Estatisticas do blog

No momento, 7 usuário(s) está(ão) lendo este blog. No total, 2289622 pessoas visitaram esta página.

Clima tempo

Twitter

Publicidade

  • 28.07.2014 | Autor: Pedro Marinho

    As belas da segunda - fotos









    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 28.07.2014 | Autor: Pedro Marinho

    Juiz é suspeito de beneficiar traficantes clientes de advogada




     Polícia encontrou várias sentenças assinadas pelo juiz Amaury de Lima e Souza beneficiando traficantes, clientes da advogada Andrea Elizabeth de Leão Rodrigues.
    A Polícia Federal investiga um crime que pode ter sido cometido por aquele que mais deveria zelar pela Justiça. Um juiz de Minas Gerais está preso, acusado de beneficiar uma das maiores quadrilhas de tráfico de drogas da região sudeste.

    Preste atenção no homem do vídeo acima. Ele é juiz de execuções criminais em Minas Gerais, e toma as decisões relacionadas aos presos condenados pela Justiça em Juiz de Fora. E quem é a mulher que está com o juiz no vídeo? Ela é advogada de um traficante. O vídeo é peça-chave numa investigação da Polícia Federal que desmontou uma das maiores quadrilhas de tráfico de drogas do país.

    Dezessete pessoas foram presas e cerca de R$ 70 milhões apreendidos em dinheiro, drogas, armas, imóveis, dezenas de carros de luxo e até um avião. A droga era trazida da Bolívia e distribuída, principalmente, em São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais, pelos traficantes Álvaro Daniel Roberto, o Caipira, Peterson Pereira Monteiro, o Zoi, e José Severino da Silva, o Cabecinha.

    Mais do que uma rota do tráfico de drogas, Juiz de Fora acabou se tornando uma base estratégica para a organização criminosa e o principal motivo estava no fórum da cidade.

    Ao investigar a quadrilha, a polícia encontrou várias sentenças assinadas pelo juiz Amaury de Lima e Souza beneficiando traficantes, clientes da advogada Andrea Elizabeth de Leão Rodrigues. Os dois que você viu juntos, no início dessa reportagem.

    Amaury: Alô.
    Andrea: Eu não estou entendendo nada.
    Amaury: O que que você não está entendendo, o que você me pediu?
    Andrea: Tá, mas não tem alvará, não tem nada.
    Amaury: Hein?
    Andrea: Não tem alvará.
    Amaury: Não é isso que você me pediu não. Você me pediu para enviar uma peça do carro para você.
    Andrea: Espera a peça chegar. Eu não, mas.
    Amaury: Já fiz o pedido da peça.
    Andrea: Ah tá, entendi.

    Segundo a polícia, a peça seria o alvará de prisão domiciliar que o juiz concedeu a um traficante.

    E este não foi o único caso, como mostram documentos, gravações telefônicas feitas com autorização da Justiça e imagens a que o Fantástico teve acesso com exclusividade.

    O traficante Álvaro Daniel é de Campinas, estava num presídio em Fortaleza e foi transferido para prisão domiciliar em Juiz de Fora.

    Segundo a polícia, foi uma manobra da quadrilha para tirá-lo de trás das grades com ajuda do juiz Amaury. A defesa apresentou um atestado médico afirmando que o traficante precisava de uma cirurgia urgente.

    “Certidões falsas, comprovantes de residências falsos, levando esse preso de um estado para a base Juiz de Fora. As provas produzidas dão conta que ele participava, ele não julgava, ele era participante da organização criminosa”, diz Sérgio Menezes, Superintendente PF-MG.

    Além de determinar a prisão domiciliar, o juiz permitiu que o criminoso viajasse sem escolta. A advogada Andréa Rodrigues foi buscá-lo, em Fortaleza, num avião particular.

    Em Juiz de Fora, a polícia interceptou uma comunicação entre integrantes da quadrilha: “Será que não arruma uns R$ 500 mil até amanhã? Que tenho que pagar o juiz. Que o amigo saiu da cadeia. Mas tenho que pagar, amanhã, R$ 600 mil”.

    No dia seguinte, foi em um estacionamento de um hotel em Juiz de Fora que, segundo as investigações, o juiz recebeu o pagamento pela venda da decisão judicial. Tudo foi registrado, comprovando o encontro dele com a advogada do traficante.

    Às 18:30, Andrea desce de um carro na entrada lateral do hotel, sai carregando uma bolsa de mão e caminha até a parte de trás do veículo, onde pega uma segunda bolsa maior. A advogada carrega, então, as duas bolsas na direção da garagem.

    A câmera do estacionamento, no subsolo, mostra Andrea Caminhando até um carro branco. Ela abre a porta traseira e, segundo a polícia, neste momento, guardou a bolsa maior no porta-malas.

    Logo em seguida, Andrea é vista no saguão segurando apenas a bolsa menor. Às 18:41, o carro do juiz Amaury entra na garagem do hotel. Ele estaciona bem ao lado do carro branco onde Andrea esteve minutos antes. O juiz sobe até o saguão e volta em seguida acompanhado da advogada. No elevador, os dois se beijam.

    Já na garagem, os faróis indicam que os carros foram destrancados.
    Segundo a polícia, neste momento, Andréa teria entregado a mala contendo R$ 600 mil ao juiz.

    Amaury entra no carro e vai embora. Ele ficou menos de cinco minutos no hotel. Andrea volta para o saguão, novamente, carregando apenas a bolsa menor.

    As câmeras de segurança mostram ainda outro fato revelador: horas antes do encontro com o juiz, Andréa esteve no mesmo hotel com o traficante Álvaro Daniel, que já tinha saído da penitenciária para cumprir pena em Juiz de Fora.

    Com a liminar concedida pelo juiz Amaury de Lima e Souza, esta era a prisão domiciliar de Álvaro Daniel. Do local, ele pretendia continuar comandando o tráfico e controlando as remessas de drogas direto da Bolívia.

    Cômodos confortáveis. Piscina, churrasqueira e sauna. Álvaro Daniel ficou em uma casa menos de três meses. Hoje, o imóvel está apreendido e o traficante, foragido.

    O juiz Amaury também teve bens apreendidos. "Ele recebeu uma quantia de valor vultoso de cédulas miúdas vindas do tráfico de drogas do Rio de Janeiro. E com esse dinheiro, ele comprou um apartamento e um carro de luxo", aponta Sérgio Menezes, Superintendente PF-MG.

    Para a polícia, uma conversa com um corretor de imóveis mostra que parte do apartamento foi paga com dinheiro vivo, e em notas pequenas.

    Corretor: Doutor. Tá faltando 1140.
    Amaury: É mesmo?
    Corretor: É. Num pacote de cinco estava faltando umas notas e no pacote daqueles de dois estava faltando, está tudo separadinho, nós estamos com ele, faltando 140, entendeu?

    O advogado de Amaury de Lima diz que o dinheiro não veio do tráfico. O juiz teria usado economias que guardava em casa. “Na verdade, nós vamos comprovar, no processo, que as notas eram de R$ 50 e R$ 100”, diz Gustavo Mendes, advogado do juiz.

    A defesa do juiz nega todas as acusações e contesta as provas da polícia. “Não existe nenhuma imagem de transferência de transferência bolsa para o magistrado”, disse o advogado.

    Fantástico: E ele foi lá pra quê?
    Gustavo Mendes, advogado do juiz: Ele foi simplesmente para despedir dela, visto que ela voltaria pra sua cidade.

    Por telefone, o advogado de Andréa não quis falar sobre o caso. A OAB suspendeu, provisoriamente, o direto da advogada de atuar. E contesta a conduta do juiz. “Se um juiz tem uma relação amorosa com uma advogada, evidentemente, que ele juiz deveria se declarar suspeito impedido para atuar no caso”, diz Luis Cláudio Chaves, presidente OAB/MG.

    Andrea e Amaury estão presos preventivamente. Entre outros crimes, foram denunciados à Justiça por corrupção, lavagem de dinheiro e participação em organização criminosa. O juiz ainda é acusado de posse ilegal de armas de uso exclusivo das Forças Armadas.

    “A prova produzida no inquérito conduzido pela Polícia Federal é contundente, ela é forte, são interceptações telefônicas, são gravações de vídeo, a própria movimentação financeira e a prova testemunhal presente no inquérito. A prova é robusta”, afirma Carlos André Bittencourt, Procurador Geral de Minas Gerais.

    No mês passado, assim que os traficantes foram presos, Amaury telefonou para um advogado amigo dele. “Ah, p..., eu estou numa preocupação do c... Então é o seguinte. Eu não sei, cara. Eu estou achando que vem uma m.. muito grossa aí pela frente”, diz Amaury.

    Ele foi preso no dia seguinte.


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 28.07.2014 | Autor: Pedro Marinho

    Cássio lança proposta para segurança e Ricardo desdenha




    Durante entrevista em emissora de rádio em João Pessoa, o senador Cássio Cunha Lima, candidato ao Governo do Estado, criticou a promessa feita pelo governador Ricardo Coutinho durante campanha nas eleições de 2010. De acordo com Cássio, o então candidato Ricardo Coutinho teria prometido contratar cinco mil policiais e não cumpriu a promessa. Para Cássio, a contratação de policiais deve ser feita anualmente: “Você forma advogados anualmente e policiais também devem ser formados anualmente”, afirmou Cássio. Na ocasião, o senador disse que se eleito contratará mil policiais por ano com o objetivo de reduzir a criminalidade no estado.

    Também durante entrevista radiofônica, o governador Ricardo Coutinho rebateu a proposta de Cássio e disse que “a Paraíba já está cheia de promessas”. Para o candidato a reeleição, Cunha Lima passou sete anos governando a Paraíba e investiu na segurança do estado. “Nos sete anos que ele teve pra fazer isso alcançou a média de 292 inclusões por ano”, enfatizou.

    O governador concluiu dizendo que Cássio fez gestão de publicidade e comemorou até pintura de meio-fio. “Comemorou até caixa D`água instalada em alguma cidade do interior como se isso fosse a grande obra estruturante, mas que não representava nada”, finalizou.

    Ricardo Coutinho e Cássio Cunha Lima foram aliados nas eleições 2010, que elegeu Ricardo governador da Paraíba. A aliança entre o tucano e o socialista foi rompida no primeiro semestre deste ano quando o senador Cássio Cunha Lima lançou-se candidato ao Governo do Estado.

     

    PB Agora


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 28.07.2014 | Autor: Pedro Marinho

    Prefeito, que tem irmão candidato a deputado pelo PT conta que aliança com o PSB o tirou de sufoco




      Filiado ao PSB, o prefeito do município de Remígio, Mechior Batista, mais conhecido como “Chió”, que tem o irmão, Marenilson Batista, filiado ao PT contou a reportagem do PB Agora que a aliança firmada entre os dois partidos o livrou de um sufoco já vivenciado em 2010 – a falta de palanque.

    Apesar de ter apoiado Ricardo Coutinho em 2010, Chió disse que o irmão não tinha palanque com o socialista na região porque o PT integrava a chapa do PMDB.

    “Essa aliança, para nós, foi a cereja que faltava no bolo, foi muito importante, meu irmão agora tem palanque, na outra eleição, apesar de termos apoiado Ricardo, ele não tinha palanque e hoje ele tem palanque”, comemorou, ressaltando que agora saiu do sufoco.

    Para Chió, PSB e PT tem sintonia política, tanto partidária, quanto por parte dos agentes políticos que representam os dois partidos na chapa majoritária e a aliança veio a calhar, no momento certo e na hora certa.

    “Eu vejo uma união muito legal, uma sintonia legal entre o governador Ricardo e o candidato a senador Lucélio, isso é muito importante, parece que eles se sentem bem estar juntos e nós de Remígio só temos a comemorar essa união”, destacou.

    Marenilson, irmão do prefeito, ocupou cargo no primeiro escalão do Governo Ricardo Coutinho e se desincompatibilizou no início deste ano para disputar o mandato de deputado estadual pelo PT. Apesar de ser de um partido de oposição à época, o petista era um dos únicos que integrava a gestão socialista no Estado.

    Márcia Dias

    PB Agora


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 28.07.2014 | Autor: Pedro Marinho

    CUT põe sua engrenagem para rodar por Dilma


     Josias de Souza

    Com a presença de Lula, a CUT inaugura nesta segunda-feira sua Plenária Nacional. Reunirá até sexta-feira, em Guarulhos (SP), cerca de seis centenas de delegados de todo país. Marcará o ingresso da central na campanha pela reeleição de Dilma Rousseff.

    O tema do encontro resume os objetivos do braço sindical do PT: “Organizar, Lutar e Avançar nas Conquistas”. O secretário-geral da CUT, Sérgio Nobre, acrescentou: “Vivenciamos nos últimos 12 anos o melhor período para a classe trabalhadora, com crescimento do emprego, da participação popular, avanços sociais e isso veio da luta dos trabalhadores.”

    Na contramão do desejo de mudança revelado pelas pesquisas eleitorais, Sérgio Nobre fala em continuidade: “Somente a continuidade do atual projeto com desenvolvimento sustentável, distribuição de renda e valorização do trabalho é que o país terá condições de pagar a dívida social com o povo brasileiro.”

    Convidada a participar do encontro na quinta-feira (31), Dilma ainda não disse se comparecerá. O nome dela consta da programação. Mas a peça anota, entre parênteses: “a confirmar”. Nesse dia, a CUT aprovará uma “plataforma” da classe trabalhadora.

    Neste domingo, tomou posse em São Bernardo a nova diretoria do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC paulista, berço político de Lula. As prioridades da entidade são: reeleger Dilma e apoiar Alexandre Padilha, o candidato do PT ao governo de São Paulo. “É uma questão fechada pelos sindicatos e pela CUT”, disse Rafael Marques, o novo presidente da casa sindical.


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 28.07.2014 | Autor: Pedro Marinho

    Candidatos dizem guardar R$ 269,7 milhões em casa




    Josias de Souza

    Para acompanhar a rotina dos políticos, o brasileiro precisa suprimir dos seus hábitos o ponto de exclamação. No universo da política, o espantoso vai adquirindo uma doce, persuasiva, admirável naturalidade. Repare: 7,7% dos cerca de 25 mil candidatos às eleições de 2014 informaram à Justiça Eleitoral que guardam dinheiro vivo em casa. Juntos, mantêm longe do sistema bancário R$ 269,7 milhões.

    A turma do colchão inclui 33 endinheirados que conservam ao alcance das mãos quantias superiores a R$ 1 milhão. A fortuna domiciliar desse grupo soma R$ 50,5 milhões. Os campeões da grana viva são dois candidatos à Câmara federal. Marinalvo Rosendo (PSB-PE) disse manter em casa R$ 3,8 milhões. Fernando Torres (PSD-BA) informou que tem “em mãos” R$ 3,2 milhões.

    Entre os 11 presidenciáveis, três incluíram moeda sonante em suas declarações patrimonais. Eymael (PSDC) guarda em casa dinheiro de troco: R$ 1 mil. O nanico Levy Fidelix (PRTB) anotou R$ 140 mil. Dilma Rousseff (PT), R$ 152 mil. Por sorte, a plateia aboliu o ponto de exclamação de sua rotina. Do contrário, poderia supor que a presidente abre mão do rendimento da caderneta poupança porque estaria tramando um confisco à Collor.


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 28.07.2014 | Autor: Pedro Marinho

    Avião é impedido de aterrizar em JP, vai para Natal e 186 passageiros precisam pegar ônibus para chegar em casa





    Um voo da GOL vindo de Brasília com destino a João Pessoa foi impedido de aterrizar as 2h45 da madrugada desta segunda-feira (28) no Aeroporto Castro Pinto. Com pouca visibilidade e sem autorização para o pouso, o piloto sobrevoou durante mais de meia-hora.

    Sem poder esperar mais, já que a aeronave ficaria sem combustível, o piloto se dirigiu para Natal, no Rio Grande Norte e lá pode pousar. Até as 5h45 da manhã de hoje, os 186 passageiros do boeing, incluindo idosos e crianças, ainda aguardavam uma solução.

    Segundo um dos passageiros que entrou em contato com a Rádio Arapuan, a Companhia Aérea GOL vai conseguir alguns ônibus para que os passageiros finalmente cheguem a João Pessoa.

    Pedro Callado / Vinicius Henriques
    Paraíba.com


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 28.07.2014 | Autor: Pedro Marinho

    Deputado federal precisa de 170 mil votos para se eleger na Paraíba




     Para conquistar uma vaga de deputado estadual na eleição de outubro, o candidato deverá obter, no mínimo, 69.675 votos. No pleito de 2010, a média era menor. Eram necessários 55.099 votos para se eleger. Já para deputado federal, o postulante terá que correr atrás de 170.839 - oito mil a mais do que na eleição passada, quando um parlamentar garantia sua cadeira na Câmara Federal com 162.728.

    A simulação foi realizada para o Correio pelo economista e consultor de pesquisa e mercado, Maurício Costa Romão, através do cálculo do quociente eleitoral. Para chegar ao resultado, foram utilizados dados disponibilizados pelo Tribunal Regional Eleitoral (TSE) que serão empregados na eleição de outubro.

    Maurício Romão explicou que os elementos determinantes para calcular o quociente eleitoral são o eleitorado, a abstenção ou votos apurados, votos brancos e nulos e, consequentemente, os válidos. “Dessas variáveis, a única que se conhece de antemão é o eleitorado. As outras só conheceremos depois do pleito. Por isso, o que temos é uma estimativa”, ponderou o consultor.


    Jornal Correio da Paraíba


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 28.07.2014 | Autor: Pedro Marinho

    Repasse de recursos do PT para o PMDB abre crise entre os partidos




    Negociação envolvendo o repasse oficial de recursos financeiros do PT para o PMDB abriu uma crise entre os dois partidos, os maiores da coligação pela reeleição da presidente Dilma Rousseff.

    Sem aval do comando peemedebista, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), costurou o recebimento de uma ajuda de campanha de R$ 35 milhões.

    O PT, que arrecadaria o valor por meio de doações legais de empresas, repassaria a quantia a cinco candidatos do PMDB a governos estaduais em Rondônia, Amazonas, Paraíba, Pará e Alagoas -onde Renan Filho é o nome do partido na disputa.

    Em quatro desses Estados o candidato peemedebista tem o apoio oficial do PT (a exceção é em Rondônia).

    O vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB), foi informado da exclusão da maioria do partido no repasse e exigiu que fosse feita uma distribuição igualitária para todos os candidatos da sigla.

    Segundo relatos ouvidos pela reportagem da Folha, a negociação com Renan foi acertada com Aloizio Mercadante (PT), ministro da Casa Civil. Por meio de sua assessoria, o ministro negou que tenha tratado do assunto com Renan ou com "qualquer liderança do PMDB": "A Casa Civil não trata das finanças de campanhas, sendo este um tema exclusivo dos partidos".

    O mal-estar no PMDB chegou aos ouvidos de assessores de Dilma. Congressistas afirmam que o imbróglio foi o principal motivo da volta de Temer à presidência do partido. Porém, a equipe de Temer nega, alegando que ele voltou ao comando do PMDB para estar à frente da interlocução política na campanha.

    Pelo desenho acordado entre PT e PMDB, seriam repassados cerca de R$ 8 milhões para Alagoas, Paraíba, Amazonas e Pará. Rondônia, Estado do então presidente do partido, Valdir Raupp, ficaria com R$ 3 milhões.

    "Eles acharam que ninguém ficaria sabendo. Tem que ser socializado", ironiza um cacique do PMDB à Folha. A cúpula do partido quer contemplar, entre outros, os candidatos ao governo de Goiás, Iris Rezende, do Ceará, Eunício Oliveira, e do Rio Grande do Norte, Henrique Eduardo Alves. Nenhum deles é apoiado pelo PT.

    Petistas negam a articulação, mas afirmam que há pressão de aliados –como PMDB, PR e PP– para ajuda nos Estados.

    Um peemedebista da cúpula da legenda explica, sob a condição do anonimato, a "dependência' da doação intermediada pelo PT: segundo ele, o empresário doa com mais facilidade "para quem manda'. Auxiliares do comitê presidencial afirmam que a ordem é ajudar, mas só depois que conseguirem resolver a campanha nacional.

    Além disso, a orientação é "endurecer' com partidos que possuem ministérios, como o PMDB, já que, na avaliação petista, os titulares das pastas têm interlocução com o empresariado.

    Segundo relato de participantes da negociação, houve acerto e o valor será distribuído de maneira "igualitária'. Outros peemedebistas afirmam que a negociação não se concretizou. A assessoria do Temer afirma que os partidos da coligação nacional tentarão auxiliar "politicamente' todos os palanques estaduais que estiverem alinhados com Dilma.

    Eunício Oliveira (tesoureiro do PMDB) afirma que o assunto nunca foi tratado com ele. Já o tesoureiro do PT, João Vaccari, não se manifestou. Na sexta (25), a Folha tentou, mas não conseguiu falar com Renan Calheiros.

    Folha Online


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 28.07.2014 | Autor: Pedro Marinho

    Paulinho. Sogra investigada e 20 mil adesivos contra Dilma




    Francisca Gleivani Gomes Silva é mãe de Samantha, apontada como esposa do deputado Paulinho da Força; ela é acusada pela PF de forjar assinaturas de onze pessoas, de um total de 22 contestadas, na criação do partido Solidariedade; estruturado no ano passado, o partido é o nono na bancada da Câmara, com 21 deputados, e declarou apoio ao presidenciável tucano Aécio Neves; recentemente, Paulinho mandou imprimir cerca de 20 mil adesivos com a mensagem “Fora Dillma – Chega de corrupção”, com os clássicos “LL” do Collor

    247 – A sogra do deputado Paulinho da Força, Francisca Gleivani Gomes Silva, foi indiciada pela Policia Federal sob acusação de atuar em esquema para falsificar assinaturas para a criação do Solidariedade (SDD).

    Francisca é mãe de Samantha, apontada como esposa de Paulinho. Ela é acusada de forjar assinaturas de onze pessoas, de um total de 22 contestadas. Outras duas pessoas também foram indiciadas. Para ser registrado no TSE, o SDD teve de validar 500 mil assinaturas.
    Estruturado no ano passado, o partido é o nono na bancada da Câmara, com 21 deputados, e declarou apoio ao presidenciável tucano Aécio Neves.

    Segundo a coluna Poder Online, Paulinho mandou imprimir cerca de 20 mil adesivos com a mensagem “Fora Dillma – Chega de corrupção”, com os clássicos “LL” do ex-presidente Fernando Collor.

    Segundo ele, os adesivos têm feito mais sucesso por São Paulo do que os dele próprio. “Os meus ninguém pede, mas os dela todo mundo quer. O pessoal vê no carro e me para no trânsito. Por isso mandei fazer um monte”, diz o deputado federal e líder da Força Sindical.


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 28.07.2014 | Autor: Pedro Marinho

    MP. Marinho usou conta na Suíça para comprar imóvel




     
    Parecer técnico da Promotoria de São Paulo revela que, no mesmo dia em que Robson Marinho transferiu US$ 1,15 milhão da Suíça para o Coutts Bank, o conselheiro do TCE fechou a compra de um imóvel de R$ 4 milhões no bairro do Morumbi, na capital paulista; ex-chefe da Casa Civil de Mario Covas (PSDB), ele é acusado de receber US$ 2,7 milhões em propina da Alstom, entre 1998 e 2005, em contas de paraísos fiscais, mas nega vínculo com bancos
    28 DE JULHO DE 2014 ÀS 05:28

    247 – A Promotoria de São Paulo aponta indícios de que o conselheiro do TCE Robson Marinho tenha pago sua residência no Morumbi, em São Paulo, avaliada em R$ 4 milhões com dinheiro depositado em uma conta na Suíça.

    Ex-chefe da Casa Civil de Mario Covas (PSDB), ele é acusado de receber US$ 2,7 milhões (o equivalente a R$ 6 milhões) em propina da Alstom, entre 1998 e 2005, em contas de paraísos fiscais. Até aqui, negou a existência delas. "Eu, Robson Marinho, não tenho nenhuma conta na Suíça. A conta atribuída a mim não tem um tostão, um dólar, da Alstom", afirmou, segundo reportagem de Fausto Macedo, do jornal O Estado de S. Paulo.

    Um parecer técnico do MP revela que, no mesmo dia em que transferiu US$ 1,15 milhão da Suiça para o Coutts Bank, o conselheiro fechou a compra do imóvel na capital paulista.

    Entre os bens de Marinho também constam uma ilha em Paraty (RJ), uma casa em Ubatuba avaliada em R$ 7 milhões, e outros bensMarinho usou conta na Suiça para comprar oim[ó vel


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 28.07.2014 | Autor: Pedro Marinho

    Campanha de vacinação quer imunizar mais de mil advogados na Paraíba


    Assessoria
    A Caixa de Assistência dos Advogados da Paraíba promove uma ampla campanha de vacinação a partir da próxima semana, com a meta de imunizar mais de mil advogados contra a gripe em todo o Estado. A entidade estará agendando a aplicação das vacinas através do Centro de Bem-Estar do Advogado (CBEA), que atenderá em sua sede, no Bairro dos Estados, na Capital, e também deslocará unidades volantes com profissionais até os escritórios de advocacia para realização dos procedimentos de vacinação.

    A vacina é gratuita e exclusiva para advogados inscritos na Ordem dos Advogados do Brasil, seccional Paraíba (OAB/PB). A Caixa de Assistência dos Advogados da Paraíba (CAA-PB) está disponibilizando, gratuitamente, 1,3 mil doses da vacina trivalente, que imuniza contra os dois tipos de gripe sazonal e também contra o tipo H1N1.

    Os recursos para aquisição das vacinas que estarão sendo ofertadas aos advogados paraibanos foram assegurados pelo Conselho Federal da OAB, que delegou à Coordenação Nacional das Caixas de Assistência a distribuição em todos os estados, dentro de uma campanha nacional da entidade de representação máxima da advocacia no Brasil.

    De acordo com o presidente da CAA-PB, Carlos Fábio Ismael dos Santos Lima, a campanha visa promover a saúde dos profissionais da advocacia por meio da prevenção de doenças e agravos. "A valorização do advogado passa por melhores condições de trabalho e proporcionar conforto e proteção é o que buscamos com essa campanha, o que demonstra nossa preocupação com a saúde desses profissionais imprescindíveis à sociedade", salientou.

    Para maior comodidade dos advogados paraibanos, profissionais do CBEA estarão contatando os escritórios de advocacia para agendamento das vacinas no próprio ambiente de trabalho. A aplicação também pode ser feita no próprio CBEA, localizado na Avenida Mato Grosso, 333, Bairro dos Estados, em João Pessoa.

    Mais informação sobre a campanha de vacinação podem ser obtidas no próprio CBEA ou pelo telefone 3133-3400.

     

    O que é gripe?

    A gripe é uma doença viral com duração de 2 a 4 dias, que se caracteriza por febre alta, mal estar geral, dores musculares, cefaleia, dor de garganta, tosse de inicio seca e na sequencia produtiva (com catarro) e coriza. As principais complicações são pneumonia, sinusite e otite (infecção no ouvido). A transmissão ocorre dois dias antes do inicio dos sintomas e até 7 dias depois.

    Sobre a vacina - A vacina trivalente contra a gripe é formulada de acordo com as recomendações da organização mundial da saúde. É uma vacina produzida com fragmentos do vírus, purificada, que protege contra a gripe pandêmica (H1N1) e sazonal.


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 28.07.2014 | Autor: Pedro Marinho

    Justiça Eleitoral divulga nomes dos que vão trabalhar nas eleições




     razo estabelecido pela Justiça Eleitoral para a divulgação dos convocados terminou ontem | |
    Estão disponíveis para consulta nos sites dos tribunais regionais eleitorais (TREs) o nome das pessoas que comporão as Juntas Eleitorais. Esse órgão colegiado provisório é constituído por dois ou quatro cidadãos e um juiz de direito, que o presidirá e poderá nomear escrutinadores e auxiliares extras para realizar os trabalhos.

    Os nomes das pessoas indicadas para compor as juntas são publicados em tempo hábil para que qualquer partido político possa pedir a impugnação das indicações. Com a composição anunciada até 60 dias antes das eleições pelos tribunais regionais eleitorais (TREs), as Juntas Eleitorais têm a obrigação de apurar, em até dez dias, as eleições realizadas nas zonas eleitorais sob a sua jurisdição, expedir os boletins de apuração e diplomar os eleitos para cargos municipais.

    A partir da segunda-feira, os eleitores que pediram inscrição ou transferência já podem ir buscar, no cartório eleitoral mais próximo de sua residência, o título de eleitor. O prazo final para que a Justiça Eleitoral estivesse com essa documentação pronta para entrega também terminou neste domingo.

     

    Agência Brasil


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 28.07.2014 | Autor: Pedro Marinho

    Cartaxo se reúne com coordenação da campanha de Dilma em Brasília





    “Nosso objetivo é potencializar a campanha da presidenta nas diversas regiões do estado”, disse Cartaxo,

    O prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PT), embarca na tarde deste domingo para Brasília (DF), onde participa, amanhã (28), de reunião com a equipe de coordenação de campanha da presidente Dilma Rousseff, que vai disputar a reeleição em outubro. O gestor foi escolhido pelo PT nacional para coordenar a campanha na Paraíba e leva na bagagem sugestões para serem apresentadas no encontro. Esta é a primeira reunião destinada a discutir estratégias para a disputa.

    O encontro terá início às 10h e se estenderá até às 13h, na sede da coordenação nacional da campanha. Participarão do evento os escolhidos para a coordenação em cada um dos estados do país. Luciano Cartaxo, referendado pelo PT nacional, será o único representante da Paraíba na reunião. Entre os temas que serão postos em pauta estão estratégias, marketing e comunicação para o período eleitoral. A meta é reforçar o nome de Dilma Rousseff para a disputa.

    “Nosso objetivo é potencializar a campanha da presidenta nas diversas regiões do estado”, disse Cartaxo, lembrando que a militância está sendo mobilizada para mostrar o quanto os governos do PT contribuíram para o crescimento da Paraíba desde a chegada do ex-presidente Lula ao poder, em 2003. “Nossa militância terá papel essencial nessa campanha”, acrescentou.

    Durante o encontro também haverá explanações sobre a distribuição do material de campanha. A coordenação já definiu os locais e os responsáveis pela entrega| das peças, inclusive na Paraíba. Os pontos para a distribuição de material ficam em João Pessoa, Campina Grande, Patos, Guarabira, Cajazeiras e Sapé.

    A segunda etapa do evento de amanhã vai acontecer no período da tarde e será voltada para os coordenadores regionais tirarem eventuais dúvidas sobre os direcionamentos apresentados.

    Motoristas - Antes de embarcar para Brasília, neste domingo, o prefeito Luciano Cartaxo participou de uma festa em homenagem ao Dia do Motorista. A comemoração foi promovida pelo Sest Senat, em parceria com o Sindicato dos Motoristas. O evento contou com a participação dos motoristas e seus familiares.

    Reviravolta

    O chamamento de Luciano Cartaxo (PT) acontece após vários imbróglios envolvendo o PT, o PMDB e o PSB no Estado. No início das articulações políticas, o Partido dos Trabalhadores na Paraíba, havia firmado acordo para coligar-se com o PMDB, que cogitara uma aliança integral com o partido.

    No entanto, instaurada a crise, no decorrer dos acontecimentos, o PT rompeu com o PMDB e passou a apoiar o PSB, partido do governador Ricardo Coutinho (PSB) que comunicou a indicação de Lucélio Cartaxo para disputar o Senado.

    No decorrer dos acontecimentos, a Executiva Nacional do PT solicitou junto ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE), a anulação da decisão do PT estadual sobre a coligação feita com o PSB e pediu que voltasse a aliança dos petistas com o PMDB. O TRE julgará a ação junto com o registro de candidatura, que deve acontecer até o início de agosto.

    Da Redação com Assessoria
    WSCOM Online


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 27.07.2014 | Autor: Pedro Marinho

    João Pessoa, onde o sol nasce primeiro - Fotos









    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários


ver mais antigas