Senador Lindberg vai processar Caiado por ofensa em plenário

 Senador paraibano vai processar Caiado por ofensa em plenário


O senador Lindbergh Farias, um paraibano que exerce seu mandato pelo PT do Rio de Janeiro, disse que vai processar o colega Ronaldo Caiado (DEM-GO), além de representar contra ele no Conselho de Ética do Senado por causa das ofensas na manhã desta quinta-feira, 25, durante as primeiras horas do julgamento do impeachment da presidente afastada, Dilma Rousseff.

“O senador Caiado não tem moral alguma para falar. Vou processar. Quem sabe da vida do Caiado é o senador Demóstenes Torres”, afirmou Lindbergh ao deixar o plenário para o intervalo de almoço.

“Tem que fazer antidoping. Fica aqui cheirando não”, disse Caiado a Lindbergh, mais cedo, durante bate-boca no plenário.

A confusão começou quando a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) questionou a moral dos colegas para julgar Dilma. “Eu não sou ladrão de aposentadoria”, disse Caiado, citando indiretamente as acusações que pesam contra o ex-ministro Paulo Bernardo, marido de Gleisi, sobre fraude em empréstimos consignados.

Lindbergh interveio. “Demóstenes é que sabe da sua vida”, disse o petista ao senador do DEM, referindo-se ao senador cassado Demóstenes Torres, aliado de Caiado.


Após denúncia, Cida envia lista de supostos parentes de Cartaxo empregados na PMJP

 

 

Após o debate promovido pela TV Arapuan na noite desta sexta-feira (26), a coligação da candidata a prefeita de João Pessoa pelo PSB, Cida Ramos, divulgou nota à imprensa listando os nomes de supostos parentes do prefeito Luciano Cartaxo (PSD) que estariam empregados na Prefeitura de João Pessoa (PMJP).

 Durante o debate, Cida acusou a gestão do atual prefeito de praticar nepotismo, que de imediato negou a denúncia. Ela, no entanto, listou alguns nomes, mas não apresentou documentos no momento. Horas depois, a coligação da socialista enviou a relação dos supostos parentes de Luciano Cartaxo que ocupariam cargos na PMJP.

Além de Luciano Cartaxo e Cida Ramos, participaram do debate na TV Arapuan, Professor Charliton (PT) e Victor Hugo. A mediação ficou por conta do jornalista Heron Cid.

 

Debate TV Arapuan: Cida denuncia nepotismo na PMJP e lista parentes do atual prefeito; veja os nomes

A candidata a prefeita de João Pessoa pela coligação Trabalho de Verdade, Cida Ramos (PSB), denunciou, na noite desta sexta-feira (26), durante debate promovido pela TV Arapuan, a prática de nepotismo na Prefeitura de João Pessoa, e mostrou uma lista contendo nomes de mais de 40 parentes do atual prefeito.

O prefeito tentou negar a prática de nepotismo em sua gestão, no entanto, com documentos nas mãos extraídos do Sagres do Tribunal de Contas do Estado da Paraíba (TCE-PB), Cida revelou possuir uma lista com mais de 40 parentes do candidato à reeleição e citou, nominalmente, Stênio Pires de Sá Mendes, Henrique Pires de Sá Espínola e Felipe Moreira Cartaxo de Sá.

“Nepotismo é uma prática que a sociedade não aceita mais, por isso, o prefeito perdeu uma ótima oportunidade para se explicar. E isso pelo jeito é uma prática que vem acontecendo há muito tempo na gestão dele, já que alguns vereadores haviam denunciado isso antes. Todas essas pessoas com o mesmo sobrenome do prefeito são pagas pela Secretária de Saúde, pela Educação, pela Emlur. A sociedade precisa saber dessa prática”, destacou Cida, acrescentando que quando for prefeita não permitirá nepotismo em sua gestão.

 


Procurador nega ter eximido Dilma de pedaladas

 
Josias de Souza 


Citado inúmeras vezes no plenário do Senado pelos defensores e senadores aliados de Dilma Rousseff, o procurador da República Ivan Cláudio Marx negou ter inocentado a presidente afastada ao arquivar, em julho, procedimento criminal que apurava as chamadas pedaladas fiscais. Nota divulgada pela assessoria da Procuradoria no Distrito Federal informa que, em verdade, Ivan Marx nem sequer investigou Dilma. Ele se oferece para prestar esclarecimentos ao Senado. Abaixo, a íntegra da nota:

estrelinha

Em relação às afirmações feitas por senadores e demais participantes do julgamento do pedido de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff sobre o pedido de arquivamento, por inexistência de crime, no caso das ‘pedaladas fiscais‘, o Ministério Público Federal (MPF) esclarece:

A) Em momento algum, o procurador da República Ivan Cláudio Marx, autor do pedido, investigou atos da presidente afastada Dilma Roussef. Em razão da atribuição, Marx investigou apenas os atos dos então ministros, servidores e diretores de bancos públicos. Dessa forma, ao concluir pela existência de improbidade administrativa e inexistência de crime, o procurador faz referência, apenas, aos atos praticados por esses últimos (ministros, servidores e diretores de bancos públicos).

B) A improbidade administrativa apontada se refere apenas aos atos ocorridos até o ano de 2014. A investigação ainda segue para definir quem, entre os investigados, foram os responsáveis pelos atos.

C) Ainda não há conclusão sobre a existência ou não de improbidade administrativa no que se refere aos atos posteriores a 2014. Há, sim, conclusão sobre a inexistência de crime.

Por fim, o procurador esclarece que é lotado em Brasília e está à disposição para prestar quaisquer esclarecimentos aos senadores que decidirão o pedido de impeachment, não havendo necessidade de serem feitas ilações sobre seu pensamento.“

Assessoria de Comunicação
Procuradoria da República no Distrito Federal


Policiais federais se reúnem e tratam sobre aposentadoria especial e regime de urgência para aprovação do reajuste salarial

 Aposentadoria do Policial Federal reúne entidades de classe e Diretoria de Gestão de Pessoal da PF

reunião boudens DGP

Na quarta-feira (24) as entidades representativas dos policiais federais se reuniram com a Direção de Gestão de Pessoal (DGP), para tratar do levantamento que está sendo realizado no órgão sobre os policiais federais que prestaram serviço militar para eventual contagem do tempo de aposentadoria policial.

Participaram do encontro o Diretor de Gestão de Pessoal da Polícia Federal, Luiz Pontel de Souza, acompanhado por Odorico Machado Neto e Paulo Eduardo Aguilar da Silva, bem como os representantes das entidades de classe dos servidores: Luis Antônio Boudens, Presidente da Federação nacional dos Policiais Federais (Fenapef); André Morrison, Presidente da Associação Nacional dos Peritos Criminais (APCF) e Sandro Torres Avelar, Presidentes da Federação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (Fenadepol), acompanhado ainda pela vice-presidente de Assuntos Sindicais e Sociais, Viviane da Rosa, e a diretora Parlamentar, Maria do Socorro Nunes S. Tinoco e o DPF Juner Caldeira Barbosa.

A possibilidade da contagem de tempo de serviço às Forças Armadas para aposentadoria especial de policiais é objeto de uma consulta ao Tribunal de Contas da União (TCU), que tem como relator o ministro Augusto Nardes. Na semana passada o Presidente da Fenapef Luis Boudens, o Presidente do Sinpef/RS Ubiratan Sanderson e o Presidente da Fenaprf, Pedro Cavalcanti, reuniram-se com o ministro e apresentaram um memorial com fundamentos jurídicos sobre a matéria. O Ministro Augusto Nardes é o relator da Consulta realizada a TCU (Processo nº 007.447/2015-9).

As entidades solicitaram que o Egrégio TCU corrija a distorção administrativa no plano federal sobre o cômputo do tempo de serviço militar em atividades desempenhadas sob condições de risco, para a aposentadoria especial disciplinada pela Lei Complementar nº 51/1985. Na ocasião, o ministro Nardes se comprometeu a retirar a matéria de pauta para que fossem apresentadas mais informações, especialmente o número de policiais federais que se enquadrariam nesta condição.

Durante a reunião com as entidades, o DGP Luiz Pontel informou que estão sendo realizados levantamentos no âmbito da Polícia Federal sobre o tempo de serviço militar de servidores, que serão disponibilizados para as entidades de classe da PF. O DGP também se comprometeu a encaminhar as informações que possam subsidiar o estudo encomendado por entidades policiais à Fundação Getúlio Vargas (FGV) sobre aposentadoria especial para a categoria.

Para o Presidente da Fenapef, Luis Boudens, “O cômputo do tempo dedicado às forças militares brasileiras para fins de aposentadoria policial é uma demanda justa de muitos policiais federais, daí o empenho da Fenapef nessa causa”.

O Presidente da FENADEPOL, Sandro Avelar, comentou que o reconhecimento do serviço militar como atividade de risco é uma medida que se impõe. “Há, inclusive, decisão do Tribunal de Contas do DF que reconhece esse direito”, pontuou.

O Presidente da APCF, André Morisson, comentou que é preciso haver critério ao selecionar as informações recebidas da consulta ao DPF sobre a policiais federais com tempo de atividade nas Forças Armadas. “Os policiais com menos de 10 anos de atividade militar não se beneficiarão do reconhecimento do tempo de serviço militar como atividade de risco para fins de aposentadoria especial. Eles devem completar mais 20 anos com serviço policial”, esclareceu.

Reajuste salarial (reposição das perdas inflacionárias)

O reajuste salarial dos policiais federais também foi tratado durante a reunião. Segundo Luis Boudens, o PL 5865/2016 passou a tramitar em regime de urgência, após trabalho da Diretoria Parlamentar da Fenapef que conseguiu com o Deputado Federal Hiram Gonçalves (PP/RR) o requerimento que incluiu o PL nº 5865/2016 nesse regime especial de tramitação. Veja o requerimento: http://goo.gl/YyGlKw

A Comissão de Parlamentares que irão proferir parecer sobre o Projeto foi criada pelo Presidente da Câmara dos Deputados. Conheça a comissão: http://goo.gl/QWnnyW

Segundo o DGP Luiz Pontel, a tramitação do Projeto de Lei nº 5865/2016 no Legislativo é acompanhada com atenção pela Assessoria Parlamentar da Polícia Federal.

Agência Fenapef


Lula diz que seu indiciamento é um ‘factóide‘

 
"Podem trazer os maiores investigadores do mundo aqui que não vão provar que esse apartamento é meu", afirmou o ex-presidente

Agência Estado
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta sexta-feira (26/8), a senadores do PT, que o seu indiciamento pela Polícia Federal, às vésperas do julgamento do impeachment de sua sucessora, Dilma Rousseff, tem objetivos exclusivamente políticos. Na avaliação de Lula, trata-se de mais um "factoide", na tentativa de impedir sua candidatura à eleição presidencial de 2018.

"Podem trazer os maiores investigadores do mundo aqui que não vão provar que esse apartamento é meu", afirmou o ex-presidente, de acordo com relato de dois senadores do PT. Lula e sua mulher, Marisa, foram indiciados pela Polícia Federal sob suspeita de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica no inquérito que investiga a propriedade do tríplex no Condomínio Solaris, no Guarujá. É o primeiro indiciamento de Lula na Operação Lava Jato.

Para o delegado Márcio Adriano Anselmo, o ex-presidente e Marisa receberam vantagens ilícitas, por parte da empreiteira OAS, "em valores que alcançaram R$ 2,4 milhões", referentes à reforma do apartamento no Guarujá e ao custeio de "armazenamento de bens do casal".

Lula costuma se referir ao imóvel como um apartamento do "Minha Casa Minha Vida" por causa do seu tamanho, considerado pequeno para um tríplex. Investigadores da Lava Jato também suspeitam que o ex-presidente seja dono de um sítio em Atibaia (SP), reformado pela OAS e Odebrecht.

Leia mais notícias em Política

"Eu já cansei. Eu não tenho que provar que tenho apartamento. Quem tem que provar é a imprensa que acusa, o Ministério Público Federal, que diz que eu tenho, a Polícia Federal, que diz que eu tenho. Eles têm que apresentar documento de compra, contrato assinado, porque, se não tiver, em algum momento eles é que terão de me dar de presente uma chácara e um apartamento", disse Lula no último dia 29, ao participar da conferência nacional dos bancários, em São Paulo. "Se o objetivo de tudo isso é me tirar de 2018, não precisa fazer isso. A gente pode escolher outros candidatos com mais qualidade. Agora, essa provocação me dá coceira (de ser candidato)."

Na rápida conversa desta sexta-feira com quatro senadores do PT, no hangar do aeroporto de Brasília, Lula foi na mesma linha, usando praticamente os mesmos argumentos. Jorge Viana (AC), Paulo Rocha (PA), Humberto Costa (PE) e José Pimentel (CE) saíram da sessão de julgamento do impeachment de Dilma por volta de 16 horas apenas para se encontrar com o ex-presidente.

Na tentativa de corroborar a percepção de uso político das investigações, os parlamentares também notaram que a autorização do Supremo Tribunal Federal para abertura de inquérito contra Dilma, Lula e outras cinco pessoas, por suspeita de obstrução de Justiça, foi divulgada justamente no dia em que ela anunciou sua esperada carta aos senadores.


Fim da novela - Impeachment deve ser votado segunda à noite

Paulo Pinto Paulo Pinto

 
VOTAÇÃO PODERÁ SER CONCLUÍDA ATÉ A MADRUGADA DE 3ª, NO MÁXIMO

EXPECTATIVA É QUE VOTAÇÃO OCORRA ATÉ AS ÚLTIMAS HORAS DA SEGUNDA
O Planalto reavaliou o ritmo das sessões de julgamento do Senado e concluiu que o impeachment de Dilma Rousseff deverá ser votado na noite de segunda-feira (29) ou na madrugada de terça (30). A avaliação do ministro Eliseu Padilha (Casa Civil) foi levada ao presidente Michel Temer na tarde desta sexta-feira. A conclusão é que etapas serão queimadas porque se esgotou a chicana dos senadores petistas. A informação é do colunista do Diário do Poder.
O PT pretendia arrastar o julgamento até a noite de 1º de setembro, véspera do término da presidência de Ricardo Lewandowski no STF.

Além de ignorar testemunhas de defesa, senadores pró-impeachment também serão econômicos nos discursos e até nas perguntas a Dilma.

A expectativa é que as testemunhas que ainda restam sejam ouvidas neste sábado, o que ajudaria muito a agilizar o julgamento.


Que vergonha - Julgamento de denúncia contra Greisi sai da pauta do STF

 
RENAN DISSE TER ATUADO PARA "DESFAZER" O INDICIAMENTO DE GLEISI E BERNARDO

GLEISI E O MARIDO SÃO INVESTIGADOS POR SUSPEITA DE RECEBIMENTO DE R$ 1 MILHÃO DE PROPINA (FOTO: GERALDO MAGELA/ AGÊNCIA SENADO)
PUBLICIDADE

O julgamento sobre a aceitação da denúncia contra a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), previsto para terça-feira, dia 30, foi adiado. O caso foi retirado da pauta da 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF), responsável por decidir se torna a senadora e seu marido, o ex-ministro Paulo Bernardo, réus na Lava Jato. Nesta sexta-feira, 26, o presidente do Senado, Renan Calheiros, disse na sessão do processo de impeachment de Dilma Rousseff que atuou junto ao STF para "desfazer" o indiciamento de Gleisi e Paulo Bernardo. Mas o indiciamento do casal continua válido perante o STF, mesmo após pedido da defesa para anulação.
A defesa de Gleisi afirmou que não fez pedido de adiamento, mas confirmou ter recebido a informação do Supremo de que o caso ficaria fora da sessão da próxima semana. A 2ª Turma é composta pelos ministros Gilmar Mendes - presidente do colegiado -, Teori Zavascki, Dias Toffoli, Cármen Lúcia e Celso de Mello.

O casal é investigado desde março de 2015, suspeito de recebimento de R$ 1 milhão de propina de contratos firmados entre empreiteiras e a Petrobras, dinheiro usado para custear parte da campanha eleitoral da petista em 2010.

Indiciamento

No início de abril, a PF encaminhou o indiciamento ao Supremo. Como resposta, a defesa da petista protocolou uma reclamação sob argumento de que a polícia não pode indiciar parlamentares, já que a competência para decidir sobre a acusação de autoridades com foro privilegiado é do STF.

Na ocasião, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, concordou com os argumentos da senadora. Para Janot, o indiciamento policial não possui efeito jurídico algum e apenas lança uma "pecha" ao investigado. "A par da irrelevância jurídica para o sistema acusatório, o indiciamento serve muito mais a desinformar que a informar", escreveu o procurador-geral.

Antes da análise da reclamação pelo ministro Teori Zavascki, contudo, a própria PGR fez a acusação formal contra Gleisi e Paulo Bernardo, ao oferecer uma denúncia contra o casal em maio.

A sobreposição da denúncia da PGR fez Teori julgar prejudicada a reclamação feita por Gleisi. Para o ministro, a discussão não se justificava mais no caso da petista, já que ela havia sido acusada pelo Ministério Público. Os advogados de Gleisi recorreram contra a decisão, mas a 2ª Turma do Supremo negou o recurso da defesa.

Já há um caso, no entanto, de suspensão do indiciamento feito pela PF contra parlamentar na Lava Jato. Em junho, o ministro Teori Zavascki concedeu liminar pedida pela defesa do senador Valdir Raupp (PMDB-RO) para suspender o indiciamento contra o parlamentar. O Supremo tem entendimento de que não é permitido à PF indiciar autoridades com foro.

Confusão
Segundo interlocutores do presidente do Senado, Renan Calheiros, o peemedebista fazia referência a outro caso e não ao indiciamento de Gleisi. Ele, na verdade, falava do pedido feito pelo Senado para invalidar as buscas feitas na residência funcional da petista no âmbito da Operação Custo Brasil - um desdobramento da Lava Jato, que tem como um dos alvos Paulo Bernardo. O pedido ainda não foi julgado pelo STF.

Responsável pela defesa de Gleisi, o advogado Rodrigo Mudrovitsch, confirma que o indiciamento de Gleisi não foi cancelado. "O indiciamento da senadora não foi cancelado pelo STF. Deveria ter sido, já que era incorreto. Mas, por questões processuais, a nossa impugnação foi rejeitada", afirmou.


Tudo ensaiado - Lula ordenou ‘Estrategia do insulto‘ no Senado

Geraldo Magela Geraldo Magela


É DE LULA A FRASE ‘SENADO NÃO TEM MORAL‘ REPETIDA POR DILMISTAS
Publicado: 27 de agosto de 2016 às 00:01 - Atualizado às 00:17

SENADOR DO PT REVELOU QUE "O SENADO NÃO TEM MORAL" É FALA DE LULA
A “estratégia do insulto” foi ordenada pelo ex-presidente Lula aos senadores aliados, no julgamento de Dilma, segundo revelou a esta coluna um senador do PT. A expressão “o Senado não tem moral para cassar ninguém” é do próprio Lula. Ele já não pretende reverter o impeachment, mas utilizar esses insultos no documentário “Golpe”, no qual o PT deposita sua esperança de “salvação” nas próximas eleições. A informação é do colunista Cláudio Humberto, do Diário do Poder.
A ideia do documentário, de produção milionária, seria do marqueteiro João Santana. Será usado na eleição do Brasil e exibições no exterior.

A estratégia de Lula é resumida numa frase: “Se a gente não conseguir evitar o impeachment, ao menos vamos tentar desmoralizá-los”.

Petistas ainda relutam em usar dossiês com “podres” de senadores pró-impeachment temendo que os próprios podres sejam expostos.

No encontro de ontem no Alvorada, o indiciado Lula fez ver a Dilma que ela será condenada, e a aconselhou também a atacar o Senado.


Senador petista mostra-se particularmente alterado nesta sexta

 

CALHEIROS FAZIA UM APELO PARA ACABAR COM A CHICANA DE MANOBRAS PROTELATÓRIAS (FOTO: MARCELO CAMARGO/ ABR)
PUBLICIDADE

Alvo da insinuação do senador Ronaldo Caiado (DEM-GO) de que ele deveria passar por exame antidoping, o senador Lindbergh Farias (PT-RJ) tem demonstrado um comportamento mais alterado que o habitual.
Há pouco, instantes depois de afirmar que Caiado "é um desqualificado", Lindbergh chegou a provocar e a encostar fisicamente no presidente do Senado, Renan Calheiros, que fazia uma intervenção no microfone de apartes. Também a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) gritava às suas costas.

Calheiros fazia um apelo para acabar com a chicana de manobras protelatórias, a fim de que o Senado possa ouvir as testemunhas convocadas para depor nesta sexta-feira (23). Marcados para começar às 9h, duas horas e meia depois os depoimentos ainda não iniciaram.


Corrupção e lavagem - Polícia Federal indicia Lula e Marisa no caso do apartamento Triplex

 
POLÍCIA FEDERAL INDICIA LULA E MARISA POR CORRUPÇÃO NO TRIPLEX

Roberta Abreu e Elijonas Maia

O JORNAL NACIONAL DIVULGOU, EM MARÇO, FOTOS DE LULA, MARISA E LEO PINHEIRO, NO TRIPLEX. FOTO: CAPTURA/TV GLOBO


A Polícia Federal indiciou nesta sexta-feira (26) o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, sua mulher, Marisa Letícia, e outras três pessoas por corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica. A PF investiga irregularidades na aquisição e reforma do apartamento triplex, no Guarujá, litoral de São Paulo, e em depósitos de bens de Lula.


Segundo as investigações, o inquérito aponta que Lula e Marisa foram beneficiários de vantagens ilícitas por parte da empreiteira OAS em cerca de R$ 2,4 milhões. O valor é referente a reformas no apartamento, assim como no custeio de armazenamento de bens do casal. Os outros denunciados são José Adelmario Pinheiro Filho, vulgo Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS que na foto entrega o apartamento a Lula, o arquiteto Paulo Gordilho, e o presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto.


De acordo com o delegado responsável pelo inquérito, Márcio Adriano Anselmo, o casal Lula e Marisa recebeu R$ 2,4 milhões da OAS de vantagens ilícitas referentes as obras. "Foi possível apurar que o casal foi beneficiário de vantagens ilícitas, por parte da OAS, em valores que alcançaram R$ 2.430.193,61 referentes as obras de reforma do apartamento 164-A do Edifício Solaris, bem como no custeio de armazanegem de bens do casal", disse o delegado.


No inquérito, a PF não deixa dúvidas de quem seria o beneficiário com as obras. "Isto posto, não resta qualquer dúvida no sentido de que as obras realizadas pela Construtora OAS S.A. no apartamento objeto de investigação tinham por destinatário o casal Luiz Inácio Lula da Silva e Marisa Letícia Lula da Silva".

O delegado Márcio Anselmo também menciona “estranheza” pelo fato de Lula negar conhecer Paulo Gordilho, sendo que os dois aparecem juntos em fotos, “demonstrando dessa forma haver relação de proximidade entre os mesmos”.

Indiciados

- JOSÉ ADELMÁRIO PINHEIRO FILHO: Corrupção ativa, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro

- LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA: Corrupção passiva, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro

- MARISA LETICIA: Corrupção passiva e lavagem de dinheiro

- PAULO GORDINHO: Corrupção ativa

- PAULO OKAMOTTO: Corrupção passiva, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro


Papo d‘ Esquina

CANDIDATO A PREFEITO DECLARA 8 VACAS E 20 CABRAS COMO PATRIMÔNIO

Todo mundo sabe, que no Brasil as declarações de patrimônio dos candidatos aos mais diversos cargos, são verdadeiras obras de ficção, pois quase sempre os mesmos pelas mais diversas razões escondem os bens ou colocam valores bem aquém do que realmente valem. Nesta semana a Paraíba recebeu com hilaridade a declaração de bens do do ex-prefeito e candidato à prefeitura de Juazeirinho, o advogado Bevilacqua Matias (PTdoB), que informou à Justiça Eleitoral, possuir um patrimônio avaliado em R$ 18 mil. O dito cujo alegou possuir apenas oito vacas, avaliadas em R$ 12 mil, e 20 cabras, cujo valor estimado é de R$ 6 mil. Como em 2012, Bevilacqua, então prefeito, disputou a reeleição e naquela oportunidade declarou não possuir bens à Justiça Eleitoral. Na oportunidade, se verifica progresso no seu patrimônio.

 

WALTER BRITO NETO MANDA VELHOS POLÍTICOS PARA O MUSEU


Por falar em candidato, Walter Brito Neto (PEN) que vem de uma família com larga tradição familiar e que disputa agora à prefeitura de Campina Grande, já iniciou a divulgação do material através de suas redes sociais. Na primeira aparição que fará no horário eleitoral gratuito, nesta sexta-feira, 26, ele escolheu fazer críticas à atitudes da "velha política" e se apresentou como "o novo": Diz o mesmo no seu vídeo "Campina não pode continuar refém da violência, da política do pão e circo, da indústria da seca, do empreguismo e da corrupção eleitoral. O primeiro passo é superar a velha política e colocar no museu esses que representam o passado de nossa cidade. É a vez do novo", disse o candidato. Como Walter Brito Neto já foi vereador, deputado federal e candidato em outros pleitos, tendo na sua trajetória uma cassação de mandato por infidelidade partidária, fica difícil para os eleitores tê-lo como novo.

 

O INVASOR DA PRAÇA CORONEL BEN HU NO BESSA

Existem pessoas que adoram tirar proveito de tudo aquilo que é público, como por exemplo, invadir áreas publicas, se naturalmente aproveitando da omissão e da tolerância de alguns gestores. Uma determinada pessoa, na gestão de Cícero Lucena se apoderou de um espaço na Praça Coronel Bem Hur e ali instalou um fiteiro e foi progressivamente aumentando o seu tamanho e depois de algum tempo já tinha construído uma residência no logradouro, com direito até uma garagem para ali guardar o seu automóvel. Depois de anos, já na gestão de Ricardo Coutinho, finalmente o mesmo foi retirado dali e logo se alojou em outro espaço no Bairro do Bessa. Já na gestão de Luciano Cartaxo, eis que o mesmo espertamente retornou aquela praça e ali se instalou com veiculo Kombi para realizar serviços de conserto de sapatos e em poucos dias já estava ampliando o espaço, quando foi advertido por fiscais da Prefeitura para desmontar a construção e deixar apenas o veiculo.

 

O INVASOR DA PRAÇA CORONEL BEN HU NO BESSA II

Recentemente sabendo que aquele logradouro poderá sofrer intervenção e se tornar um logradouro como a Praça da Paz nos Bancários, colocou ao seu lado uma barraca e algumas mesas para seu filho, com uma cobertura de lona e como não foi importunado absolutamente por ninguém já mudou a cobertura par telhas de amianto, anunciando que pretende ficar ali em definitivo, com certeza para ganhar na reforma alguma barraca construída pela Prefeitura. O fato é que o Gestor público trem que zelar pelo nosso patrimônio e não pode tolerar essas condutas e muito menos ao final premiar aqueles que se aproveitam de fiscais omissos e invadem os espaços públicos. Por falar em invasor, ali mesmo no Bessa um outro invasor há muito s anos se instalou no espaço que estava reservado para o Parque Parahyba e instalou ali um imóvel para lavagem de veículos e que a bem da verdade jamais funcionou e atualmente mesmo verificando que essa sua barraca se encontra atrapalhando a construção do citado parque, nem se dar ao trabalho de deixar aquele local, certamente esperando alguma indenização por parte da Prefeitura. Até quando vamos conviver e tolerar essas espertezas?

 

O ABANDONO DO CALÇADÃO DA PRAIA DE MANAÍRA

Este aprendiz de digitador caminhando pela Praia de Manaíra, verificou que o interesse do Prefeito Luciano Cartaxo se resume basicamente ao trecho que vai do Hotel Tambaú até a Ponta do Cabo Branco, já que o primeiro trecho se encontra em péssimo estado de conservação, com o piso na altura do Mag Shopping, cerca de 200 metros - parecendo a crateras da Lua, bancos arrancados, bueiros sem tampa e invasão de moradores de rua, que se apoderaram do Largo da Gameleira, onde dormem, bebem cachaça e fazem suas necessidades fisiológicas e até sexo no período noturno, conforme reclamação de um garçom que trabalhava ali nas proximidades. Como passa por ali diariamente centenas de turistas o gestor municipal deveria ter mais cuidado com aquele espaço, bem como todo calçadão que vai do Hotel Tambaú até o final mais adiante do Mag Shopping.



O CENTRO DE APOIO AO TURISTA DA PREFEITURA

Por falar em Prefeitura e na Praia de Tambaú, além da degradação daquela área outrora chamado de Point da nossa juventude, se observa ali também o abandono da construção do Centro Municipal de Apoio ao Turista que era para ter sido entregue em dezembro último e que se arrasta até agora sem conclusão, mesmo se tratando de uma obra de fácil conclusão, pois boa parte é de ferro e muito pouco de alvenaria. Como quase toda obra da atual gestão essa também passou pela já conhecida e ilegal maquiagem de se meter tinta preta na placa da obra, para assim esconder a má gestão e a falta de compromisso com a legislação que obriga que na placa figure todos os dados da construção, principalmente o registro do inicio e fim da construção. Difícil mesmo é entender como o MP permite esse reiterado descumprimento de nossa legislação pelo Prefeito Luciano Cartaxo.



O DESCASO COM O PALÁCIO DA REDENÇÃO

O Palácio da Redenção cujas instalações e seu belo acervo mobiliário, principalmente o seu piso, há muito já deveriam ter sido preservado do desgaste de ter ali funcionando uma repartição com pelo menos uma centena de servidores e recebendo diariamente dezenas de pessoas, para reuniões e até mesmo para concorrido almoços. Atualmente o histórico prédio se encontra muito sujo, necessitando urgente de uma pintura e para piorar, alguém resolveu quebrar toda calçada lateral e parte de sua parede, para instalar uns tubos e fiação que levam a horrorosas caixas de ar-condicionado localizadas nos jardins interno do Palácio e mesmo depois de meses, sequer se deram ao trabalho de refazer a calçada e a parede daquele prédio. O Governo Ricardo Coutinho aproveitando a saída da Assembleia do prédio localizado ali nas proximidades, deveria instalar ali o Palácio dos Despachos, deixando o Palácio da Redenção, apenas como local para observação de visitantes, com as cautelas devidas para conservação do seu belo piso e mobiliário.

ALBERGIO GOMES MEDEIROS, FALA DA CHICANA JURÍDICA DA RAFAMEIA ESQUERDISTA.


Enquanto os "vagabas" defensores da anta sapiens renitentemente chafurdam no glorioso Senado Federal, o país vai sangrando, trabalhadores perdendo empregos ou acordando redução de remuneração; PIB em franca queda, enfim, uma recessão possivelmente nunca antes acontecido na história desse país. Não sei se vocês perceberam, mas os remédios sofreram reajustes de preços de uma semana para cá de forma espetacular. Um dos dois remédios que diariamente ingiro em razão de diabetes, cujo consumo mensal alcança duas caixas de cada, para minha perplexidade hoje, ao adquirir o que acabou-se, o menos caro, que custava a importância de R$ 46,90 a caixa, até quinzena passada, e com o desconto do laboratório, hoje custou a "bagatela" de R$ 62,48, a caixa. Tive temor de perguntar para quanto passou o que custava, por caixa, R$ 168,95. E a rafameia esquerdista com chicanas e retardando ao máximo o último suspiro político da anta sapiens.

 

RECADO P/PEDRO MACEDO MARINHO – LOURDINHA LUNA

O que me agradou na publicação do encontro de ARIANO SUASSUNA com EDUARDO CAMPOS, no paraíso, foi o diálogo ter sido lido por você, Marcelo Queiroga, Socorro Lemos, João Everton, Lenira Galiza, Cristiana Leite, Fatima Bezerra, e muitos outros, inclusive o colecionador de chapéu Chico Pinto que está rompido comigo. Ele entende que tenho dúvidas quanto a origem de sua chapelaria. Diabos...mal se abre o jornal e lá está um anuncio que gostaríamos de nunca ver escrito e menos ainda como verdade. Ele suspeita que divulgo a origem de seu patrimônio como consequência dos ingressos que tentou vender para o show do seu neto que ainda não tem cinco anos de idade. O que me espanta é a antecipação. Valho-me de você, Ritinha (esposa dele) e dos netos para acabar com a intriga de mentirinha.


Esta coluna é publicada no http:www.blogdopedromarinho.com e em quatro portais

 


Sidebar Menu