Estatisticas do blog

No momento, 2 usuário(s) está(ão) lendo este blog. No total, 2478364 pessoas visitaram esta página.

Clima tempo

Twitter

Publicidade

  • 17.09.2014 | Autor: Pedro Marinho

    Dilma: "Vai ganhar eleição quem mudou o Brasil"




     
    Durante debate da CNBB realizado na noite desta terça-feira, a candidata à reeleição pelo PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, destacou que "quem vai ganhar essas eleições é quem mudou o Brasil, quem combateu a fome e a miséria, quem reduziu a miséria e quem combateu a crise, não deixando que houvesse desemprego e inflação"; já Aécio Neves (PSDB) voltou a ligar Marina Silva (PSB) ao PT: "Temos uma nova candidata, cheia de boas intenções, mas que já foi do PT e votou contra a lei de responsabilidade Fiscal. Estou apresentando um projeto amplamente discutido e aprofundado em todas as regiões do país"


    SÃO PAULO - Em suas considerações finais no debate da CNBB realizado na noite desta terça-feira, a candidata à reeleição pelo PT à presidência da república, Dilma Rousseff, destacou que "quem vai ganhar essas eleições é quem mudou o Brasil, quem combateu a fome e a miséria, quem reduziu a miséria e quem combateu a crise, não deixando que houvesse desemprego e inflação".

    Dilma destacou que o Brasil saiu do Mapa da Fome e que o fim da miséria é só um começo. "O nosso país tem um grande caminho a percorrer, focado na educação, que é o caminho pelo qual nós iremos nos introduzir na sociedade moderna", afirmou.

    Em sua última fala durante o debate, Marina Silva, do PSB, voltou a dizer que neste processo eleitoral os embates entre os candidatos não são necessários. A ex-senadora reforçou que é a favor do debate de propostas entre os presidenciáveis, destacando que seu programa de governo inclui questões como o passe livre e a segurança pública.

    "Tenho dito que quem vai ganhar essas eleições não serão os partidos da estrutura da polarização PT-PSDB. Quem vai ganhar a eleição vai ser a nova política", conclui Marina, acrescentando que estabelecerá no país uma nova forma de governabilidade que não é baseada na troca de cargos.

    O presidenciável do PSDB, Aécio Neves, afirmou que que querem dividir o Brasil entre "nós e eles". O tucano se referiu a "nós" aos que apoiam o governo, e a "eles" aos que se opõem à atual gestão". As críticas do peessedebista também foram contra a ex-senadora.

    "Temos uma nova candidata, cheia de boas intenções, mas que já foi do PT e votou contra a lei de responsabilidade Fiscal. Estou apresentando um projeto amplamente discutido e aprofundado em todas as regiões do país", concluiu o ex-governador mineiro.


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 17.09.2014 | Autor: Pedro Marinho

    Dano a imagem do Itaú pode custar mais do que a multa





    O casamento entre Marina Silva e Neca Setubal, herdeira do Itaú e coordenadora do programa de governo da candidata do PSB, já causa danos à imagem do banco; na internet e nas redes sociais, a instituição financeira é alvo de uma série de "memes", que questionam, inclusive, a multa de R$ 18,7 bilhões imposta pela Receita Federal, por sonegação de impostos, ao banco da família Setubal; na web, a candidata socialista já é chamada de "Marineca" e há até uma campanha para que ela seja lançada candidata à presidência do Itaú; com seu engajamento pró-Marina, banco assumiu o risco e, mesmo que vença, pode vir a ter problemas; afinal, como reagiria a opinião pública, num eventual governo Marina, a um perdão da Receita Federal ao Itaú?
    17 DE SETEMBRO DE 2014 ÀS 06:32



    247 - Dias atrás, uma gerente do Itaú Personalité, em São Paulo, recebeu uma resposta inusitada de um potencial cliente, que prospectava para sua carteira.

    – Não, obrigado. Não tenho interesse em ser cliente de um banco que tenta interferir no processo político brasileiro.

    A reação era decorrente do excessivo engajamento do Itaú no processo eleitoral de 2014. Uma de suas acionistas, Neca Setubal, além de coordenadora do programa de Marina Silva, doou 83% dos recursos que bancam seu instituto. Além disso, em diversas entrevistas, defendeu temas de interesse do Itaú, como a independência do Banco Central e a redução do papel de bancos públicos, como Banco do Brasil, BNDES e Caixa Econômica Federal, na economia brasileira.

    O impacto do casamento entre Marina Silva e Neca Setubal nos negócios do Itaú ainda levará tempo para ser devidamente avaliado. Mas os danos à imagem do banco já podem ser medidos nas redes sociais. Essa associação já produziu dezenas de "memes" – peças na internet que ironizam a situação.

    Num deles, Neca Setubal "afirma": "Devo R$ 240 milhões para a Receita Federal. Eleja Marina e me ajude a sair dessa". Em outro, a mensagem é: "Fora Marina. E leve o Itaú junto". Há, também, na internet uma campanha para que Marina seja lançada candidata à presidência do Itaú. E já se espalha o apelido "Marineca" para a candidata, como se ela fosse uma marionete da herdeira do banco.

    Tradicionalmente, bancos costumam ser mais conservadores, quando o assunto é política. Mantêm distância protocolar dos candidatos e, quando têm preferências, não as assumem explicitamente, mas apenas nos bastidores. Desta vez, no entanto, o Itaú decidiu correr o risco de uma exposição maior. E já paga o preço nas redes sociais.

    Além disso, mesmo que "vença" as eleições presidenciais de 2014, com Marina Silva, o Itaú não terá tantos motivos para comemorar. Temas de interesse direto da instituição financeira, como a multa de R$ 18,7 bilhões imposta, por sonegação, pela Receita Federal, serão acompanhados de perto pela opinião pública. Afinal, qual seria a reação da opinião pública se o leão ficasse mais manso para os acionistas do Itaú?


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 17.09.2014 | Autor: Pedro Marinho

    Veneziano diz que tem nojo de peemedebistas adesistas




     

    O candidato a deputado federal Veneziano Vital do Rêgo fez um duro pronunciamento durante sua visita a Solânea. Ao lado do deputado estadual Raniery Paulino, ele desabafou em relação a alguns colegas de partido que têm migrado para outras candidaturas:

    "Gostaria muito que antes do PMDB tomar qualquer atitude que eles tivessem a grandeza de tomar o caminho de saída do PMDB. Que pedissem para sair porque nos enojam nestes últimos meses alguns cidadãos que se dizem peemedebistas e que pedem votos contra o PMDB. É deplorável e lastimável. Uma demonstração da política rasteira. Me recordo bem no mês de junho o que passamos para dizer que o partido não ficaria de joelhos e nem negaria sua história.

    Dias atrás, foi revelado um vídeo no qual o deputado federal Manoel Júnior (PMDB) aparece pedindo votos para o candidato do PSDB ao Governo do Estado, Cássio Cunha Lima, afirmando que seria para a "libertação da Paraíba".

     

    Parlamentopb.com.br


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 17.09.2014 | Autor: Pedro Marinho

    Justiça decreta arresto de bens de Eike Batista




     
    Eike Batista já é tecnicamente réu de ação penal decorrente da denúncia oferecida semana passada pelo Ministério Público do Rio de Janeiro contra o empresário, afirmou o juiz Flávio Roberto da Costa, titular da 3ª Vara Criminal da Justiça Federal. Ele expediu ainda medida cautelar para cumprir parcialmente o pedido de arresto dos bens de Eike e familiares requerida pela procuradoria no valor de até R$ 1,5 bilhão. Pela decisão, serão bloqueadas apenas as contas em nome do criador do grupo X.
    Advogados do empresário estiveram esta tarde na Justiça Federal. E estão formalmente informados sobre o encaminhamento da denúncia e da medida cautelar. Eike Batista tem prazo de dez dias para apresentar sua defesa.

    — Após o recebimento da denúncia pela Justiça Federal, há apenas dois caminhos. O primeiro seria a absolvição sumária do empresário, depois da apresentação de sua defesa. O outro é dar prosseguimento à ação, designando as audiências para ouvir, além do acusado, as testemunhas de defesa e de acusação — explicou o juiz. — A denúncia já foi recebida, pois tem os pressupostos mínimos para tal. Outros serão coletados posteriormente.


    Se a decisão do magistrado for por prosseguir com o processo, a primeira audiência deve ser marcada para um prazo de 15 a 20 dias depois da apresentação da defesa de Eike Batista. De acordo com o número de testemunhas envolvidas — na denúncia do MPF do Rio consta uma lista de 13 nomes — e do volume de informações apresentadas, pode ser preciso realizar mais de uma audiência, com intervalos de cerca de duas semanas entre elas.
    A medida cautelar que determina o arresto de bens em nome do empresário é cumprida automaticamente pelo Banco Central, explica o juiz Flávio Roberto de Souza.

    Publicidade


    — Em 24 horas, o Banco Central informa o total bloqueado. Se nas mais de 14 contas correntes em nome do empresário no país houver mais de R$ 1,5 bilhão, o excedente será liberado. Caso não chegue a esse valor, vou avaliar a necessidade de solicitar o bloqueio de bens móveis e imóveis, podendo incluir aqueles em nome de familiares. É um processo legal.

    Segundo o juiz, a defesa de Eike Batista alega que o valor é abusivo, estando além do dano a que se refere. Os advogados do empresário terão 15 dias para apresentar provas à Justiça Federal de que o valor de R$ 1,5 bilhão estabelecido no pedido de arresto de bens requerido pela procuradoria do Rio não se aplica.

    — Caso fique provado que a quantia é abusiva, posso decretar o desbloqueio do que seria excessivo ao pedido de arresto — afirmou o magistrado.

     

     

    O Globo


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 17.09.2014 | Autor: Pedro Marinho

    CPI Mista da Petrobras ouve Paulo Roberto Costa nesta quarta





    Vital do Rêgo: reunião pode se tornar secreta a pedido dos parlamentares ou do próprio depoente

    Moreira Mariz/Agência Senado
     

    Vital: audiência com Paulo Roberto Costa pode virar secreta a pedido de parlamentares e do depoente

    Marco Maia: sessão da CPI Mista pode ser secreta se facilitar acesso a informações
    00:00
    A decisão sobre uma audiência aberta ou secreta é a grande expectativa em relação ao depoimento do ex-diretor da Paulo Roberto Costa à CPI Mista da Petrobras nesta quarta-feira (17). A previsão do presidente da comissão, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), é de que a reunião comece sem restrições, mas sujeita a se tornar fechada, a pedido dos parlamentares, se isso for condição para Costa contar mais detalhes do esquema investigado pela Polícia Federal.

    - De minha parte, como coordenador dos trabalhos, inicio com a sessão aberta e, se provocado ou pelos colegas parlamentares ou pelo próprio depoente para transformar a sessão em sessão secreta, vamos ouvir o plenário [conjunto dos membros da CPI] – disse Vital.

    Nesta terça-feira (16), Vital do Rêgo comentou que será uma “sessão especial”, devido ao aparato de segurança e aos três telões que transmitirão a oitiva ao vivo, para atender jornalistas e outros interessados no depoimento.

    A Polícia Federal será responsável em conduzir Paulo Roberto Costa de Curitiba (PR), onde está sob custódia, até o Senado. Às 14h30, segundo o presidente, a PF apresentará o depoente perante a CPI, sem algemas. Em seguida, Vital dará início à reunião. A Polícia do Senado vai auxiliar na segurança da reunião.

    Direito ao silêncio

    Na audiência, Paulo Roberto Costa pode decidir permanecer calado e não responder às perguntas de deputados e senadores, por ter direito a não se incriminar e também porque revelações poderão afetar seu acordo de delação premiada com o Ministério Público.

    Ao concordarem com a realização do depoimento, tanto o ministro do STF Teori Zavascki quando o juiz da 13ª Vara Federal de Curitiba, Sergio Moro, responsável pelos processos oriundos da Operação Lava Jato, ressaltaram a necessidade de se respeitar o direito de Costa ao silêncio.

    - É um direito que assiste a ele. Vamos tentar ao máximo que ele colabore. Estaremos com todas as condições necessárias para que ele possa falar e colaborar com a CPI, como vem fazendo com a Justiça – reiterou Vital.

    Já o relator da CPI Mista, deputado Marco Maia (PT-RS), disse que a expectativa é que o depoente possa confirmar à CPI o que já afirmou na delação premiada e ajudar nas investigações.

    - A equipe da CPI já fez os cruzamentos das quebras de sigilo bancário, fiscal e telefônico por onde passaram os recursos, qual a origem que tiveram, qual o destino, quais as empresas para onde os recursos foram passados. Queremos aproveitar a vinda dele para questionar e confrontar essas informações que já nos chegaram e que já foram analisadas pelos técnicos da CPI.

    Nomes de políticos

    Marco Maia disse que o depoente será provocado a nomear políticos e parlamentares supostamente envolvidos nas irregularidades investigadas pela Operação Lava Jato.

    - Acho que vamos ter inclusive na reunião políticos que foram citados, que estarão lá para confrontar essa informação, para confirmar o que ele disse na delação premiada. Acho que será também uma grande oportunidade de confirmarmos se aquilo que tem saído na imprensa é verdade ou não – afirmou.

    O relator informou ainda que, com os trabalhos da CPI Mista da Petrobras, já foi possível identificar que cerca de R$ 70 milhões foram movimentados por Paulo Roberto Costa entre 2005 e 2014 e boa parte foi desviada para o exterior.

    - Se analisarmos os dados que estão de posse da CPI hoje, podemos afirmar que boa parte do recurso que circulou pelas contas do Paulo Roberto Costa ficou sob seu poder. Há de fato uma parte dos recursos que transitou entre as contas do Paulo Roberto Costa, do [Alberto] Youssef, retornaram ao Paulo Roberto Costa, foram desviados para o exterior e permaneceram sob o controle dele – acrescentou Marco Maia.

    Agência Senado


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 17.09.2014 | Autor: Pedro Marinho

    Advogado de Ricardo classifica denúncia de abuso de poder como “ cortina de fumaça”




    Fábio Brito considerou que AIJE é “cortina de fumaça” | |
    O advogado da coligação ‘A Força do Trabalho’, Fábio Brito’, declarou na noite desta terça-feira (16) que ainda não foi notificado da Ação de Investigação Judicial Eleitoral impetrada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-PB) contra o candidato a reeleição, Ricardo Coutinho (PSB). O socialista está sendo acusado pela coligação ‘A Vontade do Povo’, que tem como candidato a governador Cássio Cunha Lima (PSDB), de abuso do poder político pela prática de irregularidades contra os servidores públicos.

    No entanto, em contato com o Portal MaisPB, Fábio Brito considerou que as denúncias da coligação de Cássio são sem fundamento e não passam de “cortina de fumaça” para encobrir um “momento crítico” que vive a candidatura tucana.

    “Nós não tememos nenhum tipo de investigação judicial porque respeitamos em absoluto as regras eleitorais. Quem age de acordo com a norma eleitoral, não tem com que se amedrontar diante de qualquer tipo de iniciativa da coligação adversária”, declarou o jurista.


    Roberto Targino - MaisPB


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 17.09.2014 | Autor: Pedro Marinho

    Por 6 votos a 1, TSE confirma registro da candidatura de Cássio ao governo




    Único voto divergente foi o da ministra Maria Thereza Rocha de Assis Moura | |
    O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) concluiu, na noite desta segunda-feira (16), o julgamento do registro da candidatura do senador Cássio Cunha Lima (PSDB) agovernador da Paraíba pela coligação "A Vontade do Povo"


    Na sessão do último dia 11, quatro ministros já haviam se manifestado favoráveis a liberação do registro, garantindo ao tucano a maioria dos votos no julgamento, que foi suspenso devido a um pedido de vista da ministra Lúcia Lóssio.


    No entanto, na sessão desta terça-feira (16), Lóssio acompanhou o relator do processo, ministro Gilmar Mendes, e manifestou-se a favor da candidatura de Cássio. O ministro Luiz Fux, sem ressalvas, disse acompanhar o voto do relator.


    O único voto divergente foi o da ministra Maria Thereza Moura, por entender que o prazo da inelegibilidade deveria ter sido contado a partir da data do segundo turno da eleição.

    Ao tomar conhecimento do resultado do julgamento, Cássio, que se encontrava realizando comícios na região de Itaporanga, comemorou a decisão ao lado de militantes e correligionários.

     

    MaisPB com assessoria


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 17.09.2014 | Autor: Pedro Marinho

    Tárcio diz que Cássio "tem a obrigação moral de devolver o que recebeu indevidamente"




     O candidato a governador, Tarcio Teixeira,do PSOL, disse em matéria enviada pela sua assessoria, que o senador Cássio Cunha Lima, por ser réu confesso naquele caso do dinheiro recebido a mais como ex-governador e senador,”tem a obrigação moral e legal de devolver aos cofres públicos mais de meio milhão de reais”.

    Tárcio,contudo,não poupa o autor da denúncia, o governador Ricardo Coutinho, para quem as suas acusações “são indícios claros de prevaricação, pois enquanto Governador, sabendo da ilegalidade, não tomou as devidas providências para que a Secretaria de Administração parasse a sangria existente nos cofres públicos.”
    Lembora Tárcio que “eles, os envolvidos no escândalo do super salário, fizeram o mesmo governo de forma conjunta; combinaram cada passo do mesmo governo, até ocorrer uma ruptura meramente eleitoreira. Eles combinam muito bem o assunto em tela, um recebe e o outro paga o super salário.”
    Na sua opinião, “um debate como esse, em meio aos debates de televisão e rádios, entre as dezenas de blogs e os principais jornais da cidade, torna esse assunto mais que público; os órgãos fiscalizadores devem intervir o mais rápido nesse assunto, antes que a Paraíba seja novamente vítima de manchetes nacionais que vão do Trauma ao Jampa Digital, de Cassação aos Super Salários.”
    E completa: “Estamos tratando de recursos públicos, recursos que poderiam ser destinados para segurança e vão parar (com a Conivência do chefe maior da Administração Estadual) no bolso de um Governador Cassado.Até onde eu sei, super salário é imoral, ilegal e engorda o bolso de quem recebe.Que Ricardo e Cássio respondam por seus atos.”

    blogotiaolucena.com.br


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 17.09.2014 | Autor: Pedro Marinho

    Sindicalista denuncia Cássio ao MPF por improbidade e enriquecimento ilícito




     O sindicalista Chico do Sintram, presidente da Central Geral dos Trabalhadores do Brasil (CGTB), protocolou, na tarde desta terça-feira, junto ao Ministério Público Federal (MPF), uma representação por atos de improbidade administrativa, enriquecimento ilícito e dano ao erário público contra o senador paraibano Cássio Cunha Lima (PSDB).

    Na representação, o sindicalista pede ao Ministério Público Federal que instaure uma ação civil pública para apurar o ato de improbidade administrativa praticado pelo tucano, por receber remunerações como ex-governador da Paraíba e senador da República, que somadas, ultrapassam o teto constitucional brasileiro de R$29.462,25, pago aos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).
    “Tal fato foi confirmado pelo senador em um debate na TV Clube, justificando que a pensão paga pelo Governo do Estado, referente à pensão de ex-governador, era paga a sua ex-esposa a título de pensão alimentícia... Fato este ainda mais absurdo, pois tal obrigação não pertence aos cofres públicos e sim, a pessoa do senador e a pensão de sua ex-esposa deveria ser paga nos limites do teto constitucional”, alega o sindicalista em sua representação.
    De acordo com Chico do Sintram, a representação foi proposta no MPF porque há interesse da União Federal, uma vez que Cássio Cunha Lima recebe dinheiro também como senador da República. “Se condenado, o senhor Cássio ficará inelegível por mais 8 anos”, revelou.
    Em 2011, o Ministério Público Federal ajuizou uma ação civil pública contra ex-governadores paraibanos, pelo mesmo motivo ao qual o senador Cássio está sendo denunciado. Na ação movida à época, o MPF alegou que, “a Constituição Federal de 1988 determina que os proventos e pensões percebidos, cumulativamente ou não, por todos aqueles que ocupam cargos (eletivos ou não) em quaisquer dos poderes da União, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios, não poderão exceder o subsídio mensal dos ministros do Supremo Tribunal Federal”.

    blogdotiaolucena.com.br


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 16.09.2014 | Autor: Pedro Marinho

    INVEJA - Deputado revela traição de assessores na Assembleia Legislativa da Paraíba




     
    Deputado estadual diz que outros parlamentares o pegaram para ‘Cristo’ | |
    Deputado Toinho do Sopão, do PENO deputado estadual Toinho do Sopão (PEN) disse, na manhã desta terça-feira, que o fato de ter sido o parlamentar mais bem votado nas eleições de 2010 gerou muita inveja entre alguns deputados na AL. “Me pegaram para Jesus Cristo”, disse Toinho.


    Ele falou, também, que a inexperiência e o fato de não pertencer a uma família tradicionalmente ligada à política também foram determinantes para que ele sofresse uma espécie de bullying político na AL.


    Toinho revelou que no início do mandato foi traído por assessores de comunicação ruins e mal-intencionados e que isso o levou a cometer erros com a imprensa e na comunicação com os eleitores.


    “Cheguei na AL sem ser de família tradicional e isso gerou inveja. Por conta de minha inexperiência e por ter sido o mais votado me tiraram para Jesus cristo. Com o tempo fui aprendendo”, disse Toinho.


    Ele falou, ainda, que mudou a equipe e que, hoje, conta com profissionais de alto nível em sua assessoria. “Já há outros deputados tentando cooptar meus assessores”, finalizou o deputado estadual do PEN.


    Alexandre Freire e Jãmarrí Nogueira - MaisPB


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 16.09.2014 | Autor: Pedro Marinho

    Ação popular pede bloqueio dos bens de Cássio e devolução dos valores recebidos acima do teto legal


     

    O servidor público Francisco de Assis Pereira, residente na cidade de João Pessoa, protocolou, nesta segunda-feira (15), na Justiça Federal, uma ação popular contra o senador paraibano Cássio Cunha Lima (PSDB), por acumulação de subsídios e pensão, que somados, ultrapassam o teto constitucional brasileiro, que atualmente é de R$29.462,25.

    A polêmica em torno da remuneração de Cássio veio à tona depois que o próprio senador admitiu, durante debate promovido pela TV Clube, que acumula vencimentos como senador da República e ex-governador da Paraíba. Juntos, os dois salários ultrapassam os R$ 50 mil, valor bem superior ao que ganha mensalmente um ministro do Supremo Tribunal Federal (STF).

    A ação popular pede que a Justiça interceda, imediatamente, no sentido de evitar que Cássio continue recebendo acima do que estabelece a lei. “Que seja determinado ao Governo do Estado da Paraíba que suspenda de forma imediata o pagamento da pensão de ex-governador requerida pelo promovido ou que seja determinada a União a redução do valor percebido dos subsídios de senador da República até o valor do teto máximo em questão..., afim de que a soma dos valores recebidos não ultrapasse o limite constitucional”, diz trecho do documento protocolado nesta segunda.

    Na ação, o servidor público requer ainda que a Justiça bloqueie até R$ 500 mil dos bens pertencentes ao senador Cássio Cunha Lima para garantir a restituição dos valores recebidos pelo parlamentar de forma ilegal. Francisco de Assis pede também que o ex-governador paraibano seja condenado a devolver aos cofres públicos todo o montante o recebido acima do teto estabelecido em lei.

    Essa não é a primeira vez que o acúmulo de salários atinge políticos paraibanos. Em fevereiro de 2011, o Ministério Público Federal no Estado chegou a ajuizar ação civil pública com pedido de liminar contra ex-governadores, que ocupavam cargos no Legislativo Federal, e na União, mediante a percepção conjunta de pensão e do subsídio de cargo eletivo.

    Na ação protocolada à época, o MPF alegou que, “a Constituição Federal de 1988 determina que os proventos e pensões percebidos, cumulativamente ou não, por todos aqueles que ocupam cargos (eletivos ou não) em quaisquer dos poderes da União, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios, não poderão exceder o subsídio mensal dos ministros do Supremo Tribunal Federal”.

     

    Veja a petição:




    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 16.09.2014 | Autor: Pedro Marinho

    As belas da terça - Fotos









    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 16.09.2014 | Autor: Pedro Marinho

    William Bonner é apontado como pivô da queda de Patricia Poeta




     João Cotta/TV Globo
    William Bonner e Patrícia Poeta durante entrevista a Marina Silva na bancada do Jornal Nacioanl

    Por DANIEL CASTRO, em 15/09/2014 · Atualizado às 21h14 A versão oficial da Globo de que já estava previsto que Patricia Poeta ficaria apenas três anos como apresentadora do Jornal Nacional não foi digerida nos bastidores da própria emissora. Para jornalistas da Globo, Patrícia não saiu do JN; ela caiu. E todos os dedos apontam para William Bonner como o principal articulador da queda de Poeta, que, especula-se na emissora, deverá comandar um programa vespertino de variedades em 2015.

    Nos bastidores da Globo, é notório que Bonner nunca digeriu o fato de ter que aceitar Poeta como colega de bancada, em 2011, no lugar de Fátima Bernardes. Poeta, segundo essa versão dos fatos, foi imposta por Amaury Soares, diretor de programação da Globo, marido da jornalista. Não teria sido uma escolha de Bonner.

    Na Globo, há quem enxergue um processo de fritura de Patricia Poeta, que fez Bonner mero coadjuvante durante a Copa do Mundo. Coincidentemente, sua saída do JN foi anunciada nove dias depois de vazar a notícia de que ela está comprando um apartamento de R$ 23 milhões em Ipanema, bairro nobre do Rio.

    O problema não é o valor do imóvel. Mas o vendedor: George Sadala, nome que o noticiário político relaciona à CPI do bicheiro Carlinhos Cachoeira e a oposição ao governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, coloca na "Gangue dos Guardanapos".

    A justificativa oficial da Globo de que a saída de Patricia Poeta estava planejada havia três anos não combina com a tradição da emissora de manter jornalistas durante muito tempo ocupando os mesmos cargos. William Bonner, por exemplo, está há 18 anos à frente do JN. Fátima Bernardes ficou 13 anos no telejornal.

    O maior indício de que Patricia foi "expulsa" do JN em plena campanha eleitoral vem da substituta de Renata Vasconcelos, que deixará o Fantástico para assumir o principal telejornal do país.

    Poliana Abritta, a nova apresentadora do Fantástico, acaba de ser designada correspondente da Globo em Nova York. Ela nem chegou a estrear no posto. Foi para a cidade americana em julho e voltou na semana passada. Nesta terça, já começa a dar expediente na revista eletrônica semanal.

    A Globo, no entanto, sustenta que a estadia de Abritta em Nova York seria apenas até novembro e que ela voltou antes porque seus filhos não se adaptaram aos Estados Unidos.


    --------------------------------------------------------------------------------


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 16.09.2014 | Autor: Pedro Marinho

    TSE deve concluir julgamento do processo de Cássio nesta terça-feira




     

    O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) retoma nesta terça-feira (16) o julgamento do Recurso Ordinário Nº 56635 impetrado pela presidente do PRP, Maria da Luz Silva, por Rafael de Lima Rodrigues, Coligação "A Força do Trabalho", e pelo Ministério Público Eleitoral contra o registro de candidatura de Cássio Cunha Lima (PSDB) ao Governo da Paraíba.

    Por maioria de quatro votos, a candidatura de Cássio já foi mantida porque apenas três ministras ainda não se pronunciaram.

    Já votaram a favor de Cássio o ministro relator do processo, Gilmar Mendes, e os ministros Dias Tóffoli, João Otávio Noronha e Tarcísio Vieira de Carvalho Neto.

    No último dia 11 o ministro Gilmar Mendes terminou a leitura de seu voto e referendou o entendimento do Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba, considerando que Cássio é elegível porque o prazo de inelebilidade começaria a contar a partir do primeiro turno das eleições.

    Gilmar leu trecho do voto do relator do processo no TRE, juiz Rudival Gama, e votou pela confirmação do registro do senador tucano, negando provimento ao recurso.

    "Eventual realização de segundo turno não pode ser considerada marco inicial e consistiria em inconstitucionalidade acatar o recurso dos recorrentes", disse Gilmar.

    A ministra Luciana Lóssio, responsável pelo pedido de vistas, e as ministras Rosa Weber e Thereza de Assis Moura devem proferir seus votos hoje.


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários

  • 16.09.2014 | Autor: Pedro Marinho

    Marina abre fogo contra Lula





    Por Wanderley Preite Sobrinho | 15/09/2014 18:39
    "Estou fazendo debate com Dilma e Aécio. Não vou fazer embate nem com eles, nem com seus auxiliares", disse Marina
    Em um de seus discursos mais longos e inflamados nesta campanha, a candidata do PSB à Presidência, Marina Silva, falou grosso contra a candidata à reeleição Dilma Rousseff (PT) e seu padrinho político, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, nesta segunda-feira (15) em São Paulo.


    Wanderley Preite Sobrinho/iG
    Marina Silva participou de evento em São Paulo que debateu propostas para a área cultural Questionada sobre nova crítica do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que disse que a neosocialista pode perder seu programa de governo em razão de sua suposta instabilidade, Marina respondeu provocando:

    “Estou fazendo debate com Dilma e Aécio. Não vou fazer embate nem com eles, nem com seus auxiliares”, disparou num encontro com artistas.

    No mesmo ato, Marina defendeu sua fé, mas disse que a eleição generaliza evangélicos ao assegurar que prefere fazer campanha para um candidato ateu a um evangélico em quem não acredita.

    Veja o perfil de Marina Silva

    Em um discurso de 40 minutos, a candidata do PSB voltou se dizer vítima de “acusações infundadas” de seus adversários, que estariam fazendo dela uma verdadeira “exterminadora do futuro” ao insinuar que, ganhando a campanha, ela acabaria com o Bolsa Família, o pré-sal e o Minha Casa Minha Vida, programas federais de sucesso.

    Para uma plateia de simpatizantes, se comparou aos pacifistas Martin Luther King, Mahatma Gandhi e Nelson Mandela ao dizer que não vai fazer com Dilma o que estaria recendo do PT. “A senhora [Dilma] não terá de mim o que estou recebendo de você”, afirmou antes de dizer que a presidente obedece a marqueteiros quando decide criticá-la. “Podem vir com mil marqueteiros que eu não vou atacar nem ela, nem Aécio.”

    Estado laico

    Para uma plateia composta por artistas, a pessebista tentou se descolar de candidatos evangélicos tradicionais, ao defender o Estado laico e dizer que a campanha eleitoral está misturando os perfis de evangélicos. “Pelo fato de eu ser evangélica, as pessoas pegam os excessos de alguns para generalizar”, disse. “O Estado é laico para proteger o meu direito de não negar a minha fé e o de você não ter fé.”

    Para exemplificar, disse que, em 2010, trabalhou para eleger o ateu Fernando Gabeira prefeito do Rio de Janeiro. “Eu estava elegendo um prefeito laico porque ele era o melhor, embora tivessem candidatos evangélicos.”


    Arquivado em Artigos

    ( 0 ) comentários


ver mais antigas