundo Partidário e o tempo de propaganda eleitoral na rádio e na televisão. Essa realidade precisa mudar. É preciso democratizar os partidos políticos.

    DOM ALDO PAGOTTO DEFENDE A REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL

    O Arcebispo da Paraíba, Dom Aldo Pagotto diferente que pensa o padre de deputado Luiz Couto, defende a redução da maioridade penal. Na visão de Dom Aldo, a idéia de uma rapaz de 14 anos é um menor não passa de uma filosofia que distorce a realidade, ma qual esse rapaz já é conhecedor da vida suficiente o suficiente para tomada de decisões proativas. Dom Aldo ainda disse que mesmo a Igreja Católica não seja favorável à redução da maioridade ele não poderia ficar em cima do muro e entende que a legislação penal deve alcançar o que eles chamou de cavalões de 14, 15 e 16 anos. Dom Aldo só não concorda que esses menores fiquem nos mesmos presídios dos adultos e defende que se crie estruturas de reinserção social e acompanhamento o que não pode é continuar com a impunidade reinante.

    DEPUTADO ANÍSIO MAIA NÃO ACREDITA NA QUEBRA DA ALIANÇA DE PSB COM O PT

    O deputado estadual, Anísio Maia, ao ser questionado sobre a saída do vereador do PSB Renato Martins da base do prefeito Luciano Cartaxo, tratou de colocar panos quentes no assunto dizendo não acreditar em rompimento do Partido dos Trabalhadores (PT) com o Partido Socialista Brasileiro (PSB), na Paraíba. Na visão do deputado petista, a aliança entre os dois partidos está bastante firme. Segundo Anísio, essa especulação de racha não passa de “fofoca”. O parlamentar ao final explicou que as divergências existem em qualquer legenda e citou como exemplo o caso do PMDB em cenário nacional. “O PMDB é o principal aliado do PT, mas tem tomado atitudes que não agradam a presidenta Dilma Rousseff”.

    TREVO QUANDO CONCLUÍDO, SERÁ DENOMINADO TREVO DAS MANGABEIRAS

    O trevo do Residencial Tarcisio Burity, conhecido popularmente por ‘Mangabeira’, que se encontra em construção, não receberá o nome de nenhum vulto de nossa historia, pois é desejo do governador Ricardo Coutinho é fazer uma homenagem aos moradores daquele grandioso bairro. A idéia de RC é homenagear os muitos braços que fizeram e fazem a historia daquele núcleo residência, razão pela qual o trevo será denominado de ‘Trevo das Mangabeiras’.

    GILVAN FREIRE FALA DO PRECÁRIO ATENDIMENTO DA JUSTIÇA PARAIBANA

    O ex-deputado e advogado Gilvan Freire é bastante conhecido pelos seus abalizados escritos nas redes sociais, tendo o mesmo hoje uma legião de leitores que participam ativamente dando opiniões em tudo que Gilvan escreve com tanta maestria. Gilvan Freire a partir desde ponto: ‘Em estado pré-falimentar, precisando de 65 novos juízes para tanger processo que se amontoam há anos, numa crise sem precedentes na história do Judiciário da Paraíba, o TJPB abrirá concurso para 15 juízes apenas. Havia previsão na administração passada de que fossem preenchidas as vagas faltantes, para que os jurisdicionados não tivessem mais de pagar os monumentais prejuízos que sofrem há tempos com os descasos de um Poder que não consegue se impor na defesa de seus deveres perante a sociedade e não consegue agir soberanamente na manutenção de sua autonomia financeira. É um absurdo o que está havendo”.Realmente irretocável a opinião do sempre antenado e preocupado Gilvan Freire.

    O MAU ATENDIMENTO DA UNIMED

    Um cidadão amigo da coluna necessitou ontem se dirigir a unidade da Unimed, que fica próxima a Praça Pedro Gondim para solicitar autorização de um simples exame urológico, pois não conseguiu autorização no consultório do seu medico, tendo então de ir até o intercambio, já que a seu plano é original é do estado de Rondônia.O mesmo chegou ali exatamente as 8:53 e mesmo sendo idoso tal fato foi ignorado e ele recebeu uma senha escrita M1, ou seja, mesmo em tal horário, a pessoa encarregada de tal setor não tinha recebido absolutamente ninguém, tendo o usuário ficado ali esperando até 9:30 quando então resolveu abordar a recepcionista exigindo dessa uma senha de preferencial, já não tinha cabimento ficar ali indefinidamente para uma simples autorização o que lhe foi concedido, sendo que cerca de 10 minutos depois quando o mesmo se encontrava com as duas senhas, eis que chamaram a senha M1 e para a sua surpresa foi atendido por um senhor com farda da Unimed que ele já tinha visto passar por ali nos corredores por diversas vezes e que mesmo assim não conseguiu a dita autorização e então mandou que ele o reclamante voltasse ao balcão e solicitasse uma nova senha para ser atendido pelas moças ali nas mesas.

    O MAU ATENDIMENTO DA UNIMED II

    Por sorte o mesmo já tinha em mãos uma segunda senha, pois caso contrário iria só naquele instante já perto das 10 horas solicitar nova senha e iria esperar ali por muito mais tempo, pois seria o último a ser atendido numa sala repleta de pessoas. Quando a Unimed tirou o intercambio de sua sede principal, colocando tal serviço em novo endereço, todo mundo imaginou que o serviço iria ficar muito bom, mas continua muito ruim o atendimento aos seus usuários, tanto que durante a permanência lá deste nosso contrariado leitor,que perdurou até as 10h:10m, ou seja uma espera de 1h7m, várias pessoas em voz alta reclamavam do atendimento, tendo inclusive uma senhora cansada com a espera, ameaçado chamar a imprensa. Em tempo: Antes que alguém pense que se tratava de um exame complexo e caro, convém registrar que todo esse problema foi gerado pela Unimed Rondônia, que autorizou um exame de ultra-sonografia de abdômen total e até agora não autorizou um simples exame de fluxometria, que nada mais é do que o sujeito no próprio consultório médico, urinar dentro de um recipiente de plástico, para se medir o fluxo urinário (volume de urina que passa pela uretra em uma unidade de tempo), ou seja, deve ser mais barato do que um exame de urina. Vá entender essas empresas.

    Esta coluna é publicada no http:www.blogdopedromarInho e em quatro portais.


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários


ver mais antigas