Ex-prefeito do Sertão é processado pela 38ª vez pelo MPF por esquema de corrupção

 Ex-prefeito da cidade Cacimba de Areia, no Sertão paraibano, Inácio Roberto de Lira Campos, conhecido como Betinho Campos, foi processado pela 38ª vez pelo Ministério Público Federal (MPF) na Paraíba dentro das investigações da Operação Dublê. O processo de número 38 contra o ex-gestor municipal e atualmente assessor parlamentar foi divulgado pelo MPF nesta sexta-feira (22).

A nova denúncia contra ele foi motivada por irregularidades na execução de obras de unidade e posto de saúde, além de maternidade, passagem molhada e casa de cultura. De acordo com o Ministério Público, as irregularidades ocorreram de janeiro a março de 2012 e envolveram R$ 583.002,20. Para o MPF, Betinho Campos se apropriou de rendas públicas em proveito próprio.

O G1 tentou entrar em contato com o ex-prefeito, mas ele não foi localizado pela reportagem.

VEJA TAMBÉM: MPF investiga irregularidades no funcionamento do SAMU de Patos

Betinho Campos foi um dos alvos da Operação Dublê, da Polícia Federal e do MPF, deflagrada em 2012 para investigar um esquema de falsificação de notas fiscais para desvio de dinheiro público proveniente de recursos federais. Conforme as investigações, a quadrilha agiu entre 1º de janeiro de 2005 e 31 de dezembro de 2012 para cometer crimes licitatórios. Os criminosos desviaram mais de R$ 5 milhões em recursos públicos.

Das 38 ações ajuizadas pelo MPF em Patos, no Sertão da Paraíba, contra Betinho Campos na Operação Dublê, 15 foram penais, 20 de improbidade administrativa, duas cautelares penais e uma de sequestro de bens. Nesta última ação, o MPF pede a prisão do ex-prefeito, que responde aos processo em liberdade, a perda do cargo público, o pagamento de R$ 991,2 mil como forma de reparação aos cofres públicos e a inelegibilidade por cinco anos.

Ainda de acordo com a MPF, até esta sexta-feira, Betinho tinha sido condenado em três dos 38 processos. Betinho Campos chegou a ser alvo de um mandado de prisão à época da Operação Dublê.

Fraude descoberta na ‘Dublê’

O núcleo criminoso atuante em Cacimba de Areia foi orquestrado pelo então prefeito Betinho Campos, segundo o MPF. Ainda segundo as investigações, recursos públicos foram desviados por meio da acumulação de saldo de caixa e posterior realização de saques mediante pagamentos à tesouraria, cuja aparência de legalidade era conferida por meio de notas fiscais “frias” ou “clonadas”, assim como ocorreu no município de Catingueira.

G1


MPF abre procedimento para apurar supostas candidaturas laranjas na PB


Paraíba Já apurou caso que tem indícios de candidatura laranja no Estado
Redação Paraíba Já Redação Paraíba Já 24 de março de 2019 às 13:59 Menos de um minuto
MPF entra com recurso no TRF5 para que Creci-PB demita servidores sem concurso
A Procuradoria Regional Eleitoral (PRE) do Ministério Público Federal da Paraíba (MPF-PB) abriu procedimento para investigar repasses do Fundo Partidário para as postulações femininas na Paraíba. Após a veiculação de matérias nacionais revelando que candidaturas femininas estariam sendo usadas como “laranjas”, a prática entrou na mira dos órgãos de fiscalização.

No Estado, segundo apurou o Paraíba Já, existe um caso que se enquadra em possível candidatura laranja. Se trata da ex-candidata a deputada estadual Ilmara Morais, que recebeu R$ 201 mil dos diretórios nacional e estadual, 10 vezes mais que as outras candidatas da legenda e mais até que candidatos homens que foram eleitos.

+ PSL teria produzido candidata laranja na Paraíba que recebeu R$ 201 mil

+ Ex-presidente do PSL Mulher estranha repasse a suposta ‘candidata laranja’

+ Presidente do PSL afirma que candidata que recebeu R$ 201 mil coordenou campanha dele no Sertão

A informação da abertura do procedimento foi confirmada pela assessoria de comunicação do Ministério Público Federal da Paraíba (MPF-PB). O procedimento teve um movimentação na última quinta-feira (19) e foi remetido para o Ministério Público da Paraíba (MPPB).

A notícia de fato teve entrada no setor eleitoral da Procuradoria Regional da Paraíba e foi movimentada para o gabinete do Procurador Regional Eleitoral no dia 7 de fevereiro. No dia 8, o gabinete do Procurador registrou o recebimento do procedimento.

Outros quatro procedimentos já tinham sido abertos em 2018 para investigar possíveis candidaturas laranjas femininas no estado.


Defesa de Roberto Santiago entra com pedido de habeas corpus


O empresário foi preso na última sexta-feira (22) durante a terceira fase da Operação Xeque-Mate.

O empresário foi preso na manhã da última sexta (Foto: Reprodução)
A defesa do empresário Roberto Santiago entrou neste domingo (24) com um pedido de habeas corpus no Superior Tribunal de Justiça (STJ). O empresário foi preso na última sexta-feira (22) durante a terceira fase da Operação Xeque-Mate.

Roberto Santiago está detido na sede do 1° Batalhão da Polícia Militar de João Pessoa.

De acordo com a Polícia Federal a prisão aconteceu para evitar coação de testemunhas, e que em liberdade o empresário poderia influenciar os depoimentos.

Clickpb.com.br

 


Presidente que não entende que ‘o Congresso é forte’ não governa e ‘pode cair’, diz FHC

Publicado por: Fabricia Oliveira 


O ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso (FHC)afirmou neste domingo (24), em uma rede social, que o presidente que não entende que “partidos são fracos, o Congresso é forte” não governa e “pode cair”.

“Paradoxo brasileiro: os partidos são fracos, o Congresso é forte. Presidente que não entende isso não governa e pode cair; maltratar quem preside a Câmara é caminho para o desastre. Precisamos de bom senso, reformas, emprego e decência. Presidente do país deve moderar não atiçar”, postou FHC em sua conta no Twitter.

Nos últimos dias, o presidente da República, Jair Bolsonaro, e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), tiveram atritos em razão da articulação para aprovar a reforma da Previdência.

Considerada uma medida prioritária pela equipe econômica para recuperar as contas públicas do país, a reforma da Previdência muda as regras de aposentadoria para trabalhadores da iniciativa privada e do funcionalismo público. O governo também enviou ao Legislativo um projeto que trata dos militares.

Os textos ainda não começaram a tramitar na Câmara dos Deputados por enfrentarem resistência dos partidos, incluindo o PSL, de Bolsonaro, que reclamam do teor das propostas e da falta de diálogo com o Palácio do Planalto.

Um dos principais defensores da reforma da Previdência, Rodrigo Maia tem cobrado um esforço maior do governo para tentar estruturar a base aliada no Congresso e garantir os votos necessários para a sua aprovação.
Irritado com ataques sofridos nas redes sociais por apoiadores de Bolsonaro, Maia afirmou que o presidente da República “precisa ter um engajamento maior. Ele precisa ter mais tempo pra cuidar da Previdência e menos tempo cuidando do Twitter, porque, senão, a reforma não vai andar”.

De volta de uma viagem oficial ao Chile, Bolsonaro se reuniu na manhã deste domingo com o líder do governo na Câmara, deputado Major Vitor Hugo (PSL-GO), para discutir a articulação para a Previdência.


Botafogo se classifica para 2ª fase na Copa do Nordeste

 O Botafogo-PB conquistou na noite deste domingo (24), no Estádio Almeidão, classificação para a segunda fase da Copa do Nordeste.

Jogando em casa, o Belo venceu o Sampaio Correa por um placar de 1 a 0 e, além de garantir vaga no mata-mata por antecipação, termina a 7ª rodada como líder absoluto da competição com 17 pontos.

Até agora, o clube da Capital paraibana não sabe o que é perder na disputa regional. Foram cinco vitórias e dois empates.

Botafogo fará o jogo da última rodada no próximo sábado (30) contra o CRB, no Estádio Rei Pelé.

O único gol da partida foi marcado por Marcos Aurélio aos 29 minutos do primeiro tempo.

MaisPB


Nomes que fizeram e fazem a história da Paraíba - Alice Vinagre

 

ALICE VINAGRE - Alice de Faria Vinagre - Nasceu em João Pessoa (PB) em 1950. Na série No Coração de Todas as Coisas, ou Ainda sob o Signo da Obscuridade, que data do fim da década de 1980, nota-se o peso preponderante da narrativa e da explosão cromática associada à Arte Pop, onde há choques evidentes entre títulos e imagens.
Nos anos 1980 participou ativamente de salões e mostras coletivas no Brasil e no exterior.


Em 1986 recebeu o Prêmio Aquisição do 9º Salão Nacional de Artes Plásticas da Fundação Nacional de Arte (Funarte), no Rio de Janeiro e, em 1991, uma bolsa de estudos para a Alemanha, no workshop itinerante Brasil-Alemanha, organizado pelo Instituto Goethe e pela Associação Teuto-Brasileira.
Três anos depois expõe na 4ª Bienal Internacional de Pintura de Cuenca, Equador, e em 2001 participa da 3ª Bienal do Mercosul, em Porto Alegre.

Em 1998 inicia, no Convento de Santo Antônio, em João Pessoa, a série Azul, um conjunto de intervenções realizadas em diferentes espaços expositivos.
Em 2008 lança catálogo com mesmo título da série, com texto de Moacir dos Anjos, propondo síntese desse percurso que inclui, ainda, exposições em Berlim, São Paulo, Natal e Recife.

Em sua produção se destaca a procura de uma unidade sintética com base na sobreposição de elementos contrastantes, seja por meio do choque entre texto e imagem, da contraposição entre potência expressiva e enquadramento geométrico das formas, seja pela convivência forçada entre transparência e opacidade, figura e abstração.

Nas várias fases de sua produção, desde a formação em Pintura na EBA/UFRJ, nos anos 1980, explora o equilíbrio instável entre os diferentes elementos compositivos e formais.

Nos trabalhos seguintes a artista dá lugar a uma expressividade mais rude. A palavra e os símbolos gráficos tornam-se elemento constitutivo da obra e as formas adquirem um ritmo gestual, caligráfico, compondo um fluxo circular.
Estabelece-se como “crítica de um pensamento binário incapaz de perceber as nuanças de que é feita a vida".

Nos anos 1990 adere a maior experimentação formal explorando os apelos sensoriais de materiais não tradicionais, como o papel vegetal, o veludo e até mesmo brinquedos de pano (constantes na série Bonecas).

Também mescla diferentes meios de expressão, onde a Pintura, o Desenho e a colagem se complementam forçando caminhos para além dos limites da moldura.
No fim dessa década, a artista inicia as intervenções da série Azul, nas quais contrapõe a gestualidade e a forte intensidade cromática de seus desenhos a uma organização rigidamente geométrica do conjunto em relação direta com o espaço expositivo.
Outras experimentações derivam dessa mesma pesquisa, como os desenhos com caneta prateada sobre papel vegetal pintado de azul – que compõem a mostra AnotaçõesSobre o Céu, realizada em 2003 no Les Varietés; em Marselha, França.
Mais recentemente ela incluiu em seus trabalhos outros elementos extrapictóricos, como as cobras de plástico, livros e espelhos, e amplia ainda mais a gama de técnicas utilizadas incorporando elementos da instalação, da fotografia e o vídeo.

Suas obras estão em acervos em fundações e museus; como a Fundação Espaço Cultural da Paraíba (Funesc), em João Pessoa (PB); Fundação Joaquim Nabuco, em Recife (PE); Fundação Nacional de Arte (Funarte), no Rio de Janeiro (RJ); Fundação Pierre Chalita, em Maceió (AL); Fundação Rômulo Maiorana, em Belém (PA); Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães (Mamam), em Recife (PE); Museu do Estado de Pernambuco, em Recife (PE); Museu Nacional de Belas Artes (MNBA), no Rio de Janeiro (RJ), e na Pinacoteca da Universidade Federal da Paraíba, em João Pessoa (PB).

Realizou muitas exposições: em 1982, no Rio de Janeiro (RJ); em 1987 na Galeria EBA 7, em João Pessoa (PB); em 1987 na Galeria Gamela, em João Pessoa (PB); em 1991 na Oficina Guaianases, em Olinda (PE); em 1992 na Itaugaleria, em Fortaleza (CE); em 1995 na Galeria Gamela, em João Pessoa (PB); em 1995, Perfil do Artista, no Núcleo de Arte Contemporânea, em João Pessoa (PB); em 1996, Perfil do Artista, no Museu de Arte Contemporânea de Pernambuco, em Olinda (PE); em 1997, Desenhos, na Galeria da Aliança Francesa, em João Pessoa (PB); em1997, Desenhos, na Galeria Parangolé, em Brasília (DF); no Espaço Cultural 508 Sul, em Recife (PE); em1998, Desenhos e Aquarelas de Alice Vinagre, na Galeria Vicente do Rego Monteiro, em João Pessoa (PB); em 1998 no Centro Cultural de São Francisco, João Pessoa (PB); em 2002 na Adriana Penteado Arte Contemporânea, São Paulo (SP); em 2002 na Casa da Ribeir, Natal (RN); em 2003 no Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães, em - Recife (PE); em 2004, Anotações sobre o céu / Annotations sur le ciel, na Les Varietés, em Marselha (França); em 2006 na Dumaresq Galeria de Arte, Recife (PE); em 1982, Desejo ou O Caminho se faz Caminhando, na Galeria Mariana Moura – Exposições Coletivas, Recife (PE); em 1982 participa do 35º Salão de Artes Plásticas de Pernambuco, Recife (PE) (.....) - São Paulo SP - 3º Salão Brasileiro de Arte da Fundação Mokiti Okada Atami (Japão) – 6 Exposição de Belas Artes Brasil/Japão -1983 - Curitiba PR - 40º Salão Paranaense - 1983 - Kyoto (Japão) - 6º Exposição de Belas Artes Brasil/Japão - 1983 - Rio de Janeiro RJ - 6º Exposição de Belas Artes Brasil/Japão - 1983 - São Paulo SP - 6º Exposição de Belas Artes Brasil/Japão - 1983 - Tóquio (Japão) - 6º Exposição de Belas Artes Brasil/Japão -1984 - Fortaleza CE - 7º Salão Nacional de Artes Plásticas - 1984 - Rio de Janeiro RJ - 7º Salão Nacional de Artes Plásticas, no MAM/RJ - 1985 - Recife PE - 38º Salão de Artes Plásticas de Pernambuco - 1985 - Rio de Janeiro RJ - 8º Salão Nacional de Artes Plásticas, no MAM/RJ - 1986 - Recife PE - 39º Salão de Artes Plásticas de Pernambuco – 1987 - Belém PA - 4º Salão Arte Pará - Prêmio Aquisição - 1987 - Recife PE - 40º Salão de Arte Contemporânea de Pernambuco, na Galeria Metropolitana Aloísio Magalhães - 1987 - Rio de Janeiro RJ - Arte Hoje, no MNBA - Sala Exibição Especial - 1988 - Berlim (Alemanha) - Workshop Berlin in São Paulo, no Staatliche Kunstalle - 1988 - João Pessoa PB - Arte Atual Paraibana, no Espaço Cultural - 1988 - Olinda PE - 41º Salão de Arte Contemporânea de Pernambuco, no Centro de Convenções de Pernambuco - menção especial do júri 1988 - São Paulo SP - Workshop Berlin in São Paulo, no MAC/USP - 1988 - São Paulo SP - Workshop Berlin in São Paulo, no MASP - 1989 - São Paulo SP - 20º Panorama de Arte Atual Brasileira, no MAM/SP - 1990 - Belo Horizonte MG - Olhar Van Gogh, no Palácio das Artes - 1990 - João Pessoa PB - 2º Arte Atual Paraibana, na Fundação Espaço Cultural da Paraíba - 1990 - Rio de Janeiro RJ - Olhar Van Gogh, na EAV/Parque Lage - 1990 - São Paulo SP - Olhar Van Gogh, no MASP/SP - 1991 - Fortaleza CE - BR/80 Pintura Brasil Década 80, no Centro de Artes Visuais Raimundo Cela -1991 - João Pessoa PB - Workshop Brasil-Alemanha, no Espaço Cultural - 1991 - Salvador BA - Anos 80: nordeste, no Museu de Arte da Bahia -1996 - Salvador BA - 3º Salão MAM-Bahia, no MAM/BA - 1999 - Campina Grande PB - Arte Contemporânea da Paraíba, no Museu de Arte Assis Chateaubriand - 1999 - São Paulo SP - Nordestes, no Sesc Pompéia - 2001 - Porto Alegre RS - 3ª Bienal de Artes Visuais do MERCOSUL - 2002 - Recife PE - Em Sete Tempos, na Amparo Sessenta Galeria de Arte.

 

Do livro de Camilo Macedo a ser lançado brevemente

 

 

 


Saudade dos escândalos do império - Ramalho Leite

 

Já escrevi sobre amantes de poderosos e, naquele texto, incluí gente da nossa época, a exemplo de Getúlio Vargas, Ademar de Barros, Juscelino Kubitschek e certo general que dizia gostar mais de cheiro de cavalo, mas consumia muitas milhas em busca de um cangote feminino. De passagem, lembrei Pedro I, que dividiu seu reinado com a principal amante, Domitília de Castro, a Marquesa de Santos. Acho que deixei em paz Pedro II, seu filho, um tremendo “come quieto”, que não ficava longe do pai em matéria de ocupar as camarinhas do Palácio. A diferença entre pai e filho residia na seleção das eventuais companheiras de alcova. Pedro I era mais promíscuo. Apesar da Marquesa de Santos, com quem teve cinco filhos, ainda engravidou outra filha do brigadeiro Canto e Melo, de nome Maria Benedita, casada com o Barão de Sorocaba. Antes da marquesa, uma atriz francesa inaugurou seu caderno de traição à Imperatriz Leopoldina.

Os costumes da época, pelo menos no ambiente das cortes, justificavam que o leito conjugal servia apenas para perpetuar a linhagem. As paixões e os prazeres eram coisa para se conseguir no aconchego das amantes. Uma comerciante francesa, de nome Clemence Saisset, também deu a Pedro I um filho bastardo. A atriz uruguaia Maria Del Carmem Garcia não lhe deu filho, deixando essa missão para a monja portuguesa Ana Augusta. No caderno do nosso primeiro Imperador ainda entraram uma escrava do Convento da Ajuda, a esposa de um general e uma atriz portuguesa, o que demonstra que ao voltar para Portugal, Pedro ainda carregava o fogo dos trópicos. Para encerrar, obteve favores sexuais da esposa de seu homem de confiança e, até, da filha do bibliotecário de dona Leopoldina.

Dom Pedro II era um galegão de um metro e noventa, pernas e voz finas, olhos azuis, mas tristes. Há quem diga, pelo abandono do pai e morte prematura da mãe. Conhecera a futura esposa por uma pintura da cintura para cima, obra de artista europeu. Pela pintura não dava para saber que Tereza Cristina era baixa, feia e puxava por uma perna. Foi uma desilusão que o levou às lágrimas. Mesmo assim tiveram três filhos: o homem morreu ainda pequeno e as filhas Isabel e Leopoldina se transformaram na única esperança de Dom Pedro para um terceiro reinado. Isabel desempenharia papel importante e, ao assinar a Lei Áurea, assinou também a queda da monarquia. & nbsp; Mas quero falar das mulheres de Pedro II, a “ metade” que teria passado a vida procurando e, parece ter encontrado, na pessoa da preceptora de suas filhas, a Condessa de Barral. Ainda passaram pela biblioteca de Dom Pedro, transformada em alcova eventual, a Condessa de Villeneuve e Eponine Otaviano, esposa de um seu amigo de infância, a Condessa de La Tour e outras menos votadas. O Imperador era pouco generoso com suas amantes e, não foram poucos os maridos da Corte que, orgulhosos, chegaram à falência para permitir que suas consortes continuassem a frequentar a “biblioteca” do Palácio São Cristóvão. A busca de Dom Pedro II por sua alma gêmea começou com Maria Lopes de Paiva, filha do barão de Maranguape, sua primeira paixão. Um filho bastardo de Pedro I, portanto, seu meio irmão, era casado com Carolina Bergaro e foi à porta dessa dama que a ronda policial surpreendeu o Imperador e alguns amigos, animados pela bebida.

Identificado o Imperador, o policial debulhou-se em desculpas e acordou seu chefe pela madrugada para contar o ocorrido na certeza de que estava encerrando sua carreira. O historiador americano Roderick Berman acredita que esse relacionamento de Dom Pedro II com a cunhada durou cerca de dez anos, na maior discrição. Pedro II recebera esmerada educação para, justamente, não ser comparado ao pai, devasso e inconsequente ao ponto de conceder título de nobreza a quase todos os filhos bastardos. A todos não podia dar, pois foram contados mais de sessenta bastardinhos entre o Brasil e Portugal. Hoje, com os escândalos revelados na nossa corte republicana, haveremos de ter saudade dos esc&aci rc;ndalos do Império.


As mortes de Pinto - Marcos Pires

Vou logo avisando; se vierem com uma conversinha de que Pinto do Acordeom morreu, não acreditem.

A primeira vez que essa notícia circulou tem tempo. Naquela ocasião os vizinhos de Pinto, na sua cidade de Patos, ficaram chocados. Muito querido onde quer que vá, chega a ser idolatrado por lá. Comovidos, cuidaram de preparar os comes e bebes para o velório, como é costume no interior. Uma vizinha fez pamonhas, a outra fez mungunzá, os amigos cuidaram de estocar cachaça e gelar cervejas...enfim, tudo pronto para chorar o meu compositor de cabeceira.

Lá pelas cinco da tarde chegou o desmentido da tragédia. Pinto gozava de plena saúde e estava inclusive em excursão artística, encantando o mundo com sua arte. O que não impediu uma vizinha muito cruzeta de colocar as mãos nos quadris e reclamar com o marido: “ – Mas esse Seu Pinto faz cada presepada com a gente, né? ”.

De outra feita o queridíssimo compositor de “Neném” chegou em casa às sete da manhã, bêbado até a terceira geração. Claro que à porta estava Dona Madalena, anjo de guarda da família e de minha mãe (explico mais adiante), não muito satisfeita com a situação, se é que vocês me entendem. Quando ela ia começar a reclamar, Pinto assoou o nariz e compungidamente disse: “- Ah, Madalena, eu estava até agora no velório de compadre Edivaldo Mota. Vou dormir, me chame às dez horas para irmos ao enterro”.

Como combinado, às dez horas Dona Madalena foi acordar o marido para irem ao enterro do querido compadre: “- Acorda, Pinto, vai te arrumar para irmos ao enterro do compadre Edvaldo Mota”. Pinto sentou na cama, aboticou os olhos e abriu o peito: “- Como é? Compadre Edvaldo morreu? Como assim; nós estávamos bebendo até as sete da manhã. De que foi que ele morreu? ”.

Por essas e mais uma centena de histórias iguais e por muitas outras razões é que Pinto não pode morrer tão cedo. Tranquilamente segue vivendo e encantando o mundo, já que seu lugar no céu está garantido. É que Deus adora os homens bons. Nesse quesito eu tenho um testemunho guardado. Quando minha mãe se elegeu Vereadora aqui em João Pessoa, não tínhamos grana para nada. Graças a Pinto e Dona Madalena, Creusa Pires tomou posse encadernada em um belo e caro vestido amarelo.

Bota pra lascar na vida, amigo!


Com tropas, aviões da Força Aérea da Rússia pousam na Venezuela

Aeronaves levaram ainda 35 toneladas de equipamentos pertencentes aos militares

Aviões da Força Aérea russa desembarcaram na Venezuela. Foto: Twitter/Reprodução


Em meio a um fortalecimento dos laços entre Caracas e Moscou, dois aviões da Força Aérea russa desembarcaram neste sábado (23) no aeroporto de Maiquetía, nos arredores de Caracas.

As aeronaves estariam levando uma autoridade de defesa russa e quase cem soldados, segundo informações das agências de notícias.

Um dos aviões, com a bandeira russa, estaria sob vigilância da Guarda Nacional.

Um site de rastreamento de voos mostrou que as aeronaves partiram de um aeroporto militar russo para Caracas na sexta (22). Um deles já teria partido de Caracas neste domingo (24).

Acredita-se que estavam a bordo o general Vasily Tonkoshkurov, diretor do alto comando das Forças Armadas russas, além de uma carga de cerca de 35 toneladas de equipamentos pertencentes aos militares.

Não está claro, ainda, o motivo da chegada dos aviões no país. O desembarque ocorre três meses depois de as duas nações realizarem exercícios militares em solo venezuelano, acontecimento classificado por Washington como invasão russa na região.

Contatadas pela agência France Presse, nem as autoridades venezuelanas nem a embaixada da Rússia em Caracas se manifestaram.

Rússia e China, principais credores da dívida externa da Venezuela, foram dois dos maiores aliados do governo do ditador Nicolas Maduro em meio à crescente pressão internacional para que ele abandone o poder.

Os Estados Unidos impuseram sanções financeiras contra a Venezuela e sua estatal petrolífera PDVSA. No próximo dia 28 de abril, um embargo de Washington às exportações venezuelanas de petróleo entrará em vigor.

A administração de Donald Trump é um dos 50 governos que reconhecem o líder da oposição, Juan Guaidó, chefe do Parlamento, como presidente da Venezuela.

A colaboração militar entre Caracas e Moscou foi fortalecida desde o início do chavismo, com a compra de equipamentos e armas militares. (FolhaPress)


Desembargadora federal solta mais um preso em operação contra Michel Temer

Prisão de Carlos Jorge Zimmermann afrontava a Constituição, afirma magistrada
Cláudio Humberto
Cláudio Humberto
24/03/2019 às 19:10 | Atualizado às 20:41 Facebook Twitter Google Linkedin

Desembargadora Simone Schreiber, do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2).


O Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2) concedeu neste domingo (24) uma decisão liminar (provisória) para libertar Carlos Jorge Zimmermann, preso na operação Descontaminação, deflagrada na última quinta-feira (21) –a mesma que prendeu o ex-presidente Michel Temer (MDB). A fundamentação da desembargadora Simone Schreiber para a soltura foi a mesma utilizada para Neves. No sábado, Schreiber afirmou em seu despacho que a prisão do investigado violava frontalmente a Constituição.
A magistrada defende que a prisão não pode ser utilizada como ferramenta de constrangimento do investigado, para interferir no conteúdo de seu interrogatório policial.
A juíza federal Simone Schreiber, de plantão no tribunal, estendeu a Zimmermann os efeitos da liminar concedida a Rodrigo Neves no sábado (23).

Neves e Zimmermann haviam sido presos temporariamente, diferente dos demais, entre eles Temer, que foram presos preventivamente. A prisão temporária tem prazo de cinco dias, enquanto a preventiva não tem tempo determinado.

“Entendo que a decretação da prisão temporária com a finalidade exclusiva de compelir o réu a agir de forma contrária aos seus próprios interesses legítimos, no exercício de sua defesa, viola frontalmente a Constituição Federal”, escreveu na decisão.
Ela também completou que não analisaria o caso se fosse sobre prisão preventiva, já que na última sexta-feira o relator enviou para a turma os cinco pedidos de liberdade que chegaram ao tribunal.

A turma do TRF-2 vai analisar os pedidos de liberdade na próxima quarta-feira (27).
Recorreram ao tribunal os presos Michel Temer, o ex-ministro Moreira Franco, Vanderlei de Natale, João Baptista Lima Filho e Maria Rita Fratezi.

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Marco Aurélio negou na noite desta sexta (22) um pedido de soltura formulado pela defesa de Moreira Franco. Os advogados haviam alegado que a ordem de prisão, do juiz federal do Rio Marcelo Bretas, deveria ser suspensa, e a investigação, remetida para a Justiça Eleitoral.
Temer e o ex-ministro são suspeitos de receber propina da Engevix relacionada a contratos para a construção da usina de Angra 3, no Rio.

Foto fernando-frazao-

Diariodopoder.com.br

 

 


Brasil deve R$4,9 bilhões em contribuições para manter entidades como ONU e OEA

Governo agora tenta ficar em dia junto a organismos internacionais

Sede da ONU em Nova York, EUA. Foto: Steven Bornholtz/UN Photo


O governo Bolsonaro se esforça para colocar em dia a dívida de R$2,1 bilhões junto a organismos internacionais como ONU e OEA, até 2018, além dos R$2,8 bilhões relativos a 2019. No total, os gastos do Brasil com cooperação internacional totalizam R$4,9 bilhões. Já foi pior: com Dilma, calote total. Sob pressão de entidades como a Organização da Aviação Civil Internacional (Oaci), que ameaçava cassar o direito de voto do Brasil, o governo Temer desembolsou R$3,17 bilhões em 2016.

Com seu jeito búlgaro de ser, Dilma detestava diplomacia e desprezava diplomatas. Cortou todos os recursos que pôde, todos obrigatórios.

No governo Dilma, o Brasil ganhou fama de caloteiro: devia US$321,3 à ONU e até US$3,6 milhões a tribunais internacionais.

Dilma fez o Brasil aplicar calote até na sua parte (US$ 221 milhões) para manutenção das operações de paz da ONU das quais participava.

No último ano do governo Lula, foram pagos R$2,42 bilhões a organismos internacionais. Dilma reduziu a R$389 milhões em 2015.

 

Diariodopoder.com.br

Steven-Bornholtz-UN-Photo

 

 

 


Líder do PSDB acha ‘desnecessárias e intrigantes’ as provocações de Rodrigo Maia contra Bolsonaro

Senador Roberto Rocha teme ‘escalada de desaforos‘ prejudicando a reforma
Iana Caramori

Senador Roberto Rocha, líder do PSDB no Senado. Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado


O líder do PSDB no Senado, o senador Roberto Rocha, considera “provocações desnecessárias e intrigantes” as recentes declarações dadas pelo presidente da Câmara dos Deputados, o deputado Rodrigo Maia, em relação ao governo de Jair Bolsonaro. O senador divulgou suas críticas em sua conta no Twitter, neste domingo (24).

“Quando o presidente da Câmara dos Deputados diz que o presidente da República precisa se dedicar mais ao trabalho e menos ao Twitter, que o governo é um deserto de ideias, que o presidente não quer a reforma e quer posar de bonzinho, vejo como provocações desnecessárias e intrigantes”, declarou o senador maranhense.

Segundo Rocha, atitudes como a de Maia pode levar a crises prejudiciais à aprovação de reformas no Congresso. O senador se diz preocupado “ao ver o deputado referir-se de modo admoestador e zombateiro a Bolsonaro, e diante disso, o risco de uma escalada de desaforos, o que causaria um clima impraticável ao êxito das reformas”.

O líder tucano no Senado afirma ainda que a preocupação está relacionada ao momento em que o país vive e “a necessidade da Reforma da Previdência que assegure sua viabilidade futura”.

Por fim, o senador pede para que Bolsonaro e Rodrigo Maia restabeleçam a harmonia política que demonstram, segundo Rocha, antes da eleição para a presidência da Câmara, quando Maia foi reeleito para o cargo. De acordo com o líder do PSDB, nesse momento, “o apoio mútuo indicava êxito a projetos para o Brasil”.

Troca de farpas

O sábado (23) foi marcado pela troca de farpas entre o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e o presidente Jair Bolsonaro, que está em viagem ao Chile.

Durante a manhã, Maia afirmou que o governo Bolsonaro não poderia terceirizar a articulação da reforma da Previdência. Segundo o presidente da Câmara, Bolsonaro estaria transferindo a responsabilidade a ele e ao presidente do Senado, ao mesmo tempo que critica a velha política. “Ele precisa assumir essa articulação, porque ele precisa dizer o que é a nova política”, afirmou.

Na sexta à noite (22), o deputado chegou a declarar que o presidente Jair Bolsonaro precisava dedicar mais tempo à aprovação da Reforma do que ao Twitter, rede social muito usada pelo presidente da República.

No Chile, Bolsonaro disse que nunca havia criticado Rodrigo Maia e que não sabia porque o deputado estava agindo “dessa forma um tanto quanto agressiva”.

Maia voltou a rebater o presidente e afirmou que não usava as redes sociais para agredir ninguém. “Eu uso as redes sociais para dar informação aos meus eleitores, à sociedade brasileira”, declarou o presidente da Câmara dos Deputados.

 

Diariodopoder

Foto Jefferson-Rudy

 

 

 


Sidebar Menu