Já quatro contêiner no Bairro do Bessa

 A Prefeitura de João Pessoa na pessoa do seu prefeito Luciano Cartaxo  perdeu o rumo e o prumo, pois vem enchendo a nossa cidade e nossos valiosos espaços publicos com horrorosos contêiner que são permitidfo dizem para afilhados políticos das autgoridades municipais,

Afora outros bairros o favorecimento no Bairro do Bessa uma das a´reas mais caras da cidade é tão crisitalino, que primeiro a Prefeitura permitiu umn contêiner defronte ao Residencial Lucy, depois um outro conteiner defronte ao estabelecimento Verd-Frut e por ultimno tentou colocar o terceiro numa praça nas proximmidades do Restaurante Sal e Brasa, mas diante da reação da população que inclusive jogou tinta preta no conteiner, tiveram que recuar e quando a população do bairro imaginava uma vitória ja no dia seguite este mesmo conteiner estava instalado na Praça Coronel Ben Hur, defronte ao Supermecado Super Box, cuja praça bem destruída, iria entrar em obras, razão pela qual a permissão  causou mais estranheza ainda.

Porém a festa com o espaço público não parou por ai pois várias barracas estão sendo toleradas na referida praça, incljsuibe a instalação de mais um contêiner para q atividade do jogo do bicho. Com a palavra os nossos vereadores e o Ministério Público.

,

 


Lula e o seu boneco de ventríloquo - Francis Lopes de Mendonça,

Talvez seja melhor chamar o irmão de Ciro Gomes para lidar com esse babaca na base do chicote. Pois é babaca autêntico quem age tentando desrespeitar a legitimidade do novo presidente. Quer queiram quer não queiram, Bolsonaro foi eleito pela maioria esmagadora dos votos válidos, de forma democrática. Ou os babacas que perderam a eleição pensam que Lula colocaria um boneco de ventríloquo para fazer um governo melhor?

Tudo indica que o presidente eleito fará um governo melhor do que a falsa esquerda ladra vinha fazendo. Claro que a vida do brasileiro não vai mudar muito, pode até ser que melhore um pouco. Mas pelo menos o Governo Bolsonaro não será um retorno aos anos de chumbo, ao horror ditatorial, à perseguição e à falta de liberdade de expressão.

Não acredito em hipótese alguma que esse cenário se estabeleça a partir de 1° de janeiro. Qualquer que seja a ameaça populista autoritária da direita reacionária que Bolsonaro venha a representar, ela não será isso.

Inclusive não tenho visto nenhum analista sério apostando em uma reedição dos anos de chumbo. O que eu tenho visto, lamentavelmente, é a militância da esquerda emburrecida e fossilizada sendo novamente utilizada como massa de manobra para a defesa e justificativa de narrativas doentias e mentirosas formuladas por gurus de Lula da qualidade de Leonardo Boff, o mesmo que adaptou ao Brasil o princípio de que os fins justificam os meios, inclusive o roubo em escala industrial, a fim de propagar versão de fatos recentes da política brasileira conforme a qual os homens responsáveis por desviar milhões e mais milhões de recursos públicos para os cofres do partido e, frise-se, para suas contas pessoais, são “guerreiros do povo brasileiro”, “heróis nacionais” de uma resistência forjada e lutadores por uma libertação que só poderia ser a de seus ativos pilhados ao país, cuja maioria do povo agora deu o troco nas urnas contra a aventura egocêntrica e desastrosa promovida por Lula para colocar o seu testa de ferro Haddad no poder.

A maioria não cedeu à essa chantagem do líder do partido da estrela vermelha solitária. Eu mesmo nunca acreditei nem um pingo no comprometimento de Haddad com a democracia. Sou antifascista, mas não preciso de bonecos de ventríloquo, muambeiros e ladrões para me ajudarem a fazer oposição à natureza fascista de Bolsonaro.


O Padre que pediu socorro ao imperador para a obra do Padre Ibiapina 0 Ramalho Leite

 

Ao pesquisar a origem dos Ramalho no brejo deparei-me com a figura do padre José Euphrosino Maria Ramalho, nascido no vale do Piancó, mas vigário colado de Bananeiras até o início do século XX. Sob a jurisdição da Freguesia de Bananeiras estava a Casa de Caridade de Santa Fé, localizada à chegada de Arara, hoje território de Solânea. A dedicação do pároco ao empreendimento do padre-mestre Ibiapina, levou-o a deixar aos próximos seu desejo de ser sepultado ao lado do mestre e, assim foi feito no dia primeiro de agosto de 1905. Às vésperas da República, o vigário revelou ao Imperador Pedro II sua preocupação com as dificuldades financeiras do empreendimento social e rogou de sua majestade ajuda financeira para a manutenção do lar das órf&ati lde;s. Sua carta ao Imperador merece ser transcrita:

A S. M. Imperador, Senhor: O padre José Euphrosino Maria Ramalho, párocho collado da egreja de Nossa Senhora do Livramento de Bananeiras, director e encarregado da casa de caridade ou recolhimento de Santa Fé, fundada pelo benemérito missionário apostólico Rvm padre Dr.José Antonio de Maria Ibiapina, em a sua referida parochia, bem como da de Cabaceiras, pelo mesmo Rvm missionário fundada na Villa e freguezia deste nome,ambas na província da Parahyba do Norte,profundamente compenetrado da situação afflictiva, em que actualmente permanecem as órphãs na sobreditas casas recolhidas, e cujo numero attinge a cento e sessenta na primeira mencionada e a sessenta na segunda as quaes inevitavelmente succumbirão pelo rigores da fome, se uma mão bemfazeja não lh es vierem em auxilio;por isso que por sua natural condicção e educação não podem absolutamente concorrer aos logares em que são dispensados soccorros públicos, vem com o mais respeitoso acatamento, em nome da pátria, que V.M I. tanto estremece como em nome da caridade, que tão felizmente enobrece o magnânimo coração de V.M.I. pedir que se digne em sua alta munificência imperial arbitrar mensalmente uma pensão pecuniária para as referidas casas ou recolhimentos, até que melhorem os tempos, afim de serem soccorridas tão desprotegidas creaturas, as quaes, falhando as contribuições que lhes dispensam os fies, em virtude da desastrada crise que a todos affecta,arrostam o mais imminente perigo, não só proveniente de fome e nudez, como por falta d´água potável que para o recolhimento de Santa Fé em Bananeiras, &e acute; procurada na distancia de três léguas, sem que tenha recurso para acquisição e condução desse elemento tão indispensável.

Senhor, o humilde e obscuro párocho de Bananeiras recorrendo à magnanimidade de V.M.I. em favor de suas infelizes jurisdiccionadas, victimas do mais desastrado e atterrador flagello, nutre a mais doce e a mais lisongeira esperança de ser attendido;pelo muito que respeitosamente ousa declinar nesta humilde supplica os nomes das respectivas superioras encarregadas pelo benemérito dr.Ibiapina na direção interna e da economia dos ditos estabelecimentos pios, as quaes V.M.I. dignar-se-há mandar, com a presteza que o caso exige, endereçar o que houver por bem arbitrar:D.Felismina da Rocha Ibiapina, superiora do recolhimnento de Santa Fé em Bananeiras ; D. Veneranda de S.José Ibiapina, superiora do recolhimnento de Cabaceiras.

Assim, P.E. deferimento, Vigário José Euphosino de Maria Ramalho.

Padre Euphosino foi deputado provincial em 1884-1886 mas seu nome foi grafado como padre José Euphosino Maria de Carvalho, no livro de Celso Mariz sobre o legislativo paraibano. Um equívoco que Deusdedith Leitão não corrigiu ao continuar a história até os anos 1980. A petição ao Imperador está publicada na edição de domingo, dia 1º. de setembro de 1889, do jornal católico O Apóstolo, editado no Rio de Janeiro.

Não posso dizer se o padre de Bananeiras foi atendido. Creio que não. Para viajar à Parahyba do Norte consta que D. Pedro II teria tomado um empréstimo ao cofre da Imperatriz, mas assim mesmo, fez doação de algum à Santa Casa da Misericórdia. Destinou também um dinheiro para a remoção do Matadouro Público que achou em lugar impróprio. Não preciso dizer que todo esse dinheiro foi desviado para despesas mais urgentes. Esse vício vem de longe...

P.S. A citada Dona Felismina da Rocha Ibiapina, chamava-se, na verdade, Felismina Maria dos Santos Peregrino, conhecida como Formiguinha, e vem a ser filha do Barão de Araruna. Por isso, acredito que o Barão também foi sepultado no cemitério de Santa Fé que à época da sua morte, ainda era dirigido por sua filha.


Humor português - Marcos Pires

Queridíssimos leitores, vai aqui o registro fiel, com o testemunho de Juarez Augusto e sua esposa Mônica (estavam conosco na Maratona de Lisboa) e que também conheceram Seu Alberto. Foi ele quem contou o que classificou como as mais engraçadas anedotas portuguesas. Selecionei as melhores entre as “melhores”.

O português estava a caminhar pelo deserto, morto de sede e no segundo dia de sofrimento avistou alguém lá longe. Alcançou o gajo e pediu agua, ao que o outro respondeu: “- Lamento, o pá, mas eu só vendo gravatas”. Desesperado, o patrício continuou a se arrastar pelas areias escaldantes do deserto até que no terceiro dia vislumbrou uma construção. Era um bar. Já de rastros clamou: “- Por quem sois, agua por favor”. O porteiro do bar replicou cerimoniosamente: “- Lamento, mas aqui só se entra de gravata”.

Dois agricultores, um canadiano e um alentejano, conversam sobre o tamanho de suas propriedades. Diz o alentejano: “- A minha propriedade tem vinte hectares, o que é razoável”. O canadiano replica: “- Olhe, eu saio de casa de manhã, ligo meu jipe e ao meio dia ainda não percorri metade de minha propriedade”. Ao que concluiu o alentejano: “- Pois é, eu também já tive um jipe assim”.

Com certeza meus atilados leitores já notaram que os alentejanos, aqueles portugueses nascidos na região do Alentejo, estão para os portugueses assim como os portugueses estão para nós.

E mais essa. O lisboeta Joaquim perguntou a Vasco, um alentejano, se ele entendia de internet. Vasco iniciou a explicação. “- Comecemos do princípio. Já vistes cabras a comer a erva e depois cagarem bolinhas iguais a azeitonas?” . Joaquim disse que sim. Vasco continuou: “- E já vistes os touros comerem a mesma erva e depois cagarem enormes pedaços?” . Novamente Joaquim concordou. Vasco então perguntou a Joaquim; “- Antão diga-me lá; se há dois bichos diferentes a comer a mesma erva, porque é que cagam tão diferente?” . Joaquim, muito espantado, confessou: “- Olha lá, por acaso não faço a mais pequena ideia”. O Vasco abriu um enorme sorriso: “- Ora pois, se não entendes nada de merda, como queres entender de internet?”.

Até os portugueses tem seu dia de alentejanos.


Empresário mata esposa e filha a facadas e tira a própria vida


Foto: : Reprodução/Facebook
Um empresário de 39 anos matou a esposa, uma médica de 33 anos, a filha do casal de quatro anos e depois se matou na madrugada deste sábado (17), em Araguari.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, por volta das 3h45, Thiago José de Aquino Marques dirigia o carro com a família quando, na Avenida Marechal Rondon, no Centro, bateu o veículo no muro de duas residências. Em seguida ele esfaqueou a esposa, Mariana Barbosa Paranhos, e depois ele mesmo. A a filha do casal, Valentina Paranhos de Aquino, foi encontrada esfaqueada no banco do carro.

O homem e a criança morreram ao dar entrada na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Araguari e a mulher no local do crime. A família morava em Uberlândia e de acordo com a Santa Casa de Araguari, Mariana era plantonista da ginecologia e obstetrícia da unidade deste de janeiro deste ano e estava de plantão nesta madrugada. Não se sabe ainda a motivação do crime.

Entenda
Segundo a Polícia Militar (PM), testemunhas contaram que o empresário do ramo de alimentos tentou atropelar Mariana, mas ela fugiu e conseguiu pular o muro de uma residência. Ele conseguiu alcançá-la e desferiu 12 facadas pelo corpo da médica.

Ainda de acordo com o Boletim de Ocorrência (BO), após assassinar a esposa, o homem estava transtornado e, gritando, golpeou a si mesmo com quatro facadas. A menina foi achada na cadeirinha no banco de passageiro do veículo com um golpe de faca no tórax. A suspeita dos militares é que a menina foi a primeira a ser morta.

G1


Provas do concurso são aplicadas domingo

 As provas objetivas do segundo concurso público da Procuradoria Geral do Município (PGM) da Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP) serão aplicadas neste domingo (18). No total, 3.582 candidatos se inscreveram no certame, sendo 74 candidatos com deficiência. A remuneração ofertada inicialmente é de R$ 12 mil.

O concurso está sendo realizado pelo Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e Promoção de Eventos (Cebraspe). Os locais de prova podem ser consultados no site da organizadora do certame.

A prova objetiva para os cargos de Procurador do Município de João Pessoa, Classe A, padrão I será aplicada no turno da tarde, a partir das 13h, horário local, e terá duração de 5h. A organização do concurso orienta os candidatos a chegarem com, no mínimo, uma hora de antecedência.

Os candidatos responderão a 100 questões do tipo múltipla escolha, com cinco opções, sendo uma única resposta correta.

O concurso – O concurso está sendo realizado pelo Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e Promoção de Eventos (Cebraspe). Os candidatos serão submetidos a três etapas de avaliação, que incluem prova objetiva, subjetiva e avaliação de títulos. Todas as fases serão realizadas na cidade de João Pessoa (PB).

O edital do certame, que é o preenchimento de quatro vagas e formação de cadastro de reserva, pode ser conferido na edição especial do Semanário Oficial do Município, disponível na internet.

Os requisitos do cargo de Procurador são o diploma de conclusão de curso de nível superior em Direito, reconhecido pelo Ministério da Educação (MEC) e a inscrição na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). A remuneração ofertada inicialmente é de R$ 12 mil com ajustes previstos para 2019 e 2020. Haverá, ainda, o acréscimo de honorários advocatícios de sucumbência, previstos em lei.

MaisPB


Advogado Jovelino Delgado rechaça delação de Leto Viana e diz que ex-prefeito de Cabedelo está ‘provando sua inocência’

 Publicado por: Ivyna Souto 

Polemica Paraiba
 Advogado Jovelino Delgado rechaça delação de Leto Viana e diz que ex-prefeito de Cabedelo está ‘provando sua inocência‘Na manhã de hoje (17/11/2018), nós que patrocinamos a defesa do Ex – Prefeito Leto Viana, tomamos conhecimento através da imprensa Paraibana, mais precisamente pelo portal POLÊMICA PARAÍBA, a respeito da maquiavélica fake news assim intitulada e difundida por aquele meio de comunicação: “TSUNAMI DE LAMA VAI ATINGIR MUITA GENTE: Leto Viana faz delação premiada e vai expor vereadores, deputados e empresários”.

Partindo-se da importância da preservação do jornalismo responsável e de credibilidade, em meio à revolução tecnológica e de comunicação proporcionada pela internet e suas redes sociais, faz-se necessário trazer ao conhecimento da população paraibana a verdade dos fatos, transpondo as barreiras do falso jornalismo e os interesses escusos que falseiam tais informações.

A bem da verdade, sabendo que o produto do jornalismo não é a informação, mas sim, a credibilidade, Leto Viana rechaça a notícia veiculada no portal Polêmica Paraíba, onde maldosamente fora afirmado que o ex – gestor teria acertado delação premiada sobre a Operação Xeque-Mate.

Desta feita, acreditando no judiciário e no senso de justiça, afirmamos a inexistência de qualquer delação premiada realizada por nosso constituinte, Leto Viana, o qual vem diuturnamente provando sua inocência frente às acusações que lhe foram indevidamente atribuídas.

João Pessoa, 17 de novembro de 2018

JOVELINO CAROLINO DELGADO NETO
OAB/PB 17.281

 

Nota do Portal

O Polêmica Paraíba reafirma a confiança na fonte e reitera que o ex-prefeito está fazendo colaboração premiada conjuntamente com sua esposa, a vereadora Jacqueline Monteiro.


Com direito a discurso, prefeito de Mogeiro participa de batizado de cachorro

 
Cachorro chama-se ‘Igor’, um nome incomum para animais de estimação. A festa foi animada por um grupo de teclado e voz
Por: Blog do Gordinho

 

O prefeito do município de Mogeiro, José Alberto Ferreira (PR), gosta de participar do cotidiano de seu eleitorado. Ao que parece, os gracejos se alongam aos animais de estimação dos mogeirenses. O gestor público participou do batizado de um cachorro. A participação, com direito a discurso, foi filmada e viralizou na internet.

O cachorro chama-se ‘Igor’, um nome incomum para animais de estimação. A festa foi animada por um grupo de teclado e voz.

“Em nome da minha trajetória política quero agradecer a presença de todos. Esse é um momento histórico no município e pra mim também, que é o batizado de um cachorro, e que espero acontecer outras vezes”, disse o prefeito durante discurso.

 

blogdogordinho.com.br

 

 


Maldição da Casa Civil assedia Onyx Lorenzoni


Josias de Souza
Pedro Ladeira/Folha

Deslocado por Jair Bolsonaro da periferia da Câmara para o epicentro do poder, Onyx Lorenzoni, o ministro extraordinário da transição de governo, experimenta a sensação de enfiar um dedo na fava de mel, lamber o dedo e vislumbrar as dádivas do mundo. Porém, Onyx talvez tenha de começar a fugir das abelhas antes mesmo de chegar ao Planalto. A maldição da Casa Civil chegou mais cedo para ele.

Mede-se o tamanho da encrenca pela quantidade de veneno estocado. A banda militar do futuro governo acha que Onyx puxa o tapete do general Oswaldo Ferreira, hoje um ex-quase-futuro-superministro da Infraestrutura. A ala política avalia que Onyx coloca azeitonas demais na empada do seu partido, o DEM. Escanteado, o PSL lança fachos de luz na direção dos pés de barro de Onyx.

Colecionador de desafetos, Onyx é assediado por uma síndrome que costuma perseguir os ocupantes do principal gabinete do quarto andar do Palácio do Planalto: a praga dos superpoderes. Para complicar, os superpoderes do futuro chefe da Casa Civil começam a esbarrar em superpoderes maiores do que os seus —como os do clã Bolsonaro e o de Paulo Guedes, o Posto Ipiranga.

Na era petista, a Casa Civil foi ocupada por seis personagens. Um está prestes a voltar para a cadeia (Dirceu), outro está atrás das grades (Palocci), uma terceira foi fisgada na Operação Zelotes (Erenice), dois encrencaram-se nas franjas da Lava Jato (Mercadante e Gleisi) e uma outra sofreu impeachment depois de ser vendida ao eleitorado como supergerente impecável (Dilma). Sob Temer, a Casa Civil abriga matéria-prima para a Polícia Federal (Padilha).

O que distingue Onyx de superministros que o antecederam é o fato de que, no seu caso, a urucubaca chegou antes da posse. Quando encostou seu mandato no projeto político de Bolsonaro, Onyx considerava-se capaz de fazer o bem para o capitão. Hoje, ele precisa verificar se consegue parar de fazer mal a si mesmo.


Candidato derrotado do PT gastou 15 vezes mais que Bolsonaro: R$37,5 milhões

Campanha vitoriosa arrecadou R$4,4 milhões e gastou R$2,5 milhões
Cláudio Humberto

A campanha milionária do PT não conseguiu superar Bolsonaro, mesmo admitindo haver gasto 15 vezes mais.

Derrotado na eleição presidencial deste ano, Fernando Haddad (PT) declarou neste sábado (17) ter gastado em sua campanha um valor 15 vezes maior que aquele declarado ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL).
O petista entregou sua declaração na tarde deste sábado, data limite para que os candidatos que disputaram o segundo turno apresentassem suas contas.
Pelas informações prestadas, Haddad arrecadou aproximados R$ 35,4 milhões (sendo R$ 33,7 em recursos financeiros) e gastou R$ 37,5 milhões, restando uma dívida de campanha de cerca de R$ 3,8 milhões.
Impedido de disputar a eleição com base na lei da Ficha Limpa, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que ocupava a cabeça de chapa antes de Haddad, ainda antes do primeiro turno, havia declarado arrecadação de R$ 20,6 milhões e gastos de R$ 19,8 milhões.
Já Bolsonaro declarou ter arrecadado R$ 4,4 milhões e gastado R$ 2,5 milhões. Ele já havia entregue suas contas. Vítima de uma facada em 6 de setembro, Bolsonaro passou a maior parte da campanha no hospital ou em casa, recuperando-se.
A área técnica do Tribunal Superior Eleitoral concluiu na segunda-feira (12) análise preliminar da prestação de contas da campanha de Bolsonaro e apontou 17 indícios de irregularidade na documentação entregue pela equipe do presidente eleito.
Reportagens da Folha de S.Paulo mostraram a campanha de Bolsonaro omitiu dados da prestação de contas do primeiro turno.
Algumas das informações também não foram apresentadas na prestação final das contas da campanha, entre elas o trabalho de um dos principais advogados da campanha, Tiago Ayres.


Exoneração de juiz da Lava Jato anula intimação para depoimento ao corregedor

 Saída retira do xerife do CNJ a autoridade para punir Moro
Frederico Vasconcelos

Ex-juiz federal Sérgio Moro, ministro da Justiça do governo Bolsonaro. (Foto: EBC)

A exoneração do juiz Sergio Moro esvazia ato do corregedor nacional de Justiça, ministro Humberto Martins, que pretendia tomar seu depoimento no próximo dia 6, em Brasília.
O assunto seria o tumulto processual causado pela liminar do juiz federal Rogério Favreto, que concedeu liminar, durante plantão em julho, autorizando a liberação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
A audiência de Moro deverá ser cancelada porque a exoneração retira do xerife do CNJ a autoridade para aplicar qualquer punição disciplinar ao juiz da Lava Jato.
Martins agendara audiências separadas para a oitiva, no mesmo dia, de Moro, Favreto e dos magistrados João Pedro Gebran Neto e Thompson Flores, também do TRF-4.
A exoneração de Moro afasta a possibilidade de uso político do CNJ para dificultar sua nomeação como ministro da Justiça e da Segurança Pública no governo Bolsonaro (PSL).
Os poderes prometidos a Moro têm preocupado velhos caciques no Legislativo e no Executivo, sentimento que também aflige alguns membros de tribunais superiores.
A rapidez com que foi antecipada a exoneração sugere que foi abortada uma tentativa maior de desgastar o juiz de Curitiba. No mesmo dia, nesta sexta-feira (16), foram assinados o pedido do juiz e o ato da exoneração por Thompson Flores, presidente do TRF-4.
Moro só pretendia requerer a dispensa no início de janeiro, “logo antes da posse no novo cargo”, como afirma no ofício.
Não parece convincente a alegação de que sua permanência na magistratura seria relevante “por permitir que seus dependentes continuassem a usufruir de cobertura previdenciária integral no caso de algum infortúnio, especialmente em contexto no qual há ameaças”.
Soa mais crível a afirmação de que, estando formalmente fora da toga, elimina “controvérsias artificiais, já que o foco é organizar a transição e as futuras ações do Ministério da Justiça”.
A retirada de Moro da alçada do corregedor nacional concentra o foco da investigação administrativa no juiz Rogério Favreto, principal personagem do episódio no Judiciário.
É sintomático o fato de que os deputados Paulo Pimenta (PT-RS), Wadih Damous (PT-RJ) e Paulo Teixeira (PT-SP) tenham protocolado pedido ao CNJ para anular a exoneração de Moro.
Foram esses parlamentares que requereram a liminar de Favreto, na véspera do plantão.
Pimenta, Damous e Teixeira alegam que Moro não poderia ter sido exonerado porque há processos administrativos disciplinares contra ele no CNJ. Citam resolução do órgão segundo a qual um juiz processado por razões disciplinares não poderia ser afastado do cargo.
O argumento não se sustenta porque Moro não responde a nenhum processo disciplinar. O juiz é alvo de procedimento preliminar de averiguação. Para abertura de um Processo Administrativo Disciplinar, o corregedor nacional precisaria obter a aprovação do colegiado.
Com a retirada de Moro da agenda de oitivas os holofotes voltam-se para Favreto.
Os desdobramentos do caso no CNJ confirmarão se os autos que tramitavam em Porto Alegre terão desfecho mais rápido em Brasília. Ou se permanecerão na gaveta de processos que não são chamados a julgamento pelo órgão de controle externo do Judiciário.
Consultado, via assessoria, o corregedor Humberto Martins não comentou os fatos novos.

Dizariodopoder.com.br

 


EUA elogiam postura de Jair Bolsonaro na questão do Mais Médicos

Para o governo americano, foi correta atitude contra ditadura cubana

O Conselho de Segurança dos Estados Unidos elogiou o presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro, por sua posição em relação aos profissionais cubanos no programa Mais Médicos.

“Elogiamos o presidente eleito do Brasil, @JairBolsonaro, por tomar posição contra o regime cubano por violar os direitos humanos de seu povo, incluindo médicos enviados para o exterior em condições desumanas”, disse o conselho, em sua conta oficial no Twitter, na noite desta sexta-feira (16). A postagem tem uma versão em português e outra em inglês.

O conselho é um órgão ligado diretamente ao presidente americano com a responsabilidade de assessorar em questões de política externa e segurança nacional.

Também pelo Twitter, na quinta-feira, a secretária assistente do Departamento de Estado (o órgão de diplomacia dos Estados Unidos), Kimberly Breier, também elogiou Bolsonaro. “Que bom ver o presidente eleito Bolsonaro insistir em que os médicos cubanos no Brasil recebam seu justo salário em vez de deixar que Cuba leve a maior parte para os cofres do regime”, escreveu Kimberly no Twitter.

No último dia 14, o governo de Cuba informou que deixará de fazer parte do programa Mais Médicos. A justificativa do Ministério da Saúde cubano é que as exigências feitas pelo governo eleito são “inaceitáveis” e “violam” acordos anteriores. O presidente eleito Jair Bolsonaro disse, em sua conta do Twitter, que a permanência dos cubanos está condicionada à realização do Revalida pelos profissionais, Revalida é o exame aplicado aos médicos que se formam no exterior e querem atuar no Brasil.

Outras notícias
Deputado Luciano Bivar é reconduzido à presidência do PSL, de Bolsonaro
Mais de 900 médicos fazem prova do Revalida neste sábado
Jair Bolsonaro terá uma série de reuniões na próxima semana em Brasília
“Condicionamos à continuidade do programa Mais Médicos à aplicação de teste de capacidade, salário integral aos profissionais cubanos, hoje maior parte destinados à ditadura, e à liberdade para trazerem suas famílias. Infelizmente, Cuba não aceitou”, disse o presidente eleito, na rede social, no dia 14. “Além de explorar seus cidadãos, ao não pagar integralmente os salários dos profissionais, a ditadura cubana demonstra grande irresponsabilidade ao desconsiderar os impactos negativos na vida e na saúde dos brasileiros e na integridade dos cubanos”, publicou.

O programa foi criado em 2013, na gestão da presidente Dilma Rousseff, para levar médicos a regiões distantes e periferias do país. A vinda dos médicos cubanos foi acertada em convênio firmado entre os governos do Brasil e de Cuba, por meio da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), e que dispensava a validação do diploma dos profissionais.

“Graças a Deus”
O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) publicou hoje (17) em sua página no Twitter que no Brasil “graças a Deus temos internet para ter informação e desenvolvimento”. A mensagem foi uma resposta ao governo de Cuba, que decidiu, na última quarta-feira (14), retirar seus profissionais do Programa Mais Médicos, do governo federal. Em Cuba, o acesso à internet é limitado.

O governo cubano alegou que as declarações feitas por Bolsonaro sobre a continuidade do programa foram “ameaçadoras e depreciativas”. O presidente eleito exigiu que os profissionais cubanos fizessem o Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos (Revalida) para continuar no programa. O Revalida é um exame realizado anualmente para validar diplomas expedidos por universidades estrangeiras para médicos que precisam exercer a profissão no Brasil.

A segunda etapa do Revalida 2017 será realizada hoje (17) e amanhã (18), em Brasília, Curitiba, São Luís, Manaus e Belo Horizonte.(ABr)


Sidebar Menu